Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Martin Luther King: 1963, um ano perigoso para se ser afro-americano.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!..




Acesse o Link abaixo e leia as histórias maravilhosas desse homem que ajudou a mudar o pensamento americano pela positiva.

Martin Luther King há 50 anos.


fonte: publico.pt

Golfo da Guiné grato a Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fotografia: JA

Os Chefes de Estado e de Governo da Comissão do Golfo da Guiné apresentaram em Malabo uma moção de agradecimento ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos. O facto vem expresso no comunicado final do encontro dos líderes.
Os Chefes de Estado e de Governo, de acordo com o documento, encorajaram a necessidade da harmonização das legislações dos estados membros em matéria de segurança marítima.
O comunicado sublinha ainda que os Chefes de Estado apelaram aos Estados membros a cumprirem com as suas obrigações no concernente às contribuições para o orçamento da instituição e acolheram, com satisfação, a vontade de adesão à Comissão do Golfo da Guiné dos países da África do Oeste, designadamente o Gana, a Costa do Marfim e Libéria. Os chefes de Estado e de Governo exprimiram o seu reconhecimento ao Chefe de Estado anfitrião, Teodoro Obiang Nguema, actualmente presidente da organização, pelo acolhimento aos Chefes de Estado e de Governo da Comissão do Golfo da Guiné.
A consolidação da paz e segurança na região é um dos objectivos dos líderes da Comissão do Golfo da Guine, almejando promover a cooperação e não agressão entre os Estados, a defesa comum e a coexistência pacífica. Uma das questões que também preocupa os líderes da comissão prende-se com a insegurança marítima, resultante da pirataria, roubo à mão armada e outros actos ilícitos praticados no mar.

Chikoti passa presidência

O ministro das Relações Exteriores, Georges Chokoti, afirmou que a reestruturação do secretariado executivo da Comissão do Golfo da Guiné se deve ao agravamento da insegurança marítima na região.
Georges Chokoti passou a presidência do Conselho de Ministros da organização ao homólogo da Guiné Equatorial. Sobre o alargamento disse que a medida vem dar resposta ao papel da Comissão do Golfo da Guiné na aplicação das resoluções 2018 (2011) e 2039 (2012) do Conselho de Segurança das Nações Unidas e o acompanhamento das decisões da Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CEEAC, CEDEAO e da CGG, realizada em Junho de 2013, em Yaoundé, Camarões.
Na cimeira foi também assinado um memorando de entendimento entre as três organizações, sobre segurança no espaço marítimo da África Central e Ocidental. Georges Chikoti defendeu a necessidade de serem examinados de maneira construtiva os objectivos e estratégias relevantes da organização, para encontrar os eixos essenciais da sua actividade e continuar a contribuir para o reforço do comprometimento comum dos Estados membros, na paz e segurança do Golfo da Guiné.
A paz e segurança, a protecção do ambiente marinho da região, a harmonização das políticas dos Estados membros relativas à exploração dos recursos naturais no mar comum, foram apontados pelo ministro das Relações Exteriores como sendo a razão principal da existência da Comissão do Golfo da Guiné.
O ministro disse que Angola quando, há 12 anos, decidiu juntar-se aos Estados que se dispuseram a estabelecer a Comissão do Golfo da Guiné, assinando o seu Tratado constitutivo, fê-lo com perfeita consciência da particularidade que representava a região na África  Central e Austral. Georges Chikoti disse que as grandes preocupações dos Estados membros da Comissão do Golfo da Guiné são a pirataria, o roubo à mão armada no espaço marítimo da organização e outros actos ilícitos praticados no mar. O Golfo da Guiné compreende a zona da costa atlântica da África Central e Ocidental e estende-se para o norte, para além dos limites territoriais dos Estados membros da Comissão Golfo da Guiné.
Os Estados membros abordaram, entre outras questões, o alargamento da organização, a reestruturação do secretariado executivo, a defesa e segurança da região, a determinação de aspectos prioritários, como a defesa, paz e segurança na região do Golfo da Guiné. Foram ainda examinadas as decisões da Cimeira de Yaoundé, sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné, realizada em 24 e 25 de Junho, em que ficou decidido que a sede do Centro Inter-Regional de Coordenação fica nos Camarões, no âmbito do Memorando de Entendimento entre a CEEAC, a CEDEAO e a Comissão do Golfo da Guiné sobre a segurança no espaço marítimo da África Central e da África Ocidental.
Sobre o alargamento da Comissão do Golfo da Guiné, o Tratado da organização define as condições de adesão e de admissão de novos membros. A adesão dos países que compartilham o espaço geográfico do Golfo da Guiné e que desejam juntar-se à Comissão do Golfo da Guiné, consolidam a sua vocação de uma organização inter-regional, que alberga no seu seio os Estados pertencentes a várias comunidades de integração regional: CEEAC, CEDEAO e SADC.
Os Estados membros consideram indispensável e urgente a criação de um comité especial, encarregado das questões de defesa e segurança, no seio do secretariado, sob a autoridade do secretário executivo.Quanto à determinação de aspectos prioritários, os Estados membros definiram a defesa, paz e segurança, o combate à pirataria e outros actos ilícitos no mar, a protecção do ambiente marítimo, as comunicações marítimas, a prevenção, gestão e resolução de conflitos, a cooperação e harmonização das políticas, em termos de exploração dos recursos marinhos, a delimitação das Zonas Económicas Exclusivas.
Ao passar a presidência do Conselho de Ministros, Georges Chikoti reiterou a determinação de Angola em manter a sua vocação de ser um factor de paz, estabilidade e desenvolvimento no continente, através das organizações regionais a que pertence, entre as quais a Comissão do Golfo da Guiné.
A Comissão do Golfo da Guiné, estabelecida em 1999, é integrada por Angola, Congo Democrático, República do Congo, Nigéria, São Tomé e Príncipe, Gabão, Camarões, e Guiné Equatorial.
fonte: jornaldeangola

Benin: O novo Governo, sem Primeiro-Ministro, nomeado pelo Presidente Thomas Boni Yayi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Boni Yayi à Bruxelles, le 15 mai 2013.
Boni Yayi em Bruxelas, 15 de maio de 2013. © AFP


O Chefe de Estado do Benin, Thomas Boni Yayi, anunciou domingo, 11 de agosto à noite, a formação de seu novo governo. Três dias antes, ele tinha colocado um fim abrupto para as funções de toda a primeira equipe de seu segundo mandato. Três cargos desapareceram e o do primeiro-ministro não foi substituído.
26 membros, do governo anterior, mas não o primeiro-ministro: a composição do novo governo que constitui a presidência beninense na noite de 11 de agosto. Três dias depois, ele demitiu a equipe de governo inteiro, Boni Yayi forma uma nova equipe renovada pela metade.

"Discordâncias que opõem o Presidente Boni Yayi ao primeiro-ministro", disse um assessor do chefe de Estado à AFP. Pascal Irene Koupaki não é mais membro da nova equipe. O escritório do primeiro-ministro não está listado na Constituição do Benin.

13 membros do governo anterior foram renovados e 13 novos são introduzidos, incluindo cinco mulheres e um novo ministro para chefiar o Ministério da Defesa, até agora liderado pelo próprio presidente.

"Este é um governo de homens e mulheres da confiança do presidente, todos os membros da maioria presidencial", disse Irene Agossa, membro dos partidos políticos que apóiam o presidente.

Três pesos pesados ​​disseram adeus

Três figuras importantes do regime (Pascal Koupaki, Kogi e N'Douro Reckya Madougou) foram agraciados. "Este é um forte sinal para os outros", informou à AFP de fonte próxima ao Presidente Boni Yayi.

Pascal Koupaki e Reckya Madougou se presume que são parentes do empresário Patrice Talon, acusado de tentar envenená-lo e derrubar o chefe de Estado.

O caso da conspiração e de envenenamento, lançado em outubro, abalou o país há meses. Patrice Talon está atualmente na França, onde o juiz deve decidir sobre sua possível extradição.

>>>> A lista de novo governo
Ministro de Estado encarregado do Ensino Superior e da Investigação Científica: François Adebayo ABIOLA
Ministro do Desenvolvimento, Análise Econômica e da Perspectiva: Sr Alain Marcel de Souza
Ministros da Economia e Finanças: Sr. Jonas GBIAN
Ministro da Defesa Nacional: o Sr. Ali Yerima
Ministro do Interior, da Segurança Pública e dos Assuntos Religiosos: Sr. François HOUESSOU
Ministro da Justiça, Legislação e Direitos Humanos: o Sr. Valentin DJENONTIN
Ministro dos Negócios Estrangeiros, Integração Africana, da Francofonia e de beninense no exterior: Sr. Bako Nassirou Arifari
Ministro das Obras Públicas e Transportes: Sr. AKE NATONDE
Ministro do Ensino Secundário, Formação Técnica e Profissional, reciclagem e Integração da Juventude: Sr. Alassane Soumanou
Ministro de Ensino Maternal e Primário: Sr. Eric Kouagou N'Da
Ministro da Saúde: Ss. Dorothy Akoko kinde Gazard
O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca: Sra. Fatuma DJIBRIL
Ministro do Trabalho e Serviço Público, da reforma administrativa institucional e para o diálogo social: Sr. Marcial SOUTON
Ministro Responsável pela Gestão de Mudanças Climáticas, Reflorestamento e Proteção de Recursos Naturais e Florestais: Sr. Raphael Edou
Ministro do Meio Ambiente, Saneamento, Planejamento Urbano e Habitação: Sr. Christian SOSSOUHOUNTO
Ministro da Energia, Petróleo e Pesquisa de Mineração, Água e Desenvolvimento de Energia Renovável: Sr. Bartholomew Dahoga KASSA
O ministro da Cultura, Educação, Artesanato e Turismo: Sr. Michel Abimbola
Ministro Responsável pela Avaliação de Políticas Públicas e Programas de desnacionalização: Sr. Antonin Dossou
Ministro das Comunicações e Tecnologia da Informação e Comunicação: Sr. Komi Koutche
Ministro encarregado de Microfinanças,  de emprego de jovens e mulheres: Sr. Françoise Assogba
Ministra da Juventude, Esporte e Recreação: Sra. Naomie Azaria
Ministro da Indústria, Comércio, Pequenas e Médias Empresas: Sr. AFFO IDRISSOU Safiou
Ministra da Família, dos Assuntos Sociais, Solidariedade Nacional, as pessoas com deficiência e terceira idade: Sra. Marie-Laurence SRANON Sossou
Ministro da Administração Local, do Governo Local, Administração e Planejamento: Sr. Isidoro GNONLONFOUN
Ministro encarregado das relações com as instituições: Sr. Bio Toro Orou GUIWA
Ministro da Economia Marítima e Portuária Infra-estrutura: Sr. Martine DOSSA Adjouavi Françoise

fonte: jeuneafrique.com

Total de visualizações de página