Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Angola: Isabel dos Santos fez fortuna pelo nepotismo - Revista Forbes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Revista detalha negócios da filha do presidente angolano e como beneficiou do poder. "Sem fundamento", diz porta voz.

"Menina do Papá"? Isabel dos Santos

É a primeira bilionária Africana. Chama-se Isabel dos Santos e a conceituada revista económica Forbes  chama-lhe na sua última edição de “Menina do Papá”.

Isto porque num artigo escrito por Kerry Dolan e Rafael Marques a revista afirma que a fortuna de 3.000 milhões de dólares de Isabel dos Santos se deve ao nepotismo do seu, o presidente José Eduardo dos Santos.

No artigo que investiga a fundo as empresas de Isabel dos Santos o antigo primeiro ministro Marcolino Moco  disse que não pode haver duvidas que foi  o presidente dos Santos quem gerou a fortuna da filha.

O artigo -titulado " A Menina do Papá: Como uma ´princesa´ africana pôs no banco $3 biliões numa país que vive com $2 por dia - afirma que a fortuna de Isabel dos Santos  advém de ficar com uma fatia de uma empresa que queira estabelecer-se em Angola ou de uma assinatura presidencial do pai.

Um dos exemplo dados é como Isabel dos Santos aparece subitamente com 24,5% por cento da companhia de diamantes Ascorp através de uma companha baseada em Gibraltar a Transafrica Investiment Services, TAI,.  A ASCORP foi formada para fazer parceria com a ENDIAMA na venda de diamantes.

Mais tarde a TAI foi transferida para controlo da mãe de Isabel dos santos.

O conselho de ministros, presidido pelo presidente aprovou a parceria.

Isabel dos Santos  controla também 25% da UNITEL a primeira operadora de telecomunicações privada em Angola. Isso, diz a FORBES, partiu de um decreto presidencial garantindo licenças sem concurso publico.

A entrada d interesses privados estrangeiros em Angola  terá sido feita tambem de forma “escura” com 25% controlado por um “veiculo de investimento controlado por Isabel dos Santos”.

Rafael Marques disse á Voz da America que tudo o que se encontra no artigo está bem fundamentado e disse não temer qualquer acção de difamação.

fonte: VOA

François Bozizé: Cedo ou tarde eu voltarei.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

François Bozizé à Paris, le 7 août.
François Bozizé em Paris, 7 de agosto de 2013. © Sophie Liédot/JBV News pour J.A.

Exilado, abandonado por seus homólogos da África Central, o presidente deposto não cruzou os braços. Recordando que o seu mandato dura até 2016, François Bozizé sempre exigiu um retorno à ordem constitucional. Mas é muito reservado sobre suas intenções.
Ele veio para Jeune Afrique numa tarde chuvosa em agosto, cercado por dois de seu filhos, Francisco, o ex-suboficial militar, vice-pára-quedista do exército francês, que foi por muito tempo o seu Ministro da Defesa, e Giscard, um dos mais jovens, que o acompanhou em sua fuga para os Camarões após a queda de Bangui, em 24 de março. François Bozize, tem 66 anos, presidente da República Centro Africana de 2003 a 2013, perdeu peso, ganhou um pouco de amargura e anda sempre em torno dele com um olhar de pouco cansado que seus compatriotas conhecem. Mas não se enganem: este homem é meio difícil, e ele, como ele disse, a "alguns familiares" no exílio.  Teve três vezes tentativas no passado, geralmente misturadas com as de Bokassa que foi forçado a afastar-se das margens do rio Ubangi, antes de retornar após uma viagem através do deserto. Desta vez, ele tinha certeza, o cenário ia se repetir.
>> Veja também: "Crise na África Central: Holanda está em causa, o Quai agitado".
Enganados pelos seus pares.
Ainda estamos longe de fato. Em Bangui, uma transição de poder sob dupla influência do Chade e do Sudão liderada pelo presidente autoproclamado Michel Djotodia - o primeiro muçulmano a exercer esta função desde a independência - um reino seu fim. Ou melhor, desordem, para os ex-rebeldes Seleka, Djotodia que está à cabeça do grupo muito nominal, multiplica os abusos que o aponta para mostrar a diferença da década Bozizé como um período de relativa paz e de marginalizar os políticos que trabalham com ele ou que preferem ficar em silêncio. A vantagem paradoxal no jogo deste homem secreto é imprevisível, ele próprio um ex-rebelde e ao redor do recém-criado Paris, em 3 de agosto, uma frente para o regresso à ordem constitucional na RCA (Frocca) abriu-se, ele diz, "a todos aqueles que querem salvar o país".
Será que vamos ver novamente em breve François Bozizé pegar em armas nas fronteiras da República Centro Africana? Sobre este ponto, como a 11 anos atrás, quando ele desapareceu há vários meses antes da queda de seu antecessor Ange-Félix Patassé, Bozizé é imprevisível, mais discreto do que nunca. Assim, ele confessa que não está "proibido de qualquer coisa." É também verdade que o contexto mudou. Aquele que, em 24 de março, havia embarcado há poucos minutos no helicóptero antes da última chance, assinou um decreto em Bangui entregando nas mãos de tropas francesas e Sul-Africanas (decreto permanece em letra morta, como nós o vimos) sabe-se que ele não tem até o momento nenhuma base na região. "Meus colegas me enganaram, ele soltou, especialmente o Idriss Deby. Eu confiava nele. Quantas vezes nós não comemos juntos?"
São já 18 horas, a chuva parou. François Bozizé despediu-se. Eu vejo a sua figura, levemente curvada agora, e os de seus dois filho de longe na calçada parisiense. Mais uma vez, sua vida está em parênteses. Não existe um bom exílio.
Jeune Afrique: Você está em França por algumas semanas. Você pretende instalar-se?
François Bozizé: sim. Estou em França por razões familiares. O meu país é a República Centro-Africana. Mais cedo ou mais tarde, vou voltar.
Assinalou-se-lhe há pouco, que você estava em Uganda e no Sudão do Sul, perto da fronteira com RCA. O que você estava fazendo?
Tudo isto é falso. Eu não fui ao Uganda ou ao Sudão do Sul ou a África do Sul. Desde que saí de Bangui em 24 de março, eu morava em Yaounde e Nairobi. O resto são fantasias.
As autoridades do Benin, ao que parece, estão pronto para recebê-lo em Cotonou. É de sua conveniência?
Essa é uma possibilidade.
Seus sucessores no cargo lançaram-se a favor de um mandado de captura internacional contra você por crimes contra a humanidade e de incitação ao genocídio. Isso lhe inquieta?
Vem  deles, de modo que a cada semana ou em quase quatro meses as ONGs relatam denuncias de assassinatos, saques e seqüestros por Seleka, isso me faz sorrir. Seu objetivo é claro: evitar que eu me apresente para a eleição presidencial.
Você exige o regresso à ordem constitucional. Isso significa que é o seu retorno ao poder?
Uma coisa é certa: eu não terminei o meu mandato, que expira em 2016. Este retorno à letra da Constituição aprovada por referendo em 2004, é um pré-requisito, não é negociável. Uma vez feito isso, estou aberto, como sempre mantive em diálogo com todos os Cento africanos, incluindo Michel Djotodia e aqueles que se desviaram com ele.
O Seleka reivindica 20.000 homens no terreno, e o seu exército, FACA, desapareceu. Como você vai fazer?
É suficiente que as tropas do Chade presente na RCA deixem o país para que o equilíbrio de poder seja invertida. Se o Seleka tem uma coleção de pequenos chefes que se competem. Nós também estamos em contato com alguns deles, bem como o FACA no esconderijo. Espero que a França mantenha uma quota de suas tropas em Bangui para permitir que o aeroporto volte a funcionar para pressionar Deby a retirar seus homens.
Nem Deby nem qualquer um dos seus ex-colegas da África Central o querem ver em Bangui!
Eu ainda me pergunto por que Deby jogou contra mim, exceto a acreditar que seu objetivo era para manter vassalo a RCA. Ele e alguns outros me romaram como um incapaz, um incompetente, um homem teimoso incompetente que não ouve qualquer conselho. O problema é que me desestabilizaram, eles jogaram com o fogo. A anarquia que reina hoje no meu país e sua islamização rastejante fez uma bomba que ameaça a todos.
Quais os chefes de Estado que você fala de sua queda?
Presidente Biya, que teve a nobreza de me acolher, me recebeu longamente. Falei duas vezes ao telefone com o presidente Sassou Nguesso e uma vez com o presidente Boni Yayi.
Você já teve contato com as autoridades francesas desde a sua chegada em Paris?
Ainda não. Este é o mês de agosto. Mas eu acho que isso vai acontecer.
Você vai pegar em armas? Lançar uma guerrilha?
Eu não me proíbo de nada, mas isso não é notícia. Eu quero aumentar a consciência internacional sobre o sofrimento do meu povo. O Seleka persegue os cristãos, os jovens, porque eles usam camisetas com a minha efígie, e são executados, eles violam, eles pilham. Não é tolerável.
Você tem os recursos, principalmente financeiros, para suas ambições?
Isso virá.
Que críticas você faz?
Em suas críticas, o de ser ingênuo. Eu penso nos compromissos assumidos, eu penso nas mulheres "linhas vermelhas" que os rebeldes não devem cruzar sob pena de serem atacados pelas forças de interposição, penso no diálogo com os meus inimigos. Diálogo em excesso me fazem ficar perdido.
Alguma lição a tirar?
Este mundo é da lei dos mais fortes. Mas os centro africanos  devem saber que Bozizé não vai abandoná-los.

fonte: jeuneafrique.com

Conselho de Segurança faz reunião de urgência sobre Egito.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Corpos de seguidores da Irmandade Muçulmana são vistos enfileirados em necrotério improvisado nos arredores mesquita Rabaa al-Adawiya Foto: Reuters
Corpos de seguidores da Irmandade Muçulmana são vistos enfileirados em necrotério improvisado nos arredores mesquita Rabaa al-Adawiya
Foto: Reuters
O Conselho de Segurança da ONU está em uma reunião de emergência sobre o Egito, iniciada por volta das 18h30 (horário de Brasília), atendendo ao pedido de França, Grã-Bretanha e Austrália, informaram diplomatas. O encontro acontece um dia depois da operação do Exército egípcio, que levou à morte de mais de 500 partidários do ex-presidente Mohamed Mursi.

Um diplomata disse que um pedido conjunto foi submetido à Argentina, que ocupa a presidência temporária do Conselho. Ainda segundo o mesmo diplomata, não é esperada uma declaração do órgão. França e Grã-Bretanha são membros permanentes do Conselho de Segurança, enquanto a Austrália é um dos 15 países não permanentes representados no atual mandato.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou o massacre, e a alta comissária de Direitos Humanos da organização, Navi Pillay, pediu uma ampla investigação. Mais cedo nesta quinta-feira, o premier turco, Recep Tayyip Erdogan, havia pedido uma reunião urgente do Conselho. "Esse é um massacre muito sério (...) contra o povo egípcio, que está protestando pacificamente", afirmou Erdogan, criticando "o silêncio" da comunidade internacional diante do banho de sangue.
fonte: terra.com.br

São Paulo: helicóptero de R$ 17 milhões(lê-se dezessete milhões de reais) é o mais caro de feira.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Com capacidade para carregar sete passageiros mais piloto, o Grand New é o helicóptero mais caro da Labace, feira de aviação que ocorre no aeroporto de Congonhas.


Com capacidade para carregar sete passageiros mais piloto, o Grand New é o helicóptero mais caro da Labace, feira de aviação que ocorre até sexta-feira no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Com preço de US$ 7,5 milhões (cerca de 17,4 milhões), o modelo tem autonomia de voo de três horas ou 859 quilômetros.

Evolução do Grand, o Grand New foi lançado no País em 2010 e pode alcançar 289 km/h. O modelo da Agusta Westland tem como concorrente o EC135 P2, da Helibras, segundo mais caro da feira, com preço de US$ 7,1 milhões (R$ 16,4 milhões), sem impostos.
A aeronave da Helibras pesa 2.950 quilos e também pode levar sete passageiros mais piloto. De acordo com a empresa, o helicóptero pode percorrer até 630 quilômetros sem escalas e tem velocidade máxima de 254 km/h.
Também entre os mais caros, o MD Explorer custa cerca de US$ 7 milhões (aproximadamente R$ 16,1 milhões) e pode ser configurado em três maneiras (para equipes de resgate, versão esportiva ou de luxo) – o exposto na feira estava na configuração de resgate. Com autonomia de 608 quilômetros e velocidade máxima de 245 km/h, o helicóptero carrega sete passageiros mais piloto. De acordo com a MD Helicopters, no mês passado a aeronave foi utilizada por cinco paraquedistas que saltaram de uma altura de cerca de 5 mil metros.

Confira como é feito o avião brasileiro de US$ 50 milhões

Marina Pita, São José dos Campos. A brasileira Embraer é a terceira maior fabricante de aviões do mundo, atrás apenas da Airbus e Boeing. A empresa fechou 2010 com 246 jatos entregues e carteira de pedidos firmes no valor de US$ 15,6 bilhões. Dentre eles, está o mais caro de todos, o Lineage, de US$ 50,48 milhões. O Terra foi à sede da empresa, em São José dos Campos, e conferiu como é feita a fabricação do gigante de 28m7.

Confira aqui o processo de fabricação acessando o Link: Processo fabricação. 

fonte: terra.com.br


Total de visualizações de página