Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

Biden Aide: 'A América não pode combater a corrupção da Libéria'.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Um assessor sênior do presidente dos Estados Unidos Joe Biden citou uma das razões para o atraso da Libéria, sendo que os líderes escolhem seu ganho de curto prazo em relação ao benefício a longo prazo de seu país.

Dana Banks, que trabalha como assistente especial de Biden, e também atuou como diretora sênior para a África no Conselho de Segurança Nacional, disse que, embora os Estados Unidos continuem sendo um parceiro dedicado e amigo da Libéria, observou que muitos dos líderes da Libéria escolheram seu ganho a curto prazo sobre o benefício a longo prazo de seu país.

Isso, segundo ela, é um ato de roubo — roubar aos cidadãos da Libéria acesso a cuidados de saúde, segurança pública e educação.

"Corrupção é um ato de roubo. Isso rouba o ambiente de negócios saudável que todos sabemos que a Libéria poderia ter, o que tiraria inúmeros liberianos da pobreza", alertou Banks, que chefiou a delegação presidencial dos EUA para participar das Celebrações Bicentenárias da Libéria em Monróvia, em 14 de fevereiro. "Subverte a oportunidade econômica, exacerba a desigualdade e corrói a integridade. Ele devora a democracia que você trabalhou tão duro para construir.

Os bancos expressaram a crença de que muitos líderes libaneses se envolveram em corrupção com a expectativa de que os Estados Unidos e o resto da comunidade internacional intervendam para resolver os problemas de longo prazo da Libéria.

Ela advertiu sem rodeios que, do nada, a luta contra a corrupção e a demanda por responsabilidade e transparência agora estão nas mãos dos liberianos se eles vislumbram levar seu país adiante.

Segundo ela, a Libéria tem uma série de instituições anticorrupção e, embora sejam nominalmente e legalmente independentes do Governo da Libéria, a verdade é que o governo não consegue financiá-las adequadamente e exerce sua influência sobre elas.

"Deixe-me ser claro. Os Estados Unidos são um parceiro orgulhoso e dedicado e amigo da Libéria. Mas, em última análise, apenas o Governo liberiano e o povo liberiano podem combater a corrupção, lutar pela responsabilização e transparência e levar este país adiante", disse ela. "Ainda assim, enquanto isso, continuaremos nossa parceria forte e única para assumir todos os tipos de desafios - especialmente em questões que afetam a todos nós, como as mudanças climáticas e a pandemia global COVID-19."

O Bicentenário, que Banks e outros estão aqui para celebrar, é um evento de um ano que marca o retorno dos africanos libertados da escravidão nos Estados Unidos de volta à África e se estabelecendo na Ilha da Providência, levando à criação da atual Libéria.

Em 6 de fevereiro de 1820, o primeiro grupo de pessoas anteriormente escravizadas nos Estados Unidos a se reinstalar na África partiu de Nova York. Uma organização chamada Sociedade Americana de Colonização, com financiamento do Congresso, havia sido criada para devolvê-los à Libéria, na África Ocidental. Sequestro e escravização de pessoas da África foram abolidos nos Estados Unidos em 1808.

A Comemoração Bicentenária está sendo realizada sob o tema" Libéria: A Terra do Retorno – Comemoração dos 200 Anos de Liberdade e Liderança Pan-Africana", enquanto o slogan é" A Estrela Solitária Para Sempre, Mais Forte Juntos".

Significa os importantes marcos históricos alcançados pelo país desde sua fundação em 1822 e os fortes e antigos laços entre a Libéria e os Estados Unidos da América.

Banks, em nome de Biden, disse que é importante que a Libéria celebre o 200º aniversário de homens, mulheres e crianças negras livres dos Estados Unidos que chegam à Ilha da Providência quando deixaram um país que legalizou a escravidão.

"Eles foram patrocinados, em parte, pela Sociedade Americana de Colonização, um projeto racista - apoiado até pelo próprio Grande Emancipador, o presidente Abraham Lincoln - para remover os negros livres da América. Foi uma jornada difícil, e ainda mais difícil para aqueles que chegaram. Mas sabemos por que fizeram a viagem. Como diz sobre seu brasão de armas, 'o amor da liberdade nos trouxe aqui", observou Dana.

fonte: liberianobserver.com


RDC: Joseph Kabila volta a Kinshasa desde sexta-feira.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Após uma estadia na África do Sul desde o final de janeiro, o ex-presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, retornou a Kinshasa na sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022, à noite.
O ex-presidente congolês retornou a Kinshasa na sexta-feira pelo aeroporto de N'djili após cerca de duas semanas no país de Nelson Mandela. Ele tinha ido para um exame médico após o acidente de carro que sofreu em dezembro passado, em N'sele, na periferia leste da cidade de Kinshasa. Após um laudo médico "virgem", segundo seus parentes, o antecessor de Félix Tshisekedi conseguiu se matricular na Universidade de Joanesburgo para um programa de doutorado.

Recorde-se que em outubro de 2021, Joseph Kabila obteve o grau de Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais pela mesma universidade sul-africana. No final dos estudos que duraram cinco anos, conseguiu defender a sua tese intitulada: “Do desespero à estabilidade rumo ao renascimento da República Democrática do Congo. Uma narrativa autobiográfica e uma análise autoetnográfica”. Um livro de memórias que dedicou ao seu falecido pai Laurent-Désiré Kabila e “àqueles que morreram na busca da paz na RDC. »

Dido Nsapu

(DN/PKF)

Congo-Brazaville: Abaixo às armas,

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Sejamos claros: o exército congolês de que estamos falando (25.000 homens) é uma coleção de milicianos carimbados como Tsambi-tso. Nada proíbe dizer que não tem nada "republicano".

Dito isto, um bom soldado é aquele que é bom em quebrar aqueles que ameaçam a segurança do Poder. Nisso, o general Serge Oboa, recém-promovido pelo etnocentrismo, é um excelente soldado.

Não é de estranhar que este soldado tenha gritado à atenção das suas tropas: “Parabenizo e encorajo os novos graduados no primeiro trimestre de 2022. Exorto-os a fazer mais esforço, disciplina, disponibilidade, lealdade e fidelidade às instituições constitucionais; redobrar sempre o nosso ardor no serviço, responder com vivacidade aos apelos do comando... Recordo-vos que este ano é o dos prazos eleitorais, reiteramos aos frades de armas que assegurem as eleições legislativas e locais. Para isso, é necessária nossa mobilidade” (Empresa Presidencial de Segurança: novos oficiais convidados a manter a ordem
segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022 Les Dépêches de Brazzaville)

Os períodos eleitorais, aqueles momentos de comprovada trapaça e eliminação letal de amigos e inimigos (veja o que aconteceu com o infeliz Guy Brice Parfait Kolélas), são o pão de cada dia da violência combinada de militares, policiais e milícias. Também alegar que as forças armadas estão lá para forçar os insurgentes a se manterem firmes é um truísmo. Quem acredita que homens armados estão lá para garantir a segurança das populações deve ler "Guerra e Paz" de Leo Tolstoy.

"O poder está no fim da arma", disse Marien Ngouabi antes de Sassou chegar ao fim de sua pessoa.

A opinião pública, em todo caso, não se deixa enganar. A recente nomeação de 9 generais no exército de Sassou foi o cúmulo da ignomínia e desencadeou, por vezes, a indignação até do acampamento dos amigos do regime, porém habituados ao nepotismo. Melhor: as Bacanais em que todos os soldados promovidos ao posto de general (especialmente o camarada Serge Oboa) engajados arranharam seriamente a mesa. O frenesi observado entre os que vinham celebrar os graus não tinha nada a invejar à horda primitiva de que fala Freud em “Totem e tabu. »

"Não é proibido celebrar uma listra, mas com discrição", comentou um coronel congolês no exílio. “Mesmo aqui, na Europa, as patentes são celebradas, mas dentro do quadro restrito da decência”, acrescentou do alto de sua aposentadoria ativa na França, o oficial.

TIA SERGE

Há rumores de quando o oficial Serge Oboa deve "sair do armário" já que, segundo o jornal online Sacer, sempre ciente dos segredos das alcovas, Serge passa por um "fofo" (como diria Platão) embora tivesse um casamento normativo recente . "É para camuflar sua verdadeira orientação sexual" (Sacer).

“O assessor especial do Chefe de Estado, Diretor Geral de Segurança Presidencial, General Serges Oboa, lembrou às tropas, em 5 de fevereiro em Brazzaville, o papel das forças de segurança no processo eleitoral e na manutenção da ordem. lemos em “Les Dépêches de Brazzaville. »

Estas são as eleições legislativas que serão precedidas por uma encenação chamada "consulta" em Owando como a última vez em Madingou. Será uma missa baixa onde tudo é feito para que nada seja feito que desafie o status quo do clã. É nesta ocasião que o exército dará golpes bem sentidos quando surgir a necessidade.

Atualmente, os exércitos africanos são incontroláveis, especialmente os militares da África Ocidental do antigo Alto Volta e do antigo Sudão francês.

"O exército deve estar entre as pessoas como um peixe na água", diz uma estrofe do "Livro Vermelho" de Mao.

Tudo depende de qual exército, qual peixe e qual água. Na realidade em nossos países, em nossos tristes trópicos, como carpas, são tubarões e piranhas.

Mao Zedong acrescenta: "Onde a vassoura não passa a poeira não vai embora sozinha". Em outras palavras: limpe os bolsões de resistência, cegue os reacionários e o trono estará bem guardado!

Pensemos na carnificina dos milicianos naja quando mergulharam a Piscina na desolação graças às várias expedições punitivas para assegurar o poder de Oyo/Edou-Penda. Pensemos no açougue da Praia em 1999, quando o Sassou Palace servia de posto de triagem e o hilário Serge Oboa tocava o Kapo de Vel'd'hiv.
O Kilimanjaro da crueldade foi ultrapassado várias vezes.

Em nossos países bantos, o gênio militar se desdobra como um jacaré no meio de um banco de tilápias. A exceção que confirmou a regra foi o Movimento Político-Militar de 22 de março de 1972 de Ange Diawara. Foi um fiasco já que a insurreição se comportou nos Maquis de Goma-Tsé-tsé com a flor na ponta do canhão. Ange Diawara Bidié não tinha perfil de predador. Ele era um... anjo.

fonte: congopage.com

Bruxelas prepara-se para receber cimeira União Europeia-África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Começa na próxima quinta-feira a cimeira Europa-África, que quer modernizar a parceria entre os dois continentes. UE promete mobilizar cerca de 150 mil milhões de euros para implementar plano de investimento em África.

Ursula von der Leyen reuniu-se com o Presidente do Senegal, Macky Sall, na semana passada para preparar cimeira UE-África

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, está otimista que a cimeira servirá para reforçar a cooperação entre os dois continentes. "Preparámos conjuntamente a cimeira de Bruxelas. As nossas duas Uniões partilham a mesma visão: a visão de um espaço comum de estabilidade e prosperidade. Esta cimeira deve identificar formas e meios concretos de o conseguir", afirmou.

Três dias antes da cimeira, o departamento das parcerias internacionais reivindicou o papel da União Europeia (UE) como principal parceiro dos países africanos contra a China e a Rússia. 

A comissária Jutta Urpilainen lembrou que a China tem uma estratégia própria para o continente africano e que a Rússia está "muito ativa" no Mali e no Sahel, adiantando que até os Estados Unidos vão organizar "a sua própria cimeira" com África. A comissária diz diz que a UE não está atrasada e prova disso é que é um parceiro "exportador e dominante" para os países africanos.

"Muita frustração" em África

Mas as relações com a União Africana (UA) têm estado em crise há já algum tempo. A cimeira UE-UA foi cancelada em 2020, oficialmente por causa da pandemia de Covid-19, embora alguns observadores acreditem que foi mais um mero cancelamento. "Foi também um sinal político", disse à DW Niels Keijzer, do Instituto Alemão de Desenvolvimento.

Carlos Lopes: Ainda vivemos um modelo colonial

Carlos Lopes: "Ainda vivemos um modelo colonial"

Um sinal vindo especialmente de África, porque a lista de desentendimentos tem vindo a aumentar cada vez mais nos últimos anos. Para Carlos Lopes, economista e professor universitário na África do Sul, há muita frustração a pressionar África a procurar novas parcerias que ajudem a industrializar o continente.

Carlos Lopes deu como exemplos a China, a Rússia ou a Turquia, que expandiram a sua influência no continente e critica o modelo da parceira com a UE. "O que ainda vivemos é um modelo colonial, onde a África é um exportador de mercadorias que não são transformadas, o valor acrescentado é muito baixo e o que estamos a ver nas discussões, por exemplo, sobre o Acordo Verde Europeu irá perpetuar ainda mais essa situação", afirma.

Pontos de discórdia

Niels Keijzer, do Instituto Alemão de Desenvolvimento, prevê o que poderá ser ponto de discórdia na cimeira: "Os países africanos e a UA preferiam implementar as políticas que já estão em vigor, enquanto a UE deu mais atenção ao desenvolvimento de novos planos e políticas. Isto tem por vezes conduzido a tensões nas relações", lembra.

A crise nas relações entre dois continentes foi agravada pela pandemia de Covid-19. Muitos chefes de Estado Africanos insurgiram-se contra a forma como a África foi penalizada na distribuição das vacinas. Atualmente, apenas 1% das vacinas administradas são fabricadas em países africanos e o projeto, embora aberto ao resto, envolve Senegal, África do Sul, Ruanda e Gana.

No entanto, a cimeira poderia ajudar a resolver pelo menos este problema, diz Carlos Lopes: "Os interesses de África incluem um acordo sobre produção de vacinas, para um melhor acesso às vacinas e uma estrutura comum de parceria. E neste momento parece que isso estará entre os resultados da cimeira."

Estão previstos 125 milhões de euros para ajudar a UA a atingir a meta de produzir 60% das vacinas que serão utilizadas no continente até 2040.

Os recursos financeiros que a Europa irá disponibilizar serão canalizados através de cinco pilares fundamentais, que são a promoção das transições "gémeas" verde e digital, a aceleração do crescimento económico e a criação de empregos, a melhoria da educação e formação ou o reforço dos sistemas financeiros. África precisa de formar 19 milhões de professores até 2030.

fonte: DW Africa

Cimeira em Bruxelas deverá lançar "novo começo" entre União Europeia e África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

É o que dizem esperar os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da União Africana, Macky Sall, numa nota conjunta, divulgada esta terça-feira (15.02).


                                  Presidente da União Africana, Macky Sall, e Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel

Os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da União Africana (UA), Macky Sall, disseram, esta terça-feira (15.02), esperar um "novo começo" entre a União Europeia (UE) e África, com a cimeira desta semana.

"A pandemia é, evidentemente, uma das razões pelas quais já passou tanto tempo desde a nossa última reunião, [mas] reforça ainda mais a dimensão excecional que ambas as partes desejam dar a esta cimeira. O objetivo é nada menos do que lançar conjuntamente as bases de uma parceria renovada entre os nossos dois continentes, um novo começo que está em construção há já algum tempo", referem Charles Michel e Macky Sall, numa posição conjunta, divulgada esta terça-feira (15.02). 

"O crescimento, a prosperidade partilhada e a estabilidade são os principais objetivos desta parceria", acrescentam os responsáveis dos dois blocos, dias antes de os dirigentes da UE e da UA, bem como dos respetivos Estados-membros, se reunirem em Bruxelas para a sexta cimeira conjunta.

"Solidariedade internacional"

Após o "teste causado pela pandemia", os líderes da UE e a da UA defendem desde logo que a "solidariedade internacional sobre pandemias e grandes crises sanitárias deve ser organizada de forma abrangente, multissetorial e inclusiva", apelando a um tratado internacional sobre pandemia concluído em março de 2024, no âmbito da Assembleia Mundial da Saúde.

Videostills I Dokumentation: Glaubenssachen Hoffen auf die Impfung - Namibia in der Pandemie

Macky Sall e Charles Michel afirmam que "solidariedade internacional sobre pandemias deve ser organizada de forma inclusiva"

Ao mesmo tempo, Michel e Sall querem que África passe a ter "melhor acesso aos recursos [...] a fim de financiar as suas enormes necessidades de desenvolvimento económico e social", o que passa por "uma iniciativa de alívio da dívida dos países pobres, [que] deveria ser posta em prática para apoiar os esforços de resiliência e recuperação dos países africanos".

Ainda no âmbito económico, está previsto que a UE disponibilize "capacidade de investimento público e privado, bem como conhecimentos especializados com as infraestruturas e tecnologias verdes que são vitais para a luta comum contra as alterações climáticas e para a transformação das economias africanas".

E numa altura em que mais de 600 milhões de africanos ainda não têm luz, "apelamos também a uma transição energética justa que tenha em conta as necessidades específicas de África, em particular a industrialização e o acesso universal à eletricidade", vincam Charles Michel e Macky Sall.

0 seconds of 0 secondsVolume 90%
 
Assistir ao vídeo04:18

África em Berlim: Sombras do passado colonial em pleno coração da capital alemã

Paz e a segurança são "prioridade"

Já observando uma "tendência perturbadora" de "ameaça crescente de conflito entre blocos", os dois responsáveis assinalam estar "convencidos de que a África e a Europa podem trabalhar em conjunto para criar um mundo melhor e mais seguro para todos, através do diálogo e da cooperação com respeito uns pelos outros". 

Michel e Sall definem ainda a paz e a segurança como "prioridades-chave" desta parceria, adiantando ser necessário "enfrentar estas ameaças comuns em conjunto, incluindo em África, e em particular na luta contra o terrorismo".

O encontro diplomático de alto nível, que se realiza na quinta-feira (17.02) e na sexta-feira (18.02) em Bruxelas, visa estabelecer as bases de uma parceria UA-UE renovada e aprofundada, esperando-se desde logo um pacote de investimento África-Europa, tendo em conta desafios mundiais como as alterações climáticas e a atual crise sanitária da covid-19, não esquecendo questões relacionadas com a estabilidade e a segurança.

No que toca à pandemia, a UE já mobilizou um apoio financeiro de 46 mil milhões de euros para ajudar 130 países, com quase um quarto desse montante - 10 mil milhões - a ser destinado a África. A UE é também uma das maiores doadoras de vacinas a África, tendo mobilizado mais de 130 milhões de doses para os países africanos e intensificado o apoio à administração de vacinas.

fonte: DW Africa

Militares russos junto à fronteira ucraniana começam a regressar às bases.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Forças militares russas perto da fronteira ucraniana começaram a regressar às bases. É o primeiro sinal de um potencial aliviar de tensões entre Moscovo e o Ocidente, que já se preparava para uma operação militar.


"As unidades dos distritos militares do Sul e do Oeste, que cumpriram as suas tarefas, já começaram a embarcar em meios de transportes ferroviários e rodoviários e iniciarão hoje o retorno às suas bases", disse o porta-voz do ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov.

Este anúncio é o primeiro sinal de um recuo de Moscovo na crise com a Ucrânia e os países ocidentais que dura desde o final de 2021.

"Juntamente com os nossos parceiros, conseguimos evitar uma nova escalada russa", reagiu o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, pouco depois do anúncio da retirada de algumas tropas russas da linha de fronteira.

A retirada também ocorre antes da reunião marcada para hoje entre o Presidente russo, Vladimir Putin, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, que será recebido no Kremlin após uma visita do seu homólogo francês, Emmanuel Mácron, na semana passada.

Vladimir Putin recebe hoje Olaf Scholz em Moscovo

Vladimir Putin recebe hoje Olaf Scholz em Moscovo

Tensão desde novembro

A tensão entre Kiev e Moscovo aumentou desde novembro passado, depois de a Rússia ter estacionado mais de 100.000 soldados perto da fronteira ucraniana, o que fez disparar alarmes na Ucrânia e no Ocidente, que denunciou os preparativos para uma invasão daquela ex-república soviética.

Em dezembro, a Rússia exigiu garantias de segurança por parte dos Estados Unidos da América (EUA) e da NATO para impedir que a Aliança Atlântica se expandisse mais para o leste e estacionasse armas ofensivas perto de suas fronteiras.

Moscovo escreveu recentemente uma carta a todos os países membros da NATO e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) pedindo-lhes que se posicionassem sobre o que entendem por segurança indivisível na Europa.

Apesar dos esforços diplomáticos, a diminuição da escalada militar e da tensão não foi alcançada até agora. A Rússia alega que tem o direito soberano de estacionar tropas em qualquer lugar de seu território e, por sua vez, denuncia o fornecimento massivo de armas à Ucrânia pelo Ocidente.

fonte: DW Africa

Rússia: Cabral e o Ovo de Colombo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A metafórica expressão "Ovo de Colombo" refere-se a soluções que encontramos para certos problemas, agindo de uma maneira que nos parece simples, comum, até natural, mas que, na verdade, houve época em que ninguém havia pensado naquilo, até que alguém planejou e resolveu agir daquela forma. Daí em diante, aquele método se tornou corriqueiro, solução óbvia; mas que nem sempre teria sido assim.

Contam que, depois do descobrimento da América, Cristóvão Colombo passou a desfrutar uma fama de dar inveja a Galileu, Gagarin ou mesmo aos Beatles. Os institutos castelhanos de pesquisa registravam homéricos índices de popularidade colombina, percentuais que, desde aquela época, só são menores do que os da popularidade de Lula, posição esta nunca alcançada por outro personagem histórico.

Certo dia, Colombo foi convidado para mais um banquete em que lhe prestariam honrosa homenagem. 

Na ocasião do evento, lá estava Colombo cercado de admiradores. Foi aí que um dos convidados, enciumado com a badalação em torno do nome de Colombo, lhe fez a seguinte pergunta: 

– Você descobriu o Novo Mundo, certamente merece reconhecimento, mas, por acaso, acredita que não existem outros homens na Espanha que poderiam ter realizado esse mesmo empreendimento?

Colombo, mantendo a fleugma, não respondeu diretamente, apenas propôs um desafio aos presentes. Pegou um ovo de galinha e desafiou todos os que ali se encontravam a colocar o tal ovo em pé, assentado sobre uma de suas extremidades.

Muitos foram os que decidiram tentar vencer o desafio. Debalde (palavra que, à época, estava em voga, assim como “em voga” era naquele momento uma expressão em voga). Todos fracassaram.

Depois de muitas tentativas, os desafiados voltaram-se para Colombo e declararam a impossibilidade de realizar aquela façanha.

Colombo pegou uma pitada de sal, espalhou um pouco num canto da mesa e assentou o ovo sobre os cristalinos grãos (há quem diga que ele bateu cuidadosamente o ovo contra a mesa até que a casca se quebrasse levemente na parte mais arredondada), e com isso foi simples colocá-lo em pé.

O homem que o havia provocado protestou: 

– Assim, qualquer um pode fazê-lo!

Colombo respondeu: 

– Sim, "qualquer um", mas... qualquer um que tivesse tido a ideia. – E concluiu: – Uma vez que eu mostrei o caminho do Novo Mundo, qualquer um, agora, poderá segui-lo. Ou seja, quem aprendeu a lição e quiser realizar o mesmo feito terá apenas que se decidir a colocá-la em prática.

Contam ainda que, entre os convidados, estava o navegador português Pedro Álvares Cabral, que, diante da lição dada por Colombo, acreditou ter aprendido a realizar grandes navegações. Cabral estava convicto de que poderia até fazer um pouco mais, chegar um tanto mais longe que seu colega espanhol. Assim pensando, o comandante português se lançou ao mar.


Dias depois de iniciar a aventura que o levaria à paradisíaca Pindorama, Cabral aportou nas Ilhas Canárias e postou uma carta a Colombo, através da qual fazia a seguinte observação: 

 

– Você nos ensinou a colocar o ovo em pé, fator considerado imprescindível para realizar grandes navegações, mas, já nestas primeiras milhas navegadas, posso lhe garantir que, com o mar agitado, mantê-lo nessa posição é praticamente impossível.


Moral: Para fazer mais que os outros, às vezes precisamos quebrar um pouco mais a casca do ovo ou aumentar a quantidade de sal em que este será apoiado.


P.S.: Há quem acredite que Lula não deve firmar certos acordos em nome da elegibilidade ou da governabilidade. Saibamos, porém, que, nesse caso, fazer mais que Lula exige firmar aliança até mesmo com Judas, ou (de mais alto risco) com Cristóvão Buarque.

 

(*)Fernando Soares Campos é escritor, autor de "Saudades do Apocalipse - 8 contos e um esquete", CBJE, Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Rio de Janeiro, 2003; "Fronteiras da Realidade - contos para meditar e rir... ou chorar", Chiado Editora, Portugal, 2018; e "Adeildo Nepomuceno Marques: um carismático líder sertanejo", Grafmarques, Maceió, AL, 2022.

fonte: pravda.ru

Total de visualizações de página