Postagem em destaque

Andy Robertson, Liverpool: "Sadio Mané costumava esquecer o passaporte".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... No verão passado, o senegalês Sadio Mané foi transferido para o Baye...

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Camarões: Chamada para conquistar o Boko Haram na festa do Presidente Biya.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Secretário de Estado e governante  do Comitê Central do partido CPDM Camarões enviaram  para Misaje e para Região a Noroeste, o Dr. Fuh Calistus Gentry, enviado pelo partido local para apoiar, por ocasião do 33º aniversário da adesão do Presidente Paul Biya ao poder. NDI EUGENE NDI | NATION MEDIA GROUP

Apoiantes do Presidente Paul Biya e governantes do Movimento Democrático Popular de Camarões (CPDM) realizaram nesta sexta-feira, celebrações em todo o país para marcar seus 33 anos no poder.

Biya chegou ao poder em 06 de novembro de 1982 na sequência do derrube do presidente Amadou Ahidjo.

Um tema comum nos discursos foi a chamada para conquistar os militantes do Boko Haram.

Vitória final

O grupo jihadista já matou centenas de pessoas desde a sua entrada em Camarões em 2013.

O aniversário de Biya foi comemorado sob o tema: ". Vamos reforçar a nossa mobilização por trás do chefe de Estado, o presidente nacional assegurar a vitória final contra a Boko Haram e a implementação bem sucedida do plano de emergência para consolidar as condições para o sucesso no futuro"

Medalhista de ouro

Logo cedo, o secretário do comitê central do CPDM, Jean Kuete, exortou o partido e partidários do presidente para celebrarem sobriamente como um sinal de solidariedade para com as vítimas do flagelo Boko Haram e os centenas de camaroneses que morreram no tumulto que ocorreu em Meca recentemente.

Na capital Yaoundé, atividades comemorativas começaram com uma corrida de meia maratona organizado por CPDM.

Monte de Camarões na Corrida da Esperança em 2014, medalhista de ouro Mbacha Eric ganhou na categoria masculina, enquanto Yvonne Ngwanya agarrou ouro na categoria feminina.

A gala foi programada para ser realizada no centro de conferências de Yaoundé no final da tarde.

#africareview.com

OPINIÃO: FILOMENO PINA - NÃO “MINTA” AO DIZER A SUA IDADE.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

                                                          Filomeno Pina - Nô Djagra

Sendo mulher ou homem não invente acrescentando ou diminuindo a sua idade, um tempo de vida que passou pelo corpo é sagrado, não hesite sequer um milímetro entre os dois algarismos que compõem a sua idade, os números são seus. Se lhe perguntarem há quantas chuvas ou invernos vive no seu corpo, não pense duas vezes, não olhe para o espelho antes de responder, pronuncie a sua idade em bom-tom sem complexos e ponto final. Descobrirá que é interessante ouvirmos a própria voz chamar o nosso corpo pela sua idade real, este primeiro “nome” associado ao nome de baptismo, é a nossa data de nascimento (o inicio da idade do corpo).

Cá andamos durante esta passagem terrena com o peso da nossa idade, cada um querendo ou não dizer a sua, na verdade o corpo não esconde este tempo precioso, então diga sempre a sua idade sem auto-crítica, terá ganhos com certeza!

Um pacto de amor entre o corpo e o tempo de vida é muitas vezes quebrado quando o corpo troca as voltas à idade real, passando gato por lebre, quando a cara não rima com os números pronunciados e ouvimos os travões dos complexos da idade a chiar entre os dentes ou, nas suas respostas devolvem uma outra pergunta: “e quanto me dás?”, parecendo preferir a idade ideal e não a real, será?

A maturidade emocional guarda a idade infinita de anos-luz da nossa experiência afectiva, são anos de infinidade espiritual gravados, que derramou sobre nós a experiência de vida que contemos, toda a informação dum mundo falante na mesma linguagem - os afectos partilhados - o mundo que fala connosco, que afinal é o nosso, nestes anos-luz na memória, juntam dias, meses e anos passados pelo corpo, para chegarmos ao dia de anos “escolhido” e lembrarmos, para comemorar aquela data de nascimento que o acaso criou para cada um e, não temos outro! Os restantes dias são um infinito de emoções, impossível de contabilizar quantos “anos” temos na maturidade emocional. Na idade real às vezes perdemo-nos nas contas e não queremos dizer a nossa idade, porquê, talvez por motivos narcisistas ou fantasias na nossa cabeça, será?

Este fenómeno em relação a idade tem dado que “enganar” a muitos entre nós, quando acerca da contagem da idade, vêm à cabeça coisas estúpidas que nos empurram para o ajuste de contas com a idade, saltam os complexos de vergonha e outros ainda mais íntimos, no confronto da “culpa” com a idade actual, a boca foge para a verdade, ressentimentos amarrados no tempo em que não se teve “tempo”, provocam bloqueios centrados no conceito de beleza que se pretende ainda, mesmo que por segundos a pronunciar uma idade surreal, acontece que infelizmente temos todos uma idade real na ponta da língua, que ninguém esquece, mas outros não o dizem.

Experimente – passar a dizer a sua idade – o Ego reforçado dos mais velhos falará por si nesta noção de beleza dentro de cada um de nós, acredite num clima de mudança pessoal de mentalidade dentro de si, evitemos, certos pré-conceitos de beleza e estética, depressa vão caindo progressivamente com o avançar da idade, importa aqui não “dar boleia” a complexos dentro de cada um, vale a pena a autoconfiança persistir, saindo de casa para arejar sua beleza constante e igual a si própria, antes ou depois dos quarenta, sempre activa, afinal as pétalas renovam-se com o sol vindo dos olhos daqueles que reparam em nós, acreditem gente bonita com idade, este "sol" faz bem...

As aparências só iludem porque a “idade-exterior” da nossa imagem está a pedir fantasias, mas quem manda é a nossa mentalidade, o que pensamos é, e também muda se quisermos! Aprendi que o musgo nasce em pedra dura, parece a idade, não escolhe o corpo para aumentar, por isso se responder, diga logo sem aliviar de boca o seu tempo completo, sem fingir, sem usar retalhos mais “jovem”, porque a "antiguidade" não se confunde, onde estiver há beleza natural a começar pela sua presença sem “verniz”.
A antiguidade resiste às “tintas” que apagam seu brilho natural, seja mais confiante na sua idade, que os mais jovens agradecem.

A mudança desta mentalidade desejada faz perder a vergonha das nossas rugas de afecto de uma vida inteira, nossos sinais de amor tatuados no rosto e no corpo todo, são cicatrizes duma história de vida que continua a marcar presença no nosso rosto. São estas linhas epitelial à flor da pele, a aparência da idade provável duma vida, todo o tempo que passamos por aqui, contados ou não, são a prova real acertada do nosso corpo em confronto com a nossa vida, dando a cara e o corpo todo!

“Real-Idade” sabe ler este tempo, sabe da existência do estigma, o rótulo de “velho/a” que ainda mete medo, também sabe, que hoje esta conotação negativa já não é o que parece, perdeu força, vai caindo há muito sem nos darmos conta, já não atinge quem está preparado nesta mudança de mentalidade, a viver sem complexos de idade ou preconceitos de carácter cronológico, narcisista, de alienação cultural, todos os pensamentos que nos impedem de conviver confortavelmente com a nossa idade, o nosso corpo, pois podemos evitar tudo isto, começando por dizer a nossa idade real, o que faz muita diferença, acredite.
Na verdade quem não esconde a idade tem que dizer - é primeiro passo - para entrar na luz com olhos de claridade neste contexto, a responder pela sua idade sem “mentir”, dizendo sempre quantos tem, é ser diferente.

Com esta mudança saudável o corpo não engana, assume o belo e natural como presente magnético que a vida tem, vive sem máscara. Muitas vezes preferimos o contrário, outro corpo trabalhado, exigimos até capacidade que por vezes o corpo deixou de ter, não se consegue renovar com mais “actualizações” cosméticas/estéticas reforçadas na pele, mas fingimos não ver e, infelizmente, por vezes atingimos o ridículo.

Porque não pararmos para pensar sobre certa idade, que já não brinca a troco de qualquer risco com cosmética agressiva, em certas idades preferimos liberdade sem esforço para agradar uma imagem recriada em “laboratórios” de estética, porque preferimos usar a consciência serena e profunda sobre nós próprios na beleza mais natural do que outras …

Contrariando no tempo as distâncias segundo as ideias acerca da beleza e do charme, estes dois valores aproximam-se e ao mesmo tempo divergem. Revelam preocupações sublinhadas a partir dos quarenta anos, na finura desta fase madura, normalmente a idade assume referência cultural e social pensada na intimidade, sendo outro patamar, nas idades e suas épocas, as sabedorias de gerações com idades variadas a partir dos quarenta, seus rostos maduros, todo o belo num corpo maduro, sua expressividade, fazendo ou não justiça silenciosa à imagem de contraste na actualidade, para alguns de nós, continuamos sem os complexos referidos atrás e, a caminho da idade mais avançada, com a dignidade natural possível, sem alteração da beleza pessoal escolhida para conforto continuado durante a vida, vamos indo, sabendo, no entanto, que de “belo” ou beleza, cada um escolhe o que quer!?

Despidos do complexo da perda de atracção ou da beleza “actualizada”, usamos o charme da “antiguidade” pessoal de cada um, é melhor do que correr atrás da idade que não se tem. Esta geração mais velha acordou e não mente mais ao dizer a sua idade, vive bem na sua própria pele, sendo a sua idade a única roupagem sem marcas comerciais, que transporta o charme também no rosto, com amor e beleza progressiva ajustada ao auto-conceito o mais confortável possível, em cada um de nós.

O desejo de andar para trás na ilusão de parar o tempo com medo de ver a “beleza” fugir, não faz a idade real alterar seu ciclo de vida na beleza temporal, estaremos apenas a cultivar um complexo centrado no corpo que não se tem, a correr riscos físicos e psicológicos de não nos sentirmos confortáveis na própria pele, infelizmente, quando podemos viver bem melhor connosco próprios, sem mexer no “nariz” ou no resto do corpo com as imitações, será?

Pense na sua beleza interior, que já muda muita coisa em si, não carregue mais os preconceitos de beleza fabricados para vender bem a partir de nós, à nossa custa, pense nisto!

A beleza interior é infinita, a mais bonita e intensa, mas, quando estamos em paz com o nosso sentir de beleza íntima, só.
.
DIGA SEMPRE A SUA IDADE!

Djarama. Filomeno Pina.






Total de visualizações de página