Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 13 de junho de 2013

África do Sul: Mais bem desejado a Mandela.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

madiba card
A criança tem um cartão, com uma mensagem de apoio escrito por ele fora de sua casa, para o ex-Presidente Nelson Mandela, em Joanesburgo.

Pretória - moradores de Pretória que passavam ao lado do hospital onde o ex-presidente Nelson Mandela está sendo tratado desejavam que ao estadista idoso uma rápida recuperação nesta quinta-feira.

Dezenas de pessoas pararam temporariamente ao lado do grande contingente de mídia no Park Street, Arcadia, para perguntar sobre Mandela.

Alice Shange, que acompanhava seu filho de seis anos de idade, a uma creche nas proximidades, disse que ela faz uma oração cada vez que ela passou ao lado do hospital.

"Toda vez que vejo os policiais na entrada, agora eu sei que Madiba ainda é permanece lá. Mesmo agora, meu filho entende que o grande ícone está doente.

"Nossa fé nos faz acreditar que ele vai ficar bem. O homem que superou muitos desafios no passado", disse ela.

Vestido com traje tradicional Zulu, Daniel Sello chegou à entrada do hospital depois do meio-dia com uma lança de madeira em uma mão e uma Bíblia na outra.

Depois de falar com os policiais na entrada do hospital, Sello falou com repórteres na rua.

"O homem que está no hospital é um lutador. Mesmo se ele morrer, seu espírito estará sempre conosco.

"Aquilo que aconteceu em Marikana não teria acontecido (se Mandela ainda estavisse no governo). Eu o conheci em 1994, quando ele veio a Ga-Rankuwa (em Pretória)."

Bíblia de Sello estava coberto com veteranos do Congresso Nacional Africano e adesivos envolvendo a imagem de Mandela.

"Eu os coloquei em 1994. Eles (os adesivos) vai ficar lá para sempre", disse ele.

Alguns motoristas que passavam gritavam: "Madiba".

Na entrada do hospital em Celliers Street, uma carta, assinada por um MaMboleo Stephanie Mandela, estava pendurada na parede. Tinha uma impressão palmar colorido e uma leitura de mensagem: "Não é hora de ir, Mandela."

Da filha de Mandela, Zenani Mandela-Dlamini, o embaixador da África do Sul na Argentina, chegou ao hospital pouco depois do meio-dia em um Mercedes-Benz preto.

Momentos depois, um Toyota preto Land Cruiser transportava o neto de Mandela, Mandla que entrou no estabelecimento.

Mais cedo, a filha de Mandela, Zindzi chegou ao hospital com seus filhos: Zoleka e Zondwa. Outra de suas netas, Tukwini, também estava no hospital.

Policiais vistoriou veículos que entravam no hospital.

A imprensa local e internacional foram deixados do lado de fora do hospital e na casa de Mandela em Houghton, Johanesburgo, uma vez que ele foi hospitalizado na manhã de sábado com uma infecção pulmonar recorrente.

A Presidência havia descrito sua situação como "grave, mas estável".

O presidente Jacob Zuma disse aos deputados na quarta-feira que Mandela estava respondendo "melhor" ao tratamento.

Na quinta-feira de manhã, o gabinete disse em um comunicado que estava "respondendo bem ao tratamento".

A Aliança Democrática saudou a notícia.

"Esperamos que a Tata continua a ganhar força e somos gratos à sua equipe médica por tudo o que eles têm feito para ele", disse em um comunicado.

Liga das Mulheres do Congresso Nacional Africano disse que estava orando por Mandela com o resto do país.

"Nossos corações e pensamentos estão com a família Mandela durante este período de grande preocupação e entendemos que não é fácil de ver um ente querido em tempos com problemas de saúde", disse.

O partido Al Jama-Ah e arcebispo anglicano Islâmica da Cidade do Cabo, Thabo Makgoba pediu às pessoas que continuem orando por Mandela.

O Conselho Judicial Muçulmano liderou uma vigília de Mandela na Mesquita Owal na Cidade do Cabo. - Sapa

fonte: www.thepost.co.za

Planos secretos do Hezbollah em África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O movimento libanês está fazendo do continente uma verdadeira base de retaguarda.
Les autorités nigérianes devant la cache d'armes saisie à Kano, le 30 mai 2013 / REUTERS
As autoridades nigerianas de frente de uma coleção de material de guerra deixada no Kano, 30 de maio de 2013 / REUTERS.

O movimento libanês Hezbollah está presente na Síria e trabalha de certo com Iran. Mas o que é menos conhecido é que a organização terrorista ganha cada vez mais terreno em África. A Universidade israelenses Ely Karmon revelou sobre as questões desta presença indesejada em uma entrevista publicada pela RFI.

O especialista explicou que, durante vários anos, os incidentes estão aumentando na África Ocidental, comprovando a existência de células do Hezbollah no território Africano. Ele cita a queda do avião em Cotonou em 2003: entre os mortos, um membro do Hezbollah, que transportava dois milhões de dólares em dinheiro, uma soma fornecida pelas comunidades libanesas na Costa do Marfim e Serra Leoa, em apoio ao Hezbollah . A pesquisa indica que eles são mais notáveis ​​como libaneses bem estabelecidos em vários países da África Ocidental para financiar a infra-estrutura do grupo xiita.

Ele acrescenta que o Departamento de Justiça dos EUA publicou uma lista de quatro nomes, envolvendo quatro representantes do Hezbollah localizados na África Ocidental (Senegal, Gâmbia, Costa do Marfim e Serra Leoa).

Ely Karmon dá outro exemplo mais recente: 30 de Maio de 2013, uma célula do Hezbollah foi desmantelada pelas autoridades nigerianas em Kano e três cidadãos libaneses foram presos pela polícia. De acordo com a universidade, o líder nigeriano xiita Sheikh Zakzaky, muito influente na área de Kano, poderia estar implicado no caso, embora as autoridades nigerianas ainda não desvendaram essa conexão.

De acordo com a universidade, a atividade do Hezbollah na África atende a diversos requisitos. Ele é usado para "contornar as sanções que os Estados Unidos e a Comunidade Europeia decidiram contra os interesses econômicos do Irã". Para o pesquisador, o Hezbollah está a tentar "desestabilizar" os países pró-americanos e "radicalizar" os Estados anti-americanos, a fim de tomar medidas contra os governos do bloco ocidental ", isto é: Israel, os Estados Unidos e talvez até da Europa. "

Leia mais na RFI

fonte: slateafrique.com


Total de visualizações de página