Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Tribuna: É hora de deixar Ouattara!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O Colunista Théophile Kouamouo disse que a comunidade internacional deve apoiar Charles Konan Banny, o Presidente da Comissão de reconciliação, somente agora, diz ele, para que este seja capaz de estabelecer uma verdadeira política de reequilíbrio na Costa do Marfim.





Embora sua origem é em grande parte inexplicável, os fenômenos de guerrilha podem ser observados na Costa do Marfim por um período de um mês e meio para que eles se tornem de certo modo, "estruturais"?

Em qualquer caso, os tiros e artilharia pesada estão "de volta e em serviço" depois de uma pausa de algumas semanas. Eles ocorrem no contexto de preocupação particular, que se caracteriza por uma verdadeira decepção que se pode ler através de uma série de declarações, anúncios e atitudes.

Assim, o mais recente lançamento de Jean-Louis Billon (Presidente da Câmara de Comércio e empregadores na Costa do Marfim), saindo de uma reunião com Charles Konan Banny, é muito significativo.

"Tem-se falado da situação sociopolítica que agora preocupa os marfinenses e, especialmente, no nosso caso, nós, do setor empresarial, nós, os agentes económicos. Desde julho, vimos o retorno da violência na Costa do Marfim. Isto não é feito para tranquilizar. Chegamos, portanto a conclusão, que o presidente do estado pode chamar Banny e retomar o diálogo para que os marfinenses encontrem a verdadeira reconciliação. (...) ", disse Ele.

Soa como um chefe da Frente Popular Marfinense (FPI). Mas não! Qualquer um que expressa como um representante emblemático do que poderíamos chamar de marfinense da direita conservadora.

Ele saiu da "perna" do Partido Democrático da Costa do Marfim (PDCI), como Dionísio foi liberado, segundo a mitologia grega, a coxa de Júpiter.

O grupo agro-industrial SIFCA, ele é o chefe e herdeiro de fato há muito tempo segurando festa informal de Félix Houphouët-Boigny (presidente 1960-1993), e tem se beneficiado muito com as privatizações de 1990. Privatização que muitas vezes consistiam de transferência de patrimônio nacional em cofres particulares.

Jean-Louis Billon marfinense representa a oligarquia, para a qual aliança formal com a França, que é um dos relés de influência e que é incondicional e inegociável.


Mesmo os assalariados não querem mais

O fato de que ele fala com dureza muito sobre o relatório de progresso e práticas de um regime que ele ajudou a instalar diz muito sobre a desilusão dos negócios contra governança franco-marfinense decadente e a ausência de reais perspectivas econômicas em um contexto político mais do que nunca bloqueado.

A "palavra liberada" por Jean-Louis Billon em reunião, entre outros, que o embaixador dos EUA em Abidjan, cuja desaprovação ao lançamentos fazem parte da paisagem. Como Billon, o embaixador Philip Carter III foi um dos apoiantes mais activos de Alassane Ouattara em sua conquista violenta do poder estatal.

O fato de que o presidente da Câmara de Comércio expressa com audácia igual a conseguir uma entrevista com o presidente (abusado), a Comissão de Diálogo, Verdade e Reconciliação (CDVR), Charles Konan Banny, não é tão trivial.

Uma espécie de batalha farpada envolvido agora no sistema de números que atualmente domina a Costa do Marfim e perceptível inicialmente pela controversa, que assumiu uma dimensão do velho sábio da aldeia.

Pouco a pouco, com um sentido de oportunidade, Charles Konan Banny começa a ser ouvido, no plano institucional, a maneira da maioria silenciosa que se recusa a crescente guerra é agora a única estratégia de da clã de Ouattara.

Embora quase todo o tempo reduz a dança de tango em impotência de várias maneiras, Banny reunirá gradualmente, tanto a mobilidade da oposição soberanista, a sociedade civil "razoável", e grande Rally de peças Houphouetista para a Democracia e Paz (RHDP).

Em nome dos interesses nacionais e de auto-interesse a longo prazo de um país que está sendo levado a uma segunda guerra civil para preservar sórdidos interesses políticos.


Konan Banny, o único baluarte de verdade

A comunidade internacional deve entender que Banny apoio, em se aliar com uma verdadeira política de reequilíbrio, inclusive por meio de pressão e estresse tradicional que não é "bombas de democracia" - ele poderia corrigir seus erros e encontrar uma saída honrosa contra a ditadura cada vez mais retrógrada que ajudou a instalar e não controlar mais.

O recente aumento orquestrada de ódio contra o país vizinho Gana, mas ainda pacífico, democrático e cada vez mais próspera, é um motivo a mais de preocupação.

O caráter das reações impensadas do regime e tiros ouvidos na cidade fronteiriça de Noé, cuja origem permanece amplamente misteriosa e delirante, ativismo do regime de falcões nas redes sociais-Alain Lobognon (Ministro da Juventude) Guillaume Soro (Presidente da Assembleia Nacional) a liderar o caminho no Twitter, e os meios de comunicação são indicações muito claras.

Eles mostram que, dada a sua incapacidade notória para restaurar a prosperidade e segurança, portanto, o regime escolheu Ouattara como cabeça tirando e diplomacia.

Guerra permanente é a única maneira de manter todas as forças centrípetas que constituem a espinha dorsal do poder em Abidjan.

Théophile Kouamouo (Fundador da Courier New)

fonte: SlateAfrique


Brasil - Leia você também( pois como negro você tem um exemplo a seguir). Ele não tinha cota... e nunca perseguiu ninguém...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Esta é a prova maior de que, quando queremos, tudo podemos.
Um grande exemplo de dignidade e honradez.
Ex faxineiro... ele limpava banheiros no TRE do DF.
Filho de uma dona-de-casa e de um pedreiro...
Dividia o tempo entre os bancos escolares e a faxina no TRE do Distrito Federal.
Apaixonado por línguas. Um dia, o mineiro, na certeza da solidão,
cantava uma canção em inglês enquanto limpava o banheiro do TRE.
Naquele momento, um diretor do tribunal entrou e achou curioso uma pessoa da faxina ter fluência em outro idioma.
A estranheza se transformou em admiração e, na prática, abriu caminho para outras funções.
É fluente em francês, inglês, alemão e espanhol.
Formou-se em Direito pela UNB, sendo a época o único negro da faculdade.
Passou nos concursos de:
- Oficial da Chancelaria, Advogado do Serviço Federal, Procurador da República,
Professor da Universidade do Rio de Janeiro.
Ah, ele toca piano e violino desde os 16 anos de idade.


História do homem que você não pode deixar de ler e saber:


Joaquim Benedito Barbosa Gomes
* Paracatu, MG – 7 de outubro 1954
 d.C
PERSONALIDADES - Juristas - Brasil - Ministro Joaquim Barbosa STF 04
Joaquim Barbosa nasceu em Paracatu, noroeste de Minas Gerais. É o primogênito de oito filhos. Pai pedreiro e mãe dona de casa, passou a ser arrimo de família quando estes se separaram. Aos 16 anos foi sozinho para Brasília, arranjou emprego na gráfica do Correio Braziliense e terminou o segundo grau, sempre estudando em colégio público. Obteve seu bacharelado em Direito na Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve seu mestrado em Direito do Estado.
Prestou concurso público para procurador da República, e foi aprovado. Licenciou-se do cargo e foi estudar na França, por quatro anos, tendo obtido seu mestrado em Direito Público pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas) em 1990 e seu doutorado em Direito Público pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas) em 1993.
Retornou ao cargo de procurador no Rio de Janeiro e professor concursado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Foi visiting scholar no Human Rights Institute da faculdade de direito da Universidade Columbia em Nova York (1999 a 2000) e na Universidade daCalifórnia Los Angeles School of Law (2002 a 2003). Fez estudos complementares de idiomas estrangeiros no Brasil, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Áustria e na Alemanha. É fluente em francês, inglês, alemão e espanhol. Toca piano e violino desde os 16 anos de idade.
Embora se diga que ele é o primeiro negro a ser ministro do STF, ele foi, na verdade, o terceiro, sendo precedido por Hermenegildo de Barros (de 1919 a 1937) e Pedro Lessa (de 1907 a 1921).


Obs.: São histórias que nos emocionam, mas também nos orgulha!


Total de visualizações de página