Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Entebbe - o ataque humilhante a Idi Amin e que quase causou a guerra entre as populações da África do Leste.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O falecido Idi Amin. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

Era uma manhã após a noite anterior.

Como muitos moradores de Entebbe, a península sonolenta que se lança sobre o Lago Victoria, 40 km da capital, Kampala, Chris Luvunia tinha ouvido os tiros e visto as explosões que iluminavam o céu nocturno.

Da casa em Nsamizi colina que ele dividia com outros três jovens assistentes do controle de tráfego aéreo, o Sr. Luvunia, então com 26 anos, tinha uma visão de vista do Aeroporto Internacional de Entebbe, que circundava a borda da península.

Ele só tinha sido admitido no trabalho há alguns meses depois de completar a sua formação em Dar es Salaam e sua primeira suposição era que os tiros e explosões eram de uma tentativa de golpe.

Olhar atordoado

"Nós vimos um soldado andando na direção do aeroporto, olhando atordoado," Sr Luvunia, agora aposentado, lembra.

"Partimos do pressuposto de que o governo tinha caído e que algo tinha dado errado no aeroporto."

Na manhã seguinte, nós enquanto residentes, envolto e com medo, ficamos dentro de casa, o Sr. Luvunia seguiu-se para o trabalho no aeroporto.

O lugar estava deserto.

Os soldados que guardavam toda a instalação pareciam estar sofrendo de choque.

A pista

Como de costume, o Sr. Luvunia e um colega começaram com uma inspecção da pista, olhando para fora para detritos e outros objetos que possam prejudicar aeronaves que decolaram ou o desembarcaram..

Primeiro, eles encontraram estranhas luzes portáteis ao longo da borda externa da pista.

Ao chegarem à seção VIP do novo edifício do terminal eles caminharam direto para um grande grupo de soldados fortemente armados, alguns à paisana, segurando fuzis AK-47.

Passeio na frente do grupo foi uma agitada e perturbada os passos de Idi Amin.

"Amin parecia completamente desmoralizado, diz Luvunia.

Um homem enorme

"Eu me achava mais alto que ele ainda, mas ele era um homem enorme."

Logo ficou claro que os tiros e explosões da noite anterior tinham sido provenientes de uma operação realizada pelas forças de segurança israelenses para resgatar 104 reféns mantidos no terminal do aeroporto de petróleo em Entebbe.

A invasão em Entebbe foi mitificada em livros, artigos e filmes.

O heroísmo das forças especiais Sayaret Matkal israelenses, a morte do comandante da missão Yonatan Netanyahu, a euforia que se seguiu.

Uma história não contada, senão 40 anos mais tarde, por Yonatan irmão Benjamim, agora primeiro-ministro de Israel, que visita Entebbe, e que os homens e mulheres que trabalhavam no aeroporto o viram, as brechas os comandos israelenses explorados, e os efeitos a longo prazo de ataques em Uganda, na região, e as relações de Israel com a África.

Os homens foram mortos

Como parte da razão é que alguns desses homens estão mortos.

Embora muito tenha sido escrito sobre Dora Bloch, o refém britânico-israelense levado de sua cama de hospital e assassinado depois de ter sido deixado para trás no resgate, pouco tem sido dito aos ugandenses sobre contra quem Amin transformou sua fúria.

Pouco depois do ataque, agentes da temida Bureau de Investigação do Estado de Amin entrou em ação e prendeu Fabian Rwengyembe, um novo oficial casado e a serviços de navegação, que estava prestes a sair para a sua lua de mel.

Eles também prenderam seu vice, Lawrence Mawanda, e Mohammed Muhindo, o controlador de tráfego aéreo que tinha estado em serviço na noite do ataque.

Quando seus corpos acabaram por ser descobertos, parentes foram capazes de identificar fora, que Mawanda tinha sido assassinado pregadondo em sua cabeça os pregos e que os três tinham sofrido mortes horríveis.

Wycliffe Kato, o diretor-geral assistente da Autoridade de Aviação Civil, foi preso dois meses depois e torturado, mas escapou sob custódia de partir para o exílio.

Sem testemunhas credíveis, portanto, a comissão de inquérito sobre o ataque que foi liderado por Idi Amin revelou a existência de um exercício superficial.

Fatores críticos

Entrevistas com sobreviventes revelaram que vários fatores críticos permitiram que o ataque tivesse sucesso.

Poucos dias antes do ataque, o Major Were, o chefe da recém-formada Uganda Airlines Corporation, ordenou que o avião de passageiros estacionado no terminal velho, onde os reféns estavam sendo mantidos, muda-se para o edifício do terminal recém-construído.

"Os contingentes militares estavam preocupados de que os israelenses iriam tentar resgatar os reféns como haviam feito em outros casos de sequestro, mas deixaram Amin saber de tudo", um soldado aposentado lembra, falando sob condição de anonimato.

"Ele tirou-o de lado porque era arriscado insistir com o grande homem."

Durante toda a situação de refém, Amin tinha jogado uma corda bamba, oscilante entre apoiar e proteger os tomadores de reféns, e buscando uma resolução pacífica da questão.

Por exemplo, enquanto ele empurrou Israel a ceder às exigências dos sequestradores (a libertação da prisão de vários suspeitos, dúzia de terror), apresentou-se aos reféns como seu aliado e enquanto eles foram mantidos em condições cruéis, eles foram autorizados para algumas intervenções; por exemplo, Ilan Hartuv, o filho de Dora Bloch, foi autorizado a falar com um médico no hospital de Mulago para obter informações sobre a saúde de sua mãe.

O gigante brutal

Era um jogo perigoso para o gigante brutal.

Aqueles que querem paz, preparam-se para a guerra, observou Vegetius no antigo de texto em latim, Epitoma Rei Militaris, e enquanto os israelenses fizeram exatamente isso - jogando junto com as negociações, enquanto se preparavam para o ataque - o Amin parecia ter sido levado por seu próprio ato.

Qualquer um que tentasse ligar para a torre de controle em Entebbe, nos dias imediatamente antes do ataque, teria notado que a chamada foi atendida por uma voz em Jerusalém, a capital de Israel, diz Luvunia.

Isso foi um sinal de aviso claro, como foi a prova de 1973, disse Yom Kippur sobre a guerra e que Israel tinha capacidades de bloqueio dos radares que poderão ser implantados em Entebbe.

De fato, enquanto os pilotos da Força Aérea de Uganda sabiam uma coisa ou duas sobre Jets (uma habilidade que alguns deles tinha aprendido com os israelenses), os operadores de radar foram mal treinados e não tão bom como os operadores civis.

Apesar disso, era muito pobre a coordenação entre os operadores de radares civis e militares e o exército de Israel continuou a desempenhar suas tarefas sem que estes últimos percebessem qualquer coisa.

Este foi um erro caro.

Tráfego aéreo civil

Por exemplo, de acordo com Steven Carol de Jerusalém frisando o livro - o Leão de Judá e além, um livro sobre a política externa de Israel na África, no dia 2 de julho, um agente do Mossad voou de Londres para Nairobi, ele alugou um avião, fingiu uma emergência em um voo para Entebbe, fotografou o edifício do terminal e enviou as fotografias de volta para Israel a partir de Nairobi.

Enquanto os oficiais de controle de tráfego aéreo civil que teriam dado orientação para esta aeronave que supostamente está aflito, pilotado por inteligência militar teria sido obrigado a pousar para futuras investigações.

No rescaldo do ataque, e em uma tentativa de colmatar esta lacuna, o regime de Amin impôs uma exigência para todos os voos não-regulares no espaço aéreo de Uganda para obter a aprovação prévia por escrito - uma exigência que permanece até hoje.

A junta de Amin também prestou pouca atenção para outro fato importante - que uma empresa israelense, Solel Boneh, tinha construído o edifício do terminal em Entebbe e ainda possuía as plantas, que prontamente foram entregues para os planejadores da invasão.

"Olhando para trás agora, ficou claro que um ataque estava vindo", o soldado aposentado diz, "e nós não fizemos o suficiente para proteger as instalações".

Àbeira da piscina

Um dos primeiros relatos sobre o ataque proferidos por Willy Lützenkirchen, o Die Welt correspondente de África que estava comemorando seu aniversário de 28 anos à beira da piscina do Hotel Lago Vitória, em Entebbe, com o Safari, a Sexta banda tocando, foi quando as explosões eclodiram.

"Eles assistiram com desespero ao longo de toda emissão pela (sic) do golpe", escreveu ele, salientando a infelicidade dos soldados de Uganda depois de terem sido cercadodos de surpresa.

Era o mesmo Luvunia em choque e desespero quando encontrado no aeroporto na manhã seguinte, mas o ataque traria pelo menos duas consequências a longo prazo.

A primeira foi relações com o Quénia, que tentou, sem sucesso, para negar ter dado uma mão ajudando na operação, mas que, em seguida, respondeu a ataques contra seus cidadãos (um relatório no Daily Nation alguns dias depois do ataque revelou-se os 245 quenianos mortos em Uganda), restringindo severamente o fluxo de caminhões de combustível através da fronteira, forçando um racionamento de combustível imediato no país vizinho.

Em 9 de julho, o Daily Nation citou que John Mollo, o secretário-geral da União Ferrovias e Harbour, perguntou se "estava tudo em ordem, e de fato sensível, para a gestão das ferrovias no Quênia para continuarem serviços operacionais através da fronteira do Quénia com Uganda ".

Desaparecimento eventual

Amin foi acusado de tentar atacar o Quênia, em retaliação, mas com a sua frota de aviões de combate destruídos no ataque e o seu exército sofrendo baixa moral, pensou-se contra ele; mas o ataque - e o papel do Quênia confrontando ele - tinha colocado a Comunidade do Leste Africano, já vacilante nesse ponto, e tinha na estrada a eventual extinção para o ano seguinte.

O maior impacto foi sobre as relações de Israel com o resto da África, que, também, já preocupava naquele momento sobre a questão palestina, e sobre relações de Israel com o o regime de apartheid na África do Sul.

A condenação indignada do ataque pela Organização da União Africano (OUA) reunião nas ilhas Maurícias, e que Idi Amin tinha sido eleito presidente no ano anterior, foi seguido por um confronto na ONU entre os estados árabes que pedem uma resolução no Conselho Africano e condenando o ataque, por um lado, e, por outro, por Israel e seus aliados, em particular os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, pressionarem por uma resolução, condenando o terrorismo internacional e o papel de Amin no seqüestro do voo 139 da Air France .

Quatro décadas depois, o mundo mudou muito.

Mercado de eletrônicos

O Concorde, entrou em serviço, cortando vôos transatlânticos a três horas e meia, e depois virou fumaça.

Steve Jobs e Steve Wozniak formaram Apple, que agora domina o mercado de consumo de eletrônicos.

O regime do apartheid na África do Sul entrou em colapso; Nelson Mandela foi eleito, a liberdade conquistada, ele aposentou-se, depois descansou.

O conflito Israel-Palestina permanece, assim como os abismos revelados pelos acontecimentos de 1973 e 1976, mas o mundo também está mudando.

Idi Amin encontra-se em uma sepultura na Arábia Saudita.

O primeiro-ministro Yitzhak Rabin, que descreveu o ataque como "contribuição de Israel para a luta contra o terrorismo, foi assassinado por um de seus próprios, por considerarem a sua vontade de implementar a paz com os palestinos.

Durante todo o fluxo e refluxo das marés da história, os acontecimentos em Entebbe em julho de 1976 garantiram que Uganda, África Oriental e Israel nunca mais seriam a mesma coisa.

#africareview.com

ONU APOIA CONFERÊNCIA SOBRE RECONCILIAÇÃO NA GUINÉ-BISSAU.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Rondas para preparar evento de novembro terminam este domingo; participantes debateram crise guineense em reuniões em Bissau e Biombo; Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da Paz apoia iniciativa.

“A corrupção, intolerância e a impunidade” estão entre as questões a ser abordadas na conferência sobre a reconciliação nacional na Guiné-Bissau, agendada para novembro. Os temas são considerados como estando “na origem dos problemas que o país vive”.

Verdade e Reconciliação 

Este domingo encerrou a série de conferências preparatórias realizadas em todas as regiões.

Os participantes de três reuniões referentes às conferências de Bissau e Biombo indicaram "o egoísmo e a falta de ética no exercício político" como razões para o momento crítico.

Caminhos 

O processo conta com apoio do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Uniogbis, mandatado pelo Conselho de Segurança para apoiar um diálogo político inclusivo e o processo da reconciliação nacional.

Em entrevista a Rádio ONU, a porta-voz da Uniogbis, Júlia Galvão Alhinho falou dos trabalhos em curso.

Causas

"Restituir as comunidades nas várias regiões a conclusão da primeira ronda de consultas, levadas a cabo em 2011, das consultas saíram recomendações, identificação das causas de conflito e sugestões sobre como resolver e agora está se a devolvê-las a comunidade para saber se é preciso atualizar ou não o relatório".

O Conselho de Segurança aponta a inclusão de medidas concretas de combate à impunidade e o julgamento de responsáveis por assassinatos políticos, inversões da ordem constitucional e tráfico de drogas como essenciais a qualquer solução duradoira para a instabilidade na Guiné-Bissau.

Exemplos 

Para a também chefe do Gabinete da Informação Pública do Uniogbis, a escolha dos mecanismos de reconciliação que o país vai adotar caberá aos guineenses. Segundo ela, não faltam exemplos de outros países e modelos de diálogo e reconciliação.

"Nesta conferência nacional, agendada para novembro virão delegados de todas as regiões do país e de todos os setores da sociedade e são estes delegados que vão aprovar este relatório final e escolher qual é o mecanismo de reconciliação que a Guiné-Bissau vai adotar".

Raízes 

Os encontros debateram conclusões preliminares sobre as raízes do conflito e produziram dados para o relatório final.

O documento deve ser adotado na conferência Caminhos para a Paz, que vai destacar o perdão e um diálogo franco entre os guineenses.

Os trabalhos para o evento são sendo coordenados por uma comissão criada pela Assembleia Nacional Popular e dirigida pelo padre Domingos da Fonseca.

Amatijane Candé, da Rádio ONU em Bissau com Conosaba do Porto

«COMUNICADO À IMPRENSA» STOP AS PRESEGUIÇÕES POLITICAS NA GUINÉ-BISSAU! – Espaço de Concertação Politica/Diáspora-Europa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...





Partido Africano da Independência da Guine e Cabo Verde
Partido da Convergência Democrática
União para a Mudança
Partido da Unidade Nacional
Movimento Patriótico
Partido da Solidariedade e o Trabalho
  
O espaço de Concertação Política na Diáspora-Europa, liderado pelo PAIGC e que congrega os partidos Políticos PCD, UM, PUN, MP e Pst, reuniu-se, hoje em Lisboa, para proceder à analise da gravíssima situação que prevalece neste momento na Guiné-Bissau e referente à onda de perseguições ilegais e ajustes de contas inadmissíveis desencadeada pelas Autoridades guineenses contra os altos dirigentes do PAIGC e dos partidos aliados e os membros do II Governo Constitucional do PAIGC liderado pelo Eng.º Carlos Correia, distinto Combatente da Liberdade da Pátria e por três vezes Primeiro-ministro da República da Guiné-Bissau.

Tendo em devida conta as pesadas acusações elencadas pelo PAIGC, apoiado pelos restantes partidos do Espaço de Concertação Política, na sua Nota à imprensa do dia 21 de junho corrente, contra as Autoridades golpistas da Guiné-Bissau que estão a levar a cabo, atos de perseguição e de violação dos direitos humanos e políticos fundamentais no país, nomeadamente dos dirigentes partidários, membros e apoiantes do Governo Constitucional liderado por Carlos Correia;

Extremamente preocupados com as inquietantes informações que nos chegam de Bissau referentes às persistentes tentativas das Autoridades golpistas guineenses para o levantamento ilegal de imunidade parlamentar ao Eng.º Domingos Simões Pereira, Presidente do PAIGC e Líder do espaço de Concertação Política cisando submete-lo a coações e atrocidades e às restrições ilegais de livre circulação de 8 membros do II Governo Constitucional do PAIGC, incluído do seu chefe, Eng.º Carlos Correira decretadas pelas mesmas autoridades;
Informados de que a maioria dos dirigentes políticos do nosso Espaço de Concertação Politica e alguns jornalistas e blogueiros da Guiné-Bissau não dormem em suas casas com o fundado medo de serem presos e torturados à calada da noite pelas Autoridades golpistas guineenses;

Considerando que as Autoridades golpistas do país deliberadamente atentam contra os órgãos de comunicação social do país, particularmente, contra os blogues e blogueiros.
Os partidos, membros do Espaço de Concertação Politica na Diáspora-Europa, decidem:

1.       Exigir, em uníssono: Stop às perseguições políticas na Guiné-Bissau! e que as autoridades golpistas cessem imediatamente as perseguições, as ameaças e atropelos aos direitos humanos e políticos contra os opositores políticos na Guiné-Bissau
2.       Manifestar a sua solidariedade indefetível para com o PAIGC denunciando e condenando, de forma veemente possível, os atos de perseguição e de violação dos direitos humanos e políticos que as Autoridades Golpistas guineenses estão a levar a cabo no nosso país contra os opositores políticos, membros e apoiantes do II Governo Constitucional do PAIGC liderado pelo Eng.º Carlos Correia, distinto Combatente da Liberdade da Pátria.
3.       Condenar veementemente as vãs tentativas de levantamento ilegal de imunidade parlamentar ao Deputado Eng.º Domingos Simões Pereira visando submete-lo a coações e atrocidades urdidas pelas Autoridades golpistas guineenses e responsabilizar pessoalmente os Senhores Presidente da República, Procurador-Geral da República e Primeiro-ministro ilegal pela integridade física do Presidente do PAIGC e Líder do Espaço de Concertação Política.

4.       Exigir o fim imediato às restrições ilegais de livre circulação de 8 membros do II Governo Constitucional do PAIGC, incluindo do seu chefe, Eng.º Carlos Correia, que as Autoridades golpistas estão ilegalmente impondo aos nossos dirigentes e manifestar a sua solidariedade militante para com ex-ministra da saúde pública Dra. Cadi Seidi, ex-ministra da mulher, família e coesão social, Dra Valentina Mendes, o ex-secretário de Estado da Administração interno, Dr Luís Manuel Cabral, o ex-secretário das Pescas, Engº Ildofonso Barros e a senhora militante do PAIGC, Nhaga Bambo Mané.
5.       Exigir o fim imediato à caça às bruxas e ao medo instaurados pelas Autoridades golpistas contra os opositores políticos, jornalistas e blogueiros da Guiné-Bissau.
6.       Exigir que as Autoridades golpistas cessem de atentar contra os órgãos de comunicação social na Guiné-Bissau e a restauração da Liberdade de imprensa no nosso país.
7.       Apelar às autoridades políticas portuguesas e europeias bem ainda às organizações da sociedade civil de Portugal e à comunidade internacional, em geral, paras pressionarem o senhor Presidente da República e o seu Governo Inconstitucional e ilegal de Iniciativa Presidencial para que cessem imediatamente as perseguições políticas, as ameaças, os ajustes de conta e outros atos ilegais e antidemocráticos que atentam contra as Liberdades políticas, os Direitos Humanos e a Democracia pluralista na República da Guiné-Bissau.



Feito em Lisboa aos 05 dias do mês de Julho de 2016

O Espaço de Concertação Política/ Diáspora-Europa



PAIGC  PCD  UM  PUN  MP  PST

Total de visualizações de página