Postagem em destaque

ADIAMENTO DO PRESIDENCIAL NO SENEGAL: Macky Sall na lógica do segundo melhor?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... No Senegal, apanhado por uma forte tempestade desde o anúncio do adi...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2023

Os cinco princípios da Surovikin farão com que a Ucrânia desapareça como fumaça ao vento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A nova estratégia militar de Sergei Surovikin acabará varrendo o regime de Kyiv, disse o Financial Times. A publicação com sede nos EUA listou cinco princípios que a Rússia utiliza em sua oposição a Kyiv e ao Ocidente. Assim, os princípios do comandante russo da operação especial na Ucrânia incluem: Confiança na indústria de defesa independente; Guerra híbrida no espaço de informação; Melhor gerenciamento do comando; Apoio público ao regime de Kyiv; Impacto econômico e energético na Ucrânia. A Rússia está tentando fugir da dependência de microchips importados. Além disso, Moscou precisa de enormes estoques de armas e participação em coalizões militares. A Rússia já coopera com o Irã, a China e até a Coréia do Norte - estes países são conhecidos por suas indústrias de defesa altamente desenvolvidas. O Ocidente também precisa de um quadro geral positivo de si mesmo. Entretanto, a situação não parece ser tão brilhante quanto o Ocidente gostaria que fosse: enviar mais de 40 bilhões de dólares e sistemas Patriot para a Ucrânia aumenta as tensões dentro da sociedade ocidental. Aqui está um quadro das taxas de inflação nos países europeus: Estônia - 21%, Lituânia - 17,6%, Letônia - 16,5%, os Países Baixos - 12%, Itália - 11,8%, Bélgica - 9,5%, Espanha - 8,8%, Áustria - 5,1%. Após sua nomeação como comandante da operação especial na Ucrânia, Sergei Surovikin melhorou a logística, combinou táticas de armas e gerência intermediária. Ele tirou as tropas russas de Kherson tendo encurtado a linha de contato e tornado as posições da Rússia vantajosas e seguras. Ele também mudou de lutas em larga escala para ataques coordenados. Tais hostilidades eternas são extremamente dolorosas para as Forças Armadas da Ucrânia. Depois de Bakhmut, as Forças Armadas da Ucrânia terão que se retirar para as linhas defensivas em Kramatorsk e Slavyansk, e depois para Kyiv. Isto aumentará muito o moral das tropas russas. Além disso, as Forças Armadas da Ucrânia não podem tomar a ponte terrestre que corre ao longo da costa do Mar de Azov e liga a Rússia à Crimeia, disse o jornal The Financial Times. A sociedade ucraniana está cansada do conflito. As pessoas querem paz, e o Ocidente pode ver claramente que o regime de Kyiv tem perdido apoio, disse Gallup. A guerra de desgaste provocou um golpe imenso na economia ucraniana. "A estratégia militar e política da Rússia é distanciar a Ucrânia do Ocidente e espalhá-la aos ventos", disse Marc Galeotti, um membro sênior do Instituto de Relações Internacionais de Praga. Injeções infindáveis de fundos na Ucrânia que se tornou irremediavelmente dependente dos Estados Unidos não rendem nada. Tentativas de fazer a Rússia pagar uma quantia espantosa de mais de US$ 1 trilhão alegadamente para a restauração da infra-estrutura destruída são ainda mais inúteis, concluem os autores do artigo. Ver mais em https://port.pravda.ru/mundo/57403-surovikin_ukraine/

Margarida Corceiro reage a rumor de proximidade a Neymar: "Que vergonha".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Margarida Corceiro voltou a estar em destaque na imprensa nacional nos últimos dias devido a uma alegada proximidade com Neymar. Apesar de ter passado o Ano Novo com João Félix, confirmando que a relação de ambos está para durar, surgiu o rumor de que o jogador brasileiro estaria 'de olho' na atriz portuguesa. A especulação começou depois de Margarida Corceiro ter partilhado no Instagram diversas fotografias de uma viagem a Paris, imagens que alegadamente receberam o 'gosto' de Neymar. De acordo com algumas publicações, o atleta chegou mesmo a, durante alguns dias, seguir a namorada de João Félix na rede social. Ao ver o seu nome envolvido neste novo rumor, Margarida reagiu: "Como não sabem absolutamente nada, têm mesmo que pegar em qualquer coisa. Que vergonha". fonte: https://www.noticiasaominuto.com/

Ouvido o apelo de Infantino: Cabo Verde quer nomear o seu estádio nacional com o nome de Pelé.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Durante o velório do rei Pelé no início desta semana no Brasil, o presidente da Fifa teve a ideia de homenagear a lenda. De fato, Gianni Infantino deu a entender que sua instituição iria pedir a todos os países do mundo que dessem o nome de Pelé a um de seus estádios. Esta ideia agrada obviamente ao primeiro-ministro cabo-verdiano Ulisses Correia e Silva. Anunciou ontem quarta-feira nas redes sociais que pretende mudar o nome do estádio nacional de Cabo Verde. Isso agora deve ser chamado Stade Pelé. Silva acrescenta que já comunicou à Fifa a intenção de mudar o nome dessa infraestrutura esportiva. A federação cabo-verdiana de futebol não foi consultada O Estádio Nacional de Cabo Verde foi inaugurado em 2014. Tem capacidade para 15.000 lugares. A decisão do primeiro-ministro foi obviamente tomada sem consultar a federação cabo-verdiana de futebol. Seu presidente disse na quinta-feira que o governo não o contatou para discutir a possibilidade de mudar o nome do estádio nacional. “Fiquei sabendo disso nas redes sociais e a FCF não foi consultada sobre essa possibilidade”, garantiu. Uma decisão unilateral, portanto, do Sr. Silva que não encontra o consentimento de todos os seus compatriotas. Os que ainda apoiam a ideia dizem que só vai promover o país, lembrando que o nome de Cesária Évora; a famosa cantora cabo-verdiana tem dado as ruas de França e de outros países. “O nome Pelé não significa nada para o desporto cabo-verdiano” “Não vejo nada de errado, sabendo que nós e o Brasil somos um país quase parecido, na minha humilde opinião”, disse outro. Os opositores a esta iniciativa fazem primeiro saber que os cabo-verdianos devem ser consultados sobre o assunto. Então, há uma necessidade de promover as estrelas nacionais. Pelé é certamente um grande jogador mas há “certamente personalidades nacionais que engrandeceram o desporto nacional e por isso merecem esta homenagem” sublinha um utilizador. O nome Pelé nada representa para o desporto cabo-verdiano ainda que faça parte da língua portuguesa, diga-se dos mais mordazes. Outros sugeriram abertamente que a Fifa financie a construção de estádios em todo o mundo e os nomeie com o nome de Pelé. fonte: seneweb.com

Ex-presidente Aziz impedido de deixar a Mauritânia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O ex-presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdel Aziz, que será julgado a partir do final de janeiro por suposta corrupção, anunciou que foi impedido de viajar ao exterior na quarta-feira, denunciando uma medida ilegal. “Estava no aeroporto para viajar, mas fui impedido pela polícia política que disse ter recebido instruções para o fazer, embora não esteja sujeito a controlo judicial ou qualquer outra disposição que me possa afetar. em um vídeo compartilhado em sua página no Facebook. O ex-chefe de Estado mauritano será julgado em tribunal por alegada corrupção com outros 11 dignitários do seu regime a partir de 25 de janeiro, segundo fonte judicial. O senhor Ould Abdel Aziz foi indiciado em março de 2021, junto com várias personalidades de alto escalão, por esses supostos atos que teriam sido cometidos quando governou o país de 2008 a 2019. Entre seus co-réus estão um de seus genros, dois ex-primeiros-ministros e vários ex-ministros e empresários. "Há apenas dois dias, uma pessoa que estava na mesma lista que eu pôde viajar. Aparentemente é um mau tratamento que este mau sistema de má gestão em vigor me reserva, que deixa o país à deriva", acrescentou Ould. Abdel Aziz. Seu passaporte também foi confiscado na quarta-feira, de acordo com um oficial da gendarmaria que pediu anonimato. Mais cedo na quarta-feira, o porta-voz do governo Nany Ould Chrougha disse a repórteres que as ações do ex-presidente visam influenciar os procedimentos legais em andamento. O antigo chefe de Estado foi detido em junho de 2021 por incumprimento das suas medidas de controlo judicial e perturbação da ordem pública, antes de ser libertado no início de janeiro de 2022 por motivos de saúde. A Justiça havia apreendido em agosto de 2020 o relatório de uma comissão parlamentar de inquérito responsável por esclarecer supostos atos de corrupção e desvio de dinheiro público durante os mais de 10 anos no poder de Aziz. A comissão abordou vários aspetos: gestão das receitas petrolíferas, venda de bens do Estado, liquidação de uma empresa pública fornecedora de produtos alimentares ao país, atividades de uma empresa de pesca chinesa, etc. O ex-presidente, que grita com o "acerto de contas", sempre se recusou a falar com o juiz de instrução. Considera-se protegido pela imunidade que lhe confere a Constituição. fonte: seneweb.com

GABÃO: COALIÇÃO OPOSIÇÃO POLÍTICA / OSC CONTRA ALI BONGO: Enquanto houver Haut-Ogooué.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
2023 é ano eleitoral no Gabão. De fato, o país organizará eleições gerais: presidenciais, legislativas, locais e senatoriais. O mínimo que se pode dizer é que os partidos da oposição e as organizações da sociedade civil levam muito a sério esses grandes eventos eleitorais. Em 3 de dezembro de 2023, eles se fundiram em um vasto grupo chamado "Plataforma Alternância 2023" com o objetivo de derrubar Ali Bongo e seu partido, o Partido Democrático do Gabão (PDG), que governa o país há 55 anos. Preparando o palco para mostrar sua determinação, os 42 membros da nova coalizão se seguiram para assinar o pacto de compromisso e confiança que os obriga não apenas a arrancar o poder das mãos da dinastia Bongo, que pretende concorrer a um terceiro mandato , mas também para governar juntos em caso de vitória. Com Paulette Missambo, presidente da União Nacional como porta-estandarte, os novos membros da coligação têm feito soar a mobilização geral para salvar o país, dizem, “de um poder em que a maioria dos gaboneses não se reconhece”. O primeiro reflexo que a Plataforma Alternance 2023 deve ter é lutar pela transparência do processo eleitoral. E para o conseguir, os novos membros da coligação juraram “agir agora com responsabilidade, na mais sincera unidade para constituir uma alternativa credível”. Enquanto esperamos para ver qual a estratégia eleitoral que esta nova plataforma da oposição irá implementar para atingir os seus fins, podemos desde já dar os parabéns aos actores deste grupo, que decidiram juntar forças para tentar acabar com a dinastia Bongo. “A unidade, dizem, é a força” e isto é particularmente verdadeiro no caso em apreço, onde a ação da oposição visa desobstruir um poder com mais de meio século. A iniciativa do agrupamento é tanto mais de felicitar quanto deverá garantir uma maior visibilidade à oposição e sobretudo evitar a fragmentação dos seus votos nas várias eleições. Isto para dizer se a ideia deste agrupamento pode espalhar petróleo nesta selva gabonesa ou mesmo africana onde, tradicionalmente, os adversários preferem ser cabeça de rato do que rabo de leão. Dito isso, a pergunta que podemos nos fazer é a seguinte: o conjunto oposição-organizações da sociedade civil será suficiente para derrotar Ali Bongo? Nada é menos certo na medida em que no reino de Bongo, as urnas não elegem reis. Recordamos, aliás, a última eleição presidencial em que o candidato derrotado Jean Ping, a acreditar na sua versão dos factos, teve a sua vitória roubada. É por isso que o primeiro reflexo que a Plataforma Alternance 2023 deve ter é não atacar o eleitor, mas lutar pela transparência do processo eleitoral. Recordamos, de facto, que o que incendiou a pólvora entre Bongo e Ping nas últimas eleições presidenciais foi a fraude eleitoral, nomeadamente na província de Haut-Ogooué, assim batizada com o nome deste reduto da etnia Bongo Téké, que se tornou, ao mesmo tempo, o símbolo de todas as travessuras eleitorais. O processo eleitoral deve ser ainda mais monitorado porque as instituições democráticas, em particular o Tribunal Constitucional do Gabão, são totalmente subservientes ao poder e, portanto, incapazes de resolver uma disputa em favor da oposição. É necessário, por isso, tomar todas as medidas para evitar litígios, dotando-nos de meios para acompanhar de perto o processo eleitoral para o desobstruir de eventuais percalços e assegurar os resultados das urnas. E a oportunidade é boa para a oposição definir os pressupostos das condições de um voto transparente durante o encontro político entre a maioria e a oposição, anunciado pelo Chefe de Estado na sua mensagem de votos à Nação. Com efeito, no seu discurso aos gaboneses, o Presidente Ali Bongo tinha estas palavras: "Ouvi o apelo dos meus compatriotas, em particular dos actores políticos da maioria e da oposição, pedindo a organização de um encontro para definir em conjunto as bases para a preparação das eleições no rescaldo pacífico". É preciso, portanto, para a plataforma, agarrar a bola no salto e lançar os verdadeiros marcos no caminho íngreme da corrida às eleições presidenciais de 2023, cuja data ainda não foi especificada. Assim sendo, se as condições de transparência do voto são essenciais para a vitória, o maior adversário da oposição continua a ser a própria oposição num país onde a traição, a transumância e os cálculos políticos acabaram por desacreditar toda a classe política. E a ameaça é para ser levada a sério contra um adversário formidável como Ali Bongo que, mesmo diminuído fisicamente, tem todos os cantis de dinheiro do Tesouro e de todo o aparato do Estado. Ele, portanto, certamente manobrará para esmagar a coalizão e, portanto, não hesitará em afrouxar os cordões à bolsa para atingir seus objetivos. Mas como diz um provérbio africano, "quando você conhece seu inimigo, você deve ter o antídoto para frustrar seus planos malignos". Dito isto, cabe a Paulette Missambo e seus aliados mostrar engenhosidade para bloquear todas as manobras de Bongo junior. fonte: " O país " Cabe a Paulette Missambo e seus aliados mostrar engenhosidade

FAURE GNASSINGBE EM BAMAKO: Uma visita razoável.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O presidente togolês Faure Gnassingbé viajou para Bamako, Mali, em 4 de janeiro de 2023, para uma visita amigável e de trabalho. Se no momento desta impressão não havia nenhuma declaração oficial sobre os termos em que Faure e seu homólogo do Mali, o coronel Assi Goïta, iriam trocar, é seguro dizer que os temas de interesse não faltam. Como sabemos, o Togo é um dos destinos populares para os comerciantes do Mali para a importação de mercadorias de vários tipos. Para além da vertente comercial, a questão da hidra terrorista que estende os seus tentáculos até aos países costeiros incluindo o Togo, constitui uma grande preocupação para a sub-região. Para além destes temas tão importantes para ambos os países, o Togo está a desempenhar o papel de mediador para a rápida libertação dos 46 soldados marfinenses detidos no Mali desde julho de 2022. Isto significa que esta questão também, se não essencialmente, estará no centro das trocas . Basta dizer que é uma visita da razão. Estamos ainda mais inclinados a pensar assim, uma vez que houve um grande desenvolvimento nesta questão espinhosa que esfriou as relações costa-marfinenses-malianas. Com efeito, o Tribunal da Relação de Bamako esvaziou o célebre processo ao condenar os 46 militares ainda detidos no Mali, a uma pena de vinte anos de prisão criminal e ao pagamento de dois milhões de FCFA. As 3 mulheres libertadas em setembro passado por “motivos humanitários” foram julgadas à revelia e condenadas à pena capital e ao pagamento de dez milhões de FCFA. A esperança de ver os 46 soldados marfinenses reunidos com suas respectivas famílias em pouco tempo é mais do que permitida. Como resultado, a única esperança hoje para esses soldados recuperarem sua liberdade é ser indultado pelo Presidente da Transição, Assimi Goïta. Com esta visita de Faure a Bamako, a mediação togolesa poderá assim passar esta longa telenovela político-militar para a sua fase II. Sem dúvida, os últimos desenvolvimentos neste caso irão acelerar a libertação dos soldados marfinenses. A primeira pista é que a Côte d'Ivoire e Mali conseguiram assinar um memorando de entendimento em 22 de dezembro, cujo conteúdo ainda não foi divulgado ao público em geral. A segunda pista é que o Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, no seu discurso ao seu povo na passagem de ano, garantiu que os 46 militares regressarão em breve a solo marfinense. E se o diz numa mensagem tão solene, é porque não fala no vácuo. De qualquer forma, a esperança de ver os 46 soldados marfinenses reunidos com suas respectivas famílias em pouco tempo é mais do que permitida. Podemos até arriscar dizer que, se Mali demorou tanto para decidir, é porque não quer dar a impressão de se curvar ao ditame da Comunidade Econômica dos Estados Africanos de l'Ouest (CEDEAO) que havia flexionado seu músculos, ameaçando-o com sanções se ele não libertasse os soldados até 1º de janeiro, o mais tardar. De qualquer forma, a novela já durou bastante e seria mais sensato para ambas as partes enterrar esse arquivo definitivamente. Isto é tanto mais necessário quanto se trata de preservar os laços seculares que existem entre o Mali e a Costa do Marfim. https://lepays.bf/

INQUÉRITO A FAMILIARES DE TEODORO OBIANG NGUEMA: Justiça espanhola está no bom caminho.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Três familiares do presidente equatoriano, Teodoro Obiang Nguema, foram indiciados pela justiça espanhola. São eles Carmelo Ovono Obiang, um dos filhos do mestre de Malabo, e chefe do serviço de segurança no estrangeiro, Nicolas Obama Nichama, chefe da segurança interna e Isaac Nguema Endo, Director-Geral da Segurança Presidencial, que estão agora na mira de a Justiça espanhola. Ao contrário do que pode pensar uma certa opinião, estes três altos dignitários da Guiné Equatorial não estão a ser processados ​​por “ganhos ilícitos”, mas sim por “terrorismo e tortura”. O que é isso exatamente? O caso remonta a 2020, quando dois cidadãos de origem espanhola foram trazidos para o Sudão do Sul. As investigações mostram que se tratou de uma manobra dos serviços de segurança equatoguinenses, destinada a prender os dois expatriados que, obrigados a apanhar outro avião, foram levados para Malabo onde foram encarcerados. Porque ? Não se pode dizer, especialmente porque há muitas áreas cinzentas neste caso, para dizer o mínimo, incrível. Só soubemos pelo vice-presidente da Guiné Equatorial que os dois espanhóis são “terroristas que foram detidos pelas autoridades sudanesas e extraditados para a Guiné Equatorial” ao abrigo de um “mandado de detenção internacional” emitido por Malabo. O que acontece com os próximos do presidente equatoriano deve servir de lição para todos os dirigentes do continente africano Sem qualquer outra forma de precisão, tanto que é difícil saber exatamente o que as autoridades equatorianas censuram aos réus. Mas já podemos ver uma querela diplomática se formando entre Malabo e Madrid na medida em que o filho todo-poderoso do ditador não foi com as costas da colher acusar a Espanha de querer desestabilizar a Guiné Equatorial. Sem dúvida, ele assume a liderança. Porque, ao sabermos que duas das personalidades equatoguinenses implicadas têm bens em Espanha, e que a terceira faz viagens regulares para lá, podemos dizer que a Justiça espanhola está no bom caminho. Uma vez que, não conseguindo agarrar os réus, poderia atingi-los na carteira a fim de indenizar os autores. Nada deve ser excluído. Mas, mais uma vez, o que está acontecendo com os próximos do presidente da Guiné Equatorial deve servir de lição para todos os líderes do continente africano que se beneficiariam em manter seus filhos e irmãos afastados do círculo do poder, desde que movidos por preocupação em protegê-los dos excessos com sua cota de contratempos legais. fonte: https://lepays.bf/

Total de visualizações de página