Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Empresas brasileiras firmes nas oportunidades em minas africanas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vídeo: acompanhe aqui a entrevista.


Maputo, Moçambique (CNN) - Mais empresas brasileiras estão se movendo para a África em meio a uma unidade do governo para construir laços económicos mais estreitos com o continente.
Um ano atrás, a Vale, a gigante da mineração brasileira, exportou seu primeiro embarque de carvão de Moçambique para o exterior.
A mudança de 35.000 toneladas métricas de carvão térmico do porto da Beira para os Emirados Árabes Unidos marcou o surgimento do país do sudeste Africano no mercado de minerais a nível global.
Era parte da estratégia ambiciosa da Vale para o país, e os seus planos para duplicar a capacidade para 22 milhões de toneladas de carvão ao ano nos próximos anos.
E a Vale, segunda maior mineradora do mundo, não é a única empresa brasileira de olho em potencial de África.
Os dois países têm laços que remontam à era do comércio de escravos, e os líderes brasileiros são rápidos em usar afinidade cultural do país com a África como uma vantagem na concorrência.
Ricardo Saad, que supervisiona Ásia Vale, Austrália e África operações, diz que o continente é uma "nova oportunidade". Ele acrescenta: "Eu estou aqui (capital na Moçambique) Maputo porque nossos investimentos aqui em Moçambique são os mais importantes."
Vale opera em vários países africanos, incluindo Angola, República Democrática do Congo e África do Sul. Começou em Moçambique desde 2004.
O carvão térmico foi extraído de concessão de Moatize, da empresa no oeste de Moçambique, uma área acreditado para realizar um dos maiores do mundo, reservas inexploradas.
A Vale está fazendo um amplo campo para acessar os recursos naturais do país. Ele está gastando milhões em infra-estrutura, incluindo uma linha de trem passando por Malaui e conectando com facilidade a Moatize com Nacala, o maior porto natural de águas profundas na costa leste da África.


A empresa planeja gastar mais de $ 12 bilhões em todo o continente ao longo dos próximos cinco anos.
Artigos relacionados: Brasil compete com a China, a Índia para investir em África.
A Vale não está sozinha. Ao longo dos últimos anos, as empresas brasileiras estatais e privadas têm calmamente feito incursões no continente, operando principalmente em setores estratégicos como energia, infra-estrutura e mineração.
Odebrecht, empresa do Brasil e a maior de construção, e a Petrobras, um grupo de energia controlada pelo Estado, também intensificaram suas operações em África nos últimos anos.
Comércio entre Brasil e África saltou de cerca de US $ 4 bilhões em 2000 para cerca de US $ 20 bilhões em 2010.

Analistas dizem que o interesse do Brasil na África disparou durante oito anos do governo Lula da Silva no poder (2003-2010), como o ex-presidente fez da África uma prioridade estratégica para o Brasil como parte dos esforços do país para expandir sua influência global.
"Lula visitou a África mais vezes do que qualquer outro estadista do mundo durante o seu mandato no governo", diz Lyal White, diretor do Centro para a Dynamic Markets no Instituto Gordon para Negócios e Ciência na África do Sul.
Engajamento aprofundamento do Brasil com a África continuou sob a liderança de Dilma Rousseff, que se tornou presidente do Brasil no ano passado. Em seu primeiro ano de mandato, Dilma visitou Angola, Moçambique e África do Sul.
Os laços culturais alimentam a relação, dizem analistas. "O fato de que a maioria da população do Brasil é de origem afro-brasileira  - fazendo do Brasil a maior população negra do mundo depois da Nigéria - é frequentemente citado pela elite quase exclusivamente branca do governo do Brasil, a fim de ressaltar as semelhanças culturais do Brasil com os países Africanos  ", de acordo com Cristina Stolte, pesquisadora do Instituto Alemão de Estudos Globais e Área.


Stolte diz que o Brasil é muito forte para evitar ser visto como um "neo-imperialista" poder que só está interessado em explorar os recursos naturais de África - uma acusação freqüentemente direcionados a outras potências emergentes que operam no continente.
"Lula e Dilma têm mais de uma vez criticado abertamente o caminho da China de envolvimento com a África, tentando distanciar o Brasil de seu parceiro BRICS recurso com fome", diz ela.
"As autoridades brasileiras, bem como empresários freqüentemente acentuam o objectivo de contribuir para o desenvolvimento dos países africanos, apontando para o fato de que o Brasil está contratando e treinando mão de obra local e oferecem projetos sociais para promover o desenvolvimento local."
De volta a Moçambique, Saad diz que a Vale, juntamente com os lucros que estão fazendo, que estãocomprometidos com o desenvolvimento das comunidades locais.
"Quando falamos sobre a África, não é possível falar de África e não pensar sobre o desenvolvimento sustentável e o respeito às pessoas, respeito ao meio ambiente, o respeito ao planeta, mas com a sensação de que o nosso desenvolvimento vai ser também um desenvolvimento local ", diz ele.
"Estamos aqui para ser uma empresa moçambicana - que vêm do Brasil, mas estamos moçambicanos agora", acrescenta Saad.

fonte: cnn





Eleições americanas: Obama defende sinergia para melhorar o futuro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Presidente dos EUA diz que volta mais 'inspirado' e que 'o melhor está por vir' (Robyn Beck/AFP)

Veja os vídeos:

Eleições americanas - mais uma vez o povo escolheu a melhor opção.


Veja o vídeo: A democracia faz isso.


fonte: euronews


Total de visualizações de página