Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Costa do Marfim: Fórum Forbes África - Presidente Alassane Ouattara coloca a era digital no centro de crescimento da África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Arrivée

O Presidente marfinense Alassane Ouattara chegou a Brazzaville para participar no Fórum Forbes Africa, que abre em 21 de julho, em Brazzaville, onde foi convidado para fazer uma apresentação sobre o desenvolvimento da Costa do Marfim na era digital. Em declarações à imprensa que a entrevistou no aeroporto internacional de Maya-Maya, ele aprecia o verdadeiro valor de desenvolvimento digital em África, um setor em crescimento na África.

Muito gratuito e aberto à imprensa, o presidente costa-marfinense disse que o Congo era uma terra que lhe era familiar porque, recordou, a reunião com o seu homólogo congolês seguiu um ritmo normal. A última visita de Estado ao solo congolês, foi em 2013 onde se esperava que a população da Costa do Marfim, sempre de pé firme, em relação a visita do Presidente Denis Sassou Nguesso á Costa do Marfim, disse Denis Sassou Nguesso, o anfitrião.

Ostentando o objeto de sua visita a Brazzaville, Alassane Dramane Ouattara disse à imprensa que parte da 4ª edição do Fórum da Forbes África é sobre o tema: acelerar o crescimento: "a revolução digital Africana", onde ele foi convidado para fazer uma apresentação sobre o desenvolvimento digital em seu país. Neste sentido, ele ressaltou que, a era digital é um factor de crescimento importante em África. ...

#abidjan.net

Estados Unidos: Negociações dos EUA com o Presidente Nigeriano Buhari focaram na insurgência, corrupção e petróleo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Sr. Muhammau Buhari em reunião com secretário de Estado norte-americana, John Kerry no Consulado dos EUA em Lagos em 25 de janeiro de 2015. FOTO | ARQUIVO

O Presidente nigeriano Muhammadu Buhari está dando prioridade a três questões em discussões oficiais durante a sua actual visita de estado aos EUA; debatendo sobre: contra-insurgência, a corrupção e a economia.

No combate ao Boko Haram, ele está pedindo assistência em inteligência e equipamentos, de acordo com seu assessor especial Femi Adesina.

O Presidente Buhari, disse a Adesina, que também estará procurando a ajuda dos EUA na recuperação de dinheiro roubado nigeriano e escondido no exterior e a repressão de pessoas corruptas.

Além disso, o presidente quer que os EUA voltem a envolver mais com a economia da Nigéria, particularmente o setor de petróleo.

Até recentemente, os EUA tinham sido grande comprador de petróleo da Nigéria, a importação de cerca de 30 por cento da produção. Mas, ultimamente, as importações caíram quando a América mudou a atenção para óleo de xisto doméstica.

O Presidente Buhari chegou a Washington na segunda-feira, onde foi recebido pelo secretário de Estado adjunto para a África, a senhora deputada Linda Thomas-Greenfield, e o Sr. James Entwistle, o embaixador dos EUA na Nigéria.

O líder nigeriano teve uma reunião no almoço com os governantes dos EUA e vice-presidente Joe Biden no Blair House, onde ele ficará hospedado durante sua visita de quatro dias.

O principal evento será a reunião nesta segunda-feira entre o presidente Buhari e o presidente Barack Obama programado para 11:00 horas local (17:00 hora na nigeria) no Salão Oval da Casa Branca.

Sessão interativa

Outros eventos nesta segunda-feira incluem reuniões com o secretário de Comércio dos EUA, o secretário do Tesouro americano, o procurador-geral dos EUA, embaixadores de países da CEDEAO residentes em Washington, e um grupo de potenciais investidores.

O presidente vai ser mais tarde recebido para um jantar pela Câmara de Comércio dos EUA e do Conselho Empresarial.

Na terça-feira, o presidente Buhari terá uma sessão interativa com os meios de comunicação às 7h e depois se reunirá com funcionários da Organização Mundial de Saúde sobre a ajuda económica para o devastado nordeste da Nigéria pela insurgência.

Depois disso, ele se reunirá com o presidente do Banco Mundial, bem como com o representante da Fundação Bill Gates.

Uma reunião com o secretário de Estado dos EUA John Kerry está no cronograma, assim como as outras com o director da CIA e o presidente do Joint Chiefs of Staff.

Também na terça-feira, o presidente Buhari tem uma reunião com a classe da Escola de Guerra do Exército dos EUA de 1980, do qual ele é um ex-aluno, após isso ele vai dirigir uma sessão conjunta do Senado e da Câmara de Representantes das comissões dos Assuntos Externos no Capitol Hill.

Antes de sua partida, o presidente Buhari irá abordar com jovens nigerianos que vivem nos EUA na Chancelaria da Nigéria, bem como participará de uma reunião na prefeitura com os nigerianos na diáspora.

#africareview.com


Estados Unidos protegem Arena queniana antes da visita de Obama.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Uma seção da Nairobi Moi International Sports Centre, Kasarani, complexo, onde o presidente Barack Obama está programado para falar em 26 de julho de 2015. ARQUIVO NATION MEDIA GROUP

Pessoal de segurança norte-americanos tomaram conta nas preparações da Arena Indoor Nairobi Safaricom, onde o presidente Barack Obama está programado para falar no domingo.

Os policiais, em conjunto com alguns dos seus homólogos do Quênia, estavam inspecionando o local, que faz parte do Centro Esportivo Internacional Moi, Kasarani, complexo, nesta segunda-feira.

Uma nação de fotógrafos que fazia parte de uma equipe que tinha ido para informar sobre os preparativos foi forçada a excluir as fotos que eles haviam tirado.

Os oficiais, em ternos pretos e óculos escuros, interceptaram um fotógrafo quando ele estava deixando a área após tirar fotos dos trabalhos em curso e se preparando para fotografar alguns dos agentes de segurança dos EUA.

"Nossos colegas disseram-nos que você fotografou-os, você deve excluir as imagens", disse um oficial, que parecia ser o líder da equipe.

Oficiais estavam disfarçados em civis

"Você não pode tirar as fotos, isso vai colocar em risco nossos homens", insistiu o americano.

"Você pode tirar fotos do estádio, mas não de qualquer um de nós."

Respondendo aos pedidos de identificação, um dos americanos mostrou o distintivo e disse com firmeza: "Nós somos policiais."

Embora os oficiais norte-americanos estavam de roupas civis e dos seus homólogos quenianos não estavam, gritaram para a equipe Nation enquanto se juntavam exigindo que as imagens fossem apagadas.

A arena indoor espera ser embalado por discurso do presidente Obama.

#africareview.com

Autor de atentados de Boston está em prisão considerada "inferno na terra".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Nova York - Condenado à morte pelos atentados durante a Maratona de Boston, Dzhokhar Tsarnaev, de 21 anos, vive em isolamento em uma prisão de segurança máxima, descrita por alguns como o inferno na terra.

A prisão federal de segurança máxima de Florence (ADX), única nos Estados Unidos, abriga em uma zona desértica montanhosa do Colorado (oeste) os condenados por terrorismo e criminosos considerados os mais perigosos do país.

Tsarnaev, prisioneiro número 95079-038, formalmente condenado à morte em 24 de junho pelos ataques de 2013, encontra-se desde esta semana na lista dos prisioneiros desta "Supermax", estabelecida pelo Bureau Federal de Prisões. Juntou-se a 417 detentos que vivem em células individuais de concreto de 7,7 m2, com uma pequena janela de 10 cm de largura e 120 cm de altura.

Eles permanecem confinados entre 22 e 24 horas por dia. Suas refeições deslizam através de uma ranhura na parte inferior da porta da sua célula.

Se eles saem, o fazem com os pés e as mãos algemadas, escoltados por dois guardas, de acordo com um relatório da Anistia Internacional publicado no ano passado.

Sua única "recreação" externa ocorre, sozinho, em uma gaiola vazia, pouco maior do que a sua cela, cercada por muros, onde podem ver o céu. Também podem, alternadamente, sempre sozinhos, fazer exercícios em uma pequena sala equipada com uma única barra de tração.

Essas "saídas" são limitadas a 10 horas por semana, de acordo com o relatório da Anistia, intitulado "Wallers", que estima que tais condições de detenção "não respeitam as normas internacionais para o tratamento humano de prisioneiros".

Um ex-guarda, Robert Hood, descreveu a prisão extremamente silenciosa, inaugurada em novembro de 1994, como "uma versão limpa do inferno". "Isto é muito pior do que a morte", disse ele.

"É uma versão high tech do inferno", diz à AFP Jamie Fellner, um especialista em prisões americanas da Human Rights Watch, que a visitou em duas ocasiões.

"ADX é moderna, limpa, bem gerido. Tudo brilha. Mas por dentro, você tem centenas de pessoas permanentemente isolados, privados do contato social comum com os outros", relata.

Vigilância implacável

"É difícil descrever a intensidade implacável da vigilância à qual estão sujeitos", acrescenta. Neste "Alcatraz das Montanhas", o jovem muçulmano de origem chechena poderá receber apenas algumas visitas, atrás de uma parede transparente. Ele terá direito a duas conversas telefônicas mensais, de 15 minutos no máximo, segundo testemunhou em seu julgamento um ex-responsável federal, Mark Bezy.

Sua correspondência será limitada, sistematicamente aberta e analisada. Segundo a Anistia, muitos detidos não suportam essas "condições de dureza inaceitável".

Em 2012, o especialista Craig Haney testemunhou no Congresso que "uma porcentagem chocante" sofriam de doenças mentais.

De acordo com uma denúncia, "Cunningham v. Federal Bureau of Prisons", apresentada em 2012 contra o Bureau of Prisons, "muitos prisioneiros na ADX gemem sem parar, gritam, batem suas cabeças contra as paredes de suas celas. Alguns se mutilam com lâminas de barbear, vidro quebrado, ossos de galinha afiados (...) engolem lâminas de barbear, tesouras de unha... Outros mantém conversas delirantes com vozes que ouvem em suas cabeças, alheios à realidade".

A denúncia afirma que as tentativas de suicídio são frequentes. Outros prisioneiros param de comer e são alimentados à força. Entre 8 e 10 presos da unidade H fizeram uma greve de fome em fevereiro de 2014, segundo a Anistia Internacional. Tsarnaev, que pediu recentemente um novo julgamento, soma-se a trinta condenados por terrorismo.

Entre eles, Zacarias Moussaoui, condenado por envolvimento nos atentados de 11 de setembro, Faisal Shahzad, autor do atentado frustrado com carro-bomba na Times Square em 2010, Ted Kaczynski vulgo "Unambomber", Eric Rudolph, autor do atentado nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, Ramzi Yousef, idealizador do primeiro atentado ao World Trade Center em 1993, e Richard Reid, conhecido como "Shoe Bomber".
#correiobraziliense.com.br

Senegal coloca ex-ditador do Chade em julgamento por atrocidades.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O ex-ditador chadiano Hissène Habré gestos quando ele deixa o tribunal em Dakar após uma audiência em 3 de Junho de 2015. FOTO | AFP

O Senegal se prepara nesta segunda-feira para iniciar o julgamento do ex-ditador chadiano Hissène Habré, 25 anos após ele ter fugido de casa segue um período de oito anos de reinado sangrento e de terror.

Uma vez apelidado de "Pinochet da África", aos 72 anos de idade ele está sob custódia no Senegal desde sua prisão em junho de 2013 na casa que ele dividia em um subúrbio afluente de Dakar com sua esposa e filhos.

Grupos de direitos humanos dizem que 40 mil chadianos foram mortos entre 1982 e 1990 ao abrigo de um regime apoiado pela repressão feroz contra opositores e os ataques a grupos étnicos rivais que que eram considerados como uma ameaça ao seu domínio sobre o país centro-Africano.

Adiada durante anos por Senegal, o julgamento vai criar um precedente histórico como até agora os líderes africanos acusados ​​de atrocidades foram julgados em tribunais internacionais.

O Senegal e a União Africana assinaram um acordo em dezembro de 2012 para estabelecer um tribunal para levar Habré à justiça.

A UA tinha mandatado o Senegal para julgar Habré em julho de 2006, mas o país paralisou o processo durante anos sob o ex-presidente Abdoulaye Wade, que foi derrotado nas eleições de 2012.

Habré também era procurado para ser julgado na Bélgica em crimes de guerra e crimes contra a humanidade depois de três cidadãos belgas de origem chadiana entrarem com uma ação em 2000 por prisão arbitrária, tortura e assassinato em massa.

Macky Sall, o sucessor de Wade que assumiu o cargo em abril de 2012, descartou extraditar Habré para a Bélgica, prometendo organizar um julgamento no Senegal.

"Este é o primeiro caso em qualquer lugar do mundo - não apenas na África - onde os tribunais de um país, o Senegal, está processando um ex-líder do outro país, o Chade, por supostos crimes contra os direitos humanos", disse Reed Brody, advogado da Human Rights Watch (HRW) à AFP.

Justiça na África

Sr. Brody disse também que foi a primeira vez que é aplicado o conceito de "jurisdição universal" - a um suspeito que pode ser processado por seus crimes no passado ​​em qualquer lugar do mundo em que se encontram - esse conceito tinha sido implementado na África.

"Então, há uma série de aspectos históricos para isso. Mas, para mim, o mais importante nesse tipo de coisa é que os sobreviventes empurraram isso por 25 anos", acrescentou.

Habré será julgado pelas Câmaras Extraordinárias Africanas, criadas pelo Senegal e pela União Africana, em fevereiro de 2013 para julgar "pessoa ou pessoas" mais responsáveis ​​por crimes internacionais cometidos no Chade durante o governo de Habré.

O julgamento vai ser ouvido por dois juízes senegaleses e um do Burkina Faso, que atuarão como presidentes do processo.

As câmaras indiciaram Habré em julho de 2013 e lhe colocaram em prisão preventiva, enquanto quatro juízes que investigavam passaram 19 meses entrevistando cerca de 2.500 testemunhas e vítimas e fazendo análises de milhares de documentos.

Cerca de 100 testemunhas vão testemunhar durante as audiências previstas para durar cerca de três meses, embora 4.000 pessoas tenham sido registradas como vítimas no caso.

Habré, disse que não reconhece a competência do tribunal e prometeu que ele e seus advogados não terão qualquer papel, embora sob a lei senegalesa ele ainda poderia ser forçado a ceder-se.

"Quando começarão este caso, quando começarão a trabalhar com as vítimas - afirmou em 1999 - uma das vítimas disse a Human Rights Watch '? Desde quando a justiça se firmou todo o caminho segue para o Chade", disse "Brody à AFP.

"A União Africana viu a importância de se mostrar que é possível realizar justiça em África", acrescentou.

Processo Habré assista AQUI. Só depende da sua INERNET...


(AFP)

Total de visualizações de página