Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Guiné Conacry festeja hoje (02/10) 56 anos de independência.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Foto: guineeconakry.info | Presidente Alpha Condé

A República da Guiné Conacry festeja hoje, 2 de Outubro, o seu quinquagésimo quinto aniversário da independência (1958) do regime colonial francês.


O período colonial da Guiné se iniciou quando as tropas francesas penetraram na região em meados do século XIX.  
A dominação francesa foi assegurada ao derrotarem as tropas de Samory Touré, guerreiro de etnia malinke, o que deu aos franceses o controlo do que é hoje a Guiné, e de regiões adjacentes.  
A França definiu, em fins do século XIX e início do XX, as fronteiras da actual Guiné com os então territórios britânico e português que hoje formam, respectivamente, a Serra Leoa e Guiné-Bissau.  
Negociou ainda a fronteira com a Libéria. Sob domínio francês, a região passou a ser o território da Guiné dentro da África Ocidental Francesa, administrada por um governador-geral residente em Dakar (actualmente, capital do Senegal).  
Tenentes-governadores administravam as colónias individuais, incluindo a Guiné. Liderados por Ahmed Sékou Touré, líder do Partido Democrático da Guiné (PDG), que ganhou 56 das 60 cadeiras nas eleições territoriais de 1957, o povo da Guiné decidiu em plebiscito, por esmagadora maioria, rejeita a proposta de pertencer a uma Comunidade Francesa.  
Os franceses se retiraram rapidamente e, em 2 de Outubro de 1958, a Guiné se tornou um país independente, com Sékou Touré como presidente.  
Sob o governo de Touré, o país conheceu uma ditadura de partido único, com uma economia fechada de carácter socialista, e intolerante a direitos humanos, liberdade de expressão ou oposição política, a qual foi brutalmente suprimida.  
Antes acreditado por sua defesa de um nacionalismo sem barreiras étnicas, Touré gradualmente passou a depender de seu próprio grupo étnico, os malinkés, para preencher posições em seu governo. 
Alegando tentativas de golpe oriundas do exterior e do próprio país, o regime de Touré visou inimigos reais e imaginários, aprisionando milhares em prisões similares aos soviéticos, onde centenas pereceram. 
A repressão do regime levou mais de um milhão de pessoas ao exílio, e a paranóia de Touré arruinou as relações com países estrangeiros, incluindo países africanos vizinhos, aumentando o isolamento económico da Guiné. 
Sékou Touré morreu a 26 de Março de 1984 e uma junta militar, encabeçada pelo coronel Lansana Conte, tomou o poder a 3 de Abril de 1984.  
O país continuou sem eleições democráticas até 1993, quando foram realizadas, e Lansana Conté ganhou-as numa disputa apertada.  
O presidente foi reeleito em 1998 e foi severamente criticado ao prender, em 1999, um importante líder de oposição.  
Em 22 de Dezembro de 2008, o presidente Conté faleceu, aos 74 anos, após um reinado de 24 anos, tendo sido substituído por uma junta militar que, aproveitando-se da valência no poder, anunciou através do capitão Musa Dadis Camara um golpe de estado, que suspendeu a constituição e as instituições republicanas do país.  
Desde 23 de Dezembro de 2008, em virtude da morte do presidente, Lansana Conté, foi suspensa a Constituição, assim como toda actividade política e sindical em virtude de golpe de estado aplicado por militares da Guiné.  
A Guiné situa-se na costa atlântica da África ocidental e faz fronteiras com a Guiné-Bissau, Senegal, Mali, Cote d'Ivoire, Libéria e a Serra Leoa. 
O país divide-se em quatro regiões geográficas: uma faixa costeira estreita (a Baixa Guiné); as terras altas cobertas de pastagens de Fouta Djallon (a Média Guiné); a savana do norte (a Alta Guiné); e uma região de floresta húmida no sueste (a Guiné Florestal).  
Os rios Níger, Gâmbia e Senegal pertencem ao grupo dos 22 rios da África Ocidental que têm as suas nascentes na Guiné. 
A região costeira da Guiné e grande parte do interior têm um clima tropical, com uma estação das chuvas entre Abril e Novembro, temperaturas relativamente elevadas e uniformes, e humidade elevada. 
A média anual das temperaturas máximas em Conacry é de 29 °C e das mínimas é de 23 °C; a precipitação média anual é de 430 centímetros.  
A Alta Guiné, que pertence ao Sahel, tem uma estação das chuvas mais curta e maior amplitude térmica diária.  
A economia da Guiné é directamente beneficiada pela grande quantidade de minerais presentes em seu território, possuindo um terço das reservas de bauxite já descobertas no planeta, 1,8 bilião de toneladas métricas de minério de ferro, grandes depósitos de diamante e de ouro e quantidades ainda indeterminadas de urânio.  
A Guiné tem também um potencial de crescimento considerável para sectores como agricultura e pesca. A terra, a água e as condições climáticas favorecem a agricultura e a agro-indústria em grande escala. 
O Presidente da República é Alpha Condé, no poder desde Dezembro de 2010.

Obs.: em virtude do fuso horário diferente (Brasil 3hs a menos, são 23:35h), você está vendo essa publicação do dia 01/10, mas na África Ocidental é o dia 02/10, e são 02:35h. 
# portalangop.co.ao




Ex-guarda presidencial de Ruanda em "detenção preventiva".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Ex-comandante da guarda presidencial de Ruanda Tom Byabagamba foi condenado a 30 dias de "prisão preventiva" pelo tribunal militar de alta corte, disseram fontes judiciais. 

Col Byabagamba está a aguardar julgamento por supostamente cometer crimes contra a segurança do Estado. 

As acusações contra o Col Byabagamba, de acordo com o Ministério Público Militar, inclui incitar uma insurreição ou problemas entre a população; manchando a imagem do país ou do governo, ao contrário do artigo 660, e esconder objetos que foram utilizados ou destinados para cometer um delito contrário ao artigo 327 do Código Penal. 

Um juiz do tribunal militar de alta corte no Nyamirambo, subúrbio de Kigali disse que a decisão foi tomada para permitir que novas investigações possam ocorrer sobre o caso. 

Espalhar rumores 

Diz-se que as provas apresentadas contra o ex-comandante da guarda presidencial consistuem, nomeadamente, uma mensagem de texto de telefone (SMS), enviado a um de seus colegas militares, comentou um jornal on-line (a lancet.com), sugerindo que o Ruanda não era bem governado. 

De acordo com a justiça militar, a mensagem ascendeu a espalhar boatos e propaganda negativa contra o Governo do Ruanda com o intuito de manchar a sua boa imagem. 

A promotoria militar argumenta que foi após a prisão do oficial do exército ruandês, aposentado, Brig. O general Frank Rusagara, que também está enfrentando acusações semelhantes, o ex-comandante da guarda presidencial recebeu duas pistolas das antigas, que o coronel escondeu até que a equipe de investigações cobrou dele. 

Todos os acusados ​​negaram repetidamente as acusações.

# africareview.com

Ebola contida na Nigéria e no Senegal - Informam as Autoridades de saúde dos EUA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A Nigéria rapidamente estabeleceu um centro de operações de emergência para ajudar a descobrir a possível propagação do vírus. FOTO | BBC

O vírus Ebola pode ter sido contido na Nigéria e no Senegal, as autoridades de saúde dos EUA dizem que, nenhum de novos casos foi relatado por lá, há quase um mês. 

O Centro dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que o surto pode ser declarado como encerrado na Nigéria no próximo mês. 

Continua, no entanto, em outras partes da África Ocidental, em particular, na Libéria, Guiné e Serra Leoa. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que mais de 3.000 pessoas morreram do vírus até agora, principalmente na Libéria. 

O surto atual é o surto de Ebola mais mortal na história. 

O novo chefe da equipe de resposta ao Ebola da ONU pediu um rápido progresso nos próximos 60 dias para evitar a doença. 

Controle de Ebola é "possível" 

Os surtos na Nigéria e Senegal foram muito menores do que em outros países da África Ocidental, com 20 casos confirmados no total entre os dois países. 

Na Nigéria, o país mais populoso da África, houve 19 casos confirmados do vírus e oito mortes desde o primeiro caso confirmado lá em julho. O último caso relatado na Nigéria foi descoberto em 5 de setembro, disse o CDC. 

Houve também um caso confirmado no Senegal no final de agosto, quando a pessoa infectada sobreviveu. 

Ebola tem um período de incubação de 21 dias, disse o CDC. Depois de dois períodos consecutivos de 21 dias se passarem sem novos casos, um país seria capaz de declarar que o surto acabou, disse ele. 

Portanto, a Nigéria e o Senegal serão capazes de declarar que estão sem surtos, oficialmente, em meados de outubro, disse um funcionário do CDC. 

"Embora a Nigéria não está completamente fora de perigo, a sua extensa resposta a um único caso de Ebola mostra que o controle é possível com rápidas intervenções focadas", disse o diretor do CDC Tom Frieden, em um comunicado. 

"Os países em toda a região, bem como a Nigéria precisam tomar medidas rápidas para se preparar para possíveis casos de Ebola, a fim de evitar surtos em seus países", acrescentou. 

O presidente nigeriano, Goodluck Jonathan já declarou o fim do vírus em seu país, em um discurso na semana passada, um pedido de especialistas e médicos acreditam que foi prematura a declaração. 

Meta ambiciosa 

Na terça-feira o chefe de um novo órgão da ONU criado para combater a doença pediu mais ação dentro dos próximos 60 dias. 

"O risco em expansão é dramática e o número de pessoas afetadas está dobrando", Anthony Banbury disse a repórteres em Gana, onde a equipe de resposta ao Ebola da ONU está instalada. 

Ele disse que 70 por cento das pessoas infectadas necessitam receber tratamento e 70 por cento dos enterros devem ser feitos de forma segura no período de dois meses. 

Unicef ​​também alertou na terça-feira que pelo menos 3.700 crianças na Guiné, Libéria e Serra Leoa que perderam um ou ambos os membros da família (pai e mãe) para Ebola, o contato deve ser "evitado". 


"Os órfãos são normalmente tomados por um membro da família, mas em algumas comunidades, o medo em torno Ebola está se tornando mais forte do que os laços familiares". Da Unicef, ​​Manuel Fontaine disse em um comunicado.

# africareview.com

Estados Unidos confirmam primeiro caso de ebola no país, confirma CDC.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Paciente foi infectado na Libéria e viajou para o Texas, onde foi hospitalizado com sintomas já confirmados como um caso de vírus do ebola, declarou um porta-voz.


  CDC alertou que a epidemia pode alcançar 1,4 milhão de pessoas até janeiro de 2015.


Washington - O governo americano diagnosticou seu primeiro caso de contaminação com o vírus ebola no país, informou o Centro de Prevenção e Controle de Doenças nesta terça-feira (CDC, na sigla em inglês).

O paciente foi infectado na Libéria e viajou para o Texas, onde está hospitalizado com sintomas já confirmados como um caso de vírus do ebola, declarou um porta-voz do CDC à AFP. "Ele se contaminou com a doença na Libéria", disse o porta-voz, acrescentando que não se trata de um funcionário da área de Saúde.

Mais informações sobre o caso devem ser divulgadas pelo CDC após as 17h30 (19h30 no horário de Brasília). Pouco antes, o Hospital Presbiteriano de Dallas havia anunciado que colocou uma pessoa em situação de total isolamento com base em "sintomas e em um histórico recente de viagens".

Esse é o primeiro paciente a ser diagnosticado com ebola nos Estados Unidos. Os médicos americanos Kent Brantly e Rick Sacra, infectados na África Ocidental e repatriados para tratamento em seu país, conseguiram se recuperar da doença.

A epidemia de ebola já deixou pelo menos 3.091 mortos em países africanos, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). A febre hemorrágica provoca um amplo espectro de sintomas, incluindo febre alta, vômito, diarreia e hemorragia.

A primeira vítima identificada nessa nova epidemia de ebola foi um menino de dois anos de idade, contaminado na Guiné em dezembro de 2013. Os especialistas ainda não conseguiram determinar como ele contraiu o vírus, mas o periódico "New England Journal of Medicine" relata que o menor pode ter tido contato com um morcego contaminado. Esse animal é um hospedeiro natural do vírus do ebola.

Desde então, a epidemia se espalhou rapidamente, afetando Serra Leoa, Libéria e Guiné. O sistema de Saúde desses países se encontra em colapso.

Há apenas uma semana, o CDC alertou que a epidemia pode alcançar 1,4 milhão de pessoas até janeiro de 2015, a menos que se aumente drasticamente o volume de recursos para seu controle.

# correiobraziliense.com.br

Total de visualizações de página