Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Os militares tomaram o poder em Burkina: Governo e à Assembleia dissolvidos, toque de recolher nacional.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Nabéré
© Outros lançamentos por DR 
Nabéré Honore Traoré chefe-estado maior do exército de Burkina Faso

Ouagadougou - O exército tomou o poder em Burkina Faso nesta quinta-feira à noite, anunciando a dissolução do governo e da Assembleia e da introdução de um toque de recolher após dia de protestos contra o regime de Blaise Compaoré, no poder há 27 anos .

Assembleia Nacional incendiada, a televisão pública tomada de assalto, a violência na província, apelo a renuncia do presidente: Burkina está inflamada nesta quinta-feira e a crise em escala sem precedentes na África sub-sahariana levou à intervenção militar.

Presidente Blaise Compaoré chegou ao poder através de um golpe de Estado em 1987, não tem manifestado desde sábado. Ele deverá manifestar às 20:00 GMT  local em duas estações de rádio em Ouagadougou, de acordo com jornalistas dessas estações, que poderiam se juntar à direção da AFP.

Os poderes executivos e legislativos são assumidos por um órgão de transição, com o objetivo de um retorno à ordem constitucional "em um período de 12 meses", segundo uma declaração do Chefe do Estado Maior da Armada Nabéré Honore Traoré lido por um oficial em uma coletiva de imprensa.

Um toque de recolher foi imposto "em todo o território de 19h às 6h" para "preservar a segurança de pessoas e bens".

A tomada de poder pelo exército agora foi muito bem aceito pelos manifestantes, de acordo com um jornalista da AFP. A algumas centenas entre deles apelaram para o estado de sítio na capital para evitar este golpe.

Os líderes da oposição ainda não foram contactados por 
AFP. 

No começo do dia, o regime tentou acalmar a situação ao anunciar o cancelamento da votação do projecto de revisão constitucional, prevista para quinta-feira, mas  a população ateou fogo.

Confrontado com o que o governo senegalês descreveu como "revolta popular", a União Africana manifestou a sua "profunda preocupação" e apelou a "todas as partes a exercer a máxima contenção".

A União Europeia apelou para "rapidamente se estabelecer um diálogo" e para acabar com a violência.

-  Televisão tomada de assalto -

Parceiros do Burkina Faso, que desempenham um papel-chave na região instável do Sahel, Paris e Washington teriam saído na linha de frente. França, antiga potência colonial, apelou para " um retorno a calma " e os EUA expressaram "profunda preocupação". Tanto a ONU, como a União Africana, decidiram enviar um emissário por sua vez.

Na parte da tarde, as grandes manobras começaram. O General aposentado Kouamé Lougué a quem dezenas de milhares de manifestantes exigiram tomar o poder, reuniram-se o Chefe do Estado Maior Nabéré Honore Traoré, assim também como os mais altos responsáveis do país.

Muito popular entre as tropas e a população, Kouamé Lougué, o ex-chefe de gabinete e ministro da Defesa, até sua demissão em 2003, também se reuniu com as autoridades tradicionais altamente respeitado no país, o Mogho Naba o "rei" de Mossi, o grupo étnico mais numeroso em Burkina Faso.

"O Exército e soldados estão com o povo", afirmou Bénéwendé Sankara, um dos líderes da oposição, que pede "demissão pura e simplesmente ao Presidente Blaise Compaoré."

Essas negociações foram abertas depois que a capital Ouagadougou caiu no caos nesta manhã, sob o olhar atento da aplicação da lei bastante passiva.

A violência deixou pelo menos uma morte, um homem morto a poucas centenas de metros da casa de François Compaoré, atingiu também o irmão mais novo do chefe de Estado e personalidades influentes do regime.

Perto do palácio presidencial, a tensão permaneceu palpável no final da tarde. Várias centenas de manifestantes enfrentaram os soldados da guarda presidencial. Alguns soldados efetuaram tiros de advertência.

Outro símbolo de poder atacado: Teledifusão de Burkina (RTB). Centenas de pessoas entraram nas instalações, onde saquearam os equipamentos antes de saírem. As transmissões foram cortadas. A transmissão da Radio France Internationale (RFI) também foi interrompido em Ouagadougou.

- "Primavera Negra" -

Distúrbios também foram relatados em Bobo Dioulasso, a segunda maior cidade (sudoeste). O prefeito e o chefe do partido no poder foram queimados, de acordo com testemunhas.

Os voos para Ouagadougou foram cancelados, mas um avião decolou esta tarde, de acordo com um jornalista da AFP.

Burkina entrou em crise com o anúncio em 21 de Outubro, de uma proposta de emenda constitucional, portanto, de dois a três o número máximo de quinquênios presidenciais.

Assumiu o cargo há 27 anos após um golpe de Estado, ele o Presidente

Compaoré deveria concluir o seu mandato no próximo ano, portanto, o seu último mandato, depois de cumprir dois de sete (1992-2005) e dois de cinco anos (2005-2015).

Ele que já modificou por duas vezes o artigo 37 da Lei Fundamental, em 1997 e 2000 para permanecer no poder, defendeu a legalidade estrita de sua abordagem para a edição do terceiro mandato.

Os opositores estavam nos últimos dias sonhando com uma reversão do regime, considerado por muito tempo um dos mais estáveis ​​na região.

A "primavera negra no Burkina Faso, à imagem da Primavera Árabe", lançada nesta quarta-feira a oposição a Emile Pargui Paré.

Na terça-feira, centenas de milhares de pessoas - um milhão, de acordo com a oposição - foram às ruas em Ouagadougou para denunciar um "golpe constitucional".

bur-jf-tmo / thm

# abidjan.net com AFP

Situação difícil em Burkina Faso - Aqui está o comunicado do General Traoré.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



# seneweb.com

Presidente de Burkina Faso declara estado de emergência.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

AFP
Manifestantes exigem a renúncia do presidente, que governa há 27 anos
O presidente de Burkina Faso, Blaise Compaore, declarou estado de emergência para tentar controlar os violentos protestos contra a sua tentativa de se reeleger mesmo após 27 anos no comando do país.
"O chefe das Forças Armadas está à frente da implementação do estado de emergência, que passa a vigorar a partir de hoje", disse Campaore em um comunicado.
O governo e o parlamento do país, que fica no oeste da África, também foram dissolvidos, segundo o documento assinado pelo presidente.
"Dissolvo o governo para criar as condições para mudança. Estou pedindo aos líderes da oposição que deem fim aos protestos. Peço que, a partir de hoje, todos os envolvidos na crise participem de um diálogo para acabar com esta crise."
Multidões enraivecidas haviam incendiado o Parlamento e outros prédios do governo, forçando parlamentares a abandonar uma votação que permitiria ao presidente buscar sua reeleição em 2015.
Manifestantes se concentraram na principal praça da capital, exigindo que Campaore renunciasse.
"O dia 30 de outubro é a 'Primavera Negra' de Burkina Faso", disse uma ativista da oposição, Emile Pargui, à agência de notícias AFP.
Ao menos uma pessoa foi morta nos protestos, segundo o correspondente da BBC Yacouba Ouedraogo.
No entanto, o principal líder da oposição, Zephirin Diabre, disse que dezenas de manifestantes foram mortos no país por forças de segurança.
Testemunhas disseram que militares se uniram aos protestos na praça, inclusive o ex-ministro da Defesa, o General Kouame Lougue.
Os manifestantes pedem que o general seja declarado o novo presidente, segundo o repórter da BBC.

'Primavera negra'

AFP
Manifestantes incendiaram prédios do governo, como o Parlamento, e casas de políticos
"Em meio à escalada desta violência bárbara, a oposição política exige, em nome do povo, que o presidente Blaise Campaore renuncie ao cargo", ele afirmou.
Militares atiraram contra manifestantes que haviam ocupado o Parlamento para dispersá-los.
Os manifestantes também foram em direção ao palácio presidencial, e um helicóptero do governo lançou gás lacrimogêneo contra eles, segundo a agência Reuters.
A Prefeitura da capital, as residências de parlamentares e um hotel de luxo em Ouagadougou também foram incendiados.
Também houve protestos em Bobo Dioulasso, no sudoeste do país, e em outras cidades.
A TV estatal saiu do ar depois que manifestantes invadiram o prédio da emissora e o saquearam.
O enviado especial da ONU ao leste da África, Mohamed Ibn Chambas, viajará para Burkina Faso na sexta-feira para tentar atenuar a crise.
Este é um dos protestos mais sérios contra o governo de Compaore.
O presidente assumiu o poder em 1987 e ganhou as quatro eleições que disputou desde então.
Ele estaria impedido de participar das próximas eleições de acordo com as leis do país.
Uma emenda constitucional seria votada nesta quinta-feira para acabar com este limite, mas a sessão parlamentar foi suspensa com os protestos.
#BBC

Total de visualizações de página