Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

“The New Yorker”: Nenhum país tem contribuído tanto como Cuba para a luta contra o Ébola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



“Nalgum sentido, todos os países estão seguindo o exemplo de Cuba”, afirmou o jornalista Jon Lee Anderson, num artigo publicado terça-feira (4) pela prestigiosa revista norte-americana The New Yorker e intitulado “A diplomacia cubana do Ébola”, onde aborda a colaboração da Ilha na luta contra a epidemia.
“Nenhum outro país, até a data, tem contribuído com tantos profissionais da saúde capacitados para a crise do Ébola como Cuba”, afirmou.
“Cuba sempre tem sido reconhecida por suas equipes itinerantes de médicos e enfermeiras. Uma nação insular, de 11 milhões de habitantes, com 83 mil médicos — uma das maiores proporções de médicos por habitantes — tem-se tornado na nação do mundo com o primeiro nível de resposta ante as crises internacionais nos últimos anos”, diz New Yorker, e lembra a presença de centenas de médicos cubanos no Paquistão depois dum terremoto, no ano 2005, e no Haiti, após o catastrófico terremoto de 2010.
Este é o resultado de uma estratégia a longo prazo que o governo cubano tem mantido desde que galgou o poder em 1959, acrescentou. 

# granma.cu
 

LUTA PELO PODER NA ZÂMBIA: PR interino reconduz SG do partido no poder.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O PRESIDENTE interino da Zâmbia, Guy Scott, reconduziu o Ministro da Defesa e da Justiça, Edgar Lungu, ao cargo de secretário-geral do partido no poder, a Frente Patriótica (FP), do qual havia demitido na segunda-feira, como forma de amainar a tensão política que causou tumultos em Lusaka, entre segunda e terça-feira.
A demissão do SG da Frente Patriótica foi o rastilho que incendiou a ira de alguns zambianos em Lusaka, visto que ele perfila como o principal candidato à sucessão do falecido presidente Michael Sata, que morreu semana passada em Londres, vítima de doença prolongada.
A morte de Sata mergulhou a estável Zâmbia numa incerteza no meio de uma crescente luta pelo poder, segundo escreveu o jornal norte-america Wall Street Journal.
Embora a calma tenha regressado ao país a partir da terça-feira, a tensão continua e a Polícia destacou milhares de agentes fortemente armados para as ruas.
A decisão de reconduzir Edgar Lungu ao cargo de secretário-geral da Frente Patriótica foi tomada durante um encontro de emergência dos líderes partidários, segundo o afirmou a partido, numa nota à Imprensa. “A posição de secretário-geral do FP vai continuar com o (Sr.) Lungu”, indica a nota partidária. “É completamente inaceitável que a nossa dor e luto sejam afectados pela violência e desordem”, conclui.
Estes desenvolvimentos revelam fissuras na Frente Patriótica, que assumiu a liderança da Zâmbia depois de anos na oposição. Edgar Lungu, que tem liderado o partido desde Agosto e é visto como o principal candidato para substituir o finado presidente nas próximas eleições, daqui a 90 dias, descreveu a sua demissão como “ilegal e provocativa”. “A nossa restrição é de maior respeito pelo finado, Sua Excelência, o Presidente Michael Sata, e não um sinal de fraqueza”, disse Lungu, pedindo aos seus apoiantes que se mantivessem calmos.


#jornalnoticias.co.mz

BURKINA FASO: MEDIAÇÃO CEDEAO - SOBRE A "FRÔLÉ" DO INCIDENTE DIPLOMÁTICO.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Médiation CEDEAO : On a frôlé l’incident diplomatique

Os Emissários da CEDEAO, nomeadamente os presidentes do Senegal, Macky Sall, da Nigéria, Goodluck Jonathan, e do Gana John Dramani desembarcaram ontem em Ouagadougou sob a cimeira de alto nível de iniciativa da CEDEAO para encontrar uma personalidade jurídica consensual para liderar a transição. Depois de reuniões com todos os atores políticos. A reunião quase que viraria num incidente diplomático quando a oposição e a sociedade civil saíram em protesto contra a presença da ex-maioria. Depois de muitas negociações, a pérola para liderar a transição foi finalmente encontrada.

Quarta-feira, 5 novembro de 2014. 09:00h no Aeroporto Internacional de Ouagadougou. Prevalece uma atmosfera digna das grandes cimeiras com o balé aéreo e dispositivo de segurança que é impressionante.

9:30h, o avião do Presidente senegalês, Macky Sall, foi o primeiro a pousar na pista do Aeroporto Internacional de Ouagadougou. Foi recebido pelo novo homem forte do Burkina Faso, o tenente-coronel Isaac Yacouba Zida; o Presidente da Comissão da CEDEAO, Kadré Désiré Ouédraogo, e Eden Kodjo, ex-chefe do Governo de Togo. Figura entre as personalidades presentes, o líder da oposição política, Zéphirin Diabré, os secretários-gerais de ministérios, embaixadores e chefes de missões diplomáticas e toda a hierarquia militar.

9:55h, A Força Aérea da Nigéria, por sua vez trouxe o Presidente da República Federal da Nigéria, Goodluck Jonathan. Premonição de que este seria dia muito longo e cansativo para uma das poucas vezes que tinha usado o seu famoso chapéu-coco para passar como incógnito.

John Dramani do Gana e Presidente da CEDEAO, eles vão ter um encontro de horas mais tarde. Depois de uma breve audiência na sala presidencial com o coronel Zida, a delegação de chefes de Estado e de um batalhão de jornalistas vão agitar o Hotel Laico, onde o trabalho terá lugar.

11:00h, a primeira reunião de duas horas foi realizada em uma sala no Palácio com os três presidentes e o Tenente-Coronel Zida. Segundo relatos, ele veio para discutir o calendário e o formato das negociações.

13:00h, entramos no cerne da questão: Zéphirin Diabré, juntamente com outros líderes da oposição, nomeadamente Sra Bénéwendé Sankara, Roch Marc Christian Kaboré e Ablassé Ouédraogo, abrem a sessão. Eles são os primeiros a serem recebidos pelo trio de Chefes de Estado e de Ibn Chambas, Secretário-Geral da ONU para a África e Kadré Désiré, Presidente da Comissão da CEDEAO.

13:45 Zéphirin Diabré e seus camaradas abandonam a sala de Waongo, eles não apresentaram o mínimo da riqueza dos grandes dias. O exército de jornalistas se acotovelava para conseguir uma palavra com Zeph. O líder da oposição, ele é generoso, pronuncia duas vezes: "Isso é quente." E nesse meio tempo, ele desaparece com seus companheiros para uma consulta.

Segundo algumas declarações a oposição não teria proposto figuras de consenso.


Saída da ex-maioria.

# l´observateur.bf

Os líderes da CEDEAO voaram para Burkina Faso para pressionar por um governo civil.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Líder nomeado pelo exército do Burkina Faso, o tenente-coronel Isaac Zida (centro) com o "rei" da comunidade Mossi de Burkina Fasso, o Mogho Naba (à esquerda), e o arcebispo católico de Ouagadougou, Philippe Ouedraogo (à direita), depois de uma reunião em 4 de novembro de 2014. FOTO / ARQUIVO

Três líderes da África Ocidental chegaram em Burkina Faso, na quarta-feira, para pressionar o exército do país em manter sua promessa de uma transferência rápida do poder a um governo civil após a queda do Presidente Blaise Compaoré.

Os presidentes da Nigéria, Gana e Senegal voaram para Ouagadougou para pressionar para resolução do problema, depois que o Canadá suspendeu a ajuda ao país pobre da África Ocidental e outras nações consideradas de movimentos semelhantes.

O tenente-coronel Isaac Zida, o líder interino nomeado pelos militares do Burkina Faso, disse a sindicatos na terça-feira que ele iria devolver o país ao regime civil dentro de duas semanas, um dia depois da União Africana ameaçar com sanções se o exército não conseguir abandonar o poder dentro desse prazo.

Os militares têm preenchido o vazio de poder deixado por Compaoré, que foi forçado a demitir-se na sexta-feira, após 27 anos no poder depois de ser perseguido por uma revolta popular violenta que alguns tinham assimilado como a Primavera Árabe.

Houve pouca cerimônia com os líderes - da Nigéria, Goodluck Jonathan, com o presidente de Gana John Mahama Dramani e Macky Sall do Senegal - que chegaram ao país. Zida encontrou-se com eles no aeroporto, mas hinos nacionais não foram tocados, disse um jornalista da AFP.

Os líderes foram para manter conversações em um hotel perto do palácio presidencial e esperavam voltar a voar para casa à noite.

No rescaldo da saída de Compaoré, a decisão do exército para assumir as rédeas do país mais uma vez provocou protestos furiosos na capital e provocou as ameaças de sanções do exterior.
Mas o exército afirmou que "o poder não nos interessa", e comprometeu-se a instalar um governo de unidade com um "amplo consenso".

Zida repetiu a promessa de reuniões com líderes da oposição e da sociedade civil, bem como com enviados estrangeiros.

"Se todos concordam, não há nenhuma razão para que a transição (do regime militar) não deve ser feita no prazo de duas semanas", disse Zida na terça-feira, de acordo com o líder sindical José Tiendrebeogo.

Mogho Naba, o "rei" da tribo Mossi do Burkina Faso, disse à AFP que ele havia conhecido Zida na terça-feira.

"Eles vieram para nos dizer que eles iriam devolver o poder aos civis", disse ele. "O país deve recuperar a paz e tranquilidade."

Entrega "dentro de duas semanas "

O exército fez promessas semelhantes ao longo dos últimos dois dias, sem tomar medidas concretas.

Nos termos da Constituição, a qual foi suspensa, o presidente do Parlamento deveria assumir como líder de transição.

Mas o paradeiro do falante atual, o Soungalo Ouattara, um próximo aliado de Compaoré, é desconhecido.

O presidente francês, François Hollande, disse nesta terça-feira que Paris ajudara a evacuar Compaoré para evitar um potencial "banho de sangue".

Compaoré e sua esposa estão hospedados em uma mansão do governo em Yamoussoukro, a capital da vizinha Costa do Marfim.

Presidente da Costa do Marfim Alassane Ouattara disse a Compaoré que "pode ficar o tempo que ele quiser".

Enquanto isso, os doadores internacionais, cujo financiamento é fundamental para financiar a empobrecida Burkina Faso do orçamento doméstico e ao comércio externo, estão observando a situação com preocupação.

Canadá, que forneceu algo em torno de 35.600 mil dólares (€ 28.000.000) em ajuda entre 2012 e 2013, aumentou a pressão na terça-feira pela suspensão da ajuda ao desenvolvimento.

Ele disse que o financiamento seria restaurada quando uma "autoridade civil legítima e responsável for restabelecida".

Washington disse que ainda está a "reunir fatos", mas ainda pode retirar os seus 14 milhões de dólares de pacote de ajuda anual.

Os líderes da oposição reuniram-se com os mediadores internacionais das Nações Unidas, a CEDEAO e a União Africana chamou o antigo primeiro-ministro de Togo Edem Kodjo como enviado especial para a nação Oeste Africano litoral.

A oposição não é efetivamente contra os militares a desempenhar um papel na transição.
"Temos que ver o que é o melhor modelo para a situação e o contexto", disse o líder principal da oposição, Zephirin Diabre.

O partido do governo deposto, o Congresso para a Democracia e Progresso, também expressaram sua vontade de "trabalhar com as autoridades de transição".

Ouagadougou é em grande parte a favor do retorno à vida normal. Na semana passada, centenas de milhares de manifestantes tinham saído em um tumulto contra a candidatura de Compaoré querendo estender seu reinado de 27 anos, o ataque ao Parlamento e outros edifícios públicos ficaram em chamas.

Fontes hospitalares dizem que pelo menos 10 pessoas morreram e 200 ficaram feridas com a violência, enquanto a oposição salienta que o número de mortes é em torno de 30.

# africareview.com


A timidez da oposição do Burkina Faso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Há muito que os partidos da oposição pediam o afastamento do Presidente do Burkina Faso. Mas agora parecem distanciar-se da revolta popular que levou à renúncia imediata de Blaise Compaoré.


"Foi tudo um mal-entendido", explica Saran Sérémé à DW África. No domingo (02.11), os manifestantes burkinabes proclamaram a chefe do Partido para o Desenvolvimento e Mudança (PDC) como a nova Presidente do Burkina Faso, na televisão estatal.
Sérémé seria assim a primeira figura política – e a única mulher entre os líderes da oposição – a reivindicar a Presidência depois da saída de Compaoré. Mas Saran Sérémé afirma agora que foi levada para a sede da emissora contra a sua vontade e que não tencionava que a proclamassem como Presidente.
Opositora burkinabe Saran Sérémé
Os partidos da oposição pediam há muito tempo o afastamento do Presidente Blaise Compaoré, que esteve 27 anos no poder. Mas, na semana passada, quando o chefe de Estado burkinabe foi finalmente deposto, depois de protestos, por vezes, violentos, não foram os partidos da oposição que coordenaram os acontecimentos, mas sim os manifestantes nas ruas. Foram eles que incentivaram os políticos a fazer algo.
Oposição apanhada de surpresa
O também opositor Adama Kanazoé, presidente da Aliança da Juventude pela Defesa da Independência da República, garante que o principal pedido da oposição era apenas que Compaoré não se recandidatasse no próximo ano – a oposição não reivindicava a sua renúncia imediata.
"Isso não foi planeado. Surpreendeu toda a gente", admite Kanazoé. "Agora temos, primeiro, de refletir".
O consenso entre a oposição é que todas as forças políticas e os militares devem, em conjunto, encontrar um candidato para o período de transição. Nenhum dos líderes da oposição se quer tornar chefe de Estado de transição, porque isso poderia excluí-los mais tarde da corrida presidencial, refere Elke Erlecke, diretora do Programa para a África Ocidental da Fundação alemã Konrad-Adenauer.
Erlecke não ficou admirada com o facto da oposição fragmentada do Burkina Faso estar relutante em avançar com propostas concretas para o futuro do país. A maioria dos partidos não tem um programa que possa usar na campanha eleitoral. "As suas políticas são de âmbito mais geral e abordam valores como a democracia, paz e harmonia", diz.
Muitos dos partidos do Burkina Faso giram em torno dos seus líderes e são vistos como uma plataforma para chegar ao poder. Há líderes da oposição, como Saran Sérémé, que já foram membros do Congresso para a Democracia e Progresso (CDP), o partido do Presidente deposto. Há poucas diferenças ideológicas entre os partidos do Burkina Faso.
Mas Erlecke diz que essas diferenças deverão voltar a aparecer dentro em breve. A analista acredita que o impulso para a mudança virá da sociedade civil. Exemplo disso é o movimento "Le Balai Citoyen" ("Cidadão-vassoura"), que esteve na linha da frente dos protestos recentes. O movimento é liderado por dois jovens músicos, cujo objetivo é restabelecer as "regras democráticas" no Burkina Faso. "Quem quiser liderar o país terá de sentar à mesa e conversar com estes ativistas e as suas organizações", afirma Elke Erlecke.
# dw.de

Total de visualizações de página