Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 23 de novembro de 2014

De passagem por Paris: Macky Sall faz visita a Abdou Diouf na sede da Francofonia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O presidente da República, Macky Sall, de retorno da Cimeira do G20, na Austrália, e após uma visita oficial à Itália, esteve ontem, em Paris, ao lado do Secretário-Geral da Organização Internacional da Francofonia (OIF), Abdou Diouf.
Chegando na capital francesa na quinta-feira, o presidente Macky Sall foi recebido ontem a tarde, na sede da Francofonia na avenida Bosquet, na sua 7ª visita a Paris, a capital francesa. Foi a primeira visita do chefe de Estado à nova sede à disposição da Francofonia pelo Estado francês. O Chefe de Estado foi recebido na entrada da sede pelo Presidente Abdou Diouf, rodeado de seus colaboradores mais próximos, cujos assessor especial é o ex-ministro senegalês da Juventude e Desportos, Ousmane Paye, o Administrador da OIF, Clément Duhaime, o diretor de gabinete e dos conselheiros.
Em seguida, o presidente Macky Sall conheceu, um-a-um com o Secretário-Geral, que por sua vez, apresentou-o os seus principais colaboradores e os diretores dos departamentos. O Chefe de Estado visitou o majestoso edifício que dá acesso a sala de Leopold Sedar Senghor, no piso térreo, um dos pais fundadores da Francofonia e primeiro presidente do Senegal. Antes de despedir-se de seu anfitrião, o presidente Macky Sall assinou o livro de visitas e respondeu às perguntas dos nossos colegas em cena. Vale ressaltar que na composição de sua delegação, houve a presença do Ministro dos Negócios Estrangeiros do Senegal e de Senegales no Exterior, Sr. Mankeur Ndiaye, do Secretário-Geral da Presidência, Sr. Maxime Ndiaye, do conselheiro diplomático, Sr. Demba Ba Oumar, do Embaixador do Senegal em Paris, Sr. Paul Badji, Pr Penda Mbow, do Embaixador e Representante Permanente do Chefe de Estado para a Francofonia.


#africareview.com

Ondulações da insurreição no Burkina Faso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Manifestantes acenam com alguns retratos do amado Thomas Sankara na manifestação dessa tarde  com cerca de 10.000 Burkinabés, segundo a polícia, eles participaram de um protesto na Praça da Nação em Ouagadougou, em 18 de janeiro de 2014 contra uma modificação da Constituição do Burkina Faso que permitiria Blaise Compaoré a apresentar -se em 2015 para um terceiro mandato de cinco anos. FOTO | ARQUIVO.

As ondulações da insurreição civil em Burkina Faso, que culminaram com a destituição do Presidente Blaise Compaoré tem provocado algumas reações óbvias de vários governos africanos, particularmente aqueles com estruturas não democráticas.

A primeira reação óbvia veio do mais antigo líder do golpe militar do continente, Teodoro Obiang Nguema da Guiné Equatorial, que tomou o poder de seu tio em 1979.

Quase imediatamente após a destituição do Presidente Compaoré, a excitação decorrente do evento foi capturada e refletida pela mídia local, obrigando o Presidente Nguema a proibir apressadamente ambos os meios de comunicação independentes e estatais de mencionar a revolta.

Um jornalista na emissora estatal que pediu anonimato disse à Agence France Press (AFP) que todos os jornalistas nos meios de comunicação estatais receberam ordens para não relatar a queda do presidente Compaoré.

No vizinho Congo, o Presidente Denis Sassou Nguesso, um ex-general que também tomou o poder de um presidente democraticamente eleito, também rapidamente ficou triste com a insurreição no Burkina.

Sassou Nguesso, também é acusado de estar a planear para alterar a Constituição do seu país para capacitá-lo participar para um quarto mandato nas eleições de 2016, após 16 anos no poder.

Mas seguindo a agitação da oposição inspirada por eventos em Burkina Faso, um comunicado oficial advertiu os congoleses que "Congo não é Burkina Faso".

O protesto em curso no Congo foi impulsionado pela prisão de 32 membros da oposição na sua maioria pertencentes ao Partido Social-Democrata do Congo, 20 deles já foram libertados, enquanto o restante ainda está sob custódia.

A Radio France Internacional informou que as prisões ocorreram em Brazzaville em 04 de novembro de 2014, durante uma reunião política na casa do líder da oposição, Clément Meirassa. A fonte afirmou que os políticos da oposição estavam discutindo planos de como acabar com o aperto do Presidente Sassou Nguesso no poder.

Uma conexão de Biafra

No Togo, o jovem presidente Faure Gnasingbe também acredita-se que está planejando se agarrar ao poder. Mas o espírito da insurreição no Burkina Faso está vivo e forte no Togo e poderia forçá-lo a recuar.

Em um movimento programado para coincidir com o drama político dos Burkinabés, a oposição apoiada pela sociedade civil começou a dois meses a longa campanha para coletar 500.000 assinaturas de jovens do Togo em idade de votar.

A intenção é anexá-las a uma petição que seria apresentada ao parlamento em uma tentativa de limitar o mandato presidencial para cinco anos, renovável uma vez.

Paul Amagakpo, o diretor-executivo do Fórum Nacional da Sociedade Civil, que está dirigindo a iniciativa, com sede em Dakar, disse na Radio que com a Democracia na África Ocidental, a petição seria também uma forma de acabar com o voto de uma rodada para a presidência, que foi instituído pelo pai Presidente do Gnassingbe, o general Gnassingbe Eyadema.

No Gabão, mesmo que a pressão contra o presidente Ali Bongo não está intrinsecamente ligada à insurreição no Burkina, a classe política aproveitou a oportunidade do evento para intensificar os esforços para impedir o líder jovem de contestar a candidatura de 2.016 nas urnas.

Por isso, a oposição política, incluindo o ex-presidente da União Africana, Jean Ping, está usando o livro como um trampolim para atacar e bloquear o Presidente Bongo de tentar um outro mandato.

O autor francês Pierre Péan alega no livro intitulado Nouvelles Africaines Affaires (novos escândalos africanos) que Ali Bongo não é de nacionalidade Gabonês por nascimento, alegando que ele havia sido adotado por seu pai e sua primeira esposa, Patience Dabany, de Biafra, na Nigéria. .

De acordo com a edição de novembro 2014 do relatório do Instituto de Estudos de Segurança, durante a guerra de Biafra em 1960, um número de órfãos de guerra fugiram para o Gabão, e Ali Bongo se presume ter sido um deles.

Sr Péan, um jornalista investigativo, baseia estas alegações no testemunho dos que estão no círculo íntimo de Ali Bongo. Ele sustenta que a questão da nacionalidade de Ali Bongo tem sido um segredo que está aberto durante anos.

Ele também usa inconsistências na certidão de nascimento do presidente, que teria sido elaborada apenas dois meses antes da morte de seu pai Omar Bongo em junho de 2009, como prova da adoção. Por isso, a oposição está insistindo em que o presidente do Gabão falsificou sua certidão de nascimento que, inicialmente, o identificava como um nigeriano de Biafra.

O governo do Gabão anunciou que vai apresentar uma queixa contra o autor.

Manifestações de âmbito nacional organizadas pela oposição que estavam para acontecer em 13 de novembro de 2014 foram proibidas no último minuto, com os agentes policiais que foram colocados em estado de alerta máximo.

#africareview.com

Rússia: Putin diz que pode disputar quarto mandato como presidente em 2018

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

"Sim, existe esta possibilidade de que seja candidato outra vez. Ainda não sei se isso acontecerá ou não, ainda não sei", explicou Putin.

Moscou - O presidente russo, Vladimir Putin, declarou em uma entrevista publicada neste domingo que pode se apresentar a um quarto mandato como presidente em 2018, permanecendo, se for eleito, no poder até 2024. "Sim, existe esta possibilidade de que seja candidato outra vez. Ainda não sei se isso acontecerá ou não, ainda não sei", explicou Putin em entrevista à agência Tass.

Leia mais notícias em Mundo

O presidente afirmou que o fato de a Constituição permitir que busque outro mandato não "quer dizer que tomarei esta decisão", que dependerá do contexto geral e de seu próprio estado de ânimo.

"É realmente necessário falar disso agora? Nem mesmo 2014 terminou e você já está me perguntando sobre 2018", disse Putin. Putin pode se apresentar à presidência por dois mandatos consecutivos, segundo a Constituição russa. O presidente russo teria 72 anos em 2024.

#correiobraziliense.com

Total de visualizações de página