Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

domingo, 5 de julho de 2015

Massacre de Setembro de 2009 na Guiné-Conacry: "progressos significativos" na investigação, de acordo com TPI.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fatou Bensouda, procuradora da CPI. © AFP

"Os progressos significativos e encorajadores têm sido feito no âmbito do inquérito sobre o massacre que vitimou pelo menos 157 pessoas em setembro de 2009 em Conakry, a capital guineense", disse no sábado a promotora do Tribunal Penal Internacional (TPI), Fatou Bensouda.

"Eu vim a Guiné para rever a investigação judicial concernente aos crimes de 28 de Setembro de (2009), realizados pelas autoridades guineenses, em conformidade com a sua obrigação primeiro de prosseguir e julgar os autores de crimes pela jurisdição do TPI ", disse Bensouda, em entrevista coletiva ao longo de uma visita de três dias ao país.

"A este respeito, eu reencontrei as autoridades guineenses, os magistrados encarregados do dossiê, os representantes da comunidade internacional, a sociedade civil e as vítimas. Na sequência dessas reuniões, eu constatei um progresso significativo e encorajador na investigação conduzida pela associação de juízes de iinstrução ", afirmou ela, na presença notadamente do ministro da Justiça guineense, Cheick Sako.

A violência de 28 de setembro de 2009 ocorreu em um estádio em Conakry, onde se reuniram milhares de opositores à candidatura à eleição presidencial do capitão Moussa Dadis Camara, chefe da junta militar no poder na época.

As avaliações preliminares do TPI em curso

Pelo menos 157 pessoas foram mortas e muitas dezenas foram atingidos depois por disparos, segundo um relatório elaborado pela Comissão Internacional da Investigação da ONU. Da mesma fonte, pelo menos 109 mulheres também foram estupradas no estádio e seus arredores.

As avaliações preliminares do TPI, antes da abertura de qualquer inquérito em curso na Guiné.

Diversas fontes judiciárias e no seio das ONGs de defesa dos direitos do Homem haviam relatado uma vintena de acusações contra os militares e civis no contexto do inquérito judicial sobre o massacre, aberto em 2010.

"Pelo menos 14 pessoas foram acusadas e mais de 500 testemunhas-chave e as vítimas foram ouvidas", disse Fatou Bensouda no sábado.

O Capitão Moussa Dadis Camara, no exílio em Burkina Faso desde 2010, não faz parte dos culpados. Ele foi ouvido como testemunha em Ouagadougou. A Justiça guineense agora quer acusá-lo, de acordo com ONGs locais e internacionais.

Ele anunciou recentemente a sua intenção de regressar à Guiné para se apresentar as eleições presidenciais, cuja primeira rodada está prevista para 11 de outubro.

Na conferência de imprensa, o ministro Sako disse que seu país não vai fugir às suas responsabilidades nesta matéria. "A Guiné é obrigada a desempenhar o seu papel", disse ele.

Das disposições que são tomadas para permitir que o conjunto de três magistrados encarregados do trabalho de investigação em toda sua dimensão, segundo um comunicado do governo divulgado neste sábado.

É essencial para evitar que novos crimes sejam cometidos.
Fatou Bensouda indicou igualmente que o seu novo movimento também foi de carácter preventivo, com a aproximação das eleições na Guiné.

"Temos de evitar que novos crimes sejam cometidos, em qualquer que seja a situação e as circunstâncias. Sabemos que a violência pode surgir nas eleições ", disse ela.

"Como eu fiz em 2010 (ano que precedia à eleição presidencial, Etc), apelo a todos os atores políticos na Guiné para garantirem que as eleições serão realizadas em um ambiente calmo e os seus apoiantes a abster-se-ão da violência" , acrescentou.

A oposição contesta o calendário eleitoral para as eleições presidenciais e locais outubro e das eleições locais em março 2016 - ela contesta as eleições locais antes da presidencial - acusa o poder de preparar fraude. O protesto foi marcado por manifestações de Abril que resultaram em várias mortes e dezenas de feridos.

Um diálogo entre o governo e a oposição ocorreu em 19 de junho sem definição sobre o cancelamento da data de março 2016 para as eleições locais. Mas o desacordo entre os dois campos persiste na possibilidade da realização de eleições locais antes da eleição presidencial.

#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página