Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Nkurunziza regressa a Bujumbura depois de fracassada a tentativa de golpe de Estado no Burundi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Pierre Nkurunziza, regressou à capital do país, Bujumbura, onde os líderes da tentativa de golpe de Estado estão em fuga ou presos.

Pierre Nkurunziza, Presidente do Burundi

O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, regressou na tarde desta sexta-feira (15.05) à capital do país, Bujumbura, onde os líderes da tentativa de golpe de Estado estão em fuga ou presos enquanto recomeçaram as manifestações hostis ao chefe de Estado em alguns bairros.

Pierre Nkurunziza, que parece ter saído vitorioso da tentativa de golpe de Estado, regressou na tarde desta sexta-feira ao Palácio presidencial em Bujumbura. Ele agradeceu as forças de defesa e de segurança pela sua “rapidez e eficácia” em travar a tentativa de golpe, tendo anunciado por outro lado a reabertura das fronteiras do país.
Num discurso publicado no site da presidencia em kirundi (a língua nacional) e que deverá ser mais tarde difundido pela rádio e televisão nacional, o presidente Nkurunziza relacionou o grupo dos golpistas com as manifestações de opositores à sua candidatura a um terceiro mandato presidencial.
Presidente Nkurunziza sai mais forte desta tentativa golpista
Para Fidel Bafilemba, especialista sobre a região dos Grandes Lagos na organização “Enough Project” o presidente Nkurunziza saiu mais forte ao sobreviver à esta tentativa de golpe de Estado “mas tudo ainda não terminou. A divisão permanece no seio do exército e se o presidente cometer o erro de desencadear represálias de vingança só irá reforçar os riscos no seio do exército como da população."
Segundo Fidel Balifenda, este fracasso na tentativa de golpe de Estado pode ser por enquanto considerado temporário por tres razões e explica:
"Houve um mau cálculo por parte dos golpistas nomeadamente na falta de preparação e de coordenação da ação; a desproporção em termos de armamento entre os golpistas e os militares que permaneceram fiéis ao presidente; finalmente e talvez a mais importante, a hipocrisia da comunidade internacional. Não se pode condenar um presidente que em todo caso violou a Constituição e ao mesmo tempo dar-lhe um certo apoio como está a acontecer."
Manifestações prosseguem em Bujumbura
Apesar do regresso de Pierre Nkurunziza ao Palácio presidencial, as manifestações da oposição a um terceiro mandato do presidente, recomeçaram esta sexta-feira, tendo a polícia disparado para o ar para dispersar os contestatários.
Burundi Proteste gegen den Präsidenten Nkurunziza
Manifestação em Bujumbura contra um terceiro mandato presidencial
As manifestações contra um terceiro mandato presidencial, desencadeadas nos finais de abril, tinham cessado com o anúncio da tentativa de golpe de Estado lançado na tarde de quarta-feira (13.05) pelo general Godefroid Niyombare. Mas nas primeiras horas desta sexta-feira, o líder do coletivo da sociedade civil contra o terceiro mandato, Vital Nshimirimana, apelou os manifestantes a irem para as ruas.

Os manifestantes continuam a considerar um terceiro mandato de Pierre Nkurunziza, já eleito em 2005 e 2010, como uma medida anticonstitucional e principalmente contrária aos acordos de reconciliação assinados em em Arusha (Tanzânia) que deram lugar à abertura para o fim da longa e mortífera guerra civil burundesa entre 1993 e 2006.
#dw.de

GUINÉ-CONACRY: LUTA CONTRA Ebola - Uma Jornada Mundial da Juventude com a UNICEF em Forecariah.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Por quase três meses, a UNICEF apelou a experiência de Justin Morel Junior, ex-funcionário internacional da organização e ex-ministro das TIC e da Cultura, para apoiar as atividades de resposta a febre hemorrágica vírus Ebola, com a Unidade de Coordenação Nacional da luta contra a Transmissão '' do amaldiçoado vírus ''.



Neste contexto a JMJ está trabalhando diretamente com a equipe a qual é 'liderada por Fodé Sylla Tass, jornalista-roteirista e diretor da Televisão Nacional. Sob a supervisão do Dr. Sakoba Keita, o Sr. Morel e o norueguês Anne Skatvedt cuja principal função, em nome da UNICEF, é aconselhar e apoiar a Unidade de Coordenação Nacional da Comunicação, como uma interface para catalisar inteligências na elaboração de estratégias relevantes em via da erradicação do Ebola.

Amplo desafio os coloca em contato diário com as realidades no terreno, estatísticas e o drama dos pacientes e dos pais. Juntos, eles estão comprometidos na luta para motivação daqueles que realmente acreditam no que eles fazem. O risco é naturalmente grande, mas eles decidiram enfrentá-lo no terreno. Em algumas aldeias, os doentes se escondem ou escondem-nos, entretanto, nós temos estratégias de divulgação para encontrar seus '' contatos '' suspeitos até que se prove o contrário. Em seguida, as equipes especializadas irão traçar a sua rota a seguir com todos os outros contactos a fim de evitar que a doença se espalhe nestas aldeias, os últimos bastiões do Ebola.
 Assim, a JMJ está atualmente em Forecariah nos quadro dos preparativos da campanha de detenção ativa dos casos e de sensibilização além fronteira que será lançado neste sábado, 16 de maio em Pamalape na presença dos Presidentes guineense e Serra-leonense, para se engajar no que Fodé Tass chama de - "o assalto final contra o Ebola.''

Esperemos realmente...

DE: Pivi BILIVOGUI para GCI
2015-GuineeConakry.Info

Como o Presidente Nkurunziza furtivamente voltou para o Burundi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Pierre Nkurunziza. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP.  

Detalhes dramáticos de como o aguerrido Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza que sofreu tentativa de golpe foi deslocado de volta para seu país devastado pela crise com ele ainda na Tanzânia e que só agora pode ser revelado.

Um cidadão relatou a rota que o presidente usou para chegar à capital Bujumbura, na quinta-feira, à noite, para recuperar a sede do poder depois de uma tentativa de derrubá-lo espetacularmente.

Fontes no governo e nos círculos de segurança confidenciaram o cidadão de como o Presidente Nkurunziza estava desesperado para voltar ao Burundi e teria recusado uma oferta de asilo na África do Sul.

Presidente Nkurunziza foi a Dar es Salaam na quarta-feira para uma Cimeira de Chefes de Estado da Comunidade da África Oriental sobre a crise no Burundi, quando generais do exército e policiais renegados deram um golpe contra ele.

Quando a notícia do golpe eclodiu, a cúpula foi cancelada e, mais tarde, à noite, o Presidente Nkurunziza tentou retornar para Bujumbura.

No entanto, sua fuga foi abortada no ar e voltou para Dar es Salaam quando os golpistas ordenaram que o aeroporto estava fechado.

O Presidente do Burundi, então, passou quarta-feira em um hotel de Dar es Salaam, mas seu paradeiro no dia seguinte permaneceu como uma questão de especulação até que ele twittou sobre sua bem sucedida re-entrada em Burundi, onde ele estava no comando na sexta-feira.

Fontes detalharam que o presidente Nkurunzia passou a maior parte de quarta-feira em uma reunião de maratona no palácio com o presidente Jakaya Kikwete com uma equipe de seus assessores de segurança máxima. Eles estavam explorando a melhor maneira de responder ao cenário de rápidas mudanças em Bujumbura.

Foi nessa reunião que o Presidente Nkurunziza declaradamente recusou uma oferta da África do Sul para seu asilo, explicando que as coisas iriam se deteriorar em seu país durante sua ausência. Ele queria voltar para acalmar seus partidários e terminar a luta.

Sua própria casa

"Ele disse a seu anfitrião que o ônus estava na Tanzânia para garantir que ele voltasse para casa com segurança. Ele rejeitou o golpe e disse que tudo estava bem dentro de seu governo ", revelou uma das fontes de segurança.

Na quinta-feira, o líder do Burundi permaneceu escondido em um lugar não revelado de onde ele foi levado para o Aeroporto Internacional Julius Nyerere às 03:00h (+ 3GMT) para a primeira etapa de sua jornada quando suas forças tinham recuperado uma boa parte de área sob comando dos golpistas.

Ele embarcou em seu avião que tinha sido alocado a partir de África do Sul e voou para a cidade de Kigoma, na parte ocidental da Tanzânia na fronteira com Burundi, de onde ele esperava para atravessar.

Segundo fontes, o presidente Nkurunziza chegou em Kigoma depois de uma hora. Às 17:30, ele foi levado a bordo de um helicóptero da Força de Defesa  do Povo da Tanzânia (TPDF)   que foi levá-lo à sua região em sua própria casa no Ngozi.

O helicóptero, sob o comando de oficiais de inteligência, foi cercado por civis e cobriu uma distância de cerca de 450 km de Kigoma a Ngozi. Aqui, o Presidente Nkurunziza foi entregue a uma equipe avançada de seus oficiais de segurança e inteligência que haviam sido expedidos de Bujumbura.

De acordo com informantes, o helicóptero chegou e ele foi levado para sua sala VIP às 7h. Os planejadores do itinerário acharam a rota muito mais segura para o presidente tal como era em sua fortaleza.

Ele foi então conduzido à noite em um pequeno comboio de carros para chegar a Bujumbura de onde ele falou para a mídia social em cerca de meia-noite para apelar à calma e anunciar que ele estava no país e estava seguro e responsável.

#africareview.com

Total de visualizações de página