Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Angola: Isabel dos Santos, a filha do Presidente de Angola manda prender filho de João de Matos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
joao-de-matos.jpg

Isabel dos Santos, é a figura que círculos  restritos em Luanda   que suspeitam  estar por detrás  da “ordem superior” que culminou  com a detenção, na passada Quarta-feira,  de jovem Alex de Matos, apresentado como “o filho mais velho” do  antigo CEMGFAA, João Baptista de Matos  suspeito de fazer parte de um desvio de 10 milhões de dólares aos cofres da operadora móvel UNITEL.
A detenção aconteceu num momento em que o ex- CEMGFAA encontrava-se fora do país, porem logo após os familiares e amigos do general terem tomado conhecimento do que se estava a passar desdobraram-se em  movimentações no sentido de se apurar e intervir em favor da soltura do jovem.   Uma das figuras que  também  movimentou-se  tão logo soube do que se estava a passar é o jurista Carlos Maria  Feijó que tem relações privilegiadas  com a família de Matos.
O Procurador Geral da República (PGR), João Maria de Sousa  que  viu o seu telefone a não parar de tocar    viu-se inicialmente “inútil” para ajudar visto que  o Procurador que ordenou a detenção  de Alex de Matos colocou os seus terminais telefônicos desligados para alegadamente não ser incomodado.
Alex de Matos acabaria por ser devolvido  a liberdade na sexta-feira (6), tendo se chegado a conclusão que o mesmo  pode ser   inocente das  acusações  que pesaram  sobre si.  De acordo  com apurações  é  apontado como principal  “suspeita” da burla um elemento identificado por “Arthur”  que entretanto  terá viajado para  Cuba.  Não há informações de que o mesmo terá se escapado propositadamente ou se o levantamento do escândalo calhou numa altura em que se encontra ausente de Angola.
Alex de Matos, que fora inicialmente detido por “engano” é descrito  como um jovem  “muito calmo” e que não se “mete em problemas”. Foi um  antigo estudante na cidade do Porto em Portugal.  Logo após regressar ao país, passou a trabalhar directamente  com o seu pai, João de Matos razão pela qual  é  tido como seu  principal substituto  na gestão dos negócios  e participações empresarias que o  CEMGFAA  faz parte.
Até ao momento a empresaria Isabel dos Santos ou algum representante da UNITEL ainda não reagiu para prestar esclarecimento deste acontecimento   ou  para apresentar desculpas publicas ao jovem Alex de Matos caso  as investigações das autoridades declaram-no  oficialmente  como inocente do desvio dos valores burlados a operadora móvel angolana.
fonte: MPDA

O site Slateafrique: O impacto benéfico do investimento chinês em África

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A crescente presença da China no continente fornece todos os tipos de debates, como as implicações geopolíticas das relações de negócios Chineses e do Ocidente em África.



O caso do  projeto petrolífero Rônier da National Petroleum Company (CNPC) da China  é particularmente interessante.



Este caso específico, o que supera as posições ideológicas, e cocktail mistura de óleo, China e África, optou-se por lidar com a regulamentação ambiental, por razões práticas, porque o assunto levanta menos resistência do que a governança, na esperança de que iria fornecer lições mais amplas ao longo do caminho.


Impacto ambiental "normal"


Primeira lição, o  projeto Rônier não teve um impacto extraordinário ambiental. Isto é em parte devido à dimensão e características deste projeto.


Modest em sua primeira fase (2009-2011), é o desenvolvimento de 80 poços de petróleo ligado por um gasoduto de 311 quilômetros que é uma pequena refinaria perto da capital do Chade, N'Djamena.


Além disso, a mídia cruzada, a savana Sudano-Sahel  pouco povoada, tem uma vulnerabilidade, para fora de uma travessia do gasoduto do rio Chari, principal afluente do Lago Chade.


Mas os dispositivos de controle ambiental e  práticas de CNPC também têm a sua quota em sua infância sem intercorrências.


Eles refletem uma década de aprendizado acelerado da gestão ambiental da China, resposta a desastres para o crescimento descontrolado, mas também algumas limitações.


Densa rede de regras de diferentes tipos (nacionais, provinciais, empresas sectoriais); origem híbrida de múltiplos repositórios, combinando empréstimos com as práticas internacionais e chinês, o avanço real, apesar de persistentes dificuldades de implementação.


O ritmo de implementação de dois impactos ambientais Estudo (EIA) do projeto Rônier é revelador.


O EIA da refinaria, financiado com o envolvimento de Eximbank (Banco de Exportação-Importação da China, estatal), que exige tais estudos desde 2007, foi uma realização mais rápida do que os campos de petróleo e do gasoduto.


Este, entregue após a conclusão dos trabalhos, fato explorado com brechas nas leis do Chade (Decretos de aplicação da Lei sobre a AIA não votou) e Direito (chinês em Estudos de Impacto Ambiental não aplicáveis ​​a no exterior).


CNPC é particularmente notável para a modéstia de seus meios de comunicação e informação, adequados para a suspeita.


Finalmente, a influência do ambiente de acolhimento na gestão ambiental não deve ser subestimado.


O projeto de petróleo de Doba (na décima primeira cidade do Chade, de 18.000 habitantes), encomendado em 2003 por um consórcio liderado pela Exxon americana, com o apoio do Banco Mundial, vericou em Chad progresso e multiforme aprendizagem , apesar dos problemas encontrados.


A legislação ambiental e óleo expandido; formação de capacidade dos recursos humanos de fortalecimento da sociedade civil. Experimentos de circulação permitidos por aqueles que passam algumas estruturas superiores do governo apoiados pelo Banco Mundial para o setor privado, ou a Exxon CNPC, não é sem efeito.


Não é por acaso que os dispositivos de compensação e reassentamento dos moradores das infra-estruturas implementadas pela CNPC se assemelham a nada tanto como os da Exxon, respondendo às normas internacionais.


Normas ambientais e "competição" Sino-Ocidental.



Com efeito, uma segunda fase da estratégia de CNPC no Chade visa, mais convencionalmente, a exportação de excedente entre o óleo processado pela refinaria (máximo de 20.000 barris por dia) e susceptível de aumentar a produção, com a perfuração de novos poços (em breve 60.000 b / d).


A solução mais simples seria usar o oleoduto operado pelo consórcio de Doba para metade da sua capacidade (225.000 b / d), nos últimos anos. Um acordo parece ter sido articulado, no início de 2012 entre a Exxon e a CNPC.


Agora, de acordo com os termos do contrato de empréstimo celebrado em 2001 com o Banco Mundial, o uso do gasoduto entre Doba, no Chade, e Kribi, nos Camarões, está sujeita ao cumprimento de normas ambientais por grupo Banco Mundial.


Para conectar seus novos campos de petróleo para o pipeline, a CNPC vai fazer seus padrões consistentes com os da Exxon. Mas como os dois atores (China e os EUA) como  iriam interpretar a esse requisito?


 Será  que a CNPC vai usar esta oportunidade de melhorar suas práticas e sua reputação para a gestão ambiental, ou será que só temos uma convergência de mínimos, o que reflecte a primazia dos motivos econômicos (business case para a infra-estrutura Exxon, a necessidade de exportar para CNPC)?


A conexão dos dois gasodutos de que se falam sobre as relações entre os dois atores no lugar da questão ambiental em suas respectivas estratégias.


Qual a contribuição para o desenvolvimento nacional?


Estas perguntas nos levam de volta ao debate mencionado pela primeira vez: a crescente influência da China na África, dirigido por sua necessidade de matérias-primas e com base em relações políticas com regimes africanos, isso não é agravar os sintomas da maldição " recursos naturais "(corrupção, o autoritarismo, o conflito)?


Aqui também, o projeto chinês no Chade desenha um quadro misto.


A instalação do CNPC no Chade em 2007 coincidiu com uma diminuição na intensidade do conflito entre o Chade e o Sudão para o Darfur aninhada: China tem claramente contribuído para aliviar as tensões entre os dois lados.


Especialmente, a primeira etapa do projeto foi Rônier original, uma vez que previa uma recuperação nacional dos recursos petrolíferos, através da refinaria Djermaya (cerca de 40 km da capital do Chade), que fornece produtos petrolíferos para o mercado interno e um pouca energia para a grade.


Os primeiros meses foram difíceis, porém: o comissionamento da refinaria no final de 2011 foi acompanhada por um impasse entre o governo do Chade, ansioso para definir um preço de combustível "social", e parceiros chineses preocupados com a viabilidade investimento econômico. Saldos continuam a ser procurados.


O segundo passo é clássica: a exportação de CNPC será tida em conta os rendimentos do petróleo nacional, ninguém sabe ainda se ele vai se preocupar com os mecanismos de alocação de pré a várias prioridades sócio-econômicas e transparência inaugurada, não sem mal, no projeto de Doba.


Mesmo que o declínio ainda está faltando, o investimento CNPC, em um país como o Chade não parece, em nossa opinião, fundamentalmente diferente em sua natureza e seus efeitos daqueles de empresas ocidentais.


Ao expandir o leque de parceiros, a China ampliou a política dos Estados africanos. O aumento das receitas do petróleo, pode ser a origem da empresa que fornece, torna o Estado a oportunidade de implementar políticas públicas, depois de ter sido privada durante as décadas de ajustamento estrutural.


As interações de empresas chinesas com seus ambientes domésticos seguem um certo pragmatismo, mas os sinais de que eles são mais sensíveis ainda merecem ser melhor compreendidas.


fonte: slateafrique


Total de visualizações de página