Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 4 de novembro de 2022

CASO OUSMANE SONKO: E se deixarmos que a justiça faça seu trabalho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Há quase 20 meses, o caso Ousmane Sonko, batizado em homenagem a esta emblemática figura da oposição acusada de estupro por uma funcionária de uma casa de massagem, continua a manter o Senegal em suspense. Por uma boa razão, o que inicialmente parecia um caso legal trivial envolvendo agressão sexual rapidamente tomou um rumo político. Os apoiadores do ex-prefeito de Ziguinchor, já que se trata dele, que também é candidato presidencial declarado em 2024, vendo nele apenas uma cabala do poder em vigor visando afastar da disputa pelo cargo mais alto, um adversário problemático . Foi assim que, de fugitivo, o caso provocou violentos motins que deixaram nada menos que treze mortos no chão, em março de 2021. De modo que cada audiência do interessado se tornou uma verdadeira provação para o judiciário. Foi ainda assim, no dia 2 de novembro, quando um importante dispositivo de segurança foi implantado na capital senegalesa, por ocasião da convocação dos acusados ​​perante o decano dos juízes de instrução para uma audiência de mérito do caso. A equação, para a Justiça senegalesa, é como manter toda a sua serenidade num caso em que se encontra visivelmente na encruzilhada dos cálculos políticos Gato escaldado com medo de água fria como diz o ditado, como podemos nos surpreender que, com o caso Ousmane Sonko, a oposição esteja praticamente em pé de guerra? Especialmente porque o presidente Macky Sall, que está constitucionalmente em seu último mandato, continua mantendo a imprecisão sobre as intenções do terceiro mandato que lhe são atribuídas. Mas, por outro lado, você nem sempre pode usar o argumento da cabala política toda vez que um oponente político está com problemas com a lei. E Ousmane Sonko deve evitar dar a impressão de tentar usá-lo como guarda-chuva para fugir da justiça. Seria um jogo insalubre. Porque, quando se aspira a liderar um país, é preciso saber dar o exemplo. Em qualquer caso, um processo judicial permanece pendente até que seja resolvido. E neste caso, podemos deplorar o fato de que o lado político do caso tende a prevalecer sobre o lado legal. Porque certamente há a reputação ou mesmo a carreira de um político que pode estar em jogo. Mas isso é suficiente para ignorar o sofrimento de uma mulher que sente que sua privacidade e dignidade foram violadas? Em todo o caso, cabe à justiça senegalesa saber estar equidistante dos diferentes partidos para dizer a lei, e nada mais que a lei. Sua própria credibilidade está em jogo. E se Ousmane Sonko for inocente, ele deve ser inocentado com todos os efeitos legais. Mas se for culpado, que seja sentenciado ao cúmulo de seu crime. " O país "

PROCESSOS LEGAIS CONTRA ALPHA CONDE E COMPANHIA: O resgate da bulimia do poder.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Deposto por um golpe militar em 5 de setembro de 2021, o agora ex-presidente guineense, Alpha Condé, deve enfrentar a justiça de seu país. Com efeito, já processado por actos de atentados intencionais à vida humana, nomeadamente homicídio, homicídio e cumplicidade em homicídio e homicídio, atentados à pessoa, constituídos por desaparecimentos forçados, detenção, rapto ou qualquer outra forma de privação de liberdade e cumplicidade, o O ex-presidente e empresa guineense também devem responder por supostos atos de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro, etc. Basta dizer que a descida ao inferno só continua. No entanto, a decisão tomada pelas autoridades de Conacri de instaurar um processo judicial contra Alpha Condé e companhia trará, sem dúvida, um bálsamo aos corações das famílias das vítimas e dos movimentos de defesa dos direitos humanos que começaram a preocupar, temendo uma troca de cortesias entre o ex-presidente e a junta no poder. Tanto mais que o atual inquilino do palácio Sékoutoureya foi um dos braços armados do regime tardio. O medo era tanto mais justificado quanto querer julgar Alpha Condé por crimes violentos parece arriscado para Mamady Doumbouya, que poderia assim dar um tiro no próprio pé. Agora que ele se atreveu a dar o salto, espera-se que ele deixe a Justiça ir até o fim, instruindo no comando e exculpando para que todos aqueles que, no final, forem considerados culpados, sejam punidos com o máximo de sus crime. O que acontece com Alpha Condé deve servir de lição para todos os sátrapas do continente Dito isso, é de se esperar que Alpha Condé e seus co-réus concordem em cooperar com a Justiça para a manifestação da verdade. Porque foram eles que, cegos pelo poder, assumiram a pesada responsabilidade de colocar fogo e sangue no país, exacerbando assim o ódio e a fratura social em um país onde as tensões comunitárias estão bem estabelecidas. De qualquer forma, o que acontece com Alpha Condé e companhia deve servir de lição para todos os sátrapas do continente que se recusam a imaginar outra vida fora do poder e estão prontos para andar sobre os cadáveres de seus compatriotas para manter seus assentos. , quando não têm fundos públicos como herança familiar. Deixe-os entender que, mais cedo ou mais tarde, seu passado acabará por alcançá-los. Se ele tivesse aceitado, ao final de seus dois mandatos constitucionais, fazer valer seus direitos de aposentadoria, talvez Alpha Condé estivesse descansando agora com seus netos, longe das caudinas forquilhas da Justiça onde infelizmente seus próprios erros o levaram. Ele procurou e encontrou. Então deixe que ele assuma total responsabilidade! É o resgate da bulimia do poder. https://lepays.bf

EXCLUSÃO DO PAÍS DE HOMENS INTEGRADOS DE AGOA: Um golpe para a economia de Burkinabè.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Burkina Faso, país de pessoas honestas, agora está excluído da Lei de Crescimento e Oportunidade para África (AGOA). A medida entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2023, ou seja, em apenas dois meses. Assim decidiu o presidente americano, Joe Biden, que considera que o “governo de Burkina Faso não tem feito progressos contínuos para estabelecer o respeito ao estado de direito e ao pluralismo político”. Por outras palavras, para o inquilino da Casa Branca, o Burkina Faso já não reúne as condições para poder ser elegível para o AGOA. Entra agora na lista negra em que foram entronizados os nomes de países como Etiópia, Mali e Guiné, também excluídos, um após o outro, do programa americano, pelas razões que conhecemos. Como lembrete, adotado em maio de 2000, o acordo AGOA visa regular e facilitar o comércio entre os Estados Unidos e a África. Os países beneficiários se beneficiam de um programa de preferências comerciais, incluindo a redução de impostos sobre determinados produtos que exportam para os Estados Unidos. No caso do Burkina Faso, a medida diz respeito a produtos de origem animal, oleaginosa, mineira e artesanal. Cereais, têxteis e produtos hortícolas também estão incluídos. Para um país com uma economia já lenta como a de Burkina Faso, atormentado pela insegurança ligada ao terrorismo e uma crise humanitária sem precedentes, a decisão tomada pelos Estados Unidos constitui um verdadeiro golpe, pois as consequências serão fortemente desastrosas. A bola está na quadra das novas autoridades da transição Nestes tempos, Burkina Faso precisava de mais medidas de apoio para tentar se recuperar economicamente do que sanções que só aumentariam sua situação já muito precária. Mas de quem é a culpa quando sabemos que este país, quase à beira do caos, caiu em profunda instabilidade crônica com dois golpes em menos de um ano, em um cenário de graves violações de direitos humanos? Isso significa que a bola está na quadra das novas autoridades da transição. Cabe a eles trabalhar para tranquilizar a comunidade internacional, neste caso os Estados Unidos, que continua muito apegado à democracia, ao Estado de direito e à boa governança. Se nos próximos meses houver progresso, a Casa Branca poderá reconsiderar sua decisão para deleite das populações que já sofrem o martírio. Isto é, aliás, o que o Presidente Joe Biden sugere nestes termos: “Continuarei a avaliar se o governo do Burkina Faso está a fazer progressos contínuos para a elegibilidade do AGOA”. Se esta não é uma forma de pressionar mais as autoridades burquinas da transição, parece-me muito. O presidente Ibrahim Traoré está, portanto, avisado. Ele deve trabalhar duas vezes mais para tirar Burkina Faso da rotina, desde que queira evitar uma crise social com consequências imprevisíveis. Boundi OUOBA https://lepays.bf

Tigray: Acordo de fim de hostilidades traz esperança, mas é vago.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Governo etíope e rebeldes do Tigray concordaram pousar armas. A guerra, que cumpre dois anos esta sexta-feira (04.11), assistiu a abusos dos dois lados, com um efeito devastador no Norte do país mais populoso de África. O acordo foi anunciado pelo mediador da União Africana, o ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo: "Hoje é o início de uma nova era para a Etiópia, para o Corno de África e para toda a África", disse na quarta-feira (02.11). "As duas partes no conflito etíope concordaram formalmente com a cessação das hostilidades, bem como com o desarmamento sistemático, ordenado e coordenado, o restabelecimento da lei e da ordem, o restabelecimento dos serviços, o acesso sem entraves aos fornecimentos humanitários, a proteção de civis, especialmente mulheres, crianças e outros grupos vulneráveis, entre outras áreas de acordo", anunciou. Monitorização do acordo é pouco clara Os esforços diplomáticos para levar o Governo de Abiy Ahmed e a Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF) para a mesa de negociações intensificaram-se com o reinício dos combates em agosto, após uma trégua humanitária de cinco meses. A reunião de "alto nível" decorreu em Pretória, África do Sul, sob mediação da União Africana. Não ficou claro como o acordo será monitorado para garantir que seja implementado, e desconhece-se até que ponto o Governo profundamente repressivo da Eritreia irá respeitar o pacto. As forças eritreias foram acusadas de terem cometido alguns dos piores abusos do conflito. Getachew Reda, representante da Frente Popular de Libertação do Tigray, frisou que foram feitas "concessões dolorosas", mas mostra-se esperançoso. "Espero que os nossos esforços para silenciar as armas sejam seguidos com seriedade. O nosso povo merece toda a paz do mundo e precisamos de reconstruir comunidades em resultado de uma guerra sangrenta nos últimos dois anos e que ainda continua", comentou. O anúncio de tréguas no Tigray foi aplaudido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Para o alto-comissário para os Direitos Humanos, trata-se de um passo "encorajador e corajoso". Já a Amnistia Internacional (AI) salienta que o acordo "ignora a impunidade desenfreada no país" e defende que deve "fazer justiça" para as vítimas do conflito. Mau presságio? O investigador independente René Lefort vai mais longe e diz que o acordo não é um bom presságio para a Etiópia uma vez que o primeiro-ministro e os seus aliados - da Eritreia e da elite etíope Amhara - têm agora liberdade para fazer o que quiserem no Tigray. "Em primeiro lugar, não se trata de um acordo de paz. É um acordo de cessação de hostilidades que deve abrir negociações que levem a uma paz duradoura. O lado negativo é que, na realidade, é um golpe bem-sucedido da aliança Abiy Ahmed, do Presidente da Eritreia e da elite Amhara. Um golpe bem-sucedido, porque este acordo simplesmente mascara uma capitulação da Frente Popular de Libertação de Tigray", considera. Ainda não é certo quando poderá a ajuda humanitária regressar ao Tigray, região onde seis milhões de habitantes vivem um grave crise humanitária sem precedentes - a "pior do mundo", disse a OMS, agravada pela fome, cólera e pobreza extrema. Segundo dados da ONU, cerca de meio milhão de pessoas morreram durante o conflito até ao momento. Mais de dois milhões de etíopes estão deslocados e centenas de milhares estão mergulhados em condições de quase inanição. https://www.dw.com/pt

Total de visualizações de página