Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 25 de março de 2014

Senegal: Quando Macky Sall tira seu Plano Marshall para Casamance...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Macky Salla promet une enveloppe de 23 milliards de F CFA (35 millions d'euros) pour la Casamance.
Macky Sall promete um envelope de 23 bilhões de francos CFA (35 milhões de euros) para Casamance. © AFP.


Oferta de paz e de projecto de desenvolvimento : em visita a Casamance de 17 a 19 de março, o Presidente senegalês, Macky Sall não veio de mãos vazias. Esta visita vai ser o suficiente para colocar um fim a três décadas de conflito de baixa intensidade?

"Proponho a todos, sem exceção, a paz dos bravos. Sem vencedores ou perdedores. Para o benefício de todos. " Durante sua segunda visita a Casamance depois de se eleito, Macky Sall tem procurado fazer a sua marca em um conflito antigo, de baixa intensidade, há mais de 30 anos e que seus dois antecessores não conseguiram resolver. Durante sua campanha presidencial, ele era a favor de " uma espécie de Plano Marshall ", destinado a " apoiar o processo de paz. " Uma promessa devido: o primeiro dia de sua visita, o Chefe de Estado lançou em Ziguinchor o centro de desenvolvimento de Casamance ( PPDC ).

Em causa, um envelope de 23 mil milhões de francos CFA (35 milhões de euros), financiados pelo Banco Mundial, no montante de US $ 20 bilhões. O Presidente detalhou seus principais objetivos: a reabilitação de 30 mil hectares de campos de arroz, de promoção da horticultura, construção de estradas e outras iniciativas para abrir a região sul do Senegal, abandonado, cortado do resto do país pela Gâmbia e ferido por três décadas de guerra não declarada.

Salif Sadio conduit la branche la plus radicale de la rébellion.
Salif Sadio que conduz o lado mais radical da rebelião Casamance. © DR


Dakar negociando com Salif Sadio

Aposta de Macky Sall, é que o desenvolvimento vai superar o conflito. Portanto, no plano militar, nada ainda está definido face ao Movimento das Forças Democráticas de Casamance ( MFDC ), hoje fragmentado em facções rivais. Método Coué ? " 

Poderíamos estar falando de uma profecia auto-realística, do pesquisador Jean -Claude Marut, especialista em crise de Casamance. Espera-se que as perspectivas geradas pelo PPDC promovam a paz . " Em paralelo, sob o patrocínio da Comunidade de Santo Egidio, Dakar negocia com a ala mais radical da rebelião liderada por Salif Sadio. "O presidente accionou duas alavancas, analisa Nouha Cissé, mediador da Universidade de Ziguinchor e membros do Grupo de Reflexão para a Paz em análise em Casamance. Um, político, com base na gestão pacífica de conflitos por meio de negociações. Outro é o desenvolvimento. "

Resta saber se o " discurso inclusivo " defendido por Macky Sall e nobres intenções afirmadas com PPDC sejam suficientes para incitar uma rebelião enfraquecida e dividida, mas ainda ativa para desarmar. "Quando você lhes pergunta quais são as suas reivindicações, todos os chefes de maquis lhe respondem: independência ou nada, diz Jean-Claude Marut. É improvável que Salif Sadio se satisfaça com projetos de desenvolvimento sem verdadeiras propostas políticas reais .. " Ou, como lhe resume Nouha Cissé , " quando o Kalashnikov bater na porta, o investimento salta para fora da janela. "


# jeuneafrique




Cabo Verde adere à Africa Finance Coorporation.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Ministra das Finanças e do Planeamento, Cristina Duarte, assinou ontem em Lagos, Nigéria, um acordo de adesão ao Africa Finance Coorporation. A cerimónia, que aconteceu durante o AFC Live, teve ainda a participação da titular das Finanças no painel "Crescendo Juntos - conectando o continente para o Comércio”.

Cabo Verde adere à Africa Finance Coorporation

Com a assinatura deste acordo, Cabo Verde inicia o seu processo de adesão a este importante suministrador de fundos para o desenvolvimento da sub-região, que tem como accionistas várias instituições financeiras africanas (47,6 por cento), o Banco Central da Nigéria (42,5 por cento) e entidades empresariais (9,8 por cento).
A Africa Finance Corporation (AFC) possui instrumentos jurídicos individuais, com todos os direitos, privilégios e imunidades conferidas a entidades internacionais ligadas às finanças.
Integram o AFC a Nigéria (país anfitrião), Gana, Guiné-Bissau, Chade, Serra Leoa, Gâmbia, Libéria e Guiné-Conacri, mas perspectiva aumentar o seu número de membros, com a entrada dos Camarões, Zâmbia, Moçambique, Quénia, Uganda, Tanzânia, Burundi, e Ruanda.
Cristina Duarte faz-se acompanhar nesta visita de quatro dias à Nigéria por uma importante comitiva empresarial, para sondar oportunidades de investimento nigeriano no país.
Recorde-se que já existem contactos no sentido de homens de negócios da Nigéria, com forte poder económico, fazer uma viagem de prospecção ao mercado cabo-verdiano. Tudo leva a crer que o turismo é o principal foco de interesse dos nigerianos, dando conteúdo aos rumores que de há muito anunciam “uma reviravolta na imobiliária turística cabo-verdiana” protagonizada por magnatas da Nigéria, o país mais rico da África Ocidental.
Mais, fala-se também numa possível presença dos nigerianos no sector da banca e dos transportes. Aliás, sabendo o peso que os investimentos de origem nigeriana têm na economia de países da nossa sub-região como Gana, Benim, Senegal, Mali, Níger, esta delegação empresarial nigeriana é aguardada com uma enorme expectativa em Cabo Verde.
# http://asemana.sapo.cv

Angola: Discurso do Presidente da República na abertura da mini-cimeira da CIRGL.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, POR OCASIÃO DA CIMEIRA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DO COMITÉ DA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA REGIÃO DOS GRANDES LAGOS Luanda, 25 de Março de 2014.
Presidente José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miudo)
Presidente José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miudo)


EXCELÊNCIAS
SENHORES CHEFES DE ESTADO, DE GOVERNO E DE DELEGAÇÕES,
DISTINTOS CONVIDADOS,
MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES,
É com grande satisfação que dou as boas-vindas a Suas Excelências os Presidentes da República e aos Chefes de Governo que integram com Angola o Comité criado na última Conferência Internacional dos Grandes Lagos, com o objectivo de acompanhar a situação na RDC.
Com a mesma satisfação dou as boas-vindas a Sua Excelência o Presidente da África do Sul, na sua qualidade de Convidado Especial do Comité, e a Suas Excelências os Presidentes da República do Congo e da República da Tanzânia, que manifestaram o seu grande interesse em darem o seu contributo a este encontro e, que por essa razão, são também nossos estimados convidados.
Agradeço o facto de terem acedido tão prontamente ao nosso convite.
Não obstante a evolução positiva que se registou nos últimos tempos, estamos preocupados com informações que chegaram ao nosso conhecimento sobre a ocorrência de acontecimentos negativos no Leste da República Democrática do Congo.
Esses acontecimentos negativos devem ser colocados sob controlo das autoridades competentes para seu saneamento urgente, a fim de se evitar que se constituam numa ameaça à estabilidade da nossa Região, pondo em causa todo o processo de normalização política, institucional, económica e social em curso.
Nesta Cimeira pretendemos voltar a analisar a situação vigente nesse país irmão e aprofundar o estudo das medidas que devemos tomar para neutralizar as forças negativas que nele ainda subsistem, à revelia de todas as decisões que foram até aqui tomadas.
Referimo-nos aos grupos da ADF e da FDRL e à necessidade de se empreenderem acções multidisciplinares no plano político, social e militar, quando for imprescindível para se alcançar a paz plena e definitiva.
Não podemos permitir que grupos rebeldes, sem qualquer base social de sustentação e violando os princípios democráticos, continuem a pôr em causa o Estado de Direito e a integridade das fronteiras nacionais; a desestabilizar a vida económica e social e a manter as populações como reféns das suas práticas ilegais e criminosas.
Na verdade, tais grupos devem aproveitar a abertura política e a oportunidade de diálogo que lhes é oferecida pelo Governo para aderirem e participarem no amplo processo de paz e de integração social e política em curso.
Devemos trabalhar todos no sentido de consolidar no nosso Continente a consciência de que as guerras não servem para resolver os problemas que afectam os nossos povos.
Antes pelo contrário, as guerras só servem para os agravar ainda mais e para criar traumas e ressentimentos que levam muito tempo a superar.
Os caminhos que devemos trilhar para se ultrapassarem as contradições existentes são os da paz, da unidade nacional, da reconciliação, do direito à diferença, da inclusão social e política, da justiça social e do desenvolvimento.
Consideramos que essas são as vias que podem conduzir as partes ao termo das crises e conflitos e à normalização da situação em todos os países da Região dos Grandes Lagos.
Na minha qualidade de Presidente em exercício da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos exprimo um grande apreço a vossas Excelências pelo empenho e dedicação que consagram à erradicação das causas que estão na base de todos conflitos, a fim de se garantir uma paz regional duradoura.
A paz e a segurança dos nossos Estados e dos nossos povos são um compromisso cuja materialização é inadiável.
Os países da Região dos Grandes Lagos devem garantir o respeito e a plena salvaguarda dos direitos do Homem, reforçar os laços de boa vizinhança e não permitir que os seus territórios sejam utilizados para a realização de acções hostis contra outros Estados.
Devemos reforçar a cooperação multiforme entre os nossos países na base da amizade e da solidariedade entre os nossos povos.
Reitero as minhas saudações de boas-vindas e declaro aberta esta Cimeira de Chefes de Estado e de Governo. 
# portalangop.co.ao








Mugabe pondera a Cimeira UE-África com boicote por proibição de vistos à esposa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Presidente Robert Mugabe oferecendo um de seus discursos inflamáveis. Arquivo | GROUP Nation Media.


O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, declarou por contemplação boicotar a cimeira UE-África, em meio as alegações de que à sua esposa foi negada um visto para entrar na Bélgica, informou a mídia estatal nesta terça-feira.

Aos 90 anos de idade, o líder e sua esposa Graça estão proibidos de viajar pelo espaço da UE por supostas violações de direitos humanos.

UE tinha renunciado a proibição de vistos ao presidente Mugabe para que ele pudesse participar da cúpula marcada para 2 e 3 de abril.

Seu porta-voz George Charamba criticou a União Europeia por tentar impedir a primeira-dama do Zimbábue de viajar com o marido.

" É muito estranho que a UE não tenha consentido a viagem à primeira-dama ", disse a mídia estatal.

"O que Deus uniu a UE está tentando separar.

" Será que eles esperam que o presidente vai respeitar a UE e desrespeitar o seu próprio casamento? "

Cabeça truncada

O Presidente Mugabe é o vice -presidente da União Africana ( UA), que claramente no início deste ano ameaçou boicotar a cúpula se a UE não o convidar.

Embaixador da UE no Zimbabwe Aldo Dell Ariccia disse que apenas pessoas com um papel a desempenhar na cimeira tinha sido convidadas e para a esposa do presidente Mugabe seria necessário uma dispensa especial para visitar Bruxelas.

"Convidamos as pessoas com um papel a desempenhar nas reuniões e os programas das reuniões não tem qualquer papel para os cônjuges ", disse ele.

" Ela está sob medidas restritivas [ e ] o país anfitrião tem de procurar uma luz verde da UE para que ela possa atender.

" A UE tem de chegar a um consenso, mas, neste caso, isso não aconteceu. "

Sr. Charamba também deu a entender que a UE e a UA estavam em desacordo sobre a recusa de Bruxelas para convidar o presidente sudanês, Omar al-Bashir e o da República Árabe Saharaui Democrática.

O Presidente Mugabe é declaradamente contra a posição argumentando que a UE não pode escolher quem estará na delegação da UA.

# africareview

Pesca ilegal na Guiné, em Belize e Cambodja:A União Européia atribui cartão vermelho para a Guiné.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

peche-guinee Emile-Regnier-JA
Segundo Bruxelas, entre 11 e 26 milhões de toneladas de peixes são ilegalmente pescados a cada ano. São 15% do volume mundial. Daqui da Guiné @ Émile Régnier/JA

PA BOM N´TINDIDUR, MEIA PALAVRA, IBASTA! SI ALGUIN NA MEXI KU BU VIZINHO, ALGUIN KU TENE FORÇA, ANTA ABÔ, BU DIBI DI TOMA TON.


JA. A Union Europeia finalmente decidiu castigar Belize, Camboja e a Guiné por sua falta de compromisso na luta contra a pesca ilegal no largo das suas costas.

Depois de advertir em junho de 2013, a União Europeia (UE) decidiu punir Belize, o Camboja e a Guiné, acusados de não mostrarem nenhum compromisso real com a luta contra a pesca ilegal nas suas águas territoriais. Nestas medidas, adotadas formalmente no dia 24 de Março, em Bruxelas, durante uma reunião de Ministros das Pescas e Agricultura da UE, que concluiu que, as capturas de navios de bandeiras desses três países, resulta doravante, em não envio de seus pescados  para a UE.
  As embarcações de países membros da União deixam também de pescar nas suas águas, enquanto as operações de pesca conjuntas e acordos são proibidos. A Comissão afirmou que vai continuar a " falar" com estes três países e pode até suspender as sanções se considerar credíveis os seus esforços.


Pilhagem dos recursos locais

De acordo com Bruxelas, entre 11 e 26 milhões de toneladas de peixes são capturados ilegalmente a cada ano, o que representa 15% dos volumes globais, representando um valor de quase 10 bilhões de euros. A UE, que importa 65 % de seu consumo de peixe, a mais e particularmente, põe em causa a frota de Belize por seus actos de pilhagem dos recursos locais ao longo da costa do Senegal. A Comissão lançou também o "cartão amarelo" contra a Coreia do Sul, Gana e o Curaçao. Ela confirmou, no entanto, os esforços feitos no ano passado por Fiji , o Panamá, a Sri Lanka, o Togo e o Vanuatu.

A decisão europeia ainda não é unanimidade dentro da própria União Europeia. Espanha, a primeira potência industrial de frota de pesca da UE que opera regularmente na costa Oeste Africano, não se opôs a sanções, mas ainda pede " uma maior consistência e transparência nos procedimentos " de acordo com uma fonte europeia .

# jeuneafrique

Total de visualizações de página