Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Cuba: Casual, inesquecível encontro com Fidel.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O mais empolgante que vai levar como recordação um grupo de 33 venezuelanos que chegou a Cuba, em uma visita de solidariedade, será um acontecimento não previsto em agenda alguma: o fortuito encontro com Fidel Castro, uma hora e meia de intercâmbio com o líder histórico da Revolução, quem gravou na memória dos protagonistas, segundo me contam, duas impressões intensas: a mão grande que durante horas esteve estreitando devagar e fortemente muitas mãos, e a lucidez do interlocutor atento a múltiplos detalhes da realidade venezuelana, especialmente agora que essa grande nação se tem convertido em alvo da voracidade imperial.
Photo: Juventud Rebelde

Os amigos chegaram à Ilha em 27 de março, fazendo parte do 2º Voo da Solidariedade Bolívar-Martí. Uma ponte de povo a povo.
Photo: Juventud Rebelde
Aqueles que puderam conversar com Fidel neste 30 de março pertencem ao grupo de 155 venezuelanos que tiveram como anfitriões ao Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP) e sua Agência de Viagens Amistur. O grupo estará entre nós até 5 de abril, para cumprir um amplo programa de “travessias” por múltiplas experiências de Cuba.  
No dia da confluência não esperada, os 155 amigos dividiram-se em quatro grupos para visitar escolas em Havana. E um dos grupos teve como destino, no bairro Siboney, o Complexo Educativo Vilma Espín Guillois (denominado Complexo porque abrange desde os anos da creche até sexta série escolar).
Photo: Juventud Rebelde
Essa escola foi inaugurada por Fidel no ano 2013, porque um tempo antes, sempre que ele passava pelas ruas do bairro, reparava nas longas distâncias que os estudantes dos primeiros anos do ensino deviam percorrer nas manhãs para chegara seus centros escolares: tornava-se necessário um lugar que encurtasse essas longas viagens…
E na segunda-feira, dia do encontro não esperado, enquanto os mais de trinta irmãos da terra de Bolívar percorriam espaços do Complexo Educativo, Fidel voltava a passar muito perto da nova escola.
As crianças foram as primeiras a avistar os carros que eles bem conhecem. Elas foram as que começaram a dizer: “Fidel vem aí, Fidel está chegando…”. E a partir desse instante de alegria os visitantes se juntaram aos alunos para compartilhar lemas e saudações. O Comandante, por seu lado, resolveu chegar até a escola e já ali conversou com a diretora do centro e com os organizadores da visita.
Cumprimentou os venezuelanos, um por um, e sem a mais mínima pressa. E a cada um deles perguntou acerca da realidade do país que nos deu esse amigo imenso chamado Hugo Chávez: Comentou temas alusivos à Assembleia Nacional da Venezuela, ao trabalho com a juventude, aos labores na agricultura. Provocava admiração a forma em que lembrava nomes de deputados, governadores e pessoas conhecidas em inúmeras jornadas de intercâmbio com a nação de Bolívar.
Photo: Juventud Rebelde
Fidel tinha sido o de sempre, aquele que tão bem conhecemos: não se despediu sem antes conversar sobre o mais urgente. Mostrou sua especial preocupação pela batalha que agora trava a nação sul-americana para que sua soberania e integridade sejam respeitadas. Falou a partir de sua natureza, que é intensa e mede o tempo em sua justa medida: é preciso trabalhar rápido, juntar muitas assinaturas destinadas ao presidente Obama para que a Venezuela deixe de ser qualificada como uma ameaça para a segurança do país do Norte. É preciso ter pressa porque o que está em jogo é o equilíbrio do mundo.
Fidel está cheio de vitalidade. Afirmam que essa é a definição mais recorrente dentro do grupo de amigos que o observaram e puderam conversar com ele. “Fidel está vivo”, afirmam felizes, da inesperada condição de testemunhas inavaliáveis nestas horas de urgências para o destino do Homem. (Reproduzido de Juventud Rebelde)
#granma.cu

No Brasil, 700 processos do século passado aguardando julgamento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

No Brasil, 700 processos do século passado aguardando julgamento. 21939.jpeg

BRASILIA/BRASIL - No Brasil, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda tem 707 processos do século passado à espera de análise. Conforme reportagem publicada pelo jornal mineiro O Tempo, o caso mais antigo chegou à corte em 1969, movido pela União contra o estado de São Paulo e particulares para anular títulos de alienação de bens imóveis (Ação Cível Originária 158). A ação está nas mãos da ministra Rosa Weber.

Por ANTONIO CARLOS LACERDA
PRAVDA.Ru
A ministra também está com outras duas ações de 1978. Uma trata de um caso de investigação de paternidade na comarca de Rancharia, no Paraná, e a outra é uma ação rescisória.
O STF ainda precisa julgar outros seis processos com mais de 30 anos de idade e 147 que já estão entre 20 e 29 anos à espera de uma decisão da Corte. Completando a lista, há 553 casos entre os anos de 1995 e 2000 que ainda não foram julgados.
Apesar da demora, o texto afirma que a corte tem conseguido reduzir seu acervo. O acervo total do STF é de 56.116 processos, 10 mil a menos do que em 2013.
ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU

 

Total de visualizações de página