Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 27 de julho de 2013

Senegal: Visita do Chefe de Estado a Marrocos - Rabat e Dakar assinam sete acordos e convenções.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Casablanca (Marrocos) - Sua Majestade o Rei Mohammed VI, acompanhado pelo príncipe Moulay Rachid, e o presidente da República do Senegal, o Sr. Macky Sall presidiram ontem, no Palácio Real de Casablanca, a assinatura de sete acordos e convenções bilaterais.

O primeiro acordo é sobre o Memorando de Cooperação entre o Conselho Económico, Social e Ambiental do Reino de Marrocos e do Conselho Econômico, Social e Ambiental da República do Senegal. O acordo foi assinado pela Sra. Aminata Tall, Presidente do Conselho Económico, Social e Ambiental do (Senegal) e Sr. Chakib Benmoussa, presidente do Conselho Económico, Social e Ambiental de (Marrocos).

O segundo documento é um acordo de cooperação entre os dois países na área de Assuntos Islâmicos. O acordo foi assinado pelo Sr. Mankeur Ndiaye, o ministro dos Negócios Estrangeiros e dos Senegaleses no Exterior e Toufiq Ahmed, ministro da investidura e Assuntos Islâmicos.

O terceiro é um acordo de cooperação entre os dois países na área de Turismo, assinado por Youssou Ndour, o ministro de Turismo e Lazer e Sr. Lahcen Haddad, ministro do Turismo.

O quarto documento é um memorando de entendimento no domínio dos transportes marítimos, assinado pelo Sr. Pape Diouf, Ministro das Pescas e Assuntos Marítimos e Rebbah Aziz, ministro de Equipamento e dos Transportes. Quanto ao quinto documento, ele se refere a um acordo sobre uma parceria económica entre entidades patronais dos dois países. Foi assinado por Baidy Agne, representando o Conselho Nacional dos Empregadores do Senegal, e a Sra. Meriem Bensaleh, a presidente da Confederação Geral das Empresas de Marrocos.

O sexto documento se refere ao acordo de cooperação entre a Caixa Económica e de Gestão do Reino de Marrocos (CDG) e a Caixa de Económica e de Consignação de Senegal (CDC), assinado pelo Sr. Thierno Seydou Niane, Diretor Geral da CDC e o Sr. Anas Alami Houir, Diretor Geral da Cdg.

 Parceria Estratégica

O último documento é de um acordo sobre uma parceria entre a Agência para o desenvolvimento da aquicultura do Reino de Marrocos e a Agência Nacional de Agricultura da República do Senegal, assinado por Magatte Ba, Diretor da Agência Nacional de Agricultura do Senegal e pela Diretora da Agência para a Agricultura, a Sra. Majida Maârouf. A assinatura destes acordos e convenções no âmbito da parceria estratégica, pró-ativa e multifacetada entre os dois países demonstra mais uma vez, a vontade dos dois chefes de Estado de elevar as expectativas bilaterais dos dois povos irmãos.

A cerimônia contou com a presença, do lado do Senegal, o Sr. Alassane Thierno Sall, o ministro das Infra-estruturas e Transportes, Sr. Abdoulaye Balde, Ministro da Agricultura e de Equipamento, Sr. Khoudia Mbaye, Ministro Desenvolvimento Urbano e Habitação, Amadou Sow, o embaixador do Senegal no Marrocos.

Também estiveram presentes Srs. Mubarak Lô, ministro-director adjunto do Gabinete do Presidente da República, Oumar Demba Ba, ministro-conselheiro diplomático do presidente, Malick Ndiaye, ministro-conselheiro do presidente, Pape Abdou Cissé, ministro-conselheiro do Presidente, Diagna Mamadou Ndiaye, Ministro -Assessor do Chefe de Estado, Amadou Lamine Sy, diretor de Cooperação ao Conselho Económico, Social e de Meio Ambiente, a Sra. Ndao Fatou Bintou Corréa, diretora para a Ásia do Ministério dos Negócios Estrangeiros e dos Senegaleses no Exterior, o Sr. Yerim Thioub, diretor-geral da Agência Nacional dos Assuntos Marítimos e Sr. Diagne Mbeinda, Chefe de Assuntos Jurídicos e da Cooperação. Presente na cerimónia, do lado marroquino, os conselheiros do rei, Taib Fassi Fihri, Srs. Zoulikha Nasri, Fouad Ali El Himma, Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, o Sr. Saad El Dine Otmani o Ministro da Agricultura e Pesca Marítima, Aziz Akhannouch, o ministro da Habitação e Desenvolvimento Urbano e Política Urbana, Nabil Benabdellah, o embaixador do Marrocos no Senegal, a Sra. Taleb Berrada, Diretora Geral do Centro Marroquino de Promoção as Exportações, Sra. Zahra Maafiri, e o director do Gabinete de Feiras e Exposições em Casablanca, Sr. Gouraftei Aziz El Alami.

(MAP)

Mohamed VI e Macky Sall oraram na sexta-feira na Mesquita Hassan II

Rei Mohammed VI, acompanhado pelo príncipe Moulay Rachid, e o presidente Macky Sall, realizaram a oração da sexta-feira na mesquita Hassan II em Casablanca.

Em seu sermão, o Imam disse que esta sexta-feira é o 17 º dia do mês sagrado do Ramadã, que celebra um grande e decisivo acontecimento na história do Islã, ou seja, a grande batalha de Badr (Ano 2 da Hégira), que aconteceu em um lugar chamado "Badr", localizado entre Meca e Medina, e viu a vitória dos muçulmanos, embora o seu número de guerrilheiros era pequeno, um terço de seus inimigos.

Esta vitória, segundo ele, favoreceu grandemente o sucesso da missão de mensageiro de Deus, Seydina Maomé (paz e a salvação para ele, que constitui um apelo ao Estado de direito, a justiça e os valores morais que consagram a dignidade do homem. Ele também fez um apelo à reconciliação e fraternidade, como descrito no versículo do Alcorão Sagrado: "É Ele que apela por vossa segurança e pelo alívio e pela assistência aos crentes. Ele uni seus corações. O "Imam observou que a comemoração deste evento coincide com uma sexta-feira e que os marroquinos, e o Grand Imam, Amir Al Mouminine, o rei Mohammed VI, a celebração então que o Rei acolheu no famoso hotel do Reino, Sua Excelência Macky Sall, Presidente da República do Senegal, cuja visita permite que dois líderes fortaleçam os laços entre os dois povos.

E para enfatizar que os dois líderes realizaram as orações da sexta-feira nesta mesquita abençoada e construída por um grande soberano, rei Hassan II, que Deus tenha a sua alma, um edifício que representa, pelo seu tamanho e seu caráter civilizatório, a glória do Islam no país pacífico.

Eles em seguida seguiram já atrasados para o património de civilização comum do Reino de Marrocos e da África Ocidental criado desde o reinado dos Idrissas e Almorávidas, patrimônio que faz ligação histórica, humana, política, cultural e espiritual, de uma solidez e profundidade raramente encontradas em outras regiões.

Estes laços estreitos continuam e se consolidam ao longo do tempo, notadamente depois do advento do reinado da Dinastia Alaouite, cujos Soberanos estabeleceram relações com os seus homólogos da região, apoiados pela ação Oulémas, Xeques de Sufismo e comerciantes que contribuíram muito para promover o intercâmbio de bens, estilo de vida, ciência e as artes, disse o Imam.

Ele ainda ressaltou a profunda unidade da fé que foi forjada ao longo dos séculos, entre Marrocos e os países da África Ocidental, e cujos pontos fortes são a sustentabilidade e continuidade e a adoção, ainda hoje, da doutrina da Ahl Sunnah que prega moderação e rejeita o extremismo e a excomunhão, notando que esta unidade é reforçada graças à difusão em países da África Ocidental, do tariga de sufismo procedência Marroquina, o mais conhecido é tijania tariqa, o tariqa qadiria e tariqua chadiliya.

Esses links, continuou o Imam, estão enraizados no coração imune de contingências e caprichos do tempo e manobras, independentemente da nossa origem, no sentido de que as relações entre os marroquinos e os seus irmãos no sul do Sahara permanecem até os dias atuais, com base na fidelidade aos pactos selados pelos seus antepassados ​​e como colher os frutos de uma relação baseada nos princípios da fé e aliança, e os interesses comuns.

Finalmente, o Sr. Yessef se dirigiu ao Sr. Rei e ao Presidente da República do Senegal, oferecendo duas cópias de um livro.

fonte: lesoleil.sn



Nobel da Paz sul-africano condena homofobia: Deus não odeia gays.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O arcebispo Desmond Tutu durante as celebrações do aniversário de Nelson Mandela, em 18 de julho, na Cidade do Cabo Foto: AP
O arcebispo Desmond Tutu durante as celebrações do aniversário de Nelson Mandela, em 18 de julho, na Cidade do Cabo
Foto: AP

O arcebispo emérito da Cidade do Cabo na África do Sul e prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu disse nesta sexta-feira que não acredita que Deus odeie os homossexuais, e comparou a homofobia com o racismo.
"A muitos de nós causa angústia imaginar que Deus pode criar alguém e dizer: 'Te odeio. Te odeio por como te fiz", disse o líder religioso anglicano na Cidade do Cabo, durante a apresentação de uma campanha da ONU pela igualdade das minorias sexuais.
"Vocês podem imaginar alguém como eu, que disse que é injusta a punição por algo que não temos escolha como cor e sexo, se cale quando pessoas são perseguidas e assassinadas por sua orientação sexual?", acrescentou o antigo ativista contra o regime racista do apartheid.
A muitos de nós causa angústia imaginar que Deus pode criar alguém e dizer: 'Te odeio. Te odeio por como te fiz'
"Eu penso que isso (a homofobia) é tão injusto como o racismo", acrescentou Tutu, que lembrou também que os homossexuais "não são uma raça à parte", como afirmam alguns, informou hoje a agência local de notícias "Sapa". "Não gostaria de ir para um céu homofóbico. Pediria desculpas e diria que gostaria de ir para outro lugar", acrescentou Tutu.
"Temos que construir uma sociedade tolerante, e não teremos uma sociedade livre até que todas e cada uma das pessoas sejam reconhecidas e aceitas pelo que são", disse o arcebispo, que acrescentou ter consciência de que muitos líderes religiosos consideram a homossexualidade como um pecado.
Tutu, 81 anos, participou do início da campanha global da ONU "Livres e Iguais", que pretende conscientizar sobre a violência e a discriminação contra as minorias sexuais. O prêmio Nobel da Paz de 1984 disse que muita gente não pode escolher livremente seu estilo de vida devido aos "preconceitos" e à "violência potencial" que podem enfrentar.
Eu penso que isso (a homofobia) é tão injusto como o racismo
Esta não é a primeira vez que o líder religioso defende a homossexualidade: em dezembro pediu ao governo de Uganda que rejeitasse uma minuta de lei que pretende endurecer as penas contra essa minoria. "Com grande dor contemplo a submissão e a repressão de irmãos africanos cujo único crime é a prática do amor. O ódio, em nenhuma de suas formas, tem lugar na casa de Deus", disse Tutu.
Apesar de ser o único país africano que reconhece legalmente a união homoafetiva e o direito de adoção para casais do mesmo sexo, os ataques às minorias e as discriminações são frequentes na África do Sul, especialmente entre a maioria negra, pobre e com pouca escolaridade.
EFEEFE - Agencia EFE - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização 

Total de visualizações de página