Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Encontro Didinho x Dr. Ramos-Horta: Um pequeno passo rumo ao caminho em busca da reconciliação entre os guineenses independentemente de suas crenças, credos, etnias, conceitos religiosos, etc, etc. O imprescindível é que haja união para que se concretize o sonho adiado por mais de 38 anos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Fernando Casimiro (Didinho) na companhia do Dr. Ramos-Horta Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a Guiné-Bissau

Lisboa - 06.07.2013 - Encontro entre o Dr. Ramos-Horta, Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau e Fernando Casimiro (Didinho) Fundador do Projecto Guiné-Bissau CONTRIBUTO.

Assim que entrei no hall de entrada do Hotel Tivoli, da Avenida da Liberdade, dei de pronto com o Dr. Ramos-Horta, sentado tranquilamente, às voltas, com o seu "Tablet", faltavam 15 minutos para a hora combinada para o nosso encontro. Estivesse a consultar o que fosse, nesta nossa era da modernidade, não podemos prescindir das variadíssimas ferramentas que sustentam a plataforma das novas tecnologias e que nos acompanham diariamente, por todo o lado, sob pena de estarmos constantemente desactualizados, no tempo. O Dr. Ramos-Horta é um homem da era da modernidade e não pode estar desactualizado no tempo, ainda bem!
Hoje, 06.07.2013, finalmente, tive oportunidade de conhecer, pessoalmente, o Dr. José Ramos-Horta, que vejo e sinto que é de facto, mais do que um amigo, um apaixonado, pela Guiné-Bissau. O Dr. Ramos-Horta, é um verdadeiro irmão dos irmãos guineenses, por isso, lanço o desafio às autoridades da Guiné-Bissau de concederem a cidadania honorária da Guiné-Bissau, ao nosso ilustre irmão José Ramos-Horta!
O "encontro  de trabalho" que hoje tive com o Dr. Ramos-Horta, pode ser visto como um reconhecimento do nosso Projecto Guiné-Bissau CONTRIBUTO, um encontro que serviu para abordarmos diversos assuntos relacionados com a Guiné-Bissau, sobretudo, no que se refere às próximas eleições gerais, tema que continuaremos a abordar/debater, através das facilidades disponibilizadas pelas novas tecnologias, ao longo de todo o processo de preparação das eleições. Também falamos sobre questões relacionadas com os direitos humanos, concretamente, dos direitos civis e políticos dos cidadãos guineenses, tendo em conta o facto de muitos cidadãos guineenses estarem condicionados, no que toca ao regresso ao país, com receio de perseguições e actos hostis.
Ouvi da parte do Dr. Ramos-Horta, muitas garantias, tendo em conta abordagens e estratégias traçadas, algumas já implementadas, outras em vias de serem implementadas, com realismo, e que me fazem acreditar que sim, podemos pensar a Guiné-Bissau como um país a sério, num futuro próximo!
Aproveitei a oportunidade para entregar em mãos, ao Dr. Ramos-Horta, um "dossier" contendo sugestões e preocupações enviadas por um grupo de guineenses e amigos da Guiné-Bissau, através do desafio que lançamos no nosso Projecto entre 26.06.2013 a 04.07.2013. O Dr. Ramos-Horta prometeu ler todas as sugestões e preocupações manifestadas e reflectir sobre elas!
Aproveitei igualmente a oportunidade para oferecer ao Dr. Ramos-Horta alguns exemplares do álbum "Nha Laide", do músico e compositor guineense, Fernando Carvalho.
Sempre num ambiente de muita cordialidade, de questionamentos e de respostas, de ambas as partes, no final do nosso encontro, manifestei ao Dr. Ramos-Horta a minha tristeza pelo facto de os guineenses estarem divididos, sobretudo, os que estão na diáspora, como consequência dos posicionamentos em função do golpe de Estado de 12 de Abril de 2012. Pedi ao Dr. Ramos-Horta que se empenhasse na promoção da reconciliação entre os guineenses, desavindos que continuamos.
Pude ouvir uma pronta resposta de que SIM! Vai fazer tudo para que os guineenses em geral, sobretudo, os que estão na diáspora, se reconciliem. O Dr. Ramos-Horta até avançou com uma provável iniciativa, nesse sentido, que poderá vir a ser concretizada em Setembro próximo, mas deixo que seja ele a anunciar essa iniciativa, porque merece , de facto, o apoio de todos os guineenses, pois mesmo não sendo ele a solução principal para os problemas da Guiné-Bissau, que passa por todos os filhos da Guiné-Bissau, em harmonia, o Dr. Ramos-Horta é a PONTE, pela qual os guineenses podem atravessar para a outra margem, aquela onde, juntos, unidos e comprometidos pela causa e pela casa comum, faremos da nossa Guiné-Bissau, a GUINÉ-BISSAU POSITIVA, o PARTIDO DE TODOS OS GUINEENSES!
Não posso deixar de transmitir a todos os colaboradores e leitores do site www.didinho.org os cumprimentos enviados pelo Dr. Ramos-Horta (fez questão) com estima e consideração!
Pude conhecer um Homem inteligente, procurando ajuda sobre o que não sabe (ou no que tem dúvidas) através de quem sabe; pude conhecer um Homem dotado de conhecimentos e de sabedoria; um Homem humilde, respeitador do pensamento alheio e sempre disponível a ajudar o próximo!
Obrigado irmão José Ramos-Horta por tudo quanto já fez e tem em vista fazer pela Guiné-Bissau e pelos guineenses!

fonte: didinho.org




Mali termina o estado de emergência antes da campanha eleitoral.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Mali levantou o estado de emergência numa grande nação que está em vigor desde a ofensiva militar francesa que foi lançada para combater os insurgentes islâmicos no país. O levantamento chega semanas antes das eleições.

O estado de emergência, posto em prática em 12 de janeiro, seguido de uma ofensiva militar francesa destinada a expulsar grupos de militantes islâmicos que haviam tomado o controle do norte do país.

"O estado de emergência tem de facto sido levantado desde a meia-noite de ontem(06/07/2013)", disse o capitão Modibo Naman Traoré.

Mais de 12.000 tropas da ONU já estão operacionais em Mali. Eles enfrentam sérios desafios, incluindo a ameaça de ataques de rebeldes e problemas logísticos significativos. (01.07.2013)

"A situação militar agora se estabilizou, o levantamento do estado de emergência permitirá que os candidatos à eleição presidencial possam fazer campanha", disse Traore.

Na final de janeiro 2012 a revolta étnica dos rebeldes tuaregues no norte do Mali, extremistas ligados à Al Qaeda que começaram a providenciar a criação de um estado islâmico e a impôr regras Shariah. Em janeiro deste ano, os militantes se moveram para o sul em direção a capital, Bamako. A França interveio a pedido do governo do Mali.

O estado de emergência havia dado aos militares amplos poderes e encontros proibidos de mais de 50 pessoas. O anúncio marca um retorno gradual à normalidade no país Oeste Africano, a uma democracia estável.

Agora, pelo menos 26 candidatos, incluindo quatro ex-primeiros-ministros, estão disputando a presidência.

Com cerca de 500 mil pessoas que continuam deslocadas após o conflito, muitos têm levantado preocupações se o país está pronto para eleições de 28 de julho. Eleições no Mali serão observadas pela União Europeia.

fonte: allafrica.com

Senegal: Faculdade das ciências -102 titulares de graduação em Ciência da Computação para o mercado de trabalho.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



102 formandos da Faculdade de Ciência da Computação e Tecnologia UCAD, incluindo 33 meninas, que estão disponíveis a partir de sábado último, ao mercado de trabalho.

102 alunos diplomados na seção de informática do Departamento de Matemática e Ciência da Computação, Faculdade de Ciência e Tecnologia (FST) de UCAD receberam no último sábado, o pergaminho de Mestre em várias especializações. A cerimônia de entrega de diplomas ocorreu dentro do programa da jornada para abertura da seção no último dia 05 de julho. O objetivo, de acordo com o gerente Karim Konaté, é informar o departamento de TI para o público em geral que não sabe o que é o Fst em termos de formação nesse ramo. "A seção de informática do FST é sempre omitida quando se trata de falar de escolas de informática. Mas o que as pessoas não sabem é que a maioria dos professores que ensinam em muitas escolas foram formados aqui ", disse. Outro objectivo pretendido é de fazer um trabalho para a integração do ensino e as atividades econômicas à área, isto é, torná-lo possível para que os funcionários saibam o que é feito nesta seção e parcerias com empresas. "É muito raro para uma faculdade disponibilizar muitos formandos da mesma área em um único ano. Isto significa que podemos contribuir de forma significativa para a massa do setor de TI no país ", disse ele.

O patrocinador dessa jornanda, o professor Abdou Salam Sall, disse que ele ficou agradavelmente surpreso que esta promoção tem cem vencedores, dos quais 33 são meninas. Para ele, este é um potencial significativo que vai interessar as empresas internacionais. Ele defendeu que, na componente de informática para a Estratégia de Aceleração do Crescimento (CEC), os jovens são apoiados na criação de seus próprios negócios. "Os alunos trabalham em grupos e apresentam uma série de projetos. Convidamos os banqueiros para tentarem ver como habilitá-los a criar suas próprias empresas. Estamos trabalhando sob objectivos traçados pela Coreia do Sul, para que a promoção de saída augura melhor amanhã ", argumentou.

De acordo com o Sr. Sall, chegou o momento para o Estado e as pessoas saberem o que é o Fst e que este potencial seja explorado. "Eu tomei conhecimento que temos agora seis professores com classificação A na seção de Informática. Eu tenho auditado a importância da estruturas de TI no continente, mas nenhum deles tem esse potencial ", disse o ex-reitor da UCAD.

Por: Ndiol Maka SECK

fonte: lesoleil.sn

Mosunmola Abudu, a Oprah Winfrey nigeriano. Ela quer mudar o modo como o mundo vê a África e os africanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Mo Abudu (centre), Lagos, 30 juin 2013 ©EbonyLifeTV

O mínimo que podemos dizer é que Mo (nome verdadeiro Mosunmola) Abudu não tem língua no bolso. Esta mulher de media nigeriano de 48 anos, se apresenta como uma ativista e uma Africana "emancipada e desinibida." Ela quer mudar a maneira que os telespectadores se concentram em África e no continente, torcendo o pescoço aos clichês e todas as idéias preconceituosas.

"Todas as mulheres africanas não tem um monte de madeira na cabeça e um bebê amarrado às costas," fez-se saber no final de junho, a Associated Press, no lançamento do Ebony Life TV, a primeira cadeia de entretenimento africano, em Lagos, na Nigéria.

Na verdade, os programas do novo canal Africano visam promover uma África emergente, libertada da imagem pessimista que a adere à pele. Mo Abudu que já é comparada com a americana Oprah Winfrey tem a intenção de mostrar que os africanos também sabem ser glamourosos e oferecem um sonho:

"Queremos mostrar que é possível passar as férias na África e aproveitar o máximo!"

Por isso nenhum sujeito é posto de lado. As cenas da vida cotidiana, gênero e sexualidade, o papel da mulher e questões de identidade e gênero. No novo sistema, é até mesmo previsto "estabelecer a verdade" sobre o fenômeno de clareamento da pele pelos Africanos.

Mo Abudu é um ex-executivo da gigante do petróleo Exxon-Mobil. Em 2006, ela pôs fim a 20 anos de carreira em recursos humanos e passou a envolver-se em televisão, onde organizou um talk show - Momentos com Mo isto lhe permite entrevistar celebridades globais.

Daí surgiram os seus planos para a televisão pan-Africano para reviver o "orgulho negro". No entanto, Ebony Life TV visa não só mostrar a África de Dinossauros e ignorar o que está acontecendo.

"O que nós queremos fazer é provar que tudo o que é dito sobre a África está mudando", apoiou Mo Abudu.

Por: Lu Associated Press

fonte: slateafrique.com

Brasil: Itamaraty vê com preocupação denúncia de espionagem a brasileiros.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Coletiva do ministro das Relações Exteriores Antônio Patriota, em Paraty
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Coletiva do ministro das Relações Exteriores Antônio Patriota, em Paraty Gabriel de Paiva / Agência O Globo (foto).


Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos teria monitorado, na última década, milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros; ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reforçou a intenção do governo de cobrar explicações aos EUA.

BRASÍLIA - O governo brasileiro recebeu com "grave preocupação" as informações sobre a denúncia de que cidadãos do Brasil teriam sido alvo de espionagem por parte do governo norte-americano, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, neste domingo, 7 de julho.

Patriota reforçou a intenção do governo de cobrar explicações dos Estados Unidos sobre a informação de que brasileiros eram espionados pela Agência de Segurança Nacional norte-americana nos últimos dez anos, como revelou o jornal O Globo, neste domingo, a partir de dados de documentos coletados pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.
Segundo o ministro, foram acionados o embaixador brasileiro em Washington e também o embaixador americano em Brasília.
"O governo brasileiro recebeu com grave preocupação o problema", disse Patriota, que leu uma declaração, no início desta tarde, em Paraty.
O chanceler também afirmou que o Brasil vai propor medidas às Nações Unidas para criar normas para proteger a privacidade de cidadãos em todo o mundo.
"O governo brasileiro promoverá no âmbito da União Internacional de Telecomunicações o aperfeiçoamento das regras. O Brasil deverá propor às Nações Unidas a iniciativa de proibir abusos e invasão das informações dos usuários da rede de comunicações para garantir segurança cibernética que proteja os direitos dos cidadãos e preserve a soberania dos países", afirmou.
Questionado sobre a possibilidade de o governo já dispor dos dados em posse dos jornalistas do Globo, Patriota afirmou que medidas nesse sentido já foram tomadas. Também perguntado sobre o conhecimento das companhias telefônicas brasileiras a respeito da espionagem, Patriota afirmou que o ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, está encarregado da tarefa e que dará mais informações.
Reportagem publicada na edição deste domingo do jornal O Globo afirma que Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês), monitorou, na última década, milhões de telefonemas e e-mails de pessoas residentes ou em trânsito no Brasil. A informação foi revelada pelo ex-analista da NSA Edward Snowden.
De acordo com o texto, o País aparece em destaque nos mapas da NSA como prioridade no tráfego de telefonia e dados, ao lado da China, Rússia, Irã e Paquistão.
Não há números precisos sobre o fluxo de monitoramento de mensagens no Brasil, segundo a reportagem. No entanto, "em janeiro passado, o Brasil ficou pouco atrás dos EUA, que teve 2,3 bilhões de telefonemas e mensagens espionados". A NSA foi criada nos anos 50, durante a Guerra Fria, para espionar comunicações de outros países, decifrando códigos governamentais, e desenvolver sistemas de criptografia para o governo norte-americano.
Anahuac de Paula Gil falou sobre o PRISM no Fisl 14. FOTO: Divulgação


Para ativista e consultor sobre tecnologias livres, o PRISM é uma evidência de que vivemos uma ditadura no mundo virtual. 
PORTO ALEGRE – “Não é só pelos R$ 0,20(LÊ- SE: VINTE CENTAVOS DO REAL). É pelo software livre”, brincou o coordenador do Fórum Internacional do Software Livre (Fisl 14), Ricardo Fritsch, durante a abertura do evento na quarta-feira, 3. A piada com a frase repetida a exaustão durante os protestos recentes por todo o País tem seu fundo de verdade. Para os ativistas do software livre, que defendem a liberdade na internet, a revelação de um escândalo como o programa secreto americano de espionagem PRISM é a evidência que faltava para que usuários do mundo todo repensem o uso de sistemas que monitoram dados pessoais.
É essa a principal bandeira de Anahuac de Paula Gil, ativista, consultor sobre tecnologias livres e diretor das empresa Software Público Com Br e KyaHosting que, na quinta-feira, 4, comandou no Fisl o painel “Jogaram PRISM no ventilador, e agora?”. Para ele, os usuários da web estão expostos à ditadura de grandes corporações de tecnologia, como a Microsoft, Google e o Facebook,  e precisam fazer uma espécie de ‘primavera cibernética’ para garantir a democracia na rede.
Algo que não teria acontecido até hoje porque a maioria não sente a  influência direta desse monitoramento e não percebe o quanto está exposto. “É como se a gente estivesse falando de um supernova que explodiu. Para os astrônomos é algo fantástico, mas para nós, meros mortais, isso não faz diferença, porque minha vida cotidiana continua exatamente igual”, diz. “Não é como no aumento do ônibus, no qual você sente os R$ 0,20 no bolso.”
Paula Gil propõe a migração dos usuários das redes que estão expostas a esse monitoramento para as chamadas redes federadas (que são descentralizadas e, portanto, de difícil monitoramento) disponíveis na web e que garantem o acesso aos mesmos recursos sem ameaçar a privacidade, como a Diaspora, o Linux e o Riseup.
Em um bate-papo com o Link, ele explicou como funcionam essas redes e como o PRISM  afeta o usuário comum sem que ele perceba.
O que são redes federadas? Por que o uso delas é uma alternativa para manutenção da privacidade?
Essas redes funcionam de maneira bem descentralizada, de forma que se uma hecatombe natural varrer o Brasil do mapa, elas continuam funcionando no resto do mundo. O próprio conceito de internet é assim. A internet não depende de um servidor, de uma empresa ou de um governo. É um conjunto de dados particulares, públicos e civis que trabalham em conjunto pra manter a rede funcionando. Redes como o Google, Facebook, Twitter e Skype funcionam como um único ponto de informações. Então o monitoramento desses dados é centralizado. É uma única base de dados, basta monitorar uma só. Nas federadas não. Eu tenho o meu próprio servidor de rede social, você tem o seu e esses servidores conversam entre si formando uma grande rede social.
funcionamento é similar ao de um torrent?

Sim. Assim como no torrent, todo mundo é servidor e cliente ao mesmo tempo nas redes federadas. A vantagem concreta é que assim como no torrent não dá para monitorar. Porque se eu receber uma ordem para monitorar o meu servidor, é só o meu. Há outros milhões. Não dá pra monitorar todo mundo. Se o meu servidor cair, eu simplesmente arranjo outro. A pergunta é: se o Facebook cancelar a sua conta, o que ocorreu com frequência  nas movimentações sociais recentes, você se cadastra em qual outro servidor do Facebook? Não tem outro. Esse é o ponto. E quando você transporta isso para algo do dia a dia então, como as ferramentas do Google, que concentram documentos, planilhas, e-mails, calendário, contatos, telefones, vídeos familiares, tudo em um lugar só… Por que isso é aceitável? Por que colocar a sua vida na mão de alguém que pode desligar a sua existência? A ideia da rede federada é que esse tipo de abuso não aconteça. Sou totalmente a favor das redes sociais. É uma maneira democrática e distribuída de produção e disseminação de conhecimento, mas esse poder não pode estar na mão de um só. Isso não é democracia. É ditadura cibernética. E por algum motivo todo mundo acha isso fantástico.
Precisamos de uma espécie de primavera cibernética?

Sim. Há uma falta de percepção sobre o que está acontecendo. O monitoramento na rede  é ativo, mas não interfere na sua vida cotidiana, então você não sente o que está acontecendo. É como se a gente estivesse falando de um supernova que explodiu. Para os astrônomos é algo fantástico, mas para nós, meros mortais, isso não faz diferença, minha vida cotidiana continua exatamente igual. Então o escândalo do PRISM só é percebido nas esferas que entendem a gravidade do que está acontecendo, para o cidadão mediano não tem implicação. Ele estava usando seu e-mail ontem, continua hoje, que diferença isso faz? A reação a isso é muito leve. As pessoas estão anestesiadas. A ideia de uma primavera cibernética é ótima. Precisamos disso, de um renascimento cibernético. Nós confiamos cegamente no Google, Facebook, Skype.
Qual o impacto do PRISM na nossa vida cotidiana? Como os brasileiros estão sendo monitorados?

A primeira coisa é entender que o PRISM não é só nos Estados Unidos. O PRISM é uma iniciativa do governo norte-americano para monitoramento da internet toda, com mais ênfase dentro dos Estados Unidos, porque os principais provedores de soluções na internet, como o Google, Facebook, Skype e Apple são norte- americanos. Mas o fato de você apenas usar essas ferramentas já o encaixa em um processo de monitoramento. No que isso implica no cotidiano é em inteligência militar e metodológica. Ninguém gosta de ser um produto da exploração de ninguém. Não é inteligente a gente fornecer gratuitamente informações de mercado a empresas estrangeiras. Em termos práticos esse monitoramento pode não mudar nada para você, mas provavelmente as informações que você está fornecendo de graça, somadas às informações que seu vizinho fornece de graça, com as que todo mundo fornece de graça, vai determinar se amanhã você vai tomar Coca-Cola ou não, se a nossa Copa do Mundo vai ser a melhor ou não, se a gente aceita mais pornografia ou violência… As pessoas deveriam prezar pela sua liberdade como prezam pela comida que comem, a água que bebem, pela preservação dos animais.
Você disse que o problema da privacidade não tem a ver apenas com  o governo, mas é principalmente de responsabilidade das  empresas de tecnologia. Até que ponto essas empresas têm autonomia diante de uma decisão que vem da Casa Branca?
A gente precisa entender que essas empresas têm um único objetivo que é ganhar dinheiro.  Elas criaram seus negócios em cima do monitoramento, que foi algo feito antes dessa decisão do governo (de criar o PRISM). O  negócio de vender propaganda direcionada vem antes disso tudo. O fato é que para que esse monitoramento se torne aceitável, tem um princípio ético, que é: eu não vou analisar o seu conteúdo para saber se ele é bom ou ruim, eu vou avaliar qual a sua tendência para te mostrar uma propaganda direcionada. Isso soa menos grave do que deveria ser, o problema é que os governos percebem que esse monitoramento pode ser muito útil para traçar não apenas perfil econômico, mas socioeconômico, sociopolítico. O que essas empresas deveriam ter feito era ter aberto o problema ao público e explicado que receberam uma determinação do governo norte-americano de que a partir de tal dia todos seriam monitorados. E ter dado opção para que o público pudesse optar pelo que queria.
Você propõe boicote a essas empresas. Como funcionaria isso?

A proposta é que a gente faça uma troca de ferramentas. As mais populares se tornaram grandes por investir em mídia, propaganda, ferramentas para conquista do mercado, por atender a um interesse mercadológico. E é por isso que elas cedem às pressões do governo para fazer o monitoramento. A minha convocação é especialmente para que os ativistas usem ferramentas tecnológicas que garantam a privacidade. Elas existem e  estão disponíveis na internet gratuitamente. A minha ideia é que a gente faça um movimento ordenado de evasão ou abandono dessas redes sociais para as federadas e livres. Mas aí você me diz que o Google é de graça e pergunta onde é que você vai fazer outro e-mail de graça? Eu te digo para pagar. Porque se você não paga a ferramenta você é o produto. Não é concebível que você não esteja disposto a pagar R$ 3 por mês para ter mais privacidade.
E como quebrar o ciclo da conveniência. já que essas redes também promovem muitas facilidades aos usuários, até mesmo pelo tamanho delas?

A maioria das pessoas não vai conseguir sentir o problema na pele, porque está na média e não causa problema, então a maioria não será afetada. A minha convocatória é para aqueles que entendem o perigo do que está acontecendo se juntarem para quem sabe a gente criar uma massa crítica sobre o que estão fazendo.
Os ativistas estão acomodados?

Absolutamente. Este é o grande drama. Eu posso estabelecer paralelo com outros movimentos que também demoraram para formar massa crítica, como os ecologistas, que levaram mais de 30 anos para criar consciência ecológica e não desistiram. O movimento Software Livre também conseguiu fazer o debate sobre Linux e GNU soar normal. Hoje ninguém discute se esses sistemas são bons ou não. A pergunta é se você vai ou não adotar. Ninguém discute mais se você vai jogar lixo no chão, mas se você vai colocar lixeiras suficientes. Não se discute mais se transporte público é algo positivo. Hoje se discute a qualidade dele. Eu espero que a gente consiga através do ativismo levar essa consciência.
    fonte: ESTADÃO

Total de visualizações de página