Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

domingo, 12 de janeiro de 2014

Homem tira foto após acidente de avião para colocar no facebook.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

1

Ferdinand Puentes em seu ‘selfie’ tirado logo após o acidente (Foto: Ferdinand Puentes/Facebook)
Um sobrevivente de um acidente de avião ficou famoso após publicar no Facebook um “selfie” (autorretrato) “radical”, no qual aparece de colete salva-vidas logo após o desastre,com a aeronave danificada ao fundo.
O americano Ferdinand Puentes, de 39 anos, disse à imprensa dos EUA que ainda está emocionado com o que aconteceu, há cerca de um mês.
“Quando as sirenes e os alertas do avião estavam tocando, ficou tudo quieto. Todos sabiam o que ia acontecer”, relatou Puentes.
Ele ligou sua câmera GoPro momentos antes de a aeronave – um Cessna, da companhia Makani Kai Air – cair na costa de Kalaupapa, em Molokai, uma das ilhas do Havaí.
Puentes contou que viu a água se aproximando muito rápido. Ele e os outros oito ocupantes do Cessna pularam logo que o avião se chocou contra a água.
O homem sobreviveu graças a um colete salva-vidas e a um dos assentos flutuantes da aeronave, até ser resgatado pela Guarda Costeira, cerca de uma hora mais tarde, e levado a um hospital.
Mas, antes disso, o americano ainda conseguiu tirar a foto, com parte do avião afundando atrás de si. O sobrevivente disse que, desde o dia do acidente, sua vida mudou.

O Comitê Nacional de Segurança dos Transportes dos EUA está agora investigando as causas da queda da aeronave, na qual uma passageira morreu.


Angola: General Bento Kangamba e as suas vitimas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

General Bento Kangamba e as suas vitimas


Acompanhe aqui >>Acesse o LINK 


# angola24horas.com

Isabel dos Santos é a primeira bilionária africana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A filha mais velha do presidente de Angola, Isabel dos Santos, tornou-se na primeira bilionária africana, de acordo com a revista norte-americana Forbes.

As ações de empresas cotadas em Portugal, caso do BPI e da ZON, juntamente com ativos em Angola, "elevaram o valor líquido [da fortuna de Isabel dos Santos] acima da fasquia de mil milhões de dólares, fazendo da empresária de 40 anos a primeira mulher bilionária africana", segundo a pesquisa da Forbes.
Formada em engenharia no King"s College de Londres, Isabel dos Santos abriu o seu primeiro negócio em 1997 - um restaurante chamado Miami Beach, em Luanda.
A Forbes avalia a participação de 28,8 por cento na ZON em 385 milhões de dólares, os 19,5 por cento do BPI em 465 milhões de dólares e a participação no BIC, de Angola, em 160 milhões de dólares.
Fontes consultadas pela Forbes referem que tem ainda 25 por cento da operadora de telemóveis Unitel, participação que isoladamente vale "no mínimo mil milhões de dólares", de acordo com analistas de telecomunicações.
Peter Lewis, professor da universidade norte-americana Johns Hopkins, afirmou à revista que o círculo presidencial e do MPLA "têm muitos interesses empresariais" e que as origens destes é "muito opaca", havendo "completa falta de transparência" no país.
Uma porta-voz da empresária escusou-se a prestar esclarecimentos sobre as alegadas participações detidas, mas considerou as afirmações de Lewis "especulativas, irrazoáveis e sem valor académico".
Os investimentos de Isabel dos Santos, adiantou, têm sido feitos com máxima transparência, em empresas publicamente cotadas, com base na legislação europeia.

# dn.pt

República Centro Africana: Líder muçulmano de país cristão foge rumo ao exílio na África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ampliar imagem
Milhares estão perto do maior aeroporto do país, a espera de comida

Na República Centro-Africana, um em cada cinco está refugiado devido à violência.

O ex-presidente da República Centro-Africana, Michel Djotodia, deixou o país rumo ao Benim, onde muitos analistas acreditam que ele vai buscar exílio. Ele chegou ao país neste domingo.

Djotodia é o primeiro líder muçulmano da República Centro-Africana - nação que é majoritariamente cristã. Ele chegou ao poder em março de 2013, após derrubar o presidente anterior em um golpe.

Desde o mês passado, a violência sectária entre cristãos e muçulmanos na República Centro-Africana já deixou pelo menos mil mortos. Djotodia renunciou à Presidência na sexta-feira, em uma tentativa de conter o conflito, mas milícias rivais continuam lutando.

Acredita-se que 20% da população total do país - estimada em 4,6 milhões - deixaram suas casas. A República Centro-Africana vive agora uma crise com seus refugiados, já que não há comida suficiente para todos nos acampamentos provisórios.

A ONU alertou que uma crise humanitária é iminente. Centenas de cidadãos estrangeiros estão sendo retirados do país pela Organização Internacional de Migração.

Violência sectária

O próprio Michel Djotodia chegou ao poder no ano passado com a ajuda da violência de milícias. Assim que assumiu a Presidência, ele tentou desmantelar o grupo rebelde Seleka, que apoiara sua ascensão. No entanto, o ex-presidente nunca conseguiu controlar o grupo.

A violência do Seleka deu origem a milícias cristãs. A União Africana e a França enviaram, respectivamente, 4 mil e 1,6 mil soldados para tentar conter o conflito.

A renúncia de Djotodia levou milhares de cristãos às ruas. Eles acreditam que a saída do ex-presidente abrirá caminho para a volta de um líder cristão ao país.

A história moderna da República Centro-Africana - ex-colônia francesa - é marcada por violência. Desde a independência em 1960, o país teve oito golpes de Estado.

# interjornal.com.br

Cabo Verde: PR convidado para participar na Cimeira UE/África em Abril.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Presidenrte de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca
Cabo Verde: PR convidado para participar na Cimeira UE/África de Abril.
O convite formulado por José Manuel Durão Barroso e por Herman Van Rompuy a Jorge Carlos Fonseca foi entregue na sexta-feira pelo delegado da Comissão Europeia em Cabo Verde, o diplomata português José Manuel Pinto Teixeira, num encontro mantido com o chefe de Estado cabo-verdiano.
A Cimeira UE/África tem como prioridades, entre outras, as questões da segurança e do reforço da cooperação económica. 
 "Sem paz e segurança não há desenvolvimento. Em certas regiões de África, a questão da segurança é prioritária", sublinhou Pinto Teixeira aos jornalistas.
No final do encontro, Jorge Carlos Fonseca, o representante da UE em Cabo Verde indicou também que o comissário europeu para o Desenvolvimento, o diplomata letão Andrés Piebalgs, visita o país em fevereiro próximo para analisar a cooperação bilateral, sobretudo no domínio da segurança, economia e energias renováveis.
Cabo Verde tem, desde 2008, uma Parceria Especial com a UE, que integra também uma outra, a da Mobilidade.
Em estudo, desde novembro último, está uma terceira parceria, a relativa à Segurança. 
A primeira cimeira UE/África, iniciativa que teve em Portugal um dos principais promotores, realizou-se em 2000 no Cairo, altura em que as duas partes expressaram o empenho em criar as condições para dar uma nova dimensão às relações entre os dois continentes.
A segunda decorreu em 2007, em Lisboa, e permitiu equilibrar as relações entre África e Europa, avançando-se das tradicionais doações para um sistema de parceria económica, de forma a enfrentar os novos desafios e as novas oportunidades geradas pela globalização da economia.
Trípoli, ainda no regime do então líder líbio, Muammar Kadhafi, recebeu a terceira cimeira, em 2010, tendo as duas partes definido com maior clareza os critérios para o cumprimento da Estratégia Conjunta do acordado em Lisboa, sobretudo, na transição da até então tradicional cooperação para o desenvolvimento para os Acordos de Parceria Económica (APE), cujas negociações estão ainda longe de concluídas.

# portalangop.co.ao

Total de visualizações de página