Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Caos na Líbia é culpa de Kadafi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Para não ser surpreendido por golpe, líder líbio enfraqueceu demais as Forças Armadas.

A Líbia parece correr o risco de descambar para a guerra civil com as piores manifestações de violência desde a derrubada de Muamar Kadafi. Homens armados leais ao general da reserva Khalifa Haftar invadiram o Parlamento do país em Trípoli, no domingo, e intensos tiroteios ocorreram em Benghazi durante o fim de semana. A milícia de Haftar combatia grupos islâmicos, incluindo o Ansar al-Sharia, ao qual se atribui o ataque em 11 de setembro de 2012 ao consulado americano.

O estado atual de coisas ou prenuncia um golpe militar de Haftar ou não passa de uma luta entre milícias rivais, dependendo de como se observem os fatos. Este não é o primeiro "quase golpe" que o país enfrenta nos últimos meses e Haftar não é o único ex-comandante militar mercenário no país com sua própria milícia.
Diferentemente de alguns de seus colegas ditadores, Kadafi nunca construiu um setor militar forte na Líbia. Por isso, agora que ele se foi, não há uma força militar central poderosa no país. Como disse à TV Al-Jazira Claudia Gazzini, do International Crisis Group, há um forte contraste entre a Líbia e o vizinho Egito, onde a estrutura de liderança militar permaneceu intacta e parece estar prestes a instalar um novo homem forte no poder.
"O problema é que na Líbia não se tem um segmento militar como o egípcio. Tem-se um cenário político e de segurança fragmentado, o que é uma receita para conflitos intermináveis sem resultados conclusivos."
Como escreveu Robert Haddick, do Small Wars Journal, em 2011, o Exército de Kadafi provavelmente era fraco de propósito. O dirigente líbio sempre teve mais receio de golpes e sublevações internas do que de ameaças internacionais. Para fins de segurança, ele preferiu se apoiar em instituições como a Brigada Khamis, uma "guarda pretoriana" treinada para operações especiais sob o comando de seu filho.
Combinação. Um relatório do Center for Strategic and International Studies, de 2010, descreveu o estado "militarmente absurdo" das Forças Armadas do país. "A Líbia investiu em equipamento e instalações em vez de fazê-lo num sólido potencial humano, em infraestrutura e numa base de apoio. Seus recrutas e 'voluntários' mal treinados sofreram uma derrota decisiva no Chade nas mãos de forças chadianas levemente armadas. Depois disso, suas forças declinaram em qualidade."
A análise fala ainda da compra de armas. "A compra de equipamento militar da Líbia tem sido caótica. Durante a Guerra Fria e o período anterior, a Líbia foi submetida a sanções da ONU e suas compras de armas envolveram desperdícios incríveis e gastos exagerados em equipamentos. Eles eram feitos sem a preocupação de preparar o material humano e as forças de apoio adequadas, além de não refletir um conceito claro de desenvolvimento de força ou armas combinadas. Por piores que sejam as forças militares da Líbia, nenhum país poderia ignorar o vasto arsenal acumulado de equipamentos militares, embora os laços com seus vizinhos sejam mais quentes do que no passado."
"A Líbia precisa manter parados muitos de seus aviões e mais de mil tanques. Suas outras compras de equipamento para o Exército precisam de mais pessoal que seu pequeno Exército na ativa e seus reservistas de baixa qualidade podem oferecer. A relação geral de armas por pessoa no país é militarmente absurda e a Líbia reforçou seus problemas adquirindo uma ampla diversidade de tipos de equipamentos, o que torna quase impossível criar uma base de apoio e treinamento eficazes."
O que a paranoia de Kadafi criou, basicamente, foi um país com uma força militar central desorganizada e subdesenvolvida, carregada de uma quantidade enorme de armamentos pesados. Em outras palavras, tão logo surgiu um vácuo de poder, estava a postos uma combinação perfeita para a violência e o caos. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK
É JORNALISTA
# estadao.com.br

Reconciliação Marfinense: 150 prisioneiros pro-Gbagbo serão libertados " dentro das próximas horas ".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Laurent Gbagbo, ancien président ivoirien.
Laurent Gbagbo, ex-presidente marfinense

Cerca de 150 prisioneiros pró-Gbagbo devem ser libertados nesta quinta-feira à tarde. O anúncio foi feito ao meio-dia por Pascal Affi N'Guessan, presidente do FPI, após a retomada das negociações com o governo.

" Cento e cinquenta prisioneiros pró-Gbagbo serão libertados nas próximas horas ", disse Pascal Affi N'Guessan, líder do principal partido da oposição, a Frente Popular Marfinense (FPI ), ao sair de uma reunião com uma delegação governamental, nesta quinta-feira, 22 de maio, a primeira oficial depois de junho de 2013. Essas 150 pessoas devem ser postas em liberdade provisoria nesse dia.

A (FPI ) tinha avançado uma lista de 700 nomes de pessoas que foram, segundo ele, presos durante a crise pós-eleitoral de 2010-2011. Após pesquisa na administração penitenciária, o governo reconheceu o encarceramento de 200 presos e decidiu libertar, portanto, 150.

Estas libertações ocorrem após o descongelamento de cinqüenta contas bancárias de pessoas próximas a Laurent Gbagbo, anunciou quarta- feira, 21 de maio, a justiça marfinense, das quais, de Gilbert Marie Ake N'Gbo seu último primeiro-ministro. De acordo com um comunicado do Ministério Público, apoiado pela Agência de Imprensa Africana (APA), o promotor de Plateau-Abidjan, Christophe Richard Adu, tem, de facto, realizado o " descongelamento no banco de contas de cinqüenta indivíduos cujas contas tinham sido congeladas após a crise pós-eleitoral. "

" A acusação continua a analisar os pedidos apresentados ( ... ) Outras diligências poderão ser incessantemente feitas em breve", acrescentou o comunicado. Cerca de 43 contas tinham sido descongeladas no início de abril.

Reconciliação à vista
Cerca de 300 pessoas tinham visto suas contas serem congeladas subsequentemente após a crise pós-eleitoral, de acordo com a Frente Popular Marfinense (FPI ), a confiscação de bens e de casas de militantes da oposição " e " o congelamento de bens e contas bancárias " de seus líderes dificultam o processo de reconciliação.

" Gbagbo e amigos, uma nova associação para o ex-presidente da Costa do Marfim "
Nos últimos meses, as autoridades de Abidjan intensificaram os esforços para acalmar a tensão que foi levantada com um entalhe após o lançamento da operação de recenseamento geral da população e habitação ( GPHS ), em 17 março e após cinco dias, o ex-líder pró-Gbagbo, Charles Ble Goude foi entregue a TPI.

Retomada do diálogo entre FPI e oposição
Esta medida vem depois que o governo e a Frente Popular Marfinense (FPI ), retomaram nesta quinta-feira, 22 de maio, o diálogo político interrompido há quase um ano. O Presidente da FPI, Pascal Affi N'Guessan, anunciou nesta quinta-feira que o seu partido está " totalmente empenhado " no processo.

" A FPI retorna à mesa de negociações "
"Viemos para responder a este convite para mostrar a nossa disponibilidade constante para participar do diálogo político. Estamos totalmente comprometidos com este caminho, porque é por isso que a Costa do Marfim pode superar suas dificuldades ", ele disse.

# jeuneafrique.com

Nigéria: “Pensei: vão-nos matar a todas”, diz menina que fugiu ao Boko Haram.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Uma rapariga que conseguiu escapar ao cativeiro do grupo radical, no nordeste da Nigéria, critica a polícia e os professores por não terem feito mais para impedir o rapto de quase 300 colegas em meados de abril.


Esthér (nome fictício) foi uma das vítimas do ataque do grupo radical islâmico Boko Haram contra uma escola na cidade de Chibok, no nordeste da Nigéria. A 14 de abril, membros do grupo raptaram quase 300 meninas e levaram-nas para lugar incerto.
"Quando fui sequestrada, pensei: isto é o fim da minha vida. Vão-nos matar a todas! Só conseguia pensar nisso", diz. Esthér.
"Quando fui sequestrada, pensei: isto é o fim da minha vida"
Mas a jovem conseguiu fugir. Escapou para a floresta num momento de distração dos guardas do Boko Haram. Depois voltou para o colo da família. Mas o trauma é grande e a família não recebeu qualquer apoio das autoridades. "Não consigo dormir, pois estou constantemente a pensar nos malfeitores", conta.
Professores acusados
223 colegas de Esthér estão ainda em cativeiro, em parte incerta. O Boko Haram ameaçou vender as raparigas. As autoridades nigerianas continuam a procurá-las, agora com a ajuda dos Estados Unidos da América, Reino Unido e França.
Na escola em Chibok havia guardas para proteger as meninas, mas eles não conseguiram impedir o seu sequestro. Esthér responsabiliza-os pelo que aconteceu. E responsabiliza também os professores. O diretor-adjunto terá mesmo trancado as portas do estabelecimento de ensino quando chegaram os homens armados do grupo radical.
"Os professores fugiram todos e deixaram-nos abandonadas na escola", diz a jovem em entrevista à DW África.
Sentimento de impotência
Os pais de Esthér não entendem como isso pôde acontecer. Ainda há muitas perguntas por responder. O pai de uma rapariga que está há mais de um mês nas mãos do Boko Haram queixa-se da falta de apoio do Governo nigeriano às famílias afetadas.
"O que sabemos é através da comunicação social. Ninguém do Governo nos abordou, ninguém nos forneceu qualquer informação sobre as nossas filhas", diz.
Os pais das rapatigas dizem ter perdido a confiança no Governo nigeriano. Sentem-se impotentes. Por isso, esperam que alguém os ouça fora da Nigéria. Acreditam que só com apoio internacional poderão encontrar as suas filhas.
Indignação internacional: manifestantes em Paris pedem "tragam as nossas meninas de volta!"

# DW.DE

Vídeo de faíscas frescas sobre a especulação sobre a saúde de Mugabe.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente do Zimbabué Robert Mugabe. Arquivo | NATION MEDIA GROUP
Um vídeo sobre Robert Mugabe posto a circular no Zimbabwe  teria sido feito no hospital top de Cingapura e gerou especulações recentes sobre a saúde do presidente de 90 anos.
Presidente Mugabe deixou o país na quarta-feira da semana passada para um " check-up de rotina no olho " e que tinha sido obrigado a esperar passar cinco dias no Extremo Oriente.No entanto, na quarta-feira desta semana, ele perdeu o enterro de um general da cúpula do exército que foi declarado um herói nacional e de seu partido Zanu-PF o que adiou uma reunião do seu órgão de decisão superior que ele preside.

O Canal 4 britânico publicou em seu site o vídeo do Presidente Mugabe ao entrar no Parkway Hospital Gleneagles acompanhado de sua esposa Grace.

No clipe, a primeira-dama tenta protestar contra as filmagens de seu marido, que é visto andando com um ligeiro coxear.

Channel 4 diz que Gleneagles Hospital tem um centro de câncer de renome e também tem uma seção que trata de catarata.

O Presidente Mugabe fez operações para remover a catarata em seus olhos, mas ele rejeitou rumores persistentes de que ele tinha câncer de próstata.

Seu porta-voz George Charamba na quinta-feira se recusou a comentar sobre o vídeo.

" Eu não trabalho para o Channel 4 e você quer que eu comente sobre isso ", disse a um jornal local.

Em voz baixa

"Eu não digo que o Presidente está a chegar, uma vez que está em nosso comunicado de imprensa inicial, que foi emitido quando ele viajou para fora do país na semana passada. "

O Presidente Mugabe está no poder desde 1980.

Em fevereiro, ele disse ao seu partido para parar de discutir sua sucessão, e disse ao partido que promove partidarismo.

Ele também alertou aqueles identificados como líderes de facções que corriam o risco de serem expulsos do seu partido Zanu-PF.

O Presidente Mugabe, o mais longo líder servindo em África, prometeu esmagar impiedosamente os adversários de seu partido que vai seguir em frente.

Sucessão do governante veterano tem sido discutido em voz baixa ao longo de décadas e ele tem sublinhado repetidamente que ele não estava pensando em aposentadoria.

No entanto, a portas fechadas, seus seguidores se preocupam que seus problemas de saúde que podem não deixá-lo terminar o seu mandato, que termina em 2018.

Há duas facções no governo Zanu-PF que estariam de olho na sua sucessão.

Zanu-PF vai realizar um congresso eletivo em dezembro, mas é quase que improvável que o presidente Mugabe será desafiado.
# africareview.com

Guiné-Bissau/eleições: Cenário é positivo no país após escrutínio – Investigador.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O atual cenário na Guiné-Bissau é positivo após a realização das eleições legislativas e presidenciais e vários fatores contribuíram para esta situação de normalidade e estabilidade política, disse hoje um investigador do Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF).
“Eu creio que, pela primeira vez, em muito tempo, o cenário na Guiné-Bissau é positivo”, disse à agência Lusa Fernando Jorge Cardoso.
“O facto relevante dos resultados da segunda volta das eleições presidenciais na Guiné-Bissau é o comunicado emitido pelo chefe do Estado-Maior das forças armadas, o general António Indjai, a dizer que aceita os resultados das urnas”, acrescentou o investigador.
Para Fernando Jorge Cardoso, a posição tomada por Indjai confirma que os resultados das eleições “inauguram uma situação de estabilização da situação política na Guiné-Bissau” e espera-se ainda melhorias “na situação geral do país”.
A Guiné-Bissau – depois do golpe de Estado militar de abril de 2012, liderado por Indjai, e a composição de um governo de transição – realizou eleições legislativas e presidenciais a 13 de abril.
A segunda volta das presidenciais foi realizada no passado domingo e o vencedor, anunciado na terça-feira pela Comissão Nacional de Eleições, foi o candidato do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), José Mário Vaz.
No início de maio, o embaixador dos Estados Unidos para o Senegal e Guiné-Bissau, Lewis Lukens, pediu ao líder das forças armadas guineenses, general António Indjai, que os militares não voltassem a interferir na ordem constitucional do país.
Segundo o investigador, este encontro serviu como “recado” da Administração norte-americana para o general Indjai “ficar quieto, não tentar nenhuma ação de natureza militar” que pudesse desestabilizar a situação do país.
Um antigo chefe da marinha guineense, Bubo Na Tchuto, foi preso em 2013 pelos Estados Unidos por tráfico de drogas. António Indjai também é acusado pela justiça norte-americana de estar envolvido em tráfico de droga, que teria a Europa e Estados Unidos como destino.
“Na verdade, a estabilização da Guiné-Bissau interessa, nesta altura, a um conjunto muito vasto de atores externos, para além dos próprios guineenses”, sublinhou o investigador.
Para o investigador, a estabilização política na Guiné-Bissau interessa à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), porque o grupo africano quer provar que sua intervenção (com um contingente armado) na Guiné-Bissau, depois do golpe militar de abril de 2012, foi um sucesso.
Também interessa, de acordo com Cardoso, à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), pois os candidatos vencedores do PAIGC nas eleições têm uma linha de pensamento positivo relativo ao reforço dos laços com o bloco lusófono e, também, com Portugal.
“Apesar das fricções entre a CEDEAO (que aceitou o governo de transição em Bissau depois do golpe militar) e a CPLP (que não aceitou o governo de transição), as duas organizações estão de acordo em que estas eleições têm de ser respeitadas e o país tem de voltar a normalidade”, referiu.
Para o investigador do IMVF, tudo se conjuga para que haja “uma situação de acalmia, de normalidade no relacionamento da Guiné-Bissau com o mundo”.
“Desde logo, com a União Europeia, com o retomar das ações de financiamento e de apoio dos países europeus e da Comissão Europeia para o desenvolvimento do país e, particularmente, para a estabilização e a continuação do esforço que estava a ser feito para a reforma do setor de segurança”, acrescentou. 
#rtp.pt


Total de visualizações de página