Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 5 de novembro de 2011

Sirleaf exorta liberianos para votar apesar de boicote de Tubman.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ellen Johnson Sirleaf marca o comportamento de sua rival como inconstitucional.

O Presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, disse que o segundo turno da eleição presidencial seguirá em frente na terça-feira, apesar da retirada de seu adversário.
Ela instou liberianos para ignorar um boicote exigido por seu rival, Winston Tubman.
Sr. Tubman, que obteve 32,7% no primeiro turno em outubro, disse na sexta-feira que não iria participar no segundo turno.
Ele adotou à oposição contra a Sra. Sirleaf, que obteve 43,9% dos votos.
Ele acusou a Sra. Sirleaf de tentar ressuscitar um estado de partido único.
"A maquinaria eleitoral ainda é falho, como foi no primeiro turno", disse ele.
Mas ela o acusou de violar a Constituição, exortando as pessoas a desistir de seu direito de voto.
"Não sucumbir ao medo e intimidação. Não permitir que qualquer político mantenha o nosso país como refém", disse a Sra. Sirleaf  em um programa de rádio à nação.
"Não permita que o Sr. Tubman reclame do falso boicote, o que ele está fazendo é perdendo os direitos das finais porque teme a derrota", disse ela.

Winston Tubman, falando com jornalistas em sua casa em Monrovia em 08 de outubro de 2011  
Sr. Tubman disse que a fraude marcou a primeira rodada de votação, mas observadores internacionais discordam.
"Abster-se de violência" 
A segurança foi intensificada na capital, Monróvia, com junta das Nações Unidas na Libéria e comboios da polícia patrulhando as ruas em baixa velocidade com as sirenes adiante. A ONU, que mantém uma força de paz de 9.000 homens fortes no país, emitiu uma declaração após a convocação de boicote, pedindo aos liberianos para absterem-se de violência.
O Departamento dos EUA  disse no sábado que estava desapontado com a decisão do Congresso do partido Sr. Tubman para a Mudança Democrática (CDC).
"Opinião do CDC de que a eleição no primeiro turno foi fraudulento é infundada", o porta-voz do Departamento de Estado Victoria Nuland disse em um comunicado.
Observadores internacionais também disseram as urnas haviam sido pacífica e transparente.
Ponto de vista do jornalista:
Winston Tubman dirigia palavras fortes para Ellen Johnson Sirleaf, quando falei com ele por telefone.
Ele a acusou de colocar a tirania no lugar. Mas ele acreditava que pedindo um boicote seria uma forma de mostrar que ela não teria legitimidade quando ela fosse re-eleita.
Os críticos argumentam que a matemática simplesmente não é favorável ao Sr. Tubman e o boicote é a última carta que ele poderia jogar, sabendo que ele pode perder um segundo turno. Mais importante, é que o seu apelo a um boicote coloca em jogo a legitimidade da democracia frágil na Libéria.
Se o povo liberiano votar em grande número, apesar da chamada da oposição, a Sra. Sirleaf será capaz de reivindicar a vitória completa. É um momento crucial para o estado Oeste Africano lutando para se recuperar da guerra mais sangrenta que já aconteceu na região.
O novo chefe da comissão eleitoral da Libéria, Elizabeth Nelson, disse que a votação presidencial iria adiante como planejado.
O ex-chefe da comissão eleitoral, James Fromayan, renunciou na semana passada após o CDC do Sr. Tubman reclamar que ele foi preconceituoso.
Mas o partido havia apelado para outras verificações e balanços que tinham que ser postas em prática para que o Sr. Tubman tome parte na votação.

Sra. Johnson Sirleaf.
Ela tornou-se o chefe do sexo feminino da África eleito pela primeira vez no estado após as eleições de 2005, após o fim da guerra civil da Libéria de 14 anos em que 250.000 pessoas foram mortas.
Estas são as primeiras eleições do pós-guerra organizado por liberianos - a pesquisa anterior foi executado pela ONU.
Sr. Tubman é um enviado da ONU e ex-sobrinho do presidente da Libéria mais tempo de serviço. Seu companheiro de chapa é o ex-futebolista George Weah, que foi derrotado pela Sra. Sirleaf na pesquisa de 2005.
O ex-líder rebelde Prince Johnson, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno com 11,6%, instou os seus apoiantes para apoiar a Sra. Sirleaf.

fonte: voanews

A libertação exige declarações de Laurent Gbagbo / UE levanta a sua voz: Há 7 anos atrás bombas caíram sobre Bouake e Korhogo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...