Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 19 de junho de 2012

Brasil: A loira faz mais do que você pensa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Rio+20 discute subsídios e impasses persistem nas negociações.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Uma faxineira fala em seu celular durante uma pausa, próximo a um logotipo da Rio+20, na entrada do Pavilhão Brasil no Rio de Janeiro, 18 de junho de 2012. REUTERS/Nacho Doce
Uma faxineira fala em seu celular durante uma pausa, próximo a um logotipo da Rio+20.

RIO DE JANEIRO, 18 Jun (Reuters) - As negociações para o texto final da Rio+20 entraram em seu último dia nesta segunda-feira, e os países participantes seguem em impasse quanto ao fim de subsídios, financiamento de projetos de sustentabilidade e transferência de tecnologia.
O Brasil, que lidera as negociações, está alterando a redação ou retirando parágrafos que enfrentam grandes divergências entre os países, disseram à Reuters três fontes a par das discussões.
O fim dos subsídios ao petróleo é um dos pontos de maior disputa. Países como Venezuela e Arábia Saudita, que utilizam recursos públicos para exploração e produção, são resistentes à ideia, assim como nações que concedem o benefício a consumidores, como Índia e Nigéria, que argumentam ser uma ferramenta de inclusão social.
Os países críticos à medida dizem que o G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo, já havia concordado em reduzir os subsídios, mas que, até agora, nada foi feito neste sentido.
As divergências sobre financiamento e transferência de tecnologia para projetos de sustentabilidade, que impediram a aprovação de um texto na sexta-feira, ainda estavam mantidas nas últimas horas de negociações.
Países ricos, tradicionais financiadores e os mais afetados pela crise econômica internacional, recusam se comprometer com novos aportes, posição adotada desde o início da conferência.
A proposta de criação de um fundo de 30 bilhões de dólares, feita pelo G77 --grupo que reúne países em desenvolvimento, incluindo Brasil e China--, foi retirada do texto em discussão, num sinal claro da resistência dos países ricos em fazer desembolsos.
As nações desenvolvidas se opõem também à obrigatoriedade de transferência de tecnologia e, segundo uma das fontes, que falou sob condição de anonimato, as negociações se baseiam, agora, em compromissos voluntários.
O Brasil pressiona para que o texto seja aprovado ainda nesta segunda-feira, antes da reunião de chefes de Estado e governo, entre 20 e 22.
fonte: br.noticias.yahoo.com



Total de visualizações de página