Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Senegal: Wade - "A transumância não é um ato digno".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Wade - ex-presidente do Senegal

Em uma visita a residência do porta-voz do Partido Democrático Senegalês (PDS), Babacar Gaye, para oferecer suas condolências após a morte de sua mãe, Abdoulaye Wade teve a oportunidade de ridicularizar a transumância.

"A pessoa tem a liberdade que lhe permite participar da festa de sua escolha, mas isso não significa que é uma obrigação. Há pessoas que estão desesperadas para mais prados verdejantes. Nós dissemos que o pássaro é livre, isso é verdade. Mas existem valores como a dignidade, a moral, a ética ... que são essenciais para todos os seres humanos ", diz Wade.

Segundo ele, "se toda vez que te propõem privilégios, dinheiro oferecido, e você decide se juntar a eles em seu partido, o que é grave e até mesmo o país pode sofrer. Então, a transumância não é um ato digno. Ela não faz avançar um país e nenhum mérito".

# Seneweb Notícias

Eleições presidenciais no Togo, "a comunidade internacional está observando vocês" (CEDEAO).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Lomé - "Toda a comunidade internacional está observando vocês", lançado nesta segunda-feira aos Togoleses, o Presidente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) no cargo, o presidente de Gana, John Dramani Mahama, sobre a eleição presidencial marcada para sábado.
Depois de se reunir com o presidente cessante, Faure Gnassingbé, que está à procura de um terceiro mandato de cinco anos, além dos outros candidatos e líderes de diferentes partidos, Mahama pediu em uma conferência de imprensa em Lomé que a comissão eleitoral togolês esclareça alguns pontos.

"Houve uma falta de comunicação entre a Comissão Eleitoral e as partes interessadas", que "não entendem o que faz a comissão eleitoral concernente a certos processos eleitorais", explicou.
"Estamos de acordo que a comissão eleitoral de realizar uma grande conferência de imprensa", com os meios de comunicação e representantes de partidos políticos, para explicar "passo a passo o processo eleitoral", e "o mais rapidamente possível antes eleição ", disse o presidente de Gana.

Estas propostas mostram a desconfiança entre o regime - Gnassingbe que tinha sido conduzido ao poder pelo exército em 2005, com a morte de seu pai Gnassingbe Eyadema, após 38 anos no poder - e a oposição, que se aopresenta dividida, mas pronto para o combate a este sistema de votação.

Segundo o Sr. Mahama, ninguém levantou objeções sobre o registo eleitoral retificado, a falta de confiabilidade inicial (duplicatas, os eleitores falecidos) levaram ao adiamento da eleição em mais 10 dias.
"Toda a comunidade internacional está de olhares voltados para o Togo", disse o chefe da CEDEAO, insistindo que "só pode haver um vencedor" e que "todos os candidatos (...) deverão estar prontos para aceitar o resultado da votação".
"A Comissão Eleitoral é a única entidade competente (...) para anunciar os resultados", insistiu o presidente de Gana, e "os partidos políticos devem abster-se de anunciar os seus próprios resultados."
A última eleição presidencial, em 2010, não teve grandes problemas. Mas a violência eleitoral havia sacudido em 2005, fazendo 400 a 500 mortes, segundo a ONU.
mba / ek / dia.

#news.alome.com

Reuniões de Primavera do FMI / Banco Mundial: Christine Lagarde satisfeito com a situação económica na Costa do Marfim.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Assemblée

A directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde manifestou a sua satisfação pelo facto de "a situação económica na Costa do Marfim desenvolver de maneira muito favorável e muito largamente superior a taxa crescimento médio hoje no mundo". Foi neste sábado, 18 abril, em Washington, durante uma reunião com a delegação da Costa do Marfim liderada pelo primeiro-ministro Daniel Kablan Duncan.

A Patrona do FMI saudou a vontade e a determinação das autoridades da Costa do Marfim em "desenvolver um clima favorável ao investimento dos negócios do mundo." Afirmando que "é uma direção muito boa." Ela também elogiou o "otimismo" das autoridades da Costa do Marfim quanto a melhoria da situação económica do país. "Nós sempre temos a nossa pequena discussão sobre a taxa de câmbio. O FMI é um pouco pessimista, mas a história tem provado que este otimismo da Costa do Marfim que vai prevalecer na matéria ", reconheceu a diretor-geral do FMI. Concluindo que " tudo isso é muito positivo."
Esta encontro, que durou meia hora com gravação, além do primeiro-ministro Daniel Kablan Duncan e a Patrona do FMI, Christine Lagrade, a presença de ministros Kaba Nialé  (Economia e Finanças), Jean Claude Brou (Minas e Indústria), Gaoussou Touré (Transportes), Abdourahmane Cissé (Orçamento), o Secretário-Geral adjunto da Presidência da Costa do Marfim, Thierry Tanoh e os administradores marfinenses conjuntamente com os do FMI e do Banco Mundial.

#abidjan.net

Rei Zulu nega ter desencadeado ataques na áfrica do Sul.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Rei zulu Goodwill Zwelithini. ARQUIVO | GROUP Nation Media

Rei zulu Goodwill Zwelithini  negou nesta segunda-feira ter estimulado chicotadas até o ódio xenófobo contra estrangeiros africanos na África do Sul depois dele ter sido acusado de provocar a violência que já deixou pelo menos sete mortos e obrigou milhares a fugir de suas casas.
Zwelithini no mês passado fez um discurso irritado e culpando os imigrantes pelo aumento da criminalidade e dizendo que eles devem deixar o país, em uma explosão visto como um estímulo à onda de ataques a zimbabuanos, Somalis, malawianos e outros estrangeiros.

Mas ele disse também a um grupo tribal de vários milhares de Zulus na cidade portuária de Durban, que tinha sido mal interpretado.

Contenção de violência
"Esta violência dirigida contra os nossos irmãos e irmãs é vergonhosa", disse ele.
"A minha palavra ... foi dirigida contra a polícia, pedindo a aplicação de leis mais rigorosas, mas que nunca foi relatada.
"O público agiu ao invés de interpretar um outro lado do meu discurso, que tinha sido distorcida e deturpada".
Autoridades sul-Africanas têm lutado para conter multidões na capital econômica Joanesburgo e Durban pela caça aos estrangeiros.

Pelo menos sete pessoas morreram na semana passada e 307 suspeitos presos na pior violência étnica desde 2008, quando 62 pessoas foram mortas, principalmente nos bairros de Joanesburgo.

#africareview.com

Total de visualizações de página