Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

domingo, 2 de agosto de 2015

O Burundi em crise com o general superior assassinado.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O general Adolphe Nshimirimana. Um assessor do Presidente Pierre Nkurunziza, depois de ouvir a morte do general, disse: "Eles (os rebeldes) declararam a guerra e eles vão ver o que vão receber."

O general superior do Burundi e assessor próximo ao presidente Pierre Nkurunziza foi morto neste domingo em uma emboscada em seu carro na capital Bujumbura, disseram os funcionários e testemunhas.

O general morto, Adolphe Nshimirimana, era amplamente visto como de facto o chefe da segurança interno do país do centro Africano em crise e até mesmo considerado como o número dois do regime.

A polícia e testemunhas disseram que o pick-up do general Nshimirimana foi atingido por dois foguetes e pulverizado com armas automáticas na capital nesta manhã de domingo, e mais tarde foi confirmada a sua morte, junto com seu motorista.

Comunicado do chefe da Presidência Willy Nyamitwe confirmou que o general, um ex-chefe do Exército e chefe de inteligência, tinha sido morto.

"Eu perdi um irmão, um companheiro de luta. A triste realidade é que o general Adolphe Nshimirimana não está mais neste mundo é", disse ele em uma mensagem postada no Twitter.

O assassinato ocorreu em apenas uma semana depois que o presidente Nkurunziza foi declarado o vencedor absoluto das eleições controversas, assegurando um terceiro mandato consecutivo, apesar dos protestos da oposição e condenação internacional.

A candidatura de Presidente Nkurunziza foi considerada inconstitucional pela oposição e provocou meses de protestos que deixaram pelo menos 100 mortos em uma feroz repressão do governo, bem como uma tentativa de golpe em meados de maio.

Guerra declarada

General Nshimirimana era visto como o cérebro por trás da repressão contra os protestos, bem como um jogador-chave na frustração da tentativa de golpe.

Uma fonte da presidência disse que a situação no Burundi é "grave" e alertou para uma possível onda de ataques de vingança.

"A situação é muito grave. O general era alguém que era essencial no sistema", disse a fonte, que pediu para não ser identificado.

"Estamos a tentar gerir a situação, mas não é fácil. Nossos meninos querem vingar."

Fontes policiais disseram que sete prisões foram feitas, e uma fonte no Serviço Nacional de Inteligência do Burundi, a SNR, disse que as forças de segurança estão "nervosas".

"Você não pode imaginar o que o general Adolphe representava para nós", disse a fonte.

"Eles declararam a guerra e eles vão ver o que vão receber", disse outro general superior pro-Nkurunziza, que pediu para não ser identificado.

Não houve reivindicação imediata e de responsabilização pelo assassinato, embora os golpistas, desde então, se reagruparam e lançaram uma rebelião no norte do país, que também estão associadas a uma série de ataques com granadas em Bujumbura.

Há temores de que um novo conflito no país poderia reacender a violência étnica hutu-tutsi e trazer um outro desastre humanitário para a região dos Grandes Lagos conturbado a África Central.

A última guerra civil no Burundi, que terminou em 2006, deixou pelo menos 300 mil pessoas mortas.

#africareview.com

Zimbábue suspeita que outro caçador americano matou leão em abril.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O governo do Zimbábue afirmou que os caçadores que estão no país devem partir e anunciou uma reunião de crise com os profissionais do setor.

Zimbabué: Dentista norte-americano identificado como caçador que matou Cecil, o leão

O Zimbábue acusou neste domingo (2/8) outro americano de ter caçado um leão sem permissão em abril, enquanto o organizador da expedição foi detido e está sendo interrogado pela polícia, informaram o governo e a autoridade de parques nacionais. A detenção de Headman Sibanda, proprietário da agência Nyala Safaris, foi anunciada no sábado.

"Desde então, estabelecemos que seu cliente também era um americano que veio ao Zimbábue em abril", afirma um comunicado da presidência.

"O caso Headman Sibanda está relacionado com um leão que foi abatido por este outro americano", disse àa AFP Caroline Washaya-Moyo, porta-voz dos Parques Nacionais (Zimparks).

"Sibanda coopera com a polícia nas investigações", destacou o governo, que identificou o caçador como Jan Cismar Sieski, da Pensilvânia.

Neste domingo, o governo do Zimbábue afirmou que os caçadores que estão no país devem partir e anunciou uma reunião de crise com os profissionais do setor.

Após a morte do famoso leão Cecil, abatido fora da reserva animal de Hwange por outro americano amante da caça, o governo de Harare ordenou uma "vasta investigação em toda a indústria relacionada com os safáris.

Uma campanha de doação teve início para ajudar os parques nacionais do Zimbábue a financiar a investigação.

Além disso, o governo adotou novas restrições de implantação imediata à caça de leões, elefantes e leopardos, que está proibida a partir de agora nas imediações da reserva de Hwange, exceto com a permissão por escrito da autoridade de parques naturais.

#correobraziliense.com.br

Leia mais>>

Um dentista norte-americano foi identificado como o caçador que matou ilegalmente o leão Cecil, animal mascote do Parque Nacional de Hwange, no Zimbabué, segundo noticia a agência France Presse (AFP).

O leão, um macho de 13 anos célebre pela sua juba negra, foi atraído para fora dos limites do parque e atingido por flechas disparadas por Walter James Palmer, ficando ferido e tentando fugir.
O norte-americano terá seguido o animal moribundo durante 40 horas com a ajuda de dois cúmplices – a quem terá pago 50.000 dólares (cerca de 45.200 euros) -, conseguindo finalmente abatê-lo a tiro.
A culpa do dentista foi hoje confirmada pela Associação de Operadores de Safari do Zimbabué, em conferência de imprensa na capital do país, Harare.

“Segundo as informações que temos, parece que ele já teria cometido crimes semelhantes noutros locais”, afirmou Emmanuel Fundira, o presidente da associação.
Nem o parque de Hwange nem a polícia confirmam se o indivíduo ainda se encontra no país africano, nem se será julgado.
Os seus dois cúmplices foram, porém, identificados e detidos, devendo comparecer em tribunal na quarta-feira, acusados de caça furtiva.
Walter James Palmer, dentista no estado norte-americano de Minnesota, tinha já sido falado pela imprensa do seu país, mas em tom marcadamente diferente.
Em 2009, o jornal New York Times elogiava a sua perícia no tiro ao arco, sublinhando que Palmer tinha aprendido a usar a arma “aos cinco anos de idade”, e que era “capaz de acertar numa carta de jogar a mais de 90 metros de distância”.
A página na rede social Facebook do seu consultório dentário foi apagada, após ser alvo de numerosos comentários de internautas indignados.
“O mais triste de tudo isto, agora que Cecil está morto, é que o leão que o substitui no topo da hierarquia, Jericho, vai provavelmente matar todas as crias de Cecil, como mandam as regras sociais naturais entre os leões”, declarou um porta-voz da organização não-governamental Zimbabwe Conservation Task Force (ZCTF), dedicada à preservação da vida selvagem do país.
No Zimbabué, a caça só é permitida em reservas privadas e só até certas quotas, e é totalmente proibida nos parques nacionais como o de Hwange, que no ano passado recebeu cerca de 50.000 visitantes, 23.000 dos quais estrangeiros.
Fonte:-Diário Digital com Lusa


Dois soldados são alvos de ataque no Mali e morrem.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A identidade dos agressores era desconhecida.


Dois soldados do Mali foram mortos, enquanto cinco ficaram feridos, em um ataque contra seu comboio na região central do país, informou o tenente-coronel Diarran Diakite, conselheiro do Ministério da Defesa.

Diarran Diakite disse que o ataque neste domingo ocorreu na estrada, entre as cidades centrais de Nampala e Diabaly, cerca de 400 quilômetros do norte da capital, Bamaco.
Segundo o tenente-coronel, a identidade dos agressores era desconhecida. A metade norte do Mali estava sob controle de extremistas islâmicos desde um golpe militar, em 2012, mas uma intervenção militar liderada pela França em 2013 dispersou os extremistas de cidades e vilas do norte. Porém, a região segue insegura, mesmo com a presença das forças de paz da ONU.

Nos últimos meses, a violência se estendeu ao sul e um ataque ao final de junho matou três soldados.
#correiobraziliense.com.br



Total de visualizações de página