Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Estes fantasmas que assombram a Função Pública em África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
De Norte a Sul, os Estados remuneram milhares de empregados fictícios. Os auto-proclamados "bons líderes" querem pegar o touro pelos chifres.



 A serpente do mar da política Africana ressurgiu em Burkina Faso.
No final de um recenseamento biométrico dos funcionários públicos, realizados em paralelo com o registo biométrico de eleitores registrados, os números são instrutivas. A força de trabalho de 113.819 empregados os de "reais" identidades são adicionados aos 6.250 agentes suspeitos de esconderem os inexistentes.
Fictício, esses "fantasmas" que assombram a administração teriam de fato desviado cerca de três biliões de francos CFA (4,5 milhões de euros) em dinheiro do Tesouro de Burkina Faso, entre Janeiro e Setembro de 2012.
No labirinto de sistema público Africano, especialmente franceses, Burkina Faso não é uma exceção.
Em setembro de 2012, o ministro costamarfinense da Função Pública e Reforma Administrativa anunciou que cerca de 3.000 funcionários eram fictícios e desmascarados durante uma operação censitária.
No mesmo ano, 4.909 oficiais são "virtuais" recebem ilegalmente mais de 8 bilhões de francos CFA (12 milhões de euros) que foram identificados na função  pública congolesa.
Chad, em março de 2012, o Ministro da Função Pública e do Trabalho anunciou que havia identificado 8.499 funcionários fictícios. Na Guiné, cerca de 5.000 funcionários que foram considerados "imaginários" e encontram-se aguardando a remoção deles do arquivo público.
Em 2010, um censo realizado na função pública camaronesa foi capaz de detectar 15 mil agentes e oficiais fictícios recebendo cada mês 8.000 milhões de francos CFA dos cofres estaduais.
De acordo com uma estimativa do membro do PJD (Partido Justiça e Democracia) Mohamed Najib Boulif, 90.000 funcionários eram fantasmas na administração marroquina, 12% da força de trabalho!
Os números provocam tonturas. A nível continental, o total de todos esses funcionários virtuais é a população de alguns países ...
Para os estados que estão lutando com déficit orçamentário estrutural da dívida, e dependência esmagadora das estruturas de cooperação ocidentais, de pessoal e controle de folha de pagamento público civil e militar é vital.
Como falar da emergência com tão pouca gestão rigorosa dos funcionários públicos? Confrontado com o desemprego galopante, as gerações mais jovens se queixam da dificuldade de acesso ao serviço  público.
Por que eles estão revoltados ao saber que as suas perspectivas de contratação são bloqueados por ... alguém?


Os salários reais para os trabalhadores imagináriosMas o que essas realidades virtuais de funcionários cobrem? Há oficiais desligados e cuja família continua a receber, a cultura de absenteísmo e relutância em denunciar a extensão da vida suculenta.
No mesmo espírito, as políticas de saneamento de novos funcionários identificou aqueles que tenham atingido a idade da reforma, mas continuam a receber os seus salários no serviço público.
Estes, se eles estão errados para não sair e ceder o lugar para os jovens, é porque eles são benefiados com itens do orçamento fictícios?
Certamente quando alguns desses usurpadores perceberem tanto sua pensão e salário. Arquivos cheios de funções públicas terão duplicatas.
Ou morreu ou se aposentou, alguns simplesmente abandonaram seus postos para criar algum "negócio" mais rentável, por vezes, no exterior. Disponívéis ao departamento do governo, porém eles não exercem, mas recebem seus salários.
Esta incongruência é possível pela combinação de falhas de comunicação entre as províncias e da cumplicidade dos gestores. Quando da realização de inspecções, verdadeiro-falso reaparecem os desertores como que por magia ...
Sistema de corrupção com petróleo é concretizada nas papeladas. Sistema de informação público com computadores ruins, cheios de documentos falsos: boletins de balanço de documentos, prêmio fictícios indevidamente recebidos, certificados de integração fantasiosas, decisões de compromisso falsos ou declarações
notas falsas  de militares e policiais.
Os servos falsos são especialmente uma perda para o Estado o que não falta na imaginação ...
Reduzir este fleimão exige um minucioso trabalho e, portanto, vontade político. Se mantivermos os discursos, a caça aos agentes fictícios é declarada.
A data de última cruzada é a auditoria realizada pelo novo procedimento do regime senegalês que ocorreu em abril último.

 Corrupção não está nunca distante
Absolutamente confiável ou não, a compilação eletrônica de dados é um impedimento para fraudes pequenos que não desafiam o talento dos hackers.

Outro impedimento: a ameaça de suspensão dos salários no caso de alguns funcionários e agentes do Estado seria lento para se identificar espontaneamente.

Novas técnicas que facilitam censo, estratégia online de registo voluntário, assim como eles anunciam para a gestão futura do conforto pessoal de cada carreira, atualizando
os arquivos dos funcionários do Estado que  pode ser de forma permanente na Internet.

E uma vez que as formas foram concebidas para identificar os funcionários, por que não convidar alguns para se apresentar para outros apuramentos. Não para usurpar seu salário, desta vez, mas para denunciar os infratores. Alguns países africanos, como Costa do Marfim, de fato entrou na chamada em suas denúncias da política de gestão de pessoal público ...

Após o censo, as mortes são registradas e pensões formalizadas. Para o resto, as cartas permanecem na repressão e reafectação. Devemos acreditar na sinceridade dessas políticas de saneamento eliminando critérios alimentados assim por línguas de bois ao longo de décadas?

Estados provavelmente escaparão mais facilmente com os critérios de boa governança. Talvez eles também têm entendido que a questão do orçamento vale bem as caixas de dinheiro da cumplicidade e intimidação que por vezes gera o culto sagrado de solidariedade local.

Por: Damien Glez


fonte: SlateAfrique

Russo que leiloou virgindade está deprimido com resultado.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A virgindade Alexander Stepanov foi arrematada por um paulista de 35 anos. Foto: Reprodução
 A virgindade Alexander Stepanov foi arrematada por um paulista de 35 anos
Foto: Reprodução


O russo Alexander Stepanov, que, assim como a jovem brasileira Catarina, vendeu sua virgindade em um leilão online, estaria deprimido porque a maior oferta atingiu apenas U$S 3 mil (R$ 6 mil) e sua primeira relação será com um homem. O autor do lance mais alto é um paulista de 35 anos. O sonho de Alex, como é conhecido, era que a primeira vez fosse com uma garota também virgem. "Cheguei a pensar que pudesse ser a Catarina, mas logo percebi que não seria assim", declarou o jovem, que chegou a estudar espanhol para poder conversar com a brasileira, até descobrir que o idioma falado no País é o português.
Com 23 anos, Alex garante que não é homossexual, mas as regras do leilão não especificavam que o parceiro deveria ser do sexo oposto. O contrato também não esclarece de que forma o ato sexual aconteceria, se o jovem russo seria o participante ativo ou passivo da relação. A situação está provocando desentendimentos entre o virgem e a equipe de produção do documentário. "Não posso confiar nele", disse Alex, criticando o diretor Justin Sisely, que ainda cogita transferir a vitória para o segundo maior lance (US$ 2,6 mil), oferecido por uma australiana que se identificou como Kasandra Darlinghurst.
O jovem está recebendo tratamento psicológico desde que foi o escolhido para participar do filme, produzido pela Thomas William Productions, há dois anos. Diagnosticado com depressão clínica, Alex sofria bullying na escola. Aos 16 anos, largou o colégio para cuidar da mãe doente. "Ninguém queria ser meu amigo ou namorada. Tive medo minha vida toda. Estou neste documentário para mostrar para as pessoas as dificuldades das relações humanas", disse ele, que está em Sydney, e concedeu entrevista ao Terra por telefone.
Agora, diante do resultado do leilão, ainda é possível que o russo desista do projeto. "Ele está chateado porque recebeu apenas uma pequena fração do preço pago pela virgindade da Catarina, mas era algo que nós esperávamos. Nunca tivemos expectativa de que ele fosse ganhar nem perto do valor que ela vai receber", explicou o diretor do documentário, que ainda fez uma análise do resultado. "É interessante comparar, do ponto de vista sociológico, o que a virgindade vale para uma mulher e o que vale para um homem."
O diretor está recebendo centenas de mensagens de jovens se oferecendo para participar de um futuro leilão. "Eles perguntam quando vai ser a próxima fase, porque também querem se candidatar." Se encontrar alguma emissora interessada no projeto, Sisely admite fazer uma série de episódios sobre o mesmo tema para a televisão. 

fonte: terra.com.br
 

Total de visualizações de página