Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

O mundo perdeu um amigo amado, o mentor Mandela - a quem Obama chama de "gigante da história"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



• Acima de 90 líderes mundiais, 60.000 pessoas homenagearam em estádio encharcado de Soweto,
Seyi GESINDE e OLAOLUWA MIMIOLA capturaram o momento histórico como os líderes mundiais se reuniram na África do Sul para prestar suas últimas homenagens ao ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, que, eles aplaudiram unanimemente por seu legado de reconciliação racial, em um serviço memorial no FNB Stadium, em Soweto.
Foram as maiores reuniões de líderes mundiais da história recente. Os líderes mundiais: Barack Obama e três ex- presidentes norte-americanos, de Cuba, Raúl Castro, do Zimbábue, Robert Mugabe, se reuniram ao lado de varredores de rua , atores e figuras religiosas para prestar homenagem a Nelson Mandela em um serviço funeral, que vreuniu quase 60.000 pessoas desafiando as fortes chuvas.
A chuva que transformou a cidade Sul-Africana de Soweto em uma "nação guarda-chuva " não conseguia parar os líderes mundiais e as pessoas que com carinho referiam Mandela como " Madiba 'ou' Tata ' de celebrar o homem que, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama chamou de ' gigante da história. '
O vice- presidente governista do Congresso Nacional Africano ( ANC), Cyril Ramaphosa, que abriu a cerimônia, dizendo: " Em nossa tradição, quando chove e quando você vai a enterrar, seus deuses vão recebê-lo no céu. "
Em um serviço memorial onde Obama que no tempo antigo era inimigo no tempo da guerra fria, de Cuba, ele e Raúl Castro apertaram as mãos em um momento histórico de reconciliação no encharcado Estadio Seweto FNB, muitos líderes mundiais que, segundo Obama, " reclamaram solidariedade com Madiba , mas não tolerararam a dissidência de seu próprio povo ", testemunhando a ocasião.

Mais de 90 líderes mundiais estavam presentes.
O povo da África do Sul que transformou a cerimônia em uma celebração da vida e como eles dançaram e cantaram durante todo tempo e também reagiram com aplausos e vaias para com cada líder mundial que chegava ao estádio.
Os maiores aplausos foram reservados para Graça Machel a viúva de Mandela e Winnie, a ex-esposa de Mandela, que manteve viva a chama da luta, enquanto ele estava na prisão, mas de quem se divorciou pouco tempo depois de sua libertação.
O ex-Presiente Sul Africano Thabo Mbeki, Ban Ki Moon e Robert Mugabe foram variadamente aplaudidos.
Obama, que chegou quase uma hora após a cerimônia ter começado, recebeu uma recepção calorosa por parte do público que o elogio na cerimônia memorial.
O aperto de mão entre os líderes dos dois países antes inimigos no período Guerra Fria foi aplaudido como um preservar do legado da reconciliação de Mandela.
Obama também beijou as a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, que entrou em conflito com ele sobre alegada espionagem a Agência de Segurança Nacional .
O Presidente Obama, que teve um elogio de 20 minutos, que comparou Mandela com Gandhi, Martin Luther King, Abraham Lincoln e pai fundador dos Estados Unidos, saudou o libertador Sul Africano, Mandela como "um gigante da história" e "um dos maiores líderes do nosso tempo. "
A Mandela, Obama disse, foi a "último grande libertador do século 20. Mas ele não era apenas um homem da política, mas um pragmático e ser humano perfeito, que conseguiu disciplinar a sua raiva para virar séculos de opressão no país, que Mandela gostava de chamar de " Nação Arco-Íris ".
"Demorou para aparecer um homem como Madiba para libertar não apenas o preso, mas o carcereiro, bem como, para mostrar que você deve confiar nos outros para que eles possam confiar em você, para ensinar que a reconciliação não é uma questão de ignorar um passado cruel, mas um meio de confrontá-lo com a inclusão, generosidade e verdade.
" Ele mudou a lei, mas ele também mudou os corações ", disse Obama.
Obama também se manifestou contra os ditadores de países como Zimbábue e China, que falam muito do legado de Mandela enquanto reprimem o seu próprio povo, ele disse: " Há muitos de nós que felizmente abraçam o legado de reconciliação racial de Madiba, mas apaixonadamente resistem mesmo a modesta reforma que desafia a pobreza crônica e a crescente desigualdade.
"Há muitos líderes que afirmam solidariedade com a luta de Madiba pela liberdade, mas não toleram a dissidência de seu próprio povo. E há muitos de nós que estão à margem e confortáveis ​​em complacência ou cinismo quando nossas vozes devem ser ouvidas. "



Obama concluiu: " Nós nunca iremos ver os gostos de Nelson Mandela novamente. Mas deixe-me dizer aos jovens da África e jovens de todo o mundo - vocês podem fazer o trabalho de sua vida o seu próprio '.
Em seu caminho para o pódio, o presidente apertou a mão de Raul Castro, cujo irmão Fidel tem sido um dos mais ferozes inimigos dos EUA - prova de capacidade de Mandela para trazer partes beligerantes juntos em sua memória.
Os dois países não têm relações diplomáticas desde a revolução comunista de 1959, e seus líderes não são acreditados para ter comunicação um com o outro nos últimos anos.
Além disso, o vice-presidente chinês, Li Yuanchao, a presidente do Brasil, Dilma Roussef, presidente namibiano Hifikepunye Pohamba e presidente da Índia, Pranab Mukherjee também fizeram discursos antes de um discurso do presidente da África do Sul, Jacob Zuma, e um sermão do Bispo Ivan Abrahams.
Falando através de um intérprete, o Sr. Castro disse: " Vamos homenagear Nelson Mandela: O último símbolo de dignidade e dedicação inabalável para a luta revolucionária, à liberdade e à justiça, um profeta de unidade, de paz e reconciliação.
"À medida que a vida de Mandela nos ensina, apenas o esforço concertado de todas as nações irá capacitar a humanidade para responder aos enormes desafios que hoje ameaça a sua própria existência. "
Em seu discurso, a Presidente do Brasil Dilma disse: "Ele também foi uma fonte de inspiração para as lutas similares no Brasil e em toda a América do Sul.
" Sua luta chegou muito além das fronteiras de seu país e inspirou homens e mulheres jovens para lutar pela independência e pela justiça social. "
Sr. Li contou como Mandela foi o " orgulho do povo africano ", acrescentando : " Ele tem dedicado toda a sua vida para o desenvolvimento e o progresso do continente Africano. "
Multidões começaram a chegar desde o início da manhã, implacável era a chuva persistente, e na preparação para os enlutados na cerimônia gritavam em comemoração sempre que membros da família de Mandela apareciam na tela grande.
O Presidente Jacob Zuma foi vaiado
O aplauso que recebeu Obama veio em forte contraste com o presidente Sul-Africano Jacob Zuma, que foi vaiado em voz alta, sempre que ele aparecia no telão do estádio.
Quando o Sr. Zuma subiu ao pódio para iniciar o discurso na cerimônia, ele foi recebido com um enorme coro de vaias, obrigando os organizadores a produzir um coro para abafar o barulho da multidão e salvar blushes do presidente.
Em seu discurso, Zuma disse: "Além reconciliação, Madiba estabeleceu uma base firme para a transformação. "
Ele disse que Mandela realizou algo muito concreto: As leis racistas que faziam parte do sistema de Apartheid foram revogadas. Mas Mandela fez mais do que isso, disse Zuma, que ele preparou o palco para a cura.
Zuma referiu o ano de 1995 da aparição de Mandela na Copa do Mundo de Rugby, que foi dramatizada no filme Invictus 2009, como um exemplo de como ele fez a reconciliação real.
Descrevendo o cenário que antecedeu o discurso de Zuma, Lydia Polgreen, em Joanesburgo chefe do escritório The New York Times " , disse que as vaias eram tão altas, que os organizadores mudaram a música e colocaram a imagem de Mandela de volta às telas.
Polgreen chamou de " momento doloroso ".
"Eu acho que a estratégia foi vergonhosa e a multidão em silêncio olhava a imagem de Mandela ".


A influência de Mandela chegou a todo o planeta, Ban Ki -moon.
Secretário- Geral das Nações Unidas, Ban Ki -Moon, em seu discurso, disse que a influência de Mandela estendeu a "raiz profunda, que atingiu todo o planeta. "
Não há melhor prova de sua influência e luta pela igualdade, do que neste estádio hoje.
"Estamos aqui ", disse ele . " Todos estão unidos. "
Ban disse que a África do Sul realizou eleições em 1994, pela primeira vez, os negros sul-africanos foram capazes de moldar uma cédula, marcou um "triunfo para os ideais das Nações Unidas" e uma "vitória para todos que tem enfrentado o veneno do preconceito. "
Ban disse na cerimônia : "A África do Sul perdeu um herói, nós perdemos um pai e o mundo perdeu um querido amigo e mentor.
" Nelson Mandela foi mais do que um dos maiores líderes do nosso tempo, ele foi um dos nossos maiores mestres. Ele ensinava pelo exemplo, ele sacrificou muito e estava disposto a resistir por tudo pela liberdade, igualdade e justiça.

" Sua compaixão mais se destaca . "

Todos os líderes devem viver de acordo com o espírito de Mandela - Cameron da
Grã-Bretanha , que desempenhou um papel fundamental no fortalecimento do músculo do governo do apartheid da África do Sul em particular durante os 27 anos de da prisão de Nelson Mandela, mas que também desempenhou um papel fundamental na sua libertação que foi representada no evento por vários líderes britânicos atuais e antigos, incluindo David Cameron, Nick Clegg, Gordon Brown, Tony Blair e John major.
A presença de Sir John Major, Tony Blair e Gordon Brown com Cameron reflete o profundo respeito em que Mandela é considerado dentro política britânica.
Cameron e Brown estão entre os deputados que pagaram tributo a Mandela, em uma sessão especial na segunda-feira.

Brown acrescentou sua homenagem ao " homem que nos ensinou que nenhuma injustiça pode durar para sempre. "
Ele disse : " Nelson Mandela, não só o maior homem de sua geração, mas sim, ao longo de gerações, uma das pessoas mais corajosas que você poderia ter a esperança de encontrar. "

David Cameron prestou homenagem ao espírito de perdão mostrado pelo herói anti-apartheid que ele chegou para prestar homenagem.
O primeiro-ministro britânico disse que Mandela serve de exemplo para os políticos de todo o mundo, não só na " posição incrível que ele tomou ", mas na forma como ele tratava as pessoas, uma vez que ele foi libertado da prisão.
Ele destacou o momento que Mandela apareceu com o capitão do Springboks François Pienaar na final da Copa do Mundo de Rugby na África do Sul em 1995.
Cameron disse à BBC no Pequeno-almoço: " Eu nunca vou esquecer a visão dele com o capitão dos Springboks no meio desse campo de rugby, esse momento é cauterizado em todas as nossas memórias. " E a maneira que ele tratava as pessoas que tinham feito tais danos às pessoas.
"Eu acho que foi o perdão que deu um exemplo de que tão poucos os políticos são capazes de seguir. Eu acho que esse tipo de aulas são as que temos de aprender e tirar lição como gente. "
Após a cerimônia, o Sr. Cameron twittou: " Um dia inspirador, que desafia todos os líderes para viver de acordo com o espírito de Nelson Mandela ".
Questionado sobre a sua decisão de usar uma gravata preta, Cameron disse : " Foi-nos dito que era apropriado usar uma gravata preta, mas quando você vê e ouve este grande barulho e uma grande atmosfera de celebração, é claro que as pessoas aqui na África do Sul querem, sim, dizer adeus a esse grande homem, e sim, comemorar o que ele fez, mas também celebrar a sua vida e celebrar seu legado e eu acho que é o certo. "

Comparando Mandela com o bíblico Elias
O programa começou a envolver-se com um sermão do Bispo Ivan Abrahams, que chamou Mandela de " um farol de luz, uma estrela solitária. "
Abrahams, em seguida, virou-se para o futuro. Ele lembrou a história de Elias, que é reconhecida pelos cristãos, muçulmanos e judeus, que fizeram um grande esforço para pregar o culto de Javé sobre o deus fenício Baal, de frente para o fim de seu tempo na Terra, Elias se aproxima do rio Jordão.
Ele enrola o seu manto e atinge a água, que se abre e de repente um carro de fogo aparece e Elias é levantado.
Só então o manto de Elias cai no chão e é levado por um discípulo mais jovem chamado Eliseu, que antes de sua partida perguntou Elias para herdar-lhe uma "dupla porção do seu espírito. "
" O manto é passado e está em suas mãos ", disse Abrahams.
Temos que lembrar, disse Abrahams, que " pessoas como Madiba não morrem, mas eles continuam a viver no coração das pessoas. "
Desmond Tutu oferece bênção bramido
Cumprindo um curto, mas rugindo bênção, na Cidade do Cabo o arcebispo emérito Desmond Tutu, exortou os sul-africanos para mostrarem o mesmo tipo de disciplina que Mandela mostrou durante sua vida.
" Nós prometemos a Deus que vamos seguir o exemplo de Nelson Mandela ", disse Tutu para encerrar a cerimônia.
Ele é sobrevivente do co-acusado de um incomparável força de Mandela
Andrew Mlangeni, um dos três únicos sobreviventes co-acusado no julgamento pela traição em Rivonia que enviou Mandela e seus colegas anti-apartheid para a prisão por 27 anos, se lembrou de Mandela como uma "força incomparável de liderança ", que " iluminou o caminho para a nossa nação Darkest Hour ".
"Seria em nossa sabedoria coletiva ... para defender os valores de Nelson Mandela " , disse Mlangeni .

Convite aos líderes mundiais no serviço memorial.
- O presidente afegão, Hamid Karzai.
- Vice-presidente angolano Manuel Vicente.
- Presidente Interino argentino Amado Boudou.
- Primeiro-ministro australiano Tony Abbott.
- O primeiro-ministro Bahamas Perry Christie.
- O presidente Abdul Hamid do Bangladesh.
- Primeiro-ministro belga Elio di Rupo e o Rei Philippe.
- O presidente Boni Yayi do Benin.
- O presidente Seretse Ian Khama do Botswana.
- O presidente do Brasil, Dilma Rousseff e três antecessores, incluindo Luiz Inácio Lula da Silva.
- Primeiro-ministro britânico David Cameron, vice-PM Nick Clegg e ex- primeiro-ministro Tony Blair.
- O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza.
- O primeiro- ministro canadense, Stephen Harper, e três de seus antecessores.
- O presidente do Chade, Idriss Deby.
- Vice- presidente chinês, Li Yuanchao.
- Presidente de Comores Ikiliou Dhoinine.
- O presidente do Congo, Joseph Kabila.
- O presidente croata Ivo Josipovic.
- O presidente de Cuba, Raúl Castro.
- O ministro dos Negócios Estrangeiros checo Jan Kohout.
- Primeiro-ministro dinamarquês Helle Thorning-Schmidt e o príncipe Frederik.
- O presidente do Djibuti, Ismail Omar Guelleh.
- O primeiro-ministro do Timor Leste, Xanana Gusmão.
- O ministro das Relações Exteriores de El Salvador Jaime Miranda.
- O presidente da Guiné Equatorial, Obiang Nguema Mbasogo.
- O primeiro-ministro da Etiópia Hailemariam Desalegn.
- O presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso.
- O presidente do Conselho da União Europeia, Herman Van Rompuy.
- O presidente finlandês Sauli Niinistö.
- O presidente francês, François Hollande e seu antecessor, Nicolas Sarkozy.
- O presidente Ali Bongo Ondimba do Gabão.
- Presidente gambiano Yahya Jammeh.
- O presidente alemão Joachim Gauck.
- O presidente de Gana, John Dramani Mahama.
- O presidente guineense Alpha Conde.
- O presidente da Guiana, Donald Ramotar.
- O presidente haitiano, Michel Martelly e o primeiro-ministro Laurent Lamothe.
- O presidente da Índia, Pranab Mukherjee e líder do partido do Congresso, Sonia Gandhi.
- Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif.
- O presidente irlandês Michael Higgins.
- Primeiro-ministro italiano Enrico Letta.
- O presidente da Costa do Marfim Allasane Ouattara .
- O primeiro-ministro da Jamaica, Portia Simpson Miller.
- A japonesa príncipe herdeiro Naruhito e ex- primeiro-ministro Yasuo Fukuda.
- A rainha Rania da Jordânia e o primeiro-ministro Abdullah Ensour.
- O presidente queniano Uhuru Kenyatta.
- Zelador primeiro-ministro libanês Najib Mikati.
- O primeiro-ministro do Lesoto Thomas Thabane.
- Presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf.
- O presidente do Malawi Joyce Banda.
- O ministro da Energia da Malásia Maximus Ongkili.
- Mauritius " O primeiro-ministro Mohamed Ould Abdel Aziz.
- O presidente do México Pena Nieto.
- Príncipe Moulay Rachid de Marrocos.
- Presidente Armando Emilio Guebuza de Moçambique.
- O presidente namibiano Hifikepunye Pohamba.
- Ministro das Relações Exteriores do Nepal Madhav Prassad Ghimire.
- Ministro das Relações Exteriores da Holanda Frans Timmermans e rei Willem- Alexander.
- O presidente do Níger, Mahamadou Issoufou.
- O presidente nigeriano, Goodluck Jonathan.
- Primeiro-ministro norueguês Erna Solberg e príncipe herdeiro Haakon.
- O presidente do Paquistão Mamnoon Hussain.
- O presidente palestino, Mahmoud Abbas.
- Filipinas vice-presidente Jejomar Binay.
- Ministro das Relações Exteriores polonês Radek Sikorski e ex-presidente Lech Walesa.
- Presidente Português Cavaco Silva.
Vice- primeiro-ministro da Arábia Saudita Muqrin bin Abdulaziz Al Saud.
- O presidente senegalês, Macky Sall.
- O presidente sérvio Tomislav nicolic.
- Seychelles Presidente James Michel.
- Ministro das Relações Exteriores eslovaco Miroslav Lajcak.
- O presidente da Eslovénia Borut Pahor.
- Coréia do Sul o primeiro-ministro Hongwon Chung.
- O presidente do Sudão do Sul, Salva Kir Mayardi.
- O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy e o Príncipe Felipe.
- O presidente do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa.
- Vice-Presidente sudanês Hassan Bakri Salih.
- O presidente do Suriname Desejo Delan Bouterse.
- O primeiro-ministro da Suazilândia Sibusiso Dlamini Barnabé.
- Primeiro-ministro sueco Fredrik Reinfeldt e da princesa Victoria.
- O presidente suíço Ulrich Maurer.
- O presidente da Tanzânia Jakaya Kikwete.
- Trinidad e Tobago primeiro-ministro Kamla Persad - Bissessar.
- O presidente tunisino Moncef Marzouki.
- Presidente de Uganda, Yoweri Museveni.
- U.N. Direitos Humanos, Navi Pillay, comissária.
- O secretário -geral da ONU, Ban Ki -moon, e seu antecessor, Kofi Annan.
- O presidente dos EUA, Barack Obama e a primeira-dama Michelle Obama, bem como os ex-presidentes George W. Bush, Jimmy Carter, Bill Clinton e sua esposa Hillary.
- O chanceler Luis Almagro do Uruguai.
- Oficial do Vaticano o cardeal Peter Turkson de Gana.
- O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro.
- O presidente da Zâmbia, Michael Sata.
- O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe.
Obama acena à multidão depois de seu discurso



O texto completo do discurso de Obama
Para Graça Machel e a família Mandela; ao Presidente Zuma e os membros do governo; aos chefes de Estado e de Governo, passados ​​e presentes, ilustres convidados - é uma honra singular de estar com vocês hoje, para celebrar uma vida diferente de qualquer outro. Para o povo da África do Sul - pessoas de todas as raças e os caminhos da vida - O mundo agradece a partilha de Nelson Mandela com a gente. Sua luta foi a sua luta. Seu triunfo foi o seu triunfo. Sua dignidade e esperança encontrou expressão em sua vida, e sua liberdade, sua democracia é o seu legado acarinhados.
É difícil elogiar qualquer homem - para capturar em palavras e não apenas os fatos e as datas que fazem a vida, mas a verdade essencial de uma pessoa - as suas alegrias e tristezas particulares; os momentos de silêncio e de qualidades únicas que iluminam a alma de alguém. Quanto mais difícil de fazê-lo por um gigante da história, que mudou o rumo de uma nação para a justiça, e, no processo moveu bilhões ao redor do mundo.
Nascido durante a I Guerra Mundial, longe dos corredores do poder, um menino criava gado de pastoreio e tutelado por anciãos da sua tribo Thembu - Madiba emergiria como o último grande libertador do século 20. Como Gandhi, ele lideraria um movimento de resistência - um movimento que em seu início realizava poucas perspectivas de sucesso. Como rei , ele iria dar voz potente para as reivindicações dos oprimidos, e a necessidade moral da justiça racial. Ele iria suportar uma prisão brutal que começou na época de Kennedy e Kruschev, e chegou aos dias finais da Guerra Fria. Emergindo de prisão, sem a força das armas, ele - como Lincoln - manteve o seu país junto quando ele ameaçou quebrar. Como pai fundador dos Estados Unidos, ele iria construir uma ordem constitucional para preservar a liberdade para as futuras gerações - um compromisso com a democracia e o Estado de direito não apenas ratificado por sua eleição, mas por sua vontade de descer do poder.
Dada a varredura de sua vida, e a adoração por ele tão justamente merecido, é tentador, em seguida, para lembrar Nelson Mandela como um ícone, sorridente e sereno, desapegado das coisas de mau gosto de homens menores.
Mas o próprio Madiba resistiu fortemente um retrato tão sem vida. Em vez disso, ele insistiu em partilhar connosco as suas dúvidas e medos, seus erros de cálculo, juntamente com as suas vitórias. "Eu não sou um santo ", disse ele, "a menos que você acha de um santo como um pecador que continua tentando ".
Foi precisamente porque ele poderia admitir a imperfeição - porque ele poderia ser tão cheio de bom humor, mesmo mal, apesar dos pesados ​​fardos que carregava - que o amava . Ele não era um busto de mármore, ele era um homem de carne e osso - um filho e marido, um pai e um amigo. É por isso que aprendi muito com ele, é por isso que nós podemos aprender com ele ainda. Para nada do que ele conseguiu foi inevitável. No arco de sua vida, vemos um homem que ganhou seu lugar na história através da luta e astúcia, persistência e fé.
Ele nos diz que é possível não apenas nas páginas dos livros de história empoeirados, mas em nossas vidas também.
Mandela nos mostrou o poder de ação; de correr riscos em nome de nossos ideais. Talvez Madiba estava certo de que ele herdou, " uma rebeldia orgulhosa, um senso de justiça obstinada " de seu pai. Certamente ele compartilhou com milhões de negros e mestiços sul-africanos a raiva nascida de " um milhar de desprezo, mil indignidades, mil momentos esquecidos ... um desejo de lutar contra o sistema que aprisionou o meu povo . "
Mas, como outros gigantes iniciais do ANC - os Sisulus e Tambos - Madiba disciplinados sua ira, e canalizou seu desejo de lutar em organização, e plataformas e estratégias de ação, de modo que os homens e as mulheres poderiam levantar-se para a sua dignidade. Além disso, ele aceitou as conseqüências de suas ações, sabendo que levantar-se a interesses poderosos e injustiça tem um preço.
" Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra ", disse ele em seu julgamento de 1964. "Eu estimo o ideal de uma sociedade democrática e livre na qual todas as pessoas convivam em harmonia e com oportunidades iguais . É um ideal que espero viver e alcançar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer. "
Mandela nos ensinou o poder de ação, mas também idéias, a importância da razão e argumentos, a necessidade de estudar não apenas aquilo que você concorda, mas também aquilo que você não concorda.
Ele entendia que as idéias não podem ser contidas por muros da prisão, ou extintas pela bala de um franco-atirador. Ele voltou a julgamento em uma acusação de apartheid por causa de sua eloquência e paixão, mas também a sua formação como um defensor. Ele usou décadas na prisão para afiar seus argumentos, mas também divulgar a sua sede de conhecimento para outras pessoas no movimento. E ele aprendeu a língua e os costumes do seu opressor, para que um dia ele pudesse transmitir melhor a eles como a sua própria liberdade depende dele.


# tribune.com.ng









Tributo global a Mandela - acompanhe aqui. >>

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




# euronews.pt

África do Sul: Multidões em massa na África do Sul para se despedir e Honrar Mandela.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Povo Sul Africano homenageando o seu Líder Mandela.


Nelson Mandela

SOWETO, África do Sul - Dezenas de milhares de pessoas correram para um grande estádio de futebol nesta terça-feira, juntamente com líderes e celebridades de todo o mundo, enfrentando chuva forte para homenagear Nelson Mandela, o homem que inspirou a luta contra o apartheid de sua cela na prisão.

"Não havia nenhuma maneira para eu não estar aqui", disse Wandisila Mafunya gritando por cima da ululante multidão alegre. " Se não fosse por Nelson Mandela, eu não estaria aqui, vivendo a vida de liberdade que eu vivo hoje. "

Sra. Mafunya havia deixado sua casa em Parque Kipler bem antes do nascer do sol , na esperança de ser o primeiro na linha, juntando-se uma quantidade de pessoas que cantaram canções, pisaram os pés e gritaram o nome do homem cuja vida eles tinham vindo para comemorar. "Viva, Nelson Mandela, Viva! " disse a Sra. Mafunya, uma aeromoça de 30 anos de idade, gritou quando ela se juntou à multidão para assistir ao memorial nacional para o Sr. Mandela, que morreu na quinta-feira última.

A última aparição pública de Mandela, foi durante o torneio de futebol da Copa do Mundo em 2010, aconteceu no mesmo FNB Stadium, que foi o cenário escolhido para o seu memorial nacional, a meio caminho durante os 10 dias de luto antes de seu funeral de Estado, no domingo, em sua aldeia de infância Qunu na parte Oriental do Cabo.

Pessoas que chegam para a cerimônia chegam com guarda-chuvas e capas de chuva, com a chuva encharcando pelas ruas fora e do próprio estádio. Enquanto o clima era de comemoração em memória do Sr. Mandela, também a política moderna da África do Sul foi relatada na ocasião.

A multidão vaiou e assobiou com desagrado, quando o rosto do presidente Jacob Zuma G. apareceu em dois monitores grandes em cada extremidade do estádio. Mas houve aplausos para Thabo Mbeki, sucessor imediato do Sr. Mandela como presidente.

A homenagem ao Sr. Mandela chamou uma multidão sem precedentes VIP do mundo, incluindo pelo menos 91 chefes de Estado e governo, celebridades como Oprah Winfrey e o cantor Bono, bem como a realeza, incluindo o príncipe Charles, o herdeiro do trono britânico, que planeja assistir ao funeral de Estado em Qunu .

O presidente Obama está programado para falar, assim como o presidente da África do Sul, Jacob Zuma. Outros oradores incluem os presidentes de Brasil, Índia e Cuba.

Jay Naidoo, um confidente próximo do Sr. Mandela e um de seus primeiros ministros responsáveis ​​pela habitação e desenvolvimento, evitou o assento VIP por causa de hemorragia nasal alta, para sentar no assento no palco onde estão bem sentados os grandes do mundo.

" Este é um dia para o povo, não dos poderosos ", disse Naidoo. "O que Nelson Mandela deixou para todos foi a solidariedade com os oprimidos do mundo, e para eles, ele é um símbolo de justiça social e de direitos humanos. É por isso que eu estou a dizer meu adeus a partir das fileiras do povo. "

Pouco antes do início da cerimônia programada, o estádio estava aproximadamente meio cheio, com a maioria das pessoas lotando as maiores áreas sob um teto para se abrigar da chuva. " Mesmo o céu está chorando ", disse uma mulher no meio da multidão. "Perdemos um anjo! "

Muitos fizeram longas viagens, de ônibus (autocarros) e de trem, para chegar ao estádio. Outros desistiram de esperar por ônibus que disseram que nunca chegaria e em vez disso começou o trabalho árduo na chuva para chegar ao estádio.

Apesar do serviço memorial, o dia não foi um feriado e nas estações de trem, nos arredores de Joanesburgo a maioria das pessoas estava indo para o trabalho, como se fosse uma terça-feira normal. Ainda assim, as pessoas continuaram a chegar, curvaram-se contra o disco, chuva oblíqua.

Como o tempo do início da cerimônia oficial foi adiado por cerca de uma hora, os familiares começaram a chegar, inclusive Winnie Madikizela-Mandela, ex-mulher de Nelson Mandela, e sua viúva, Graça Machel. O presidente Robert G. Mugabe do Zimbabwe estava entre muitos líderes africanos, incluindo os da Nigéria, Uganda, ambos os estados do Congo e Guiné Equatorial.

A representação americana incluído o ex-presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Jimmy Carter e o ex- secretário de Estado, Hillary Rodham Clinton, Michelle Obama e Laura Bush, acompanhados de seus maridos.

Grã-Bretanha e França foram ambos representados por líderes atuais e antigos. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki -moon, levantou-se e curvou-se sobre o podium VIP para reconhecer os aplausos da multidão.

" Mais de 100 países estão representados aqui hoje representando facilmente milhares de milhões de pessoas ao redor do mundo ", disse Ramaphosa, acrescentando que o evento foi " como Nelson Mandela queria ser homenageado. "

" Ele era o nosso professor e nosso mentor e nunca desistiu de nós por nossas falhas ", disse Ramaphosa. Repetidamente Sr. Ramaphosa apelou para alguns no meio da multidão para parar vaiar figuras políticas de quem não aprovavam.

O serviço memorial nacional veio acontecer 20 anos no dia em que depois que o Sr. Mandela e FW de Klerk , último presidente branco da África do Sul, que negociou o fim do poder Afrikaner, viajaram juntos para Oslo para receber o Prêmio Nobel da Paz compartilhada. O Sr. de Klerk estava entre os dignatários que chegaram ao estádio na terça-feira para o evento, juntamente com o primeiro-ministro David Cameron da Grã-Bretanha.

Presidente François Hollande da França planejava viajar depois da cerimônia para a República Centro- Africano, onde o seu país enviou reforços de tropas para tentar reprimir distúrbios, informou a imprensa.

Cyril Ramaphosa, um ex-líder sindical que se tornou um rico empresário e, mais recentemente, vice-líder do Congresso Nacional Africano, presidiu a cerimônia, assim como ele desempenhou um papel central quando o Sr. Mandela foi libertado depois de 27 anos de prisão em 1990.

" Sua longa caminhada acabou", declarou o Sr. Ramaphosa, referindo-se a "Long Walk to Freedom ", o título da autobiografia de Mandela . " Mas o nosso está apenas começando. "

# nytimes.com


A mensagem de Mandela para líderes nigerianos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



" Vocês sabem que eu não estou muito feliz com a Nigéria. Eu tenho deixado isso muito claro em muitas ocasiões. Sim, a Nigéria significa para nós mais do que qualquer outra nação, mas deixa-nos para baixo, e toda a África e também a raça negra muito mal. Seus líderes não têm respeito por seu povo. Eles acreditam que os seus interesses pessoais estão acima dos interesses do povo. Eles tomam os recursos das pessoas e transformam-no em riqueza pessoal. Há um nível de pobreza na Nigéria que deve ser inaceitável. Eu não consigo entender por que os nigerianos não estão mais irritados do que estão.
"O que os jovens nigerianos pensam sobre seus líderes e seu país e a África? Vocês ensinem-lhes a história? Você tem lições sobre como seus líderes no passado lutaram por nós e nos deram grandes quantias em dinheiro? Vocês sabem que eu ouvi dos angolanos, moçambicanos e zimbabuanos de como seus povos abriram seus corações e seus lares para eles. Eu estava na prisão e ao longo do período, eu soube como seus líderes puniram empresas ocidentais que apoiavam o apartheid.
" E sobre a corrupção e os crimes? Suas eleições são como guerras. Agora ouvimos que, uma pessoa não pode ser presidente da Nigéria, a menos que ela seja muçulmano ou cristão. Algumas pessoas me dizem que esse país pode quebrar. Por favor, não deixem que isso aconteça.
"Deixem-me dizer o que eu acho que vocês precisam fazer. Vocês devem encorajar os líderes a emergir e não confundirem os cargos públicos como fontes de fazer riqueza pessoal. Pessoas corruptas não são bons líderes. Não sendo assim, vocês devem gastar um monte de seus recursos na educação.
Eduquem filhos dos pobres, para que eles possam sair da pobreza. A pobreza não produz confiança. Somente as pessoas confiantes podem trazer mudanças. Pobres, pessoas sem instrução também podem trazer a mudança, mas serão sequestrados pelo cultos e os ricos ... deem aos jovens nigerianos boa educação. Ensinem-lhes o valor do trabalho duro e do sacrifício, e desencorajem-lhes de crimes que estão destruindo a sua imagem como um povo bom. "
( Excertos de uma entrevista em 2007 com Mandela e conduzido pelo Dr. Hakeem Baba- Ahmed ).

# tribune.com.ng

Gâmbia: O presidente Jammeh vai a cerimônia MEMORIAL DE MANDELA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O presidente da República da Gâmbia, acompanhado por uma delegação de alto nível deixou esta segunda-feira, Banjul, às 8h, para assistir ao serviço memorial para homenagear o falecido Nelson Mandela, em Joanesburgo, África do Sul, anunciou ontem a presidência.

Presidente Jammeh estará entre cerca de 60 chefes de Estado ou de Governo que anunciaram que irão participar do serviço memorial ou funeral no Estado icónico de Nelson Mandela, que faleceu na quinta-feira, 6 de dezembro de 2013.

Estarão presentes também o Presidente dos EUA, Barack Obama, François Hollande da França e do Reino Unido, David Cameron, Primeiro Ministro e outras celebridades de todo o mundo estarão entre os participantes no memorial desta terça-feira em um estádio de Soweto.

# Daily Observer

Total de visualizações de página