Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 14 de setembro de 2013

Costa do Marfim candidato a Organização do CAN em 2019 ou 2021.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Un supporteur ivoirien, lors de la Coupe du monde 2010.
Torcedor marfinense durante a Copa do Mundo de 2010. © AFP

A Costa do Marfim vai apresentar a sua candidatura para sediar o Campeonato Africano das Nações (CAN) em 2019 ou 2021. O governo concordou com a Federação Marfinense de Futebol (FIF).
O anúncio foi feito nesta quinta-feira 12 de setembro, o governo autorizou a Federação Marfinense de Futebol (FIF) para apresentar esta pretensão, numa comunicação adoptada pelo Conselho de Ministros.
O governo da Costa do Marfim "visa criar as condições para a organização da competição continental, melhorando a infra-estrutura", diz o texto. Os marfinenses já organizaram a competição em 1984. Eles também tentaram obter a organização em 2006, apesar do estado de crise sócio-política no país.
(Com AFP)

fonte: jeuneafrique


Camarões: Samuel Eto'o na iminência de deixar os Leões Indomáveis​​?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Samuel Eto'o, 32 ans, aurait annoncé la fin de sa carrière internationale.
Samuel Eto'o, 32 anos, anuncia a possibilidade do fim de sua carreira internacional. © AFP

Samuel Eto'o, de 32 anos, vai terminar a sua carreira internacional. O capitão da equipa nacional dos Camarões anunciou a decisão a seus companheiros de equipe após a vitória dos Leões Indomáveis ​​contra a Líbia (1-0) em Yaoundé. A questão é que se essa decisão se confirmar, vai permanecer irrevogável, porque não é o primeiro anúncio da retirada do estrela Africano ...

Os Leões Indomáveis ​​receberam em 8 de setembro, o seu bilhete para a fase final da Copa do Mundo de 2014, que se realizará no Brasil. Mas após o jogo contra a Líbia (1-0), o capitão da equipe, Samuel Eto'o, de 32 anos, teria anunciado a seus companheiros de equipe no vestiário, que ele estaria terminando sua carreira internacional.
Acredita o site do diário esportivo francês L'Équipe, que o novo atacante do Chelsea supostamente alegou "problemas pessoais" para justificar sua decisão. Samuel Eto'o e o selecionador alemão da equipe dos Camarões, Volker Finke, tiveram algumas discussões acaloradas antes do jogo contra a Líbia, e não só, o jogador também não treinou com a equipe, ele teria tentado impor ao seu treinador a titularizarão de Aquiles Webo (Fenerbahçe) e Carlos Kameni (Malaga). Tudo em vão, apesar da intervenção do ministro do Esporte Nacional.

Por enquanto, nem Volker Finke ou a Federação Camaronesa de Futebol confirmou a retirada da estrela do futebol Africano e não seria esta a sua primeira tentativa. Em 2012, ele já havia anunciado sua retirada da carreira internacional, declinante o mesmo apelo a Denis Lavagne, então treinador, no jogo contra Cabo Verde na fase de qualificação para o Campeonato Africano das Nações em 2013. 

fonte: jeuneafrique

O Brasil só cresce com Educação – Entrevista Ozires Silva.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Existe uma fórmula perversa na destruição de valor do Brasil enquanto potência mundial, alta carga tributária, burocracia fiscal, falta de mão de obra qualificada, baixos indicadores de educação, tudo somado à corrupção. Mas ao mesmo tempo, se a agenda de educação no Brasil fosse levada mais a séria, ou com intensidade, com certeza, muitos problemas de competitividade e inovação seriam resolvidos.
Por que o Brasil não insiste em uma agenda de educação séria? Por quê o país não vive uma nova onda?
O Blog EXAME Brasil no Mundo conversou com Ozires Silva, fundador da Embraer e atual Presidente do Conselho da Anima Educação e Reitor da Unimonte em Santos. Sua visão de desenvolvimento, e principalmente de educação é um fator importante para analisarmos o contexto atual do país, e que caminhos queremos daqui para frente.
Ozires Silva - Divulgação
Ozires Silva – Divulgação
Brasil no Mundo: Considerando o crescimento da economia do Brasil nos últimos 10 anos, e a grande necessidade de mão de obra altamente qualificada, percebemos que o Brasil do ponto de vista educacional não cresceu nos mesmos níveis. Na sua visão quais os fatores que levaram a isso?
Ozires Silva: Realmente, se levarmos em consideração a complexidade e a sofisticação dos produtos que atualmente são colocados no mercado mundial, quebrando paradigmas e rompendo com as tecnologias do passado, constatamos que especialistas capazes e treinados, de alto nível, foram utilizados para que os objetivos comerciais dos produtores pudessem ser atingidos. Também está bem claro que muitos desses produtos não estão tendo origem somente nos territórios dos países tradicionalmente desenvolvidos da América do Norte, da Europa e do Japão. Os chamados “emergentes” estão ocupando novos espaços competitivamente com aquelas nações com as quais nos habituamos a comprar e satisfazer nossas necessidades, existentes ou por existir. Como resultado dessas observações  também constatamos que as estruturas educacionais, nos países que venceram no passado e que estão vencendo no presente, são bastante superiores a que, em média, é oferecida no Brasil para os brasileiros. A pergunta sobre “quais os fatores que levaram a isso” no nosso Brasil exige respostas amplas, ainda sem respostas. Mas se procurarmos resumir, com todas as falhas conhecidas e demonstradas pelos insuficientes índices de aprendizado dos nossos jovens, é que a Educação no Brasil não tem sido, e não é, uma prioridade fundamental, contrariamente ao observado naquelas nações ou regiões que estão na vanguarda das realizações técnicas e tecnológicas. Essa prioridade deveria se concentrar na excelência do aprendizado e que os investimentos, prioritariamente fossem voltados aos alunos, e não à pesada infraestrutura administrativa que mais tenta controlar todas entidades de ensino do que desenvolver novos e atrativos métodos que motivem nossos estudantes.
Brasil no Mundo: Nos últimos 02 anos, o Brasil recebeu um grande número de estrangeiros para suprir a falta de mão de obra qualificada. Considerando que temos hoje mais de 6 milhões de brasileiros matriculados no ensino superior, e já formamos mais de 15 milhões de profissionais nos últimos 10 anos, será que o mercado brasileiro é muito grande, ou não estamos formando profissionais com os níveis exigentes do atual mercado?
Ozires Silva: Devemos considerar normal ao nosso país, e aos outros, receber estrangeiros para suprir a falta de mão de obra qualificada. Não podemos falar desses talentos como pessoas que generalizadamente possamos encontrar em qualquer sociedade humana, mesmo por que eles não são encontrados com facilidade. No passado, em várias áreas do conhecimento e da produção brasileira, mão de obra estrangeira desembarcou no país e certamente tem colaborado com nosso setor produtivo. O que deve nos preocupar é que não podemos aceitar, sem discutir a formação e a graduação local dos brasileiros, sob a suposição de que não possamos produzir esses especialistas entre nós. O correto seria supor que jamais poderemos fazer algo de valor e ganhar posições no mercado mundial, somente com estrangeiros, esperando que eles possam cobrir todas as necessidades nacionais. Assim, temos de assegurar que o nosso sistema educacional seja capaz de formar os especialistas necessários em quantidade e em qualidade suficientes.
Brasil no Mundo: Muito se tem discutido sobre o baixo investimento em inovação no Brasil. Será que o problema da inovação no Brasil é investimento, ou projetos consistentes de inovação e base tecnológica?
Ozires Silva: O Brasil não tem se destacado na conquista competitiva de inovações que gerem marcas e presença nos mercados doméstico e internacional. Nosso país gasta uma boa quantidade de recursos financeiros nos temas ciência e tecnologia, todavia os resultados são claramente fracos, quando comparados com o que ocorre na atualidade no mundo. As razões são muitas, mas algumas podem ser destacadas. Gastamos muito com:
a) as estruturas administrativas para gerenciar os programas de inovação. Temos um Ministério da Educação pesado e caro, os Governos Estaduais, e mesmo algumas Prefeituras de cidades importantes, também instalaram pesadas Secretarias de Ciência e Tecnologia. O que parece necessitarmos é fazer com que tais estruturas estatais sejam capazes de produzir resultados, focando na necessidade de criar métodos e processos de estímulo às  inovações, envolvendo o setor produtivo.
b) os recursos com origem em fundos públicos são de forma maciça orientados para Universidades ou Entidades Governamentais de P&D, numa crença que a criatividade está nas Instituições de Ensino. O mundo está demonstrando que, em média, mais de 80% das inovações têm origem nas empresas produtivas, ou seja, no setor privado. E no Brasil não há mecanismos para financiamento de risco em P&D para o setor privado, e as alternativas criadas pelos governos (Federal e Estaduais) são irrisórias. Já o setor privado não se inclina para esses financiamentos devido às altas taxas de juros, adicionados à falta de apetite pelas naturais características incertas dos resultados. Enfim, temos de quebrar uma crença generalizada de que P&D é uma despesa e não um investimento produtivo do maior valor;
c) devido às características de nosso sistema financeiro, as chamadas “venture capital companies” não conseguem florescer.
Brasil no Mundo: Lembro muito que o senhor falou que a base de constituição da Embraer começava pela educação, principalmente em formar engenheiros. Por quê o Brasil sofre tanto hoje com a falta de engenheiros? E como deveríamos solucionar isso?
Ozires Silva: Aqui temos uma boa notícia. A procura da especialização de engenharia, nos últimos anos no Brasil tem crescido intensamente. Consta que na maioria dos vestibulares das Universidades brasileiras, tanto públicas como privadas, os jovens interessados por engenharia superaram a demanda por cursos de direito pela primeira vez, neste ano de 2013. O que podemos desejar é que essa tendência se mantenha, pois o Brasil gradua a cada ano números alarmantemente menores do que os países de êxito econômico, comercial e cultural. Assim, o principal ingrediente para formarmos mais engenheiros parece que os jovens estão nos oferecendo como solução. O que precisamos é reagir positivamente e aumentar os investimentos para a inovação de modo a gerar mais e mais demandas sob a forma de postos de trabalho. Ou seja, produzir demanda de engenharia para que os jovens graduados possam exercer suas atividades como engenheiros e não derivarem para outras atividades profissionais. O caso da EMBRAER é muito claro. Se não fosse a instituição do ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica, pelo Governo Federal através da Força Aérea, formando desde 1950 engenheiros, hoje não teríamos a comemoração válida de que aviões brasileiros, de criação, projeto, propriedade intelectual e marcas nacionais, estejam voando com sucesso em mais de 90 países, dos cinco continentes, registrando um sucesso marcante de exportação global de produtos complexos de alto valor agregado!
Brasil no Mundo: Quando analisamos o BRICS, percebemos que o Brasil fica muito atrás no quesito inovação, e nisso gera uma perda efetiva de competitividade. Como o senhor vê a participação e preocupação das empresas brasileiras com a inovação, e também com suas participações no BRICS?
Ozires Silva: As empresas brasileiras têm interesse, e muito, em relação às inovações e procuram praticá-las. No entanto, devido aos riscos e às insuficiências dos sistemas financeiros de risco e apoio às inovações no Brasil, elas rotineiramente, com poucas exceções, transferem para o nosso mercado as inovações de sucesso, produzidas no exterior. Ou seja, não correm riscos, pois adotam produtos que venceram nos mercados internacionais, comprando licenças para a produção local. Entre as desvantagens de tais procedimentos é que as licenças normalmente vêm acompanhadas de pesadas restrições. Entre muitas, a mais importante é a interdição às exportações, garantindo que os produtos comprados, sob licenção, estão somente autorizados a produzir para o mercado doméstico brasileiro.
Brasil no Mundo: Pelas suas diversas participações em Fóruns mundiais, qual a sua visão de como o mundo vê o Brasil hoje?
Ozires Silva: Correndo o risco de não ser compreendido respondo que o mundo vê o Brasil como um mercado de quase 200 milhões de habitantes. Vê que os brasileiros mostram significativa tendência de gastar, com grande ênfase no interesse pelas inovações. Mas, diferentemente do que muitas vezes tem sido publicado, também vê o Brasil não como um país do futuro, participando do mercado mundial, como tem sido os casos da Coréia do Sul e, agora, da China. O Brasil tem imagem de um país comprador e isto vem sendo demonstrado pelo nosso balanço do comércio exterior que está mostrando um acelerado crescimento do seu déficit, importando mais do que consegue exportar. Isso também é uma consequência direta do fato que exportamos mais “commodities” e importamos mais produtos de alto valor agregado, obrigando-nos a lotar navios com a exportação de produtos de baixo preço, comprando fora de nossas fronteira os mais valiosos equipamentos.
Brasil no Mundo: Na época da fundação da Embraer, o mercado educacional, e a própria inovação no Brasil ainda andavam em passos lentos, e o senhor desbravou um caminho muito duro e conseguiu. Hoje que temos um nível de informação muito mais amplo, mais universidades, mais acesso à investimentos, mais acesso aos conhecimentos de grandes centros de pesquisa, por quê ainda “patinhamos” no quesito educação e inovação? O Brasil, segundo o Fórum Econômico Mundial está na posição 116º referente à educação, e na posição 60ª em inovação. O que nos leva a isso?
Ozires Silva: No Brasil a legislação básica e fundamental não é estavel e confiável. Os regulamentos são alterados somente por iniciativa dos governantes, sem consultas ao setor produtivo, como acontece lá fora. E isso acontece com extraordinária velocidade, comumente surpreendendo os investidores, que têm seus cenários garantidores dos resultados dos seus investimentos modificados com frequência. Nossas autoridades não têm o hábito de consultar o setor produtivo para estabelecer regras e regulamentações, ao contrário dos países tradicionais e os novos emergentes, que alteram suas estruturas legais e regulatórias em consonância com as necessidades de se manter as empresas locais competitivas. O que se nota é que há sempre o cuidado das empresas nacionais de avançar com coragem em empreendimentos. No capítulo das inovações,  como respondido anteriormente, quase tudo é trazido de fora do país. A nossa legislação deveria estimular às nossas empresas a formar e treinar sua força de trabalho, o que não ocorre na atualidade. Como os empresários estão conscientes e sabem que, quando custeiam educação e treinamento para seus colaboradores, o INSS recolhe encargos sociais, sob o pretexto de que tais despesas são salários indiretos concedidos à sua força de trabalho.
Brasil no Mundo: Que conselho o senhor daria para os jovens estudantes de hoje, principalmente em termos de inovação?
Ozires Silva: Eu diria que “prestem atenção às inovações” pois elas estão mudando o mundo e continuarão a fazê-lo. Vejam o exemplo do Steve Jobs que, através da inovação, produziu produtos que nenhum de nós no passado imaginávamos que deles precisaríamos. Com suas estratégias recuperou a APPLE num surpreedentemente curto período de tempo. Vejam também o exemplo dos Estados Unidos que, como acentuou recentemente o Presidente Obama, sairá da crise financeira internacional por força do poder inovador do povo americano. Diria aos jovens, procurem ser criativos, não somente na escolha dos produtos, mas na forma de conduzir suas empresas e liderar seus colaboradores, motivando a todos a serem e fazerem melhor. E, confiando na sempre na força da renovação que, como regra, normalmente impregna os jovens, e, com coragem e discernimento, procurem o “novo” e façam dele seu sucesso e a riqueza das empresas e de seus colaboradores!
fonte: exame.abril.com.br

Costa do Marfim: Presidenciais no Mali - A lição de Soumaila Cissé a Laurent Gbagbo e aos reformadores.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Démocratie
© Abidjan.net por DR
Democracia na África / Mali: Soumaila Cisse, presidente da URD-Mali e Presidente da Comissão da UEMOA

O Sr. Soumaïla Cissé candidato nas últimas eleições presidenciais no Mali, chegou quarta-feira, 11 de setembro de 2013 a Costa do Marfim, a convite do presidente Alassane Ouattara. Em sua chegada ao aeroporto internacional de Abidjan, uma pequena comissão o recepcionou e uma centena dos seus apoiantes esperavam para mostrar sua gratidão e louvar a sua coragem política .

Soumaïla Cissé tinha admitido publicamente a derrota na segunda-feira, 12 de agosto de 2013, após o segundo turno das eleições presidenciais no Mali. "Minha família e eu somos parte do Sr. Keita, futuro presidente do Mali, parabenizamo-lo por sua vitória . Deus o abençoe e ao Mali " , escreveu no dia o candidato em sua conta no Twitter. Soumaila Cissé fez o anúncio, mesmo antes da publicação dos resultados da segunda rodada. O ex-ministro das Finanças decidiu admitir a derrota, quando ficou claro que Ibrahima Boubacar Keita ( IBK ) foi vitorioso até em Gao, a maior cidade do norte do Mali. As estimativas que foi atribuído dois terços dos votos, de fato, ao IBK. Seus partidários, que estavam esperando antes de ontem no aeroporto de Abidjan não esqueceram o gesto. Entre eles, o Sr. Tidiane Tamboura, o Secretário de Finanças do URD (União para a República e Democracia), partido político de Cissé, e Costa do Marfim, não diz o contrário: "Viemos para saudar o nosso candidato, o nosso herói. Apesar da trapaça, fraude e traição, ele concordou com a paz e a reconciliação, ao admitir a derrota para salvar o Mali. Este ato de amor é como uma semente plantada no solo. Ela irá produzir bons frutos na hora certa. " Soumaila Cissé deverá ter um encontro, na quarta-feira, com o presidente da Costa do Marfim Alassane Ouattara. Este é o terceiro protagonista da crise do Mali a chegar a Costa do Marfim. Antes dele, o presidente eleito IBK, também o da  transição Traoré, que já tinha vindo ao encontro dos chefes de Estado da Costa do Marfim para expressar sua gratidão. Em qualquer caso, e além de tudo, a atitude de Soumaila Cissé após duas rodadas de eleições presidenciais no Mali é um exemplo de democracia que deveria inspirar aos reformadores e a seu mentor marfinense, Laurent Gbagbo que se recusou a deixar o cargo, apesar da sua derrota.

fonte: abidjan.net

República Centro-Africano: Michel Djotodia anuncia a dissolução da "Séléka".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Michel Djotodia, le président centrafricain.
Michel Djotodia, o presidente centro-fricaino. © AFP

O Presidente Centro-africano Michel Djotodia, anunciou sexta-feira, a dissolução do Seleka em uma declaração no palácio presidencial em Bangui. Esta coligação derrubou sob sua liderança o presidente François Bozizé.

"A partir de hoje, a coalizão rebelde Seleka e a Convenção dos Patriotas para a Justiça e Paz ( CPJP, uma facção rebelde que está aliado a Seleka ) não existe mais. Ela foi dissolvida", disse, sexta-feira 13 setembro, na língua nacional Sango, Michel Djotodia, depois de uma reunião sobre a crise em seu país. "Todos aqueles que continuarem a recorrer a essas entidades serão tratados como bandidos ", disse ele acrescentando. No entanto, ele não especificou como a solução será implementada, mas de acordo com uma fonte próxima à presidência, o texto que indica a decisão deve ser publicado em breve.
A coalizão Seleka tem cerca de 25.000 combatentes, incluindo 20 mil que se reuniram na última hora quando da tomada de Bangui em 24 de março, de acordo com estimativas do novo regime. Muitos desses homens obedecem apenas aos seus superiores imediatos, que se instalaram em algumas províncias e em Bangui . Os combatentes - descontrolados constituem eles as autoridades - são acusados ​​de vários abusos, violência e saques repetidamente contra a população.

Confissões de guerra?
Michel Djotodia também discutiu a situação na região de Bossangoa, a 250 km a noroeste de Bangui, onde ocorrem violentos confrontos entre o novo regime e partidários do general Bozizé e mataram cerca de 100 pessoas no domingo e na segunda-feira. Segundo ele, não há simplesmente nenhuma luta. " Não houve combates na área de Bossangoa, os atacantes vieram sim com um objetivo específico: para atacar um grupo específico da população e os civis que foram usados como escudos humanos em caso de forças de reação da defesa e segurança. "
De acordo com a Presidência, os partidários do ex-presidente atacaram as pessoas de fé muçulmana. Michel Djotodia é o primeiro presidente muçulmano do país predominantemente cristão. "As famílias de muçulmanos foram mortas, casas e celeiros queimados, forçando civis a fugir para se refugiarem no mato. Pessoas inocentes retalhados e foram mortos", criticou quarta-feira o primeiro-ministro Nicolas Tiangaye numa conferência de imprensa. Esses confrontos têm agravado uma situação humanitária já caótico e situação de segurança no país desde a aquisição pelo Seleka .

fonte: jeuneafrique em colaboração( Com AFP)




Total de visualizações de página