Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Líderes da Região dos Grandes Lagos vão se reunir em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Angolano Jose Eduardo dos Santos. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

Os chefes de Estado e de Governo vão se reunir na Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (ICGLR - sigla em inglês) em Angola na próxima segunda-feira.

Se espera que a reunião extraordinária em Luanda, vai avaliar a instabilidade prevalecente em alguns países membros do bloco, a mídia estatal confirmou nesta quarta-feira.

A crise do Burundi deve ter lugar de destaque na reunião, disse o Secretário Executivo da ICGLR Alphonse Ntumba Luaba.

Sr. Luaba disse a repórteres em Luanda que a situação no Burundi estava tensa, daí a necessidade de uma vigilância apertada.

Não ficou claro quem nesta quinta-feira estava no comando do país que foi mergulhado em uma crise com a insistência do presidente Pierre Nkurunziza em concorrer a um terceiro mandato.

Os militares anunciaram na quarta-feira que o governo do presidente Nkuruziza 'havia sido derrubado.

Capital de Burundi, Bujumbura, alberga a sede da ICGLR.

A agitação prevalece

Sr. Luaba apontou que Bujumbura não foi acolhida para a reunião por causa da agitação prevalecente.

O ambiente em Bujumbura não é propício para negociações com o pessoal da CIRGL temendo por suas vidas, acrescentou.

Angola é atual presidência da ICGLR.

O bloco é composto por 12 membros, nomeadamente Angola, Burundi, República Centro Africana, Congo-Brazzaville, República Democrática do Congo (RDC), Quênia, Uganda, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia.

A reunião na próxima segunda-feira, convocado pelo líder angolano e chefe do bloco, o Sr. José Eduardo dos Santos, também vai discutir a situação no Quénia, Burundi, RDC e Sudão do Sul.

O encontro será precedido por uma reunião de Ministros dos Negócios Estrangeiros 'agendado para sexta-feira em que os documentos serão preparados para os chefes de Estado e de Governo na sessão.

A reunião do comité de ministros da Defesa, na terça-feira, concluirá os debates dos delegados militares e serviços de inteligência da região.

#africareview.com

Burundi: o que precisamos saber sobre a situação na segunda noite do golpe de Estado de Pierre Nkurunziza (121) - Bujumbura (32) - golpe de Estado (15) - Nyombare Godefroid (1).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Outra noite de incerteza esperando burundienses nesta quinta-feira depois que os militares golpistas e os fiéis do Presidente Nkurunziza continuaram a batalha pelo controle da mídia. Aqui está o que sabemos sobre a situação.

Un Burundais enjambant une barricade dans Bujumbura.
Um burundiense abrangido numa barricada em Bujumbura. © Erik Esbjörnsson / AP / SIPA

Quem detém o poder?

Difícil de dizer. A confusão na sua totalidade reina. O General Niyombare anunciou nesta quarta-feira a destituição do Presidente Pierre Nkurunziza e os golpistas declararam nesta quinta-feira, à tarde, o controle da quase totalidade da capital. Mas a Presidência continua por sua parte a afirmar que a tentativa de golpe foi fracassada. Contactado por Jeune Afrique, Willy Nyamitwe, conselheiro responsável pela comunicação do presidente do Burundi, diz que "a situação se normaliza cada vez mais" em Bujumbura.

Revivendo a jornada de 14 de maio no Burundi com o nosso correspondente ao vivo
Contatado por telefone pela RTNB, a rádio nacional, Pierre Nkurunziza enviou entretanto uma mensagem ao povo do Burundi em Kirundi, apelando-o para manter a calma. Ele também agradeceu as forças de defesa e segurança do Burundi pelo "bom trabalho que frustrou a tentativa de golpe de Estado." No decorrer da mesma operação, o presidente do Burundi também disse que "muitos líderes do golpe se renderam" e chamou aqueles que ainda resistem a se desarmarem.

Pierre Nkurunziza também assegurou que "as fronteiras do pais não estão fechadas", enquanto que os legalistas e golpistas afirmam que do lado deles controlam o aeroporto.


Quinta-feira à tarde, enquanto a chuva se abateu sobre Bujumbura, o equilíbrio de poder permanece incerta e a população espera os novos combates nesta sexta-feira. Os membros da sociedade civil do Burundi na vanguarda e na anti-campanha ao terceiro termo de Nkurunziza, teriam dito a Jeune Afrique que temiam por suas vidas. "Vivemos na clandestinidade, diz um deles. Se as tropas leais de Pierre Nkurunziza nos encontrarem, vamos ser mortos."
Link permanente da imagem incorporada

#jeuneafrique.com

Presidente francês culminou a visita bem-sucedida a Cuba.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Raul marcou presença no aeroporto internacional José Marti para dar a despedida. Depois, fez declarações à imprensa.

O general-de-exército Raúl Castro despediu-se no aeroporto internacional José Martí, do presidente da França, François Hollande. Photo: Estudio Revolución.

TERÇA-FEIRA, bem cedo na manhã, o presidente Raúl Castro esteve presente no aeroporto internacional José Martí, para se despedir do presidente francês, François Hollande, que chegou a Havana na noite do domingo 10, para uma visita oficial, descrita como histórica, por ter sido a primeira de um dignitário francês à nação caribenha.
Após uma troca nos salões do terminal, Raúl acompanhou Hollande até a escadaria do avião que o levaria ao Haiti, último ponto de sua turnê pelo Caribe. Minutos antes de sair, o presidente francês agradeceu ao general-de-exército “por esta visita tão útil”, e previu a presença aqui de muitos outros presidentes, além de um bom desenvolvimento para a nação, “vocês poderão fazer o que quiserem com seu país”, disse.
Após a despedida, o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba deu à imprensa suas considerações sobre a estada aqui do presidente francês, bem como de outras questões da realidade cubana. Raul disse que na noite anterior havia dito a Hollande que viria para se despedir dele, “o que é um sinal da satisfação que temos com os resultados de sua visita”.
Raul resumiu o programa de atividades do presidente francês na capital, que incluiu uma visita ao comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, uma palestra na Aula Magna da Universidade de Havana, a inauguração da nova sede da Aliança Francesa e da realização do Fórum Empresarial Cuba-França, onde se mostraram grandes perspectivas nos negócios. “Foi muito claro, muito claro, muito amigável”, disse o general-de-exército.
Quanto às relações com a União Europeia (UE), o presidente cubano explicou que em junho será realizada em Bruxelas, a Cúpula UE-Celac, na qual “esperamos não ter que falar tanto quanto na do Panamá, porque, em última análise, a posição comum da União Europeia em relação a Cuba nunca deveria ter existido, isso foi uma importação... cuja instrução foi feita em inglês, mas isso vai se resolver”.
Sobre o aperfeiçoamento do modelo econômico e social, comentou que “vai a um bom ritmo, muitos criticam que vai devagar, mas eu me pergunto por que nós temos que ir correndo para cometer erros... Não queremos tomar qualquer medida para sacrificar nosso povo, que é o mais importante e nosso povo entende isso”.
Raul disse que "a questão do bloqueio não foi resolvida, está começando agora". Sobre a inclusão de Cuba na lista de países que patrocinam o terrorismo, ele observou que este era um ‘título honorário’ imposto injustamente. “Como eu disse no Panamá, que tipo de terrorismo é esse que os mortos são nossos e aqueles que nos atacam têm nenhum. Nós não temos assassinado ninguém, nem temos colocado qualquer bomba em qualquer hotel”.
Raúl comentou que em 29 de maio próximo conclui o prazo de 45 dias após a certificação do presidente Obama ao Congresso. “Essa acusação vai ser eliminada e então podemos avançar no processo de restabelecimento das relações diplomáticas e a reabertura de embaixadas, incluindo a acreditação dos embaixadores de ambos os países”.
Depois, referiu-se às restrições de movimento impostas aos diplomatas cubanos nos Estados Unidos, de cerca de 20 milhas, a partir da administração Reagan. “Então, nós impusemos as mesmas restrições aos seus diplomatas aqui. Agora eles alegam que seus diplomatas não devem ter mais limitações de movimentos que em outros países”. E a seguir, Raul expressou que o que mais nos preocupa é que eles continuem cometendo ilegalidades como antes, o que nos obriga a tomar medidas. “O que propomos, simplesmente, é que temos de ajustar-nos aos acordos sobre o comportamento dos diplomatas de todo o mundo, aprovados na Convenção de Viena”, precisou.
Uma vez que as relações diplomáticas sejam restauradas, podemos avançar em direção à normalização, significou Raul. Mas isso é outro assunto. Para isso “deve ser removido o bloqueio e a Base Naval de Guantánamo deve ser devolvida”.
Enquanto Raul proferia estas palavras, o avião do presidente francês se preparava para a decolagem, culminando assim uma visita qualificada de histórica e útil para ambos os países, que mais uma vez evidenciou a boa recepção do povo cubano a seus hóspedes. Não por acaso, as últimas palavras de Hollande aos repórteres, antes de sair foram, “obrigado pela hospitalidade”.
#granma.cu

Bruxelas choca com a Grã-Bretanha sobre o plano de imigrantes que atravessam o Mediterrâneo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fuzileiros navais britânicos ajudam os migrantes a desembarcar de um barco inflável em um navio de desembarque de HMS Bulwark após serem resgatados há cerca de 40 milhas ao largo da costa da Líbia, em 13 de maio de 2015. FOTO | AFP

A União Europeia entraram em confronto com a Grã-Bretanha nesta quarta-feira sobre um plano para salvar milhares de imigrantes africanos, principalmente, os que tentam atravessar o Mar Mediterrâneo, o que inclui quotas de reinstalação controversas para os refugiados.

O ministro do Interior britânico Theresa May solicitou que os imigrantes sejam enviados de volta, dizendo que a forma de lidar com os pedidos de asilo de pessoas resgatadas no mar da UE encorajou mais os africanos para arriscar suas vidas tentando a viagem.

Os elementos mais controversos do plano são uma redistribuição obrigatória dos requerentes de asilo em todo o bloco de 28 países membros e do uso da força militar europeia contra contrabandistas em águas líbias.

A Grã-Bretanha, Irlanda e Dinamarca têm a intensão de optar por sair do plano, que vem em meio a uma onda sem precedentes de imigrantes que fogem de conflitos e da pobreza no Norte da África e no Oriente Médio.

"Eu me pergunto como é que alguém poderia afirmar que isso poderia tornar a situação pior", disse o Sr. Frans Timmermans primeiro vice-presidente  da Comissão Europeia numa conferência de imprensa em resposta aos comentários da Sra. May.

"Se depois não fazer nada, fazemos a situação piorar para as pessoas em dificuldades e perdermos credibilidade aos olhos dos nossos cidadãos que têm exigido que façamos algo sobre as tragédias no Mediterrâneo."

Sr. Timmermans, o braço direito de chefe da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker, pediu aos membros da UE para mostrar "solidariedade" com países como a Itália, Grécia e Malta, que carregam o fardo da maioria das chegadas de migrantes.

Factor de atracção

Mais de 5.000 imigrantes, da África, bem como da Síria, morreram nos últimos 18 meses, enquanto tentavam atravessar o Mediterrâneo, muitas vezes em botes de borracha ou em frágeis barcos de pesca.

Escrevendo no jornal The Times, de Londres, a Sra May confirmou que a Grã-Bretanha não tomaria parte no plano da quota da Comissão e disse que a UE deve mandar de volta os imigrantes.

"Eu não concordo com a sugestão da Alta Representante da UE, Federica Mogherini, de que " os imigrantes interceptados no mar 'deve ser' enviados de volta contra a sua vontade '", escreveu ela.

"Tal abordagem só contribuiria para o aumento do factor de atracção através do Mediterrâneo e incentivaria mais pessoas a colocar suas vidas em risco."

Os comentários da Sra. May podem também ressaltar os confrontos por vir entre recém-reeleito primeiro-ministro britânico David Cameron e seus parceiros europeus que querem a reforma em matéria de migração e outras questões antes de um referendo sobre a adesão da Grã-Bretanha à União Europeia.

Se a Grã-Bretanha, Irlanda e Dinamarca optarem por sair, em seguida, os outros 25 membros da UE ainda podem elaborar o plano, que está pronto para sair antes que os líderes europeus participem da cúpula no final de junho.

Mas isso poderia provocar a ira de outros países, especialmente porque a imigração é uma questão política tão sensível para muitos Estados membros.

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban - cujo país não tem saída - na semana passada chamou o plano de quota "louca e injusta".

Força naval

Até agora, os Estados da UE têm admitido refugiados numa base voluntária, sob o princípio de que os seus pedidos de asilo são tratados no país em que estão, e não no país que eles estão tentando chegar.

A comissão disse que iria apresentar uma proposta legislativa até ao final do ano para estabelecer quotas vinculativas aos Estados-membros a admitir migrantes para se estabelecerem há números de contingente imediatos.

Sob o plano da UE pretende-se também reassentar 20 mil refugiados directamente de países terceiros.

A Amnistia Internacional saudou o plano da Comissão como uma "mudança de boas-vindas" para não só diminuir um maior estresse sobre as operações de busca e salvamento para os imigrantes, mas também no estabelecimento de rotas seguras e legais para eles puderem entrar na UE.

Mas ele advertiu que os Estados membros não ponham em causa o plano.

"Hoje vimos a Comissão Europeia dar um primeiro passo na mudança de sua atitude, a Fortaleza Europeia para a crise de refugiados, mas terá de ser implementado expansivamente e com o apoio integral de todos os estados membros da UE", disse John Dalhuisen, diretor da Anistia para Europa e Ásia Central.

A atuação militar também é executado com dificuldades, com o pedido da Sra Mogherini a ganhar pouco apoio durante um apelo ao Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira, seu pedido de apoio é para o uso da força militar europeia contra contrabandistas nas águas territoriais da Líbia.

Durante a conferência de imprensa em Bruxelas, Sra. Mogherini reiterou que não seria com "botas no chão" que os europeus no norte da África empreenderiam qualquer ação para destruir barcos de contrabandistas com pessoas, mas seria puramente com navíos.

AFP


Total de visualizações de página