Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 17 de abril de 2013

OPINIÃO: SENTENÇA CEGA, COM HORA MARCADA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




“Praia/Cabo verde - (Rádio Comercial, 13 de Abril de 2013) - A ONU, União Africana (UA), Cabo Verde e Brasil reuniram-se ontem na Praia para concertar acções para o debate sobre a Guiné-Bissau, que se realizará em Maio no Conselho de Segurança das Nações Unidas, em Nova Iorque.” In, http://www.gbissau.com/?p=5450.

Abram os olhos Camaradas, aqui está o perigo de uma demora na resolução de problemas que muitos de nós conhecemos só no formato e não no seu conteúdo, temos como exemplo esta crise global na Guiné-Bissau. Vista como um conjunto de problemas separados entre si, mas que formam um super problema, que, no entanto, constatamos os menos atentos a insistirem em soluções de chapa importada, trazida de outras realidades politicas e sociais que não a nossa, para introduzir à força, sem pelo menos lapidar as arestas, com o intuito de facilitar a adaptação necessária hoje, nesta Guiné-Bissau actual. É o que parece quando vemos uma equipa de “concertação” que prepara uma reunião para se discutir os problemas da Guiné-Bissau e, na sua configuração parece que é “alérgica” aos da Terra, ou talvez não, mas ressalta à vista a hipótese de uma resistência estranha em democracia por parte dos mesmos.

Este passo poderia ser melhor pensado antes de agir, para se evitar elações menos favoráveis à transparência deste processo na presente conjuntura. Sem complexos, com maior sabedoria acerca da profundidade real dos factos tratados, objectiva e subjectivamente, revistos com frontalidade. Tendo em conta os ânimos exaltados, os pré-conceitos implícitos nas acções de grupos diferenciados no terreno, com os seus pontos de vista, alguns obstáculos complexos dentro dum conflito político e militar que se arrasta há vários anos.

É um lugar comum repetir esta constatação que acabei de afirmar quando se fala da Guiné-Bissau, e no entanto, não é menos verdade, que estes “representantes” que se prepararam em reuniões, também eles, não substituem o Povo ou os seus legítimos representantes, sim, ainda vive gente no País.

Não vá o diabo querer repetir a “história” dos descobrimentos de há séculos, vamos ter de perguntar novamente quem “descobriu” quem (se a visita ou o dono da Casa), i. é, estão a repetir o erro de há um ano atrás, quererem falar dos outros na sua ausência, nas costas, na tentativa de ignorar a sua dignidade política, cultural e a presença física, ocupando os seus lugares de direito (lideres civis e políticos), na mesa das conversações/preparação desta reunião, já em andamento, pelos vistos, para a conclusão de trabalhos a apresentar em Maio deste ano no C. S. N. U. em  Nova Iorque, é?.

Pois parece que é o que está este grande grupo a tentar fazer, pôr de lado o Guineense, como no início deste conflito, e são eles: a ONU, a União Africana (UA), Cabo Verde e Brasil, “bailando” em reuniões mascadas de “concertação” para um debate sobre a Guiné-Bissau (sem a prata da Casa), que se realizará em Maio, segundo dizem, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, perguntamos, é uma reunião secreta?!

Porque não estão representadas as forças cívicas e politicas do País, não digo em Nova Iorque, por imperativos da política internacional, dada a “situação de transição” que tem sido um obstáculo em quase tudo, mas por favor, não pintem a realidade de cor de rosa para disfarçar, estamos atentos, só.

Vai ser uma festa em que a noiva irá nua com certeza (País), por recusar trajar com vestes importadas, e orgulhosamente por preferir um pano dy pymty, da Terra Sagrada, mas que estes amigos desconhecem ou não valorizam.

Por isso então, este conflito prefere a nudez que não se despe fora de Casa, como a única forma de iluminar mentes adormecidas nesta altura do campeonato, pousando olhos nos olhos, em qualquer lugar do mundo, como outrora, quando se “despiu”, fazendo brilhar, com dignidade no discurso de um intelectual revolucionário dos anos /60, na voz activa de – Amílcar Cabral – que hoje, vozes dissonantes, de desconhecidos alérgicos aos donos da Terra, vão falar por nós, passear à custa de consensos colados com cuspo de “amigos”, num coro desafinado, falando apenas do formato deste conflito que arrasta, sem o conhecimento do recheio na voz própria e do Povo, só.

Se não é permitido ao noivo entrar na “igreja”, como pode haver “casamento”? Isto levanta uma suspeição que em nada irá beneficiar o espírito positivo que todos queremos, será isto verdade ou estou a sonhar, como pode ser possível fazer isto com um País que tem um Povo dentro, o próprio não fazer parte destes preparativos, mas, ficar a aguardar por resultados de uma reunião feita longe de tudo e de todos, completamente fechados sobre si, não, aqui há gato!

Isto é um sinal de desconfiança negativa do filho da Guiné-Bissau como testemunho num percurso onde vão falar do próprio. Tendo sido afastados de pensar os seus próprios pensamentos/problemas, recebendo ordens de fora para dentro, já fragilizados, não conseguem unir as diferenças, num denominador comum de interesse colectivo ao serviço da Nação.

É apenas um dos diagnósticos possíveis no meio de tantos outros, esta rejeição da participação directa do Estado, para falarmos directamente dos nossos próprios problemas, seja onde for e não o contrário. Ficarmos em Casa à espera de receber os recados depois é um erro crasso novamente cometido, como no inicio deste conflito, quando Portugal demarcou-se recusando a falar para dentro da Guiné-Bissau, hoje ninguém duvida que esta atitude agudizou mais ainda as dificuldades de compreensão entre as partes interessadas.

O que é que "eles" vão lá dizer sozinhos, pergunto, sem primeiro se sentarem na mesma mesa de preparação desta mesma reunião, com os da CASA primeiros interessados, e falarem dos vários diagnósticos deste processo politico, económico e social em crise profunda, as suas dificuldades generalizadas que mais não são do que a razão fulcral deste embuste político no País.

O que é no mínimo anti-pedagógico esta atitude politica da parte deste grupo que descrimina o papel sociopolítico do Guineense representando-se a si próprio, adivinhamos uma fraca politica tendenciosa, uma vez que as forças cívicas e politicas no País, continuam de fora, em segundo plano, à espera de um rebuçado ou bolo, que há de vir de fora para a Guiné-Bissau "engolir" sem mastigar, sem desconfiar, como miúdos a comer e calar, na hora do lanche.

Este movimento estranho, parece alinhar por baixo numa estratégia de promoção de um conjunto de leis e ordens, para concluir no Conselho de Segurança das Nações Unidas, seguidamente viajar dentro de um envelope para se cumprirem na Guiné-Bissau, isto é triste.

Porquê assim, perguntamos nós. Que tratamento é este?
Que sirva de exemplo, para uma boa reflexão profunda dentro de Casa. Ninguém duvidará, daqui por pouco tempo, acerca disto poder correr mal se este nó cego, no entanto não mostrar uma das pontas, pelo menos, para sairmos da crise quanto antes, será muito mau sinal para todos nós.
Quem sabe não funcionando esta reunião de “concertação” agora, seja o argumento forjado para uma entrada de forças estrangeiras no território nacional, enfim, o que identifica bem com o clima de “chantagem” que temos constatado em certos discursos na comunicação social, quando fazem entender que serão os últimos “cartuchos” desta comunidade internacional a jogar na Guiné-Bissau, e acabando, não há mais, será tolerância “0”, ou talvez não, pergunto?

Esse Sr. Ministro António Patriota (Brasileiro) que teve a feliz ideia da concertação, podia incluir pelo menos “um” patriota Guineense como representante da Terra, e tolerar o peso das suas ideias na reflexão conjunta desta concertação.
Este esforço podia tornar a “sintonia” pensada e desejada por V. Excias. ainda mais harmoniosa, não acha Sr. Ministro. Cabíamos mais uns quantos ilustres Guineenses na Sala VIP do aeroporto da Cidade da Praia, já que até se coloca a hipótese abrangente da, “à assinatura de um Pacto de Regime, elaboração de um calendário eleitoral, criação de um Governo inclusivo e à realização de eleições gerais antes do fim do ano…”. Com tudo isto na agenda, meu Deus, não se lembraram da melhor parte (os interessados), pois há aqui um erro crucial e antidemocráticos meus senhores, que ainda vamos a tempo de o corrigir, só.
António Patriota esteve em Cabo Verde, reuniu com Ramos Horta (porque não foram fazer esta reunião na Guiné-Bissau e falar com os outros, perguntamos nós), para analisar a crise político-militar na Guiné-Bissau, seguiu para Lisboa, provavelmente para acertar com O Ministro Paulo Portas, E OS GUINEENSES meus caros, não contam, como já descreve este vosso trajecto, traçado com régua e esquadro e emoção complexada, com falta de identificação às partes mais interessadas no assunto, os Guineenses, parece que tudo está decidido, partilhado.
Penso que vai fazer falta mais qualquer coisa para corrigirmos este trajecto descuidado, porque deixou uma má imagem, de prepotência, arrogância, frieza e imaturidade na análise de conflito desta natureza na Guiné-Bissau.
Penso que de entre todos os participantes, o Dr. Ramos Horta, é aquele que tem mais conhecimentos sobre o País (Guiné-Bissau), destacando este conflito político-militar, penso que não foi talvez quem orientasse este trajecto da concertação de “ideias” como se diz, sim, porque esperamos muito mais do nosso Prémio Nobel da Paz. Confiamos na sua experiência politica, administrativa e social de campo, por isso, temos fé e convicção ainda mais forte, acreditamos num final feliz, uma vez que, pelos vistos, não fazemos parte nas reuniões de preparação e nem avançamos sequer como ouvintes para lado nenhum, só.
Fazemos apelo ao seu estatuto de cidadão Guineense conferido a V. Excia, quando pisou o solo Guineense como representante das Nações Unidas, ganhou mais uma Nacionalidade, por competência, maturidade, amor e afectividade de um Povo, que agora olha para si como um amigo do peito e coração, como um filho da Terra, um Guineense do mundo inteiro, um internacionalista da paz universal e da liberdade do Povo oprimido, lembra bem, Che Guevara nesta missão.
Lembrará, com certeza, do Guineense até ao fim da sua vida, como um irmão, um camarada, um amante da Paz se Deus quiser.
DR. RAMOS HORTA, VÁ E FAÇA POR NÓS TODOS, O QUE NÃO PODEMOS FAZER EM VOZ PRÓPRIA, EM NOME DO POVO DA GUINÉ-BISSAU.
Justamente por isto, saberemos explorar e apurar sensibilidades que rodeiam as partes deste conflito, tirando as melhores conclusões, talvez só assim, possamos avançar com transparência total neste processo, pisando firmemente o solo, rumo à vitória que todos nós desejamos e, principalmente, este Povo Guineense. Viva a Guiné-Bissau.
Djarama. Filomeno Pina.

Total de visualizações de página