Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 3 de abril de 2017

ANGOLA: SEM FORÇA MAS COM RAZÃO (LUENA, 4 DE ABRIL DE 2002).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Até agora, apesar das muitas tentativas, nos últimos 15 anos o galo não voou. O visgo do MPLA manteve-o colado às bissapas. Os angolanos de segunda (também conhecidos por kwachas) foram apanhar café, ou coisa que o valha, às ordens dos novos senhores coloniais. É isto que o MPLA pretende que volte acontecer este ano.

Por Orlando Castro
Oproblema do visgo, garantem os mais acérrimos defensores da UNITA, foi resolvido. Mas será que este ano (se até lá o dono do reino não mudar de ideias) o galo vai voar ou, mais uma vez, vai descobrir que o MPLA o libertou do visgo mas cortou-lhe as asas?
De uma forma geral a memória dos angolano, neste caso, é curta. Importa por isso ir relembrando algumas coisas, mesmo quando se sabe que se não fosse o MPLA a cortar as asas ao Galo Negro, alguém da própria UNITA se encarregará de o fazer. Foi assim, entre outros, com Geraldo Sachipengo Nunda e com Fernando Heitor.
No dia 24 de Fevereiro de 2002 alguém disse: “sekulu wafa, kalye wendi k’ondalatu! v’ukanoli o café k’imbo lyamale!”. Ou seja, morreu o Mais Velho, agora ireis apanhar café em terras do norte como contratados.
Tirando os conhecidos exemplos da elite partidária, os soldados e simpatizantes da UNITA, bem como a maioria do Povo angolano, têm estado deste então a apanhar café, ou algo que o valha. Regressaram à fase de peixe podre, panos ruins, 50 angolares e porrada se refilares.
No rescaldo da guerra imediatamente a seguir à Independência, entre 1976 a 1978, houve uma brutal escassez de alimentos e a paralisação dos campos de algodão e café do norte de Angola.
Para fazer face a esse desafio, o governo a quem Portugal entregara unilateralmente o poder de Angola (MPLA) reeditou a guerra do Kwata-Kwata, obrigando pela força das armas os contratados ovimbundos e ou bailundos (que outros poderiam ser?) a ir para as roças, sobretudo do norte de Angola.
Com a independência, há portanto 41 anos, os camponeses do planalto e sul de Angola sonharam (ainda hoje continuam a sonhar) com o fim do seu recrutamento forçado para aquelas roças. A reedição da estratégia colonial por um governo independente foi um golpe duríssimo na sua ilusória liberdade.
O então líder da UNITA, Jonas Savimbi, agastado com a fraqueza e quase exaustão das forças que conseguiram sobreviver à retira das cidades, em direcção às matas do leste (Jamba), onde reorganizou a luta de resistência, aproveitou esse facto, bem como a presença de estrangeiros, para mobilizar os angolanos.
«Ise okufa, etombo livala» (prefiro antes a morte, do que a escravatura), dizia Savimbi aos seus homens, militares ou não.
E agora? Agora (e depois de ter sido assassinado, há 15 anos, por alguns dos seus próprios militares) os seus discípulos mais ilustres preferem a escravatura de barriga cheia do que a liberdade com ela vazia.
Será que se lembram dos que só foram livres enquanto andaram com uma arma na mão? Não. Não é um apelo à guerra. Mas pelas vezes com que o MPLA repete que é preciso preservar a paz, até parece que o regime quer mesmo uma guerra para acabar o que, na óptica dos seus falcões, deixou a meio com o Acordo do Luena (4 de Abril de 2002).
Há muito que, por obra e graça do MPLA mas – igualmente – por incapacidade dos seus quadros, se prevê o fim da UNITA.
Jonas Savimbi morreu no dia 21 de Fevereiro de 2002, em combate e às mãos de alguns dos seus antigos generais. Foi nesse dia que começou a morrer a UNITA. De morte lenta, é certo, mas igualmente (tanto quanto parece) de forma irreversível. Perdeu a guerra e perde sempre as eleições. Vai de derrota em derrota até à derrota final.
Talvez pouco adiante continuar a dizer que a vitória seguinte começa com a derrota anterior. Isso faria sentido se o Mais Velho ainda andasse por cá ou tivesse deixado herdeiros de calibre similar.
Apesar de todas as enorme aldrabices do MPLA, as eleições acabam sempre por derrotar em todas as frentes não só a estratégia mas a sua execução, elaboradas por alguns dos “generais” da UNITA.
Esperando, embora tendo cada vez menos essa certeza, que a Direcção da UNITA, esta ou qualquer outra, prefira ser salva pela crítica do que assassinada pelo elogio, volto a dizer o que penso com a legitimidade inerente ao facto de ser angolano, mau grado não ser negro, facto que parece incomodar alguns elementos da Direcção do Galo Negro.
Desde logo, lembrando que muitos dos “generais” escolhidos por Isaías Samakuva para os combates eleitorais, sociais e políticos levantaram os braços e içaram um pano branco quando se ouviu o primeiro “tiro”.
A hecatombe eleitoral, social e política mostrou que a UNITA não estava mesmo preparada para ser governo e queria apenas assegurar alguns tachos e continuar a ser o primeiro dos últimos.
O sacrificado povo angolano, mesmo sabendo que foi o MPLA que o pôs de barriga vazia, não viu na UNITA a alternativa válida que durante décadas lhe foi prometida, entre muitos outros, por Jonas Savimbi, António Dembo, Paulo Lukamba Gato, Alcides Sakala e Samuel Chiwale.
Terá sido para ver a UNITA a ser tapete de luxo do poder que Jonas Savimbi lutou e morreu? Não. Não foi. E é pena que os seus ensinamentos, tal como os seus muitos erros, de nada tenham servido aos que, sem saberem como, herdaram o partido e a ribalta da elite angolana. É pena que os que sempre tiveram a barriga cheia nada saibam, nem queiram saber, dos que militaram na fome, mas que se alimentaram com o orgulho de ter ao peito o Galo Negro.
Se calhar também é pena que todos aqueles que viram na mandioca um manjar dos deuses estejam, como parece, rendidos à lagosta dos lugares de elite de Luanda.
Por último, se calhar também é de lamentar que figuras sem passado, com discutível presente, queiram ter um futuro à custa da desonra dos seus antepassados que deram tudo o que tinham, incluindo a vida, para dignificar os Angolanos.
É que, ao contrário do Mais Velho, na UNITA há muitos que preferem ser escravos com lagosta na mesa do que livres embora procurando mandioca nas lavras.
Não creio que Homens como Paulo Lukamba Gato, Alcides Sakala e muitos, muitos, outros, tenham deitado a toalha da luta política ao tapete. Também não creio que aceitem trair um povo que neles acreditou e que à UNITA deu o que tinha e o que não tinha.


E é esse povo que, de barriga vazia, sem assistência médica, sem casas, sem escolas, reclama por justiça e que a vê cada vez mais longe. E é esse povo que, como dizia o arcebispo da minha cidade (Huambo), D. José de Queirós Alves, não tem força mas tem razão.
#fonte: jornalf8.ne

ANGOLA: ESTUPIDEZ E BOÇALIDADE.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


É revoltante, nojenta, muito porca, anti-democrática e anti-ética a campanha eleitoral, implementada e muito propagandeada pelos obedientes órgãos de propaganda oficial do re(i)gime angolano, para promover João Lourenço “Malandro” como herdeiro do trono.

Por Domingos Kambunji
Ouso de imagens de crianças ou adultos com atrasos no desenvolvimento físico e de outro tipo, ou portadores de doenças degenerativas, para ilustrar as reportagens tendenciosas, fanáticas, promovendo o “Malandro” é lamentável. Essas pessoas merecem respeito e, sobretudo, confidencialidade. Só mentalidades boçais, estúpidas se servem dessas imagens para campanhas políticas em regimes despóticos como é o caso de Angola.
Esse facto ainda é mais lamentável porque as pessoas com atrasos no desenvolvimento são vergonhosamente negligenciadas pelos poderes executivo e legislativo de Angola. Não adjectivamos o sistema judicial porque, como todos sabemos, esse sistema é serviçal, bajulador e igualmente boçal!
Passamos a explicar a nossa revolta por Angola ser governada e sofrer da manipulação de mentalidades (“Educação Patriótica”, segundo o regime) de demagogos e ignorantes. Talvez por isso o “Malandro” não revele qualquer vergonha em apresentar-se como candidato do futuro, isto é, como um continuador da demagogia e da rebaldaria na cleptocracia.
Ainda não há muito tempo o Jornal de Angola, a fiel imagem do re(i)gime corrupto de José Eduardo dos Santos e do “Malandro”, publicou uma reportagem sobre as crianças com autismo em Luanda. Dizia o “jornalista inteligente” que essas crianças sofriam de uma “patogenia”. Ficámos muito tristes por um assunto tão sério ser tratado de um modo tão infantil, leviano e ignorante.
Por acaso o jornal do sipaio José Ribeiro será capaz de explicar aos angolanos e ao mundo qual é o agente patogénico que provoca o autismo? Tanta ignorância e demagogia só poderá desaguar na estupidez, a característica principal da visão e da missão sanzaleira do Jornal de Angola.
O mesmo “jornalista inteligente” definia as crianças com autismo como seres humanos com ar triste, distante… Só queremos lembrar aos mais distraídos e informar os ignorantes do Jornal de Angola de que muitos génios nas áreas da Ciência, Arte e da Inovação Tecnológica eram/são autistas. Conhecemos pessoas com um elevado sentido de humor portadoras de autismo.
Donald Trump, durante a campanha eleitoral, fez escárnio de uma jornalista com atrasos no desenvolvimento. Isso provocou uma profunda revolta nos cidadãos norte-americanos. Veio a dar origem a manifestações públicas de pessoas com elevadas capacidades de raciocínio, com paralisia cerebral, com percursos académicos muito respeitáveis, demonstrando que não são “deficientes”.
Os parasitas do governo do MPLA não podem mostrar obra feita no Ensino Especial. O Orçamento Nacional foi/é canalizado para a Roubalheira Nacional dos comensais Santos & Generais.
O Jornal de Angola e o “Malandro” preferem andar a brincar com coisas muito sérias desrespeitando a dignidade humana. O “Malandro” e o Jornal de Angola aproveitam-se das imagens da falsa caridadezinha como trampolim para continuarem a parasitar no re(i)gime corrupto do MPLA.
O Jornal de Angola é dirigido por retardados mentais. Um exemplo disso é a fotografia que publica na primeira página para propagandear e vulgarizar a imagem do “Malandro” como líder, violando todos os valores da ética e do respeito pelas condições que provocam os diversos atrasos no desenvolvimento das capacidades de seres humanos.
Na verdade, isto não é jornalismo, é estupidez, boçalidade.
Foto publicada pelo Jornal de Angola sem, contudo, desfocar (como acontece nesta reprodução) a imagem da criança.
#fonte: http://jornalf8.net

Campanha do caju arranca com novas regras na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Governo proíbe operadores internacionais de comprarem diretamente ao produtor e críticos falam em “protecionismo desnecessário”. Associação de agricultores espera “boa campanha”.
Guinea-Bissau Cashew-Nüsse im Dorf Vila de Quisseth (DW/B. Darame)
O Governo da Guiné-Bissau abriu oficialmente esta sexta-feira (31.03) a campanha de comercialização da castanha do caju, principal produto de exportação, perante novas regras impostas pelo ministro do Comércio, Vítor Mandinga. 
Segundo o Governo, apenas comerciantes com a nacionalidade guineense poderão comprar a castanha diretamente ao produtor. Os críticos da medida entendem que se trata de um "protecionismo desnecessário", mas o ministro do Comércio e Promoção Empresarial, Vítor Mandinga, autor da lei, sublinha que "comércio livre não significa ausência de regras".
Segundo Mandinga, a qualidade do caju da Guiné-Bissau faz com que haja muita procura do produto no mercado internacional, onde o país é cotado como o quinto maior produtor mundial e segundo africano.
Aumento dos preços e do controlo
O ministro do Comércio afirma que a qualidade permite à Guiné-Bissau praticar um preço "relativamente mais alto" em comparação com países africanos ou asiáticos.
Um quilograma da castanha passa a ser comprado ao produtor por 500 francos CFA (cerca de 0,76 cêntimos), em vez de 350 francos CFA. O presidente da associação dos agricultores da Guiné-Bissau, Jaime Gomes, considera que "o preço é justo" e que os camponeses esperam ter uma boa campanha.
Cashew-Kooperative in Guinea-Bissau (Gilberto Fontes)
Cooperativa de caju em Ingoré, no norte da Guiné-Bissau
O ministro Vítor Mandinga acredita que se o país mantiver o nível de "boa qualidade" do seu caju estará sempre em condições de pedir melhores preços aos compradores internacionais, pelo que, afirma, se justificam as regras impostas este ano pelo Governo.
O ministro guineense, um conhecido operador do setor do caju, classifica como corajosas as medidas adotadas pelo Executivo guineense. Mandinga defende que as novas regras vão contribuir para o aumento do controlo ao fisco, proporcionar maior arrecadação de receitas ao Estado e promover o emprego dos jovens e das mulheres guineenses.
Só em taxas alfandegárias com a exportação do caju, estima o ministro, o Governo irá receber cerca de 11,2 milhões de euros.
As novas regras no setor do caju, considera ainda Vítor Mandinga, irão apertar ainda mais o circuito do branqueamento de capitais, ao obrigarem os operadores económicos a realizarem as suas transações através dos bancos.
"Made in Guiné-Bissau”
Segundo o ministro do Comércio, parte do caju do país será transformado localmente em amêndoa para ser exportada, pela primeira vez, com o selo "made in Guiné-Bissau".
Vítor Mandinga indicou que o laboratório de certificação de qualidade de origem já se encontra montado na capital guineense e que técnicos vietnamitas vão prestar apoio aos guineenses no trabalho com as máquinas.
"Tolerância zero à saída clandestina do caju guineense para o exterior" é o lema da campanha que decorre até setembro.
O Governo estima que 50 mil toneladas de castanha do caju saem da Guiné-Bissau através do circuito do contrabando para países vizinhos. O Executivo quer exportar pelo menos 200 mil toneladas de caju.

Angola: Professores denunciam ameaças e pedem demissão de ministro da Educação.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Sindicato de Professores Angolanos culpa ministro Pinda Simão pelas más condições na Educação e denuncia intimidações a docentes que vão aderir à paralisação prevista para 5, 6 e 7 de abril.
Schulkinder in Kuito (picture-alliance/dpa)
Foto de arquivo: Escola primária no Kuito (Angola)
Depois de várias promessas não cumpridas, o Sindicato de Professores Angolanos (SINPROF), considera que o ministro angolano da Educação deve demitir-se do cargo.
Em entrevista à DW África, o presidente do SINPROF, Guilherme Silva, afirma que Pinda Simão não se interessa pelas dificuldades dos docentes. "O ministro da Educação deve sair já porque ele é o impasse da solução dos nossos problemas”, considera o dirigente sindical.
Pinda Simão, diz Guilherme Silva, "não tem sabido levar as preocupações tais como elas são ao titular do poder Executivo. Não serve. Deve demitir-se já ou quem o nomeou que o exonere.”
Segundo o sindicalista, 80 por cento dos membros do SINPROF estão de acordo com a realização da greve anunciada para o ensino geral nos dias 5, 6 e 7 de abril. Em causa está a falta de resposta às várias reivindicações dos professores, incluindo o aumento salarial.
Medo de represálias
Angola | Guilherme Silva (DW/ P. Borralho Ndomba)
Guilherme Silva, presidente do SINPROF
No entanto, nem todos os docentes angolanos estão de acordo ou vão aderir à greve. Uma professora ouvida pela DW África, sob anonimato, numa escola do município da Samba, afirma que não vai participar na paralisação, apesar de concordar com o sindicato.
"Se acontecer, melhor”, diz a docente, referindo-se à greve. "Já nos vêm aldrabar há muito tempo. Pinda Simão mandou-nos guardar os nossos certificados na mala. Há professores  com 35 anos de serviço, que já são licenciados, que ainda ganham como técnico médio”,lamenta a professora, afirmando, no entanto, que vai estar na sala de aula com os alunos nos dias da greve. 
O Presidente do SINPROF entende que as pessoas têm a liberdade de decidir se vão ou não aderir à greve. "Mais de 80 por cento dos professores estão do nosso lado. Aqueles que entenderem que devem trabalhar e abraçar o patrão assobiando, são livres de fazerem o seu jogo, estamos em democracia e não vamos coagir ninguém”, garante Guilherme Silva.
Ameaças a quem adere
Na semana passada, os representantes do SINPROF em Luanda denunciaram intimidações aos docentes, numa circular alegadamente emitida pelo Ministério da Educação, alertando sobre as consequências de adesão à greve geral. Em comunicado, o SINPROF diz que "foi com espanto" que tomaram conhecimento que a sua entidade patronal "optou por uma conduta de intimidação aos professores em todo o país".
Agora, em entrevista à DW África, Guilherme Silva, presidente do sindicato, acusa um deputado no Kwanza Norte de "apunhalar a Constituição”, por estar a organizar uma manifestação de repúdio à greve dos docentes, com a participação de professores afetos ao partido no poder, o MPLA, e dos alunos, na segunda-feira.
Demonstration der SINPROF in Lubango, Angola
Manifestação do SINPROF no Lubango, em 2013
"No Kwanza Norte, quem está a fomentar isto é um deputado. Infelizmente, um deputado da Assembleia Nacional, desconhecedor da Constituição e das leis, está a preparar uma manifestação de repúdio a greve, mobilizando os alunos”, sublinha Guilherme Silva. "Este senhor está perdido, está a ver fantasmas. Temos dito que ele está a dar um tiro no próprio pé. É o deputado Ferreira Pinto”. O deputado referido pelo dirigente sindical pertence ao grupo parlamentar do MPLA, o partido no poder.
Face às ameaças contra os docentes, o presidente do Sindicato dos Professores Angolanos aconselha os seus associados a permanecerem em casa nos dias da greve. "Nos dias da greve, os professores que aderirem devem manter-se em casa e só podem regressar aos trabalhos depois dos dois dias de greve", explica Guilherme Silva. Na segunda-feira (3.04), segundo o dirigente sindical, o SINPROF terá uma reunião com o Governo angolano.

"Que governante sobreviveria com 21 mil kwanzas?”
O SINPROF diz que espera desde 2013 respostas do Ministério da Educação e das direções provinciais de Educação ao caderno reivindicativo, nomeadamente sobre o aumento do salário, a promoção de categoria e a redução da carga horária, mas afirma que nem 10% das queixas foram atendidas.
Segundo o SINPROF, há docentes que há mais de três anos auferem salários que rondam os 40 mil kwanzas, cerca de 250 euros. "45 mil kwanzas para um professor que tem gastos mensais. Se, durante o mês, gastar 24 mil kwanzas só em transporte, no final do mês só restam  21 mil kwanzas a este professor", calcula Guilherme Silva.
"Com 21 mil kwanzas, que governante sobreviveria?  Com 21 mil kwanzas, quem aguentaria cobrir gastos com renda de casa, água, alimentação, formação dos filhos e também cobrir gastos de saúde com estes valores?", questiona o presidente da SINPROF.

Greve é antipatriótica, diz Federação Sindical
Angola Landwirtschaft Kwanza Sul
Foto de arquivo: crianças a caminho da escola no município de Pambangala, no Kwanza Sul (2012)
Entretanto, esta sexta-feira (31.03), a Federação Sindical de Trabalhadores da Educação, Cultura, Desporto e Comunicação Social classificou como "antipatriótica" a greve anunciada pelo Sindicato de Professores angolanos, marcada entre 05 e 07 de abril.  A posição vem expressa nas conclusões da V reunião ordinária do Conselho Federal daquela federação filiada à União Nacional dos Trabalhadores Angolanos - Confederação Sindical (UNTA-CS).
Citados pela agência noticiosa angolana, Angop, os membros da federação pediram a todos os docentes e não docentes filiados na federação para não cumprirem as orientações do SINPROF de adesão a qualquer movimento grevista, condenando ainda a suposta divulgação de mensagens nas redes sociais para que os alunos não compareçam às aulas nos dias 5, 6 e 7 de abril. "Tal comportamento só revela o comprometimento desse sindicato com as forças ocultas que pretendem criar um clima perturbador do processo democrático e de paz que o país conhece", referem, nas conclusões.
#fonte: dw África

OPINIAO - "RACISMO E SILENCIAMENTO EM PORTUGAL", DIZ JOSE SOEIRO DO BLOCO DE ESQUERDA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Se sondarmos à nossa volta, a opinião da maioria das pessoas será que Portugal não é um país racista. E no entanto, se começarmos a esgravatar os dados e a fazer perguntas, o retrato da sociedade em que vivemos não é bem esse. Numa carta enviada à ONU por várias associações anti-racistas e de afrodescentes, há vários dados sobre Portugal que não podem deixar de interpelar-nos.

A taxa de desemprego entre afrodescendetes ou cidadãos oriundos dos PALOP é de 30%, ou seja, o dobro da média nacional. Coincidência? As remunerações médias mensais são em média de menos 103 euros do que a da generalidade dos cidadãos. Coincidência? As profissões onde se concentram são as mais desvalorizadas. Coincidência? A percentagem de pessoas que vivem em habitações com condições precárias é 7 vezes maior do que a geral para a população portuguesa. Coincidência? A taxa de encarceramento é 15 vezes maior. Coincidência? E o assassinato, só nos últimos anos, de Kuku, PTB, Musso, Mc Snake, Tei, Tony, Angoi, todos jovens afrodescentes, é coincidência? Se não fossem jovens negros da periferia, teria havido tanto silêncio em torno destas mortes?

Na escola, lugar onde seria suposto esbaterem-se ou combaterem-se as desigualdades, o cenário é aterrador: a taxa de reprovação de afrodescentes oscila entre o dobro (no secundário) e o triplo (no primeiro e segundo ciclo). A taxa real de acesso ao ensino superior de caboverdianos, santomenses e guineenses é 5 vezes menor do que a dos restantes estudantes. O encaminhamento para as vias profissionalizantes tem uma relação direta com as condições de pobreza. No ensino secundário, a esmagadora maioria (80%) dos jovens afrodescendentes encontra-se em “vias vocacionais”, vias escolares desvalorizadas pela própria escola e pela sociedade e que raramente conduzem ao ingresso no ensino superior. Não, não há coincidências.

No sistema de ensino, combina-se objetivamente uma política de reprovação massiva, associada a uma política vocacionalista que reproduz as desigualdades económicas e discrimina afrodescendetes, e uma lógica de “mercado” na organização das escolas em que estas selecionam os seus públicos. No interior das escolas, continuam a constituir-se “turmas de nível” que diferenciam “os melhores” e “os piores”. As baixas expectativas lançadas sobre umas crianças em relação a outras são, como se sabe, um fator de peso que condiciona as suas possibilidades futuras. A persistência de imaginários colonialistas nos manuais escolares significa também que a visão oficial do Estado continua a não ver a nossa história, nomeadamente a dos “Descobrimentos” ou da colonização, do lado de quem “não chegou” mas “já lá estava”. O que chamar a isto?

Bem sei que, ao ler o que escrevo, muitos dos leitores e das leitoras acionarão o mecanismo mental da desconfiança: se isto acontece não é necessariamente porque a sociedade seja preconceituosa. Não é? Então é o quê? De facto, se pensarmos duas vezes, mesmo quando estas coisas acontecem “inconscientemente”, elas vêm de algum lado, operam a partir de categorias em que todos somos socializados, cristalizam-se em estruturas de que nem nos apercebemos e têm um efeito preocupante. Se não quisermos andar com rodeios, chamemos os bois pelos nomes: “racismo institucional”.

Bem sei que não é fácil combater isto de um dia para o outro, até porque há muitos fatores que se cruzam. Mas a primeira condição é tornar a realidade visível e falar dela. A inexistência de recolha de informação oficial sistemática com base na origem étnico-racial tem sido, até hoje, um entrave a que isto seja feito. Mas há mais exemplos que têm a ver com políticas do Estado: a lei da nacionalidade e a lei de combate a atos racistas.

A lei da nacionalidade continua a não dar acesso imediato à nacionalidade portuguesa àqueles que, nascidos em solo português, são filhos de imigrantes. Faz sentido que uma criança nascida cá, que nunca conheceu outro país, não seja automaticamente considerada portuguesa? Se não é portuguesa, é o quê?

Quanto aos atos racistas, parece que, frequentemente, o Estado continua a trata-los como uma questão de maus modos ou falta de educação. A abordagem legal em Portugal sobre esta matéria tem sido, efetivamente, contraordenacional. Traduzindo por miúdos: se alguém cometer um ato de discriminação racista, na pior das hipóteses leva uma multa. Mas mesmo isto acontece raramente. Entre 2000 e 2014, de acordo com o SOS Racismo, registaram-se 214 processos de contraordenação neste domínio de que resultaram apenas 9 condenações ao pagamento de coima. Estamos satisfeitos?

Os atos racistas são uma realidade de agressão e de menorização, de negação de direitos, de humilhação no espaço público e de exclusão prática de relações sociais e jurídicas elementares. Quando, por exemplo, não se deixa alguém entrar num local público por causa da cor da sua pele, quando se impede o acesso a cuidados de saúde ou se recusa alugar uma casa a alguém porque “é preto”, não estamos perante uma ofensa a valores fundamentais da nossa sociedade? Se estamos, por que razão estas práticas não são consideradas crime? Pois. Mas não são. E deviam passar a ser.

Um dos modos de invisbilizar um problema é negar que uma determinada realidade seja problemática. Isso faz-se de muitos modos. Um deles prende-se com as categorias que utilizamos (ou não utilizamos) para apreender a realidade, porque a imagem que temos do real depende das lentes com que escolhemos olhá-lo. Outro passa por tratar regularidades como se fossem coincidências (ou seja, frutos não de estruturas sociais mas do acaso ou de características individuais) e portanto recusar intervir sobre elas com políticas afirmativas. Um dos mais violentos é o puro silenciamento. Não sejamos cúmplices.

Conosaba/xpresso.sapo.pt/

PENSOS HIGIÉNICOS MADE IN UGANDA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Rashida Nalukenge links und Catherine Nantume rechts basteln Binden (DW/S.Schlindwein)
Ponto a reter: Vaginas sem cérebro. A emancipação feminina aqui no Uganda é uma fraude. Temos muitas vaginas sentadas no Parlamento, mas ainda têm que provar que também têm cérebro".
 
Dos dois terços de alunos ugandeses que não completam a escolaridade, a maioria é meninas. Por um motivo que pode surpreender: a falta de pensos higiénicos. Mas o problema tem solução.
 
Quando começam a menstruar, as jovens não se atrevem a ir para a escola vários dias por mês, porque não têm dinheiro para comprar pensos higiénicos. Mas alunas que perdem muitos dias de aulas por mês arriscam-se a não conseguir passar nos exames no fim do ano.
 
A situação lançou um debate público no Uganda sobre pensos higiénicos e a sua contribuição para a igualdade de géneros. E como o Governo não toma qualquer iniciativa, cidadãos privados tentam colmatar a lacuna.
 
Um deles é o artista Sadat Nduhira, de 27 anos, que cresceu num bairro pobre e se lembra que a irmã perdeu muitos dias de escola por causa da menstruação. Agora Nduhira ensina as meninas a fazerem pensos higiénicos, a partir de toalhas velhas e algodão.
 
Na sala de aulas de uma escola primária, o artista explica às alunas adolescentes, porque é que o seu método é preferível aos panos geralmente usados: "Estes pensos podem ser deixados em água durante a noite e lavados de manhã. Secam ao sol e depois devem ser passados com um ferro muito quente para matar todas as bactérias".
 
Schuldirektorin Sarah Nakabira und Künsterl Sadat Nduhira (DW/S. Schlindwein)
O artista Sadat Nduhira (à direita) vai às escolas ensinar as alunas a fazer pensos higiénicos
 
Pensos de fabrico caseiro
 
No Uganda, um penso higiénico reutilizável custa o equivalente a cinco euros, o que representa uma verdadeira fortuna para muitas famílias pobres de Kampala. Segundo as Nações Unidas, uma em cada dez meninas ugandesas não frequenta a escola quando está menstruada, porque não tem pensos higiénicos ou tampões.
 
Era o caso de Catherine Nantume, de 14 anos, que tinha medo que os outros alunos vissem sangue na sua saia. Mas agora maneja com destreza a máquina de coser, observada pelas suas colegas. E conta: "Eu estava sempre a perder aulas, o que me deixava muito triste, porque ficava em casa sem fazer nada. Este projeto enche-me de felicidade. Aprendo a fazer pensos higiénicos. Fazemos muitos, que depois distribuímos gratuitamente noutras escolas".
 
A menstruação e os pensos higiénicos, em tempos temas tabus no Uganda, são hoje motivo de debate aceso nas redes sociais e no Parlamento.
 
No ano passado, durante a campanha eleitoral, o Presidente Yoweri Museveni prometeu distribuir gratuitamente pensos higiénicos nas escolas, o que lhe valeu muitos votos. Mas agora o Governo alega falta de verbas para cumprir o prometido.
 
Bekämpfung der Malaria in Uganda - Schüler (picture-alliance/dpa)
Muitas alunas no Uganda não vão à escola quando menstruam
 
Vaginas sem cérebro
 
Stella Nyanzi, a feminista mais conhecida no país, lançou uma campanha de angariação de fundos nas plataformas sociais na internet. Para Nyanzi, a "biologia é política". E tudo é uma questão de poder: "Nós vemos nos exames nacionais que as meninas pobres das zonas rurais têm sempre piores notas do que as colegas na cidade. Enfurece-me que o governo não cumpra o prometido. A emancipação feminina aqui no Uganda é uma fraude. Temos muitas vaginas sentadas no Parlamento, mas ainda têm que provar que também têm cérebro".
 
Nyanzi gosta de provocar. Numa campanha chamada "hashtag pensosparameninas” ataca as mulheres no poder, sobretudo a primeira-dama e ministra da Educação, Janet Museveni. O que já lhe valeu sérios dissabores com a polícia por alegados insultos ao Presidente. Mas apesar de correr o risco de ser presa, Nyanzi continua a lutar pelo direito de todas as meninas de frequentarem a escola.
 
Fonte: DW África

GUINÉ-BISSAU: 4ª ETAPA DA PRESIDENCIA ABERTA DO PRESIDENTE JOMAV EM BOLAMA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Fonte: Ditadura do Progresso
 
DEPOIS DAS INTERVENÇÕES DE MARIO FERNANDES, SECRETÁRIO REGIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE BOLAMA-BIJAGÔS, DO VETERANO LUIS OLIVEIRA SANCA E DE FLAVIANO SILVA MONTEIRO, SECRETÁRIO DELEGADO DO MINISTÉRIO DA JUVENTUDE CULTURA E DESPORTOS FOI A VEZ DO PRESIDENTE JOMAV.
 
 
JOMAV NÃO CONSEGUIU DISFARÇAR SUA EMOÇÃO PELO ESTADO CRÍTICO E DEGRADANTE DA CIDADE DE BOLAMA.,COMEÇOU POR REALÇAR A IMPORTÂNCIA DAS ESCOLAS NA VIDA DA JUVENTUDE, VISTO SER O PASSAPORTE PARA O OUTRO LADO DO MUNDO E DO SABER.
 
EXPLICOU E DETALHOU O SIGNIFICADO E ESSÊNCIA DE MOM DE LAMA; REFORÇO DE CONTROLO DO SECTOR DE PESCAS E FISCALIZAÇÃO EM GERAL; QUE TODOS TEMOS DE SER VIGILANTE PARA QUE HAJA MAIS RECEITAS NOS COFRES DE ESTADO, PARA ASSIM PODERMOS CONSTRUIR CIDADES EM DEGRADAÇÃO COMO BOLAMA.

"DINHEIRO DE ESTADO PARA COFRES DE ESTADO" NÃO ESCAPOU AS CRITICAS DO PRESIDENTE JOMAV, QUE EXORTOU AS ACTIVIDADES DE PESCAS EM BOLAMA DADA A SUA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA. 

PARA TERMINAR A SUA INTERVENÇÃO EM BOLAMA, SEM PROMETER DEIXOU PALAVRAS DE ESPERANÇAS DE QUE O GOVERNO VÃO MELHORAR O SISTEMA DE SAÚDE E DE ENSINO NA REGIÃO, E QUE OS EDIFÍCIOS ESTATAIS EM BOLAMA VÃO SER REABILITADAS. O PRESIDENTE JOMAV VAI CONTRARIAR O MITO DOS CHEFES DE ESTADO NÃO PODEREM DORMIR EM BOLAMA. AMANHÃ, ANTES DE PARTIDA PARA AS ILHAS VAI MANTER ENCONTROS COM OS VELHOS E MULHERES DE BOLAMA.
 
 
A CHEGADA DO PRESIDENTE JOMAV A BOLAMA FOI ABRILHANTADO POR MÚSICOS NACIONAIS E LOCAIS COM SONS DE TAMBORES E DE SICÓS, ENTRE ELES SISSAU MANAFÁ, IVA-ICHI, DÚ KANUTÉ, ENTRE OUTROS.
 
EM JEITO DE ABERTURA O VETERANO LUIS OLIVEIRA SANCA, INTERVEIO, DEPOIS DO SECRETÁRIO REGIONAL DE BOLAMA TER FEITO AS DEVIDAS APRESENTAÇÕES DA REGIÃO.
 
MARIO FERNANDES, CARACTERIZOU A REGIÃO DE BOLAMA BIJAGÔS, TENDO MANIFESTADO SEU CONTENTAMENTO PELA VISITA PRESIDENCIAL QUE ACREDITA SER UM PONTO DE VIRAGEM DA REGIÃO QUE NOS ÚLTIMOS ANOS TEM SOFRIDO COM O ABANDONO PELA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL.

OS BOLAMENSES, AFLUIRAM EM MASSA NO PARQUE LOCAL, AO LADO DA ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, UMA DAS POUCAS INFRAESTRUTURAS QUE FISICAMENTE CONSEGUE RESISTIR A DEGRADAÇÃO EM BOLAMA.
 
 
TALVEZ POR ISSO, LUIS OLIVEIRA SANCA TERÁ MANIFESTADO A DERRADEIRA ESPERANÇAS DE VER BOLAMA MUDAR NO CONSULADO DO PRESIDENTE JOMAV.
 
ACOMPANHAM O PRESIDENTE JOMAV, ALÉM DA PRIMEIRA DAMA D. ROSA VAZ, A MINISTRA DIRECTORA DO GABINETE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA GILDA LOBO DE PINA, OS MINISTRO DE ESTADO BOTCHE CANDÊ E MALAL SANÉ, O MINISTRO SOLA N'KLIM E JOSÉ ADELINO VIEIRA (N'DÚ), SECRETÁRIO DE ESTADO DE ORÇAMENTO E ASSUNTOS FISCAIS ENTRE OUTRAS PERSONALIDADES.
 
 

GUERRA CIVIL: LIVRO DE JORNALISTA BRITÂNICO DESCREVE COMO ANGOLA FOI DIVIDIDA EM 1975.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lisboa - O período pós-Guerra Colonial fixou as linhas que marcaram um conflito de quase 30 anos. E é o início de "A Guerra Civil em Angola", livro de Justin Pearce do qual o Observador faz a pré-publicação.
 
Fonte: Observador in http://www.club-k.net
 
Do fim da Guerra Colonial aos acordos de Luena. Da independência angolana face a Portugal à morte de Jonas Savimbi e ao desmantelar dos últimos redutos da UNITA. É este intervalo temporal, feito de quase 30 anos, que Justin Pearce trabalha no livro “A Guerra Civil em Angola: 1975-2002” (chega às livrarias a 13 de Abril). Há 15 anos que o conflito terminou (a 4 de Abril de 2002), um dos mais longos e sangrentos de África. Ao mesmo tempo, um dos que deixaram mais por explicar. O autor quer, com este livro, contribuir para esse necessário esclarecimento.
 
As consequências desta guerra civil definiram o panorama político e social da Angola contemporânea. “O legado da guerra está patente, não apenas na persistência da um conceito partidário de nacionalismo que liga o interesse nacional à incumbência de um determinado partido. O memorialismo selectivo da guerra e suas consequências, da luta anticolonial à guerra civil e ao término desta, está também na base das reinvindicações à legitimidade por parte do MPLA.” As palavras são de Justin Pearce, historiador e investigador, especializado em temas africanos.

As alianças políticas e a oposição UNITA-MPLA, são estes dois dos principais temas de um livro originalmente publicado em 2015, pela Cambridge University Press, e que agora tem edição em português pela Tinta-da-China. O Observador faz a pré-publicação de um excerto que recorda os factos e acontecimentos em Angola após o 25 de abril e como MPLA, UNITA e FNLA — as forças que lutavam pela soberania no país — foram os grandes protagonistas deste período e delinearam um futuro dramático para milhares de angolanos.

“A forma como os movimentos de libertação se integraram na sociedade angolana no ano subsequente ao golpe de Estado contribuiu para definir a futura natureza da política de Angola, tanto na sua diferenciação regional como no seu cunho elitista. A princípio, a mobilização política foi, conceptualmente, livre e competitiva, embora as concentrações regionais reflectissem as origens das elites fundadoras dos movimentos: a FNLA no Norte bacongo, o MPLA em Luanda e no território interior que lhe é adjacente, e a UNITA no Planalto Central. Vimos que os autodenominados membros de uma elite intelectual consideravam, não sem razão, que haviam tido acesso a ideias anticoloniais que não estavam ao alcance de outros. Da mesma maneira, os indivíduos cultos e educados explicaram a sua adesão política, após o 25 de Abril de 1974, como sendo o resultado de uma escolha consciente e informada, ainda que estivessem convencidos de que aos menos instruídos não restara outra alternativa a não ser apoiar qualquer movimento que assumisse o controlo da zona onde viviam. Bernardo, na época um jovem activista que viria a fazer carreira ao serviço do estado, referiu que tinha escolhido o MPLA devido à plataforma socialista adoptada «para convencer o povo e as comunidades nacional e internacional sobre qual [era] o objecto da sua luta» e para «pôr fim à exploração». Estas escolhas, acrescentou, foram feitas pelas «pessoas mais esclarecidas», enquanto entre «os menos esclarecidos não foi isso que aconteceu, porque até esse momento a alternância de poder era desconhecida no país… porque este estava a sair do colonialismo e do obscurantismo. Isto levou a que as pessoas tivessem dificuldade em perceber a diferença». Paulina, uma antiga funcionária pública da mesma geração, disse ter escolhido a «visão progressista» do MPLA, que «me ajudou a definir as minhas ideias», em detrimento da «ênfase na cultura», que dominava o discurso da UNITA.
 
Alguns elementos das bases da UNITA também aludiram à existência de uma dimensão ideológica no processo de recrutamento do movimento. Um antigo tenente recordou que aderiu à UNITA, em 1974, quando era estudante, porque «era o movimento que libertaria o povo angolano… das garras do colonialismo português». Em contrapartida, os que se identificavam menos convictamente com qualquer dos partidos mostraram-se mais cépticos quanto à existência de diferenças ideológicas entre ambos. Um professor referiu que «cada partido tinha a sua maneira de explicar a sua ideologia e cada pessoa reflectia sobre ela e, mediante a sua interpretação, escolhia o que era melhor para si… Cada [partido] afirmava que, se fosse ele a governar o país, faria melhor pelo povo». Abel Chivukuvuku, que aderiu à UNITA ainda jovem, na sequência do golpe militar em Portugal, atribui a sua decisão de aderir ao movimento, no período entre 1974 e 1975, sobretudo às origens locais da UNITA:
 
A UNITA nem precisou de se mobilizar… acho que aconteceu o mesmo em Luanda [com o MPLA], ou no Uíge, em Mbanza Congo [com a FNLA] — as pessoas simplesmente pensavam: «Esta é a nossa organização.» E, pelo facto de as elites da região aderirem, todos aderiam.
 
Embora Savimbi tenha sido um produto do nacionalismo oriundo das missões do Planalto Central, e nele tenha encontrado inspiração, foi no Leste do país que formou o seu exército, pelo que só em 1974 a UNITA conquistou uma base de apoio maciça no Planalto Central. Segundo um informador: «A UNITA saiu das matas como um bando de guerrilheiros maltrapilhos. Foi só nessa altura que os miúdos educados nas escolas das missões apareceram aos magotes.»
 
Em síntese, quem se identificava com o MPLA, em 1974 e 1975, sentia‐se movido por um compromisso ideológico claro com o partido — o primeiro contacto com o MPLA foi, muitas vezes, através das suas emissões de rádio —, uma ligação que se manteve mesmo quando a UNITA passou a ser o movimento militar dominante. Os seguidores da UNITA desejavam a libertação nacional, mas a sua opção pelo movimento foi determinada, em igual medida, pelas raízes do movimento num certo estrato social e pelas suas prioridades ideológicas. Nas vésperas da independência, a maioria dos indivíduos citados até ao momento vivia em centros urbanos ou frequentava as escolas das missões. Nas aldeias, pelo contrário, ninguém fez referência ao recrutamento de pessoas pelos movimentos de libertação antes da independência. O mais‐velho de uma aldeia, apesar de leal à UNITA, secundou a atitude de muitos aldeãos, dizendo: «Em 1975, a UNITA estava aqui, mas as tropas só ocupavam os locais onde viviam os brancos.» Dito de outro modo, a UNITA estava presente na região, mas mantinha as suas bases instaladas nas cidades.

Os factores determinantes da filiação política foram mais complexos do que simples linhas desenhadas num mapa: embora fosse uma criação das elites do Planalto Central, a UNITA não conseguiu garantir o apoio dos habitantes das cidades que estavam familiarizados com o MPLA, instituído há mais tempo. Mais tarde, em meados da década de 1970, os dirigentes da UNITA serviram‐se das estratégias maoistas de resistência camponesa para tentar mobilizar as populações rurais, no Planalto Central. A sua acção, no entanto, era principalmente urbana. A maioria dos relatos sobre o MPLA também descreve um movimento essencialmente urbano, com um êxito modesto nas tentativas de criação de zonas rurais libertadas durante a guerra anticolonial. O MPLA depressa perdeu o interesse nessas zonas logo que o golpe de Estado em Portugal permitiu a mobilização nas cidades.
 
Embora o quadro jurídico da transição para a independência tenha sido definido pelo Acordo de Alvor, assinado pela FNLA, o MPLA, a UNITA e Portugal, a 15 de Janeiro de 1975, as suas disposições surtiram poucos efeitos perante as posições das elites portuguesas e angolanas: do lado português, havia uma relutância em exercer a autoridade, e do lado dos movimentos angolanos verificava‐se a ausência de uma visão comum de nação e uma carência em termos de responsabilidade popular devido ao alcance limitado da mobilização inicial. O Acordo de Alvor determinou a criação de um Governo de Transição, a 31 de Janeiro, com uma presença equitativa dos três movimentos, um alto‐comissário nomeado por Portugal, incumbido de resolver litígios interpartidários, e a formação de um exército unido, a par da retirada faseada das tropas portuguesas. Os relatos dos acontecimentos ocorridos nos meses subsequentes ao Alvor são unânimes em afirmar que o executivo de transição praticamente não funcionou, enquanto os responsáveis portugueses se serviram da existência de jure do executivo para se isentarem de responsabilidades em relação ao que estava a acontecer em Angola.
 
A situação desencadeou uma sequência de acontecimentos que não corresponderam a um processo de descolonização, mas resultaram, sobretudo, na apropriação gradual de prerrogativas do estado por parte dos movimentos independentistas, incluindo o uso da violência em nome da defesa das comunidades. É nesta assunção de prerrogativas que podemos situar as origens das formas como os movimentos de libertação exerceram e procuraram justificar o seu controlo do território e das populações ao longo do conflito armado que se seguiu. O MPLA conseguiu incorporar os comités de autodefesa, formados para responder à violência praticada pelos colonos, enquanto a FNLA os encarou com reservas por razões ideológicas. Nos primeiros meses de 1975 registaram-se alguns recontros entre jovens e militares alinhados com o MPLA e a FNLA. O clima de tensão agravou‐se ao ponto de soldados dos dois exércitos atacarem as instalações dos dois partidos, no final de Março de 1975. Quase em seguida, as Forças Armadas Portuguesas (FAP) foram acusadas de não intervir, e combatentes dos três movimentos de libertação juntaram-se às tropas portuguesas para tentar repor a ordem.

Nos dias que se seguiram, o alto‐comissário ordenou a entrega de armas às patrulhas portuguesas ou da UNITA, determinando que só este movimento integraria as patrulhas mistas com as forças do exército português. Contudo, o MPLA e a FNLA prosseguiram um patrulhamento independente, uma indicação da falta de autoridade dos portugueses e de uma desconfiança mútua que, em breve, redundaria em novos actos de violência. O conflito intensificou-se depois de 8 de Julho e, no decurso dos combates, um grupo de apoiantes do MPLA e da FNLA atacou o Alto Comissariado português. O Tempo, semanário lisboeta de direita, comentou em tom sardónico a abdicação das forças portuguesas da sua responsabilidade na manutenção da ordem, afirmando que elas só retaliavam, «num acto tardio de soberania portuguesa e prova da existência de tropas portuguesas em Angola», quando as FAPLA atacavam veículos das FAP.
 
O regresso da calma relativa a Luanda, em meados de Julho, anunciou não o alcance de um acordo, mas a vitória efectiva do MPLA sobre os seus rivais — um dos primeiros casos de uma tendência dos movimentos nacionalistas para impor o controlo territorial total pela força das armas que definiria o perfil do conflito nos meses seguintes. As FAPLA juntaram‐se às FAP nas operações de patrulhamento para «evitar actos de banditismo», enquanto os militantes do MPLA detinham saqueadores, «protegendo, assim, as casas e bens que foram abandonados». Enquanto a UNITA, poucos meses antes, merecera a confiança dos portugueses como força promotora da paz, uma vez que não se envolvera nos actos de violência perpetrados em Luanda, a autoridade conquistada pelo MPLA, em Julho, reflectia o facto de ter imposto um monopólio da força em Luanda com o beneplácito das autoridades portuguesas.
A UNITA era um actor marginal, em Luanda, mas para ela e para os outros movimentos a politização fez parte de um processo que também envolveu a militarização. Daqui surgiu uma associação entre política e vida militar que se manteve até ao fim da guerra civil. O relatório oficial da Força de Defesa da África do Sul (SADF) sobre a sua intervenção em Angola refere que Savimbi começou a receber armamento da África do Sul logo em Outubro de 1974, ou seja, três meses antes da assinatura do Acordo de Alvor. Segundo este relatório, a SADF tomara a iniciativa de contactar Savimbi, em Julho de 1974. A UNITA continuou a ampliar o seu exército e a sua base de guerrilheiros, deslocando elevados contingentes de pessoas do Planalto Central para as suas bases militares, no Leste do território. Segundo o antigo general da UNITA, Geraldo Sachipengo Nunda, a condição imposta pelo Acordo de Alvor obrigando cada movimento a contribuir para a formação de um exército único através da disponibilização de uma determinada quota de militares desencadeou uma corrida ao recrutamento, mesmo numa época em que a animosidade ideológica entre os vários movimentos era reduzida.

A violência política no Planalto Central apenas se tornou um problema sério quando o conflito em Luanda provocou um êxodo de pessoas com origens familiares na região do Planalto Central. Os entrevistados do Huambo referiram‐se à ocorrência de «massacres», em Luanda, que obrigaram os que tinham raízes familiares no Planalto a fugir da capital. As reportagens publicadas na imprensa falam da chegada ao Huambo de «inúmeros refugiados» provenientes do Cuanza Norte (interior de Luanda), «alguns… com intenção de ficar no Huambo apenas até terminar o período de confrontos… Outros não pensam regressar ao Norte». Alguns milhares saíram, alegadamente, de Luanda rumo ao Lobito e ao Huambo, na sequência de «graves incidentes» em Luanda, entre os dias 8 e 17 de Agosto, que obrigaram as pessoas a fugir «ao tiroteio, às granadas, aos morteiros, ao tribalismo, ao banditismo». Algumas foram atacadas por apoiantes do MPLA ao chegarem ao Cuanza Norte, a fronteira teórica entre o Norte e o Sul de Angola.
 
Nunda recorda este incidente como a época em que «surgiu a lógica da guerra. Daí para a frente, as linhas dividiram‐se». Na época, o MPLA deu ênfase à expulsão dos militares da FNLA enquanto parte do seu exercício de soberania na capital, ignorando o facto de a população civil também ter sido obrigada a abandonar Luanda. A 29 de Julho, uma declaração emitida pelo MPLA anunciava que «os habitantes de Luanda assistiram à expulsão das forças da ELNA [o exército da FNLA] com alegria», embora, no dia 8 de Agosto, uma nova batalha entre forças do MPLA e da FNLA tivesse «levado os portugueses a ceder às exigências do MPLA no sentido de proceder à evacuação dos ministros da FNLA da capital». Os elementos da UNITA que integravam o Governo de Transição deixaram Luanda sensivelmente na mesma época. Alguns apoiantes portugueses da UNITA advertiram os responsáveis do movimento de que correriam perigo caso decidissem permanecer em Luanda, e disponibilizaram‐lhes um avião para os transportar para o Huambo. Os acontecimentos de Agosto ditaram o fim do Governo de Transição e do Acordo de Alvor.
 
No Planalto Central, a UNITA retaliou com acções violentas contra apoiantes do MPLA. Moco, à época um jovem militante do MPLA da região do Huambo, foi feito prisioneiro durante algum tempo pela UNITA, que detinha uma «supremacia ideológica, física, militar, tudo. Os militantes do MPLA foram capturados, mortos… Foi, praticamente, uma vingança pelo que tinha acontecido aos militantes da UNITA que tinham estado em Luanda». No final de Junho, surgem notícias de que Savimbi teria sido recebido no Huambo por «uma multidão estimada em muitas dezenas de milhares de pessoas que o aplaudiram em delírio». A UNITA consolidou o seu domínio na região expulsando forças do MPLA do Cuíto, no início de Agosto. O MPLA, que até então apenas se preocupara com a oposição da FNLA, começou a referir-se à UNITA como um rival, acusando-a, e à FNLA, de «intimidarem e aterrorizarem os nossos militantes… e de impedirem o avanço do nosso povo na luta contra o imperialismo», e atribuindo à UNITA a autoria de ataques reiterados a activistas do MPLA, na zona do Planalto Central, durante os meses de Julho e Agosto.
 
A entrada tardia da UNITA num conflito que, inicialmente, opunha apenas o MPLA e a FNLA, deveu-se à sua fraca presença e falta de ambição em Luanda numa época em que os outros dois movimentos concentravam os seus esforços na luta pela supremacia numa cidade que sabiam ser um elemento crucial para o controlo do estado independente. Embora as elites da UNITA enfatizassem as origens do seu movimento no Planalto Central, a maioria da população desta região manteve-se afastada da política até o conflito alcançar o interior do país, tendo a experiência da violência servido para politizar indivíduos que, antes, não sentiam qualquer interesse pela disputa entre os movimentos rivais. As entrevistas com pessoas que se recordam desse período revelam que alguns continuaram apáticos até os «massacres» e movimentos populacionais ocorridos em Julho e em Agosto de 1975 não permitirem aos habitantes dos centros urbanos do Planalto Central continuar a ignorar o conflito.
 
Os relatos sobre os últimos anos da guerra civil de Angola evidenciam o papel da intervenção externa, realizada no contexto da Guerra Fria, enquanto fomentadora do conflito. É, por isso, oportuno salientar que o antagonismo descrito até ao momento se manifestou numa época em que nenhum dos movimentos angolanos se encontrava fortemente armado. A UNITA recebeu algum armamento da África do Sul, em Outubro de 1974, mas, passado um ano, quando chegaram os instrutores sul‐africanos, as suas forças debatiam‐se com a carência de equipamento e treino militares. Só no final de Agosto de 1975 é que o MPLA começou a receber auxílio do seu principal aliado, a missão militar cubana. A supremacia da UNITA na região do Planalto Central, em Agosto de 1975, e o controlo de Luanda por parte do MPLA, na mesma data, ficaram sobretudo a dever‐se à mobilização local apoiada pela aprovação activa ou tácita do Estado português.
 
Em Agosto de 1975, estava definido o carácter territorial do conflito angolano. O país começara a dividir-se naquilo que a imprensa e as autoridades portuguesas designaram por «zonas de influência», um eufemismo para retratar a posição de supremacia absoluta de um dos movimentos nacionalistas. No final do mês, o MPLA controlava todo o litoral a sul de Luanda e o território interior daí até Luau, no extremo leste do território, junto à fronteira com o Zaire. A FNLA dominava a faixa costeira a norte e a região interior adjacente, enquanto a UNITA ocupava o interior, no Sul do país. A partir daí, enquanto a FNLA e a UNITA mantiveram uma aliança estratégica, a relação entre o MPLA e os outros movimentos tornou-se completamente hostil, e todo o simulacro de cooperação, conforme previsto no Acordo de Alvor, desvaneceu‐se. Tanto a UNITA como o MPLA negaram a «balcanização» de Angola, ao mesmo tempo que se acusavam mutuamente pelo facto.

Em Luanda, o MPLA começou a institucionalizar o controlo da cidade. O seu comportamento e retórica deixaram de ser os esperados de um movimento de libertação para se aproximarem dos de um governo autoritário, ainda antes de ser reconhecido como tal. Lopo do Nascimento, primeiro‐ministro do Governo de Transição, declarou que as eleições acordadas no Alvor estavam agora «fora de questão devido à actual situação no país».73 Uma reportagem sugeria que os comités de moradores constituídos no início do ano se tinham transformado nos
 
Comités de Defesa Popular [CDP]: organismos paramilitares formados por trabalhadores [a fim de] garantir as condições para a existência e defesa das instituições do Poder Popular… Todos os indivíduos armados que não sejam membros das FAPLA ou dos CDP serão considerados bandidos armados ilegais.
 
O MPLA começou a ter, de forma explícita, o monopólio da violência praticada nas zonas por si controladas, adoptando prerrogativas de estado embora, juridicamente, Angola continuasse sob soberania portuguesa. O movimento exortou a população a «regressar ao trabalho» depois da perturbação causada pelo conflito e tomou a seu cargo a tarefa de «organizar a vida do país» por intermédio do Departamento de Organização de Massas. O MPLA assumiu o controlo da empresa estatal de radiodifusão e do jornal Província de Angola, com o objectivo de «servir… o povo, e não as forças reaccionárias». O relatório sobre a situação militar, publicado diariamente no jornal, e até aí proveniente do alto‐comissário, passou a incluir uma declaração das FAPLA, enquanto a linha editorial começou a favorecer o MPLA e a promover a «resistência popular generalizada». Até ao dia 9 de Setembro, o MPLA reconstituiu o governo, colocando os seus representantes em cargos anteriormente ocupados por elementos designados pela UNITA e pela FNLA. Uma informação da CIA registou que responsáveis do MPLA tinham colocado «grande empenho em criar a impressão de que a sua organização é o único grupo de libertação capaz de coordenar um governo angolano independente».
 
Os laços pessoais e ideológicos entre a esquerda portuguesa e o MPLA poderão ter facilitado a tomada do poder em Luanda pelo partido. Ambos partilhavam a linguagem da luta de classes e do anti‐imperialismo. O almirante António Rosa Coutinho, o primeiro governador destacado para Luanda após o golpe de Estado em Portugal, não escondia o seu apoio ao MPLA, um facto que lhe valeu a destituição do cargo após a assinatura do Acordo de Alvor. Mabeko‐Tali defende que, embora o MPLA estivesse dividido quanto à participação no Governo de Transição, a sua intransigência crescente encontra explicação, pelo menos parcial, nas informações disponibilizadas pelo MFA sobre a relativa fraqueza da FNLA.

Não menos importante do que a afinidade ideológica com o MFA, porém, foi o facto de ter em Luanda a sua principal base de apoio, de controlar os importantes ministérios do Interior e das Comunicações durante o Governo de Transição, e de contar com o apoio dos angolanos que eram funcionários da administração colonial e haviam permanecido nos seus postos de trabalho após a partida dos portugueses. O controlo da segurança e da propaganda permitiu ao MPLA consolidar a base de apoio em Luanda, apesar de elementos da FNLA e da UNITA continuarem a integrar o executivo do Governo de Transição. Até alguns opositores reconheceram que o movimento estava mais preparado para governar do que a FNLA ou a UNITA. Segundo MacQueen, em Julho de 1975 Portugal estaria menos inclinado a alinhar com o MPLA do que um ano antes. Independentemente das suas motivações, o certo é que, a partir de meados de 1975, Portugal pouco ou nada fez para contrariar as reivindicações de soberania por parte do MPLA, em Luanda e zonas circundantes, o centro nevrálgico do estado colonial, onde a autoridade dos portugueses continuou a ser soberana, nem que fosse teoricamente, até à data escolhida para a independência.
 
Enquanto o MPLA assumia o controlo de Luanda, a UNITA começava a afirmar a sua autoridade no Huambo, à medida que o MPLA era ex-pulso da cidade. Desconhece-se qual seria ainda a extensão da autoridade do estado colonial nesta fase. Uma reportagem informa que «o exército português já controla a situação», mas acrescenta que, «com a retirada das forças do MPLA da capital do Huambo, as forças da UNITA e da FNLA passaram a controlar os dois principais centros do Planalto Central, Silva Porto [Cuíto] e Nova Lisboa [Huambo]». Aqui, o «controlo» dos portugueses parece referir‐se, simplesmente, à manutenção de uma presença militar sem qualquer interferência na luta pela supremacia que opunha os vários movimentos angolanos. Nem a FNLA, nem a UNITA foram tão eficazes como o MPLA no que diz respeito à apropriação das funções do estado e à sua afirmação como governo nas zonas sob o seu controlo.
 
Entre os entrevistados que se recordavam do ano de 1975, no Huambo, os apoiantes da UNITA referiram‐se a professores e enfermeiros alinhados com esta organização que mantiveram as escolas e clínicas a funcionar até a UNITA ser expulsa dos centros urbanos, em Fevereiro de 1976. Os seguidores do MPLA, pelo contrário, afirmaram repetidamente que, durante o período em que a UNITA controlou a região, os serviços só funcionaram porque os funcionários angolanos da administração colonial se mantiveram nos seus postos de trabalho e não graças a novas iniciativas tomadas pela UNITA. O isolamento dos portos marítimos e o encerramento de empresas portuguesas teve um efeito devastador na economia regional. O jornal Província de Angola noticiou que «o Huambo continua praticamente isolado do resto do mundo», tendo as linhas telefónicas e de telex sido cortadas e não havendo combustível suficiente para alimentar a estação de rádio VHF. O jornal cita indivíduos chegados do Huambo, que referem: «já não há cerveja, nem açúcar», nem bens de primeira necessidade, nem tão-pouco havia gasolina. Contudo, a UNITA e a FNLA pretendiam apropriar-se dos recursos do estado para servir os seus próprios interesses, enquanto as autoridades portuguesas não queriam ou não foram capazes de oferecer resistência.

Em Setembro, a TAAG, a transportadora aérea estatal, anunciou que, a partir desse momento, apenas voaria para zonas controladas pelo MPLA, depois de a FNLA e a UNITA terem requisitado um avião da companhia, no Uíge e no Huambo. Isto aconteceu num período em que os portugueses ainda mantinham uma presença militar no Huambo. A UNITA manteve uma parte do Caminho-de-Ferro de Benguela em funcionamento, colocando-o ao serviço do movimento. No Cuíto, assumiu o controlo da sucursal local do banco estatal e o dinheiro continuou a circular na cidade.
 
Em Luanda, ou em qualquer outra zona do país, esta apropriação das funções do estado pelos movimentos de libertação deve ser entendida no contexto da partida dos funcionários portugueses e da relutância ou incapacidade de intervenção manifestada pelas forças de segurança portuguesas ainda presentes no território. Por maior que fosse o repúdio dos dirigentes portugueses em relação ao passado, não podiam esquivar-se às realidades jurídicas que haviam herdado. Os funcionários públicos de Angola estavam ao serviço do Estado português, sendo obrigados a responder perante os seus superiores hierárquicos, em Lisboa. A renúncia à autoridade soberana representou, assim, o desmantelamento do estado em Angola. Os funcionários públicos receberam tratamento prioritário no programa de repatriamento, e os que não conseguiram colocação à chegada a Portugal foram mantidos no quadro auferindo de metade da sua remuneração mensal.
 
O vazio criado pela retirada do estado foi ainda mais evidente nas regiões periféricas de Angola, onde se procedeu à evacuação das forças de segurança e ao encerramento dos serviços públicos após a partida dos funcionários portugueses nos meses que antecederam a independência. O relatório da SADF indica que Portugal abandonou a fronteira sul de Angola no início de Agosto de 1975. A África do Sul e Portugal haviam realizado operações conjuntas de protecção às várias barragens situadas junto à fronteira entre Angola e o Sudoeste Africano, ao longo do curso do rio Cunene, mas, «em Agosto de 1975, o desmantelamento progressivo da administração colonial portuguesa não deixava margem para dúvidas». Quando as forças da UNITA ocuparam dois postos de controlo fronteiriço, no início de Agosto, «o destacamento português ali colocado procurou refúgio junto da polícia sul-africana, na Ovambolândia».

A partida das tropas portuguesas permitiu à SADF assumir posições militares em Angola, a 12 de Agosto. Um editorial do Diário de Notícias reagiu, num tom encolerizado, ao que designou por violação da soberania portuguesa, embora as forças portuguesas no terreno não tenham oferecido qualquer resistência. Ao mesmo tempo, decorria a retirada das tropas estacionadas no Norte de Angola. Um relatório datado de 6 de Agosto descreve a evacuação do Uíge e do Negage, duas cidades estratégicas situadas nas zonas de produção cafeeira controladas pela FNLA: «Como é habitual, grande parte da população civil acompanha a tropa portuguesa [numa] coluna constituída por centenas de viaturas.»
 
No regresso a Portugal, um antigo residente em Angola contrapõe a retirada faseada das tropas que fora acordada no Acordo de Alvor com o que sucedeu na realidade, referindo que todo o apoio militar e logístico das tropas portuguesas desapareceu de Angola. E essas tropas corriam o risco de ficar perfeitamente isoladas. […] Assim, cada vez que a tropa portuguesa abandona determinada cidade ou posição, a população branca igualmente abandona essa cidade ou posição. […] Mas igualmente a população negra, que não seja afecta ao movimento que controla a zona em questão, acompanha as tropas portuguesas no momento da retirada.
 
Como referido anteriormente, o governo revolucionário em Portugal hesitou em exercer os seus poderes de soberania em Angola por razões ideológicas. Porém, a sua aparente falta de interesse pelo que se passava em África também pode ser, parcialmente, atribuída à crise política em que Portugal estava mergulhado, ateada não apenas por questões internas, mas também pelo medo e indignação dos colonos perante o que entendiam como um abandono por parte do governo. À medida que as suas forças renunciavam ao controlo, Portugal anunciou a realização de uma ponte aérea para evacuar 270 mil pessoas de Luanda e do Huambo nos três meses que antecederam a data da independência, um contingente duas vezes superior ao total de pessoas que haviam partido nos 15 meses transcorridos desde o golpe de Estado. Segundo o general Nunda, as forças da UNITA auxiliaram a operação de evacuação do Huambo.
 
É bem possível que a ponte aérea exigisse, pelo menos, a colaboração, se não a cooperação activa, da UNITA. Esta operação tornar‐se‐ia a principal preocupação do governo colonial nos meses seguintes até ao início de Outubro, quando as autoridades anunciaram o fim da evacuação do Huambo. A conclusão da ponte aérea na cidade assinalou o fim da presença portuguesa no Sul de Angola, mais de um mês antes da data marcada para a independência.

Os acontecimentos referidos indiciam que a delimitação de território entre o MPLA e a UNITA, realizada no fim de Agosto de 1975, resultou de uma mobilização política local e de decisões tomadas de maneira autónoma pela direcção de cada movimento, tendo decorrido sem confrontos militares organizados. Ao invés, o movimento dominante em cada região foi, gradualmente, ganhando controlo territorial, assumindo, por vezes, funções de estado perante uma presença militar e administrativa portuguesa cada vez mais escassa. A violência manifestava-se nas escaramuças entre militares dos diferentes movimentos ou em ataques a civis presumivelmente associados ao movimento rival.
 
Como referido, o MPLA e a UNITA começaram a receber auxílio de instrutores militares cubanos e sul‐africanos, respectivamente, a partir de Agosto ou Setembro de 1975. Enquanto isso, a África do Sul decidia, de forma unilateral, deslocar o seu contingente militar estacionado a norte do rio Cunene. Em Agosto, porém, a iniciativa militar e política continuava a pertencer aos movimentos angolanos, uma situação que iria alterar‐se nos dois meses seguintes, à medida que o MPLA e a UNITA procuraram apoios fora do país e a estratégia política dos actores angolanos passou a estar subordinada ao envolvimento de agentes externos.

Em Outubro, a invasão em grande escala da África do Sul alterou profundamente os contornos do conflito. Uma unidade da UNITA comandada por um major sul‐africano e assessorada por consultores sul-africanos conteve o avanço do MPLA sobre o Huambo a partir de Benguela. Seguiu‐se a entrada em Angola da coluna Zulu da SADF, a 14 de Outubro, que expulsou as forças do MPLA estacionadas ao longo da faixa costeira até Novo Redondo (Sumbe), a norte do território. Apesar dos pedidos de auxílio do MPLA para combater a invasão sul‐africana, Cuba mostrou‐se reticente em enviar tropas para um território sob soberania portuguesa. A primeira força de combate cubana chegou a 9 de Novembro e foi enviada para sul com a missão de conter o avanço dos sul-africanos. Dois dias mais tarde, Portugal concedia a soberania ao «povo angolano», uma formulação deliberadamente ambígua que veio ratificar a situação real de disputa territorial vigente.

Agostinho Neto, presidente do MPLA, proclamou a independência da República Popular de Angola, em Luanda, enquanto, no Huambo, Savimbi anunciava a criação da República Democrática de Angola. As Forças Especiais cubanas travaram o avanço das tropas sul‐africanas fazendo explodir pontes no rio Queve e, posteriormente, na batalha decisiva, travada na região do Ebo no dia 23 de Novembro.97 Entretanto, o exército da FNLA, que marchava em direcção a Luanda, vindo do Norte, foi destroçado por mísseis cubanos. A iniciativa militar passou, então, a pertencer ao MPLA, levando à retirada da SADF de Angola, entre Janeiro e Março de 1976, e à fuga da UNITA das cidades do interior do país, no início de Fevereiro.”
 

Justin Pearce é investigador na Faculdade de Política e Estudos Internacionais na Universidade de Cambridge (St. John’s College). Doutorou-se na Universidade de Oxford com uma investigação sobre a guerra civil angolana (2011) e fez o pós-doutoramento na School of Oriental and African Studies da Universidade de Londres. Foi jornalista na África do Sul, no Reino Unido e em Angola. Publicou também artigos em revistas como a African Affairs e o Journal of Southern African Studies. Este livro foi publicado originalmente pela Cambridge University Press (2015).

Total de visualizações de página