Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 4 de junho de 2011

A Primeira Dama da Costa do Marfim - Dominique Ouattara ainda vai dar muito que falar: Sua competência já é destaque na imprensa costamarfinense.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Vídeo Madame Dominique Ouattara.

Festival de Marrocos Mawazine provoca polêmica.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A cantora colombiana Shakira realizou durante a 10 ª edição de festival de música Mawazine Internacional "Ritmos do Mundo", em Rabat, em 28 de maio de 2011. (Abdelhak Senna / AFP / Getty Images).
Festival com Shakira e Kanye West foi uma distração patrocinada pelo governo, dizem os críticos.
RABAT, Marrocos - Shakira cantou e girou seus quadris, Kanye West bateu, Joe Cocker rosnou e milhares de fãs marroquinos aplaudiram.
O Festival do Marrocos Mawazine atraiu cerca de dois milhões de fãs ao longo de nove dias no final de maio.
Mas alguns acreditam que o festival foi um esforço do governo marroquino para distrair os jovens de manifestações políticas.
Quando os manifestantes tomaram as ruas em Marrocos, marcharam contra a autocracia, corrupção e exigiram mais liberdades pessoais. Eles também protestaram contra o festival Mawazine, alegando que custou milhões de dólares.
"Em Marrocos, o Ministério da Cultura tem o orçamento mais baixo e ainda milhões são gastos com Mawazine", disse Mehdi Touhami, 29, um ativista de Rabat. "Nós organizamos um sit-in em abril, para exprimir a nossa preocupação. Fomos brutalizados pelas autoridades e forçados a se dispersar. "

"Quando Marrocos está a enfrentar todos os tipos de muito graves questões políticas e sociais, como é que Mawazine contribuiu para resolver esses problemas?" - Jaouad líder iraquiano de uma organização de desenvolvimento cultural.
O que muitos chamam de "festival do rei" tem sido muito criticado no meio da turbulência política do Marrocos para o seu orçamento colossal e por estar sob a direção de Mounir Al Majidi, secretário particular do rei, que também gerencia a sua riqueza. Majidi funciona a associação, Maroc Culturas, que organiza Mawazine e ele é considerado por alguns como um grande obstáculo para a democracia por causa de seu controle sobre a economia e para os seus negócios. O festival já foi relativamente modesto, antes de ter sido tomado por Majidi, em 2005, quando se tornou o maior evento cultural na história do país.
"Mawazine é um empreendimento privado que nada tem a ver com o Ministério da Cultura", disse Ismail Haraka que até março passado foi um conselheiro do Ministério da Cultura. "O Marrocos pode precisar de entretenimento, mas há muitos festivais. Nós precisamos colocar a qualidade em detrimento da quantidade. "
Ele afirma que há uma necessidade de desenvolver outros empreendimentos relacionados com a cultura.
Alguns argumentam que Marrocos deve priorizar seus gastos e corrigir questões urgentes relacionadas à educação, saúde e direitos humanos.
"A questão real é que numa altura em que Marrocos está a enfrentar todos os tipos de graves problemas políticos e sociais, como é que Mawazine contribui para resolver esses problemas?" Salienta Jaouad iraquiano, que lidera a Al Massar associação que promove o desenvolvimento cultural. "Este evento terá a maior fatia de dinheiro disponível e deixa outros eventos, mesmo lutando para existir."
A 20 de fevereiro a Juventude, um movimento pedindo reformas democráticas que foi iniciado após a revolução da Tunísia, enviou uma carta pedindo para reconsiderar artistas se apresentando em Mawazine.
"Nós concordamos em participar Mawazine antes da onda de protestos", disse o grupo de rock politicamente engajados na marroquina Hoba Hoba Spirit em um comunicado respondendo às críticas de alguns dos seus fãs. "Não estamos pedindo o cancelamento do festival, mas nós estamos exigindo uma mudança na sua filosofia. Este festival deve servir os interesses dos cidadãos ".
Os defensores do festival acreditam que ela fornece uma imagem positiva de Marrocos, oferecendo a população um entretenimento muito necessário. Mas críticos dizem que é apenas uma diversão.
"Há uma tentativa deliberada de manter os jovens ocupados e distraí-los da política", disse Ahmed Benseddik, um ativista político de Casablanca. "O governo quer dar a ilusão de que o país é moderno e está passando por uma mudança democrática, mantendo um sistema de repressão política."
Muitas perguntas permanecem sem resposta sobre o custo real do evento. Não há números oficiais disponíveis. Maroc culturas se recusa a divulgar os honorários pagos aos artistas, e muitos especulam que eles são muito elevados.
Este ano, há artistas de renome estrangeiros incluíndo a superstar colombiana Shakira, Lionel Richie, Kanye West, Quincy Jones, Joe Cocker e Yusuf Islam (ex-Cat Stevens).
MTV e HBO estão entre os meios de comunicação internacionais convidados - com todas as despesas pagas - para cobrir o evento. Apesar de alguns planos ambiciosos para mostrar os artistas em histórias em vídeo, alguns jornalistas reclamaram que a cultura por causa da má organização falhou em obter entrevistas com os artistas e tinham pouco material para usar.
O aspecto financeiro do festival está a levantar uma série de questões e as pessoas estão pedindo mais responsabilidade. Alguns afirmam que os patrocinadores, incluindo muitas empresas estatais geridas, podem ter sido coagidos a doar quantias chorudas.
Ex Abu Dhabi National Energy Co. CEO Peter Barker-Homek processou a estatal de energia firme Taqa - também um patrocinador da Mawazine - em um tribunal dos EUA. Na denúncia, Barker-Homek afirmou que "se recusou a subornar funcionários em Marrocos, a fim de obter os direitos de construir uma usina ali" e menciona ter de doar US $ 5 milhões para pelo menos cinco anos para um festival de música sem nome em Marrocos .
Apesar de toda a controvérsia, os dezenas de shows em nove diferentes fases atraiu milhares de pessoas - 200.000 para Shakira sozinho e mais de 2 milhões no total, de acordo com a organização. Exceto por uma pequena área na frente dos estádios previstos para a VIPs e convidados do festival, os marroquinos apreciando os shows de graça. E políticos, ou não, quem foi, disse que se divertiu.
"Eu apenas estou realmente animado para ver artistas que eu amo, que nunca chegaram ao Marrocos", disse um adolescente que disse que viajou de Marraquexe para ver Kanye West. "Estou feliz que Mawazine contribui para uma boa imagem de Marrocos no exterior.

Fonte: GlobalPost 
 
 

Moçambique - Teatro radiofónico atirado às comunidades.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

 salvação e o bom porto do teatro radiofónico estão na abertura de espaços nas rádios que operam nas cidades capitais
O actor Abdil Juma aponta a interrupção do programa “Cena Aberta”, da Rádio Moçambique, como a principal barreira para a continuidade daquela arte a nível nacional, resumindo-se, assim, a uma cena comunitária. A salvação e o bom porto do teatro radiofónico estão na abertura de espaços nas rádios que operam nas cidades capitais.
Estreou-se no teatro de palco em 1984, mas só no ano seguinte sentiu a necessidade de levar a sério a carreira artística, quando participou com o grupo de teatro da Associação cultural Khensani no festival “O Teatro Dá Sangue à Criança”, realizado na capital moçambicana, naquela altura. Estamos a falar de Abdil Juma, com quem trocámos um dedo de prosa recentemente, cujo denominador comum foi o teatro radiofónico.
Juma nasceu no populoso bairro da Mafalala, onde se destacou, primeiramente, como exímio dançarino de makwaela e, mais tarde, abraçou a arte de representar, escudo com o qual celebrou recentemente 20 anos de carreira.   Nessas celebrações, Abdil Juma foi homenageado com um projecto denominado “20h45” pela Associação Cultural NkaringanArte, pelo excelente trabalho em prol da cultura.
Teatro radiofónico Fora dos microfones da RM
Juma recuou no tempo para nos contar alguns momentos do teatro radiofónico na Rádio Moçambique (RM), através do programa “Cena Aberta”, onde se recorda que, na sua primeira experiência com a arte de representar na rádio, descobriu que era uma das melhores formas de comunicar, pois “no teatro radiofónico reside a importância do veículo de transmissão de informação e existe um público fiel”.
“Na verdade, o teatro radiofónico tinha um impacto muito forte na altura da ‘Cena aberta’, pois, através da RM, havia uma maior abrangência por parte dos ouvintes. Havia peças de carácter clássico, trágico-comédia, com intervenção social muito forte. Por outro lado, eram adaptadas peças de autores nacionais, onde desfilavam nomes de Luís Bernardo Homwana, Raul Homwana, Mia Couto, Paulina Chiziane, o que resultou na descoberta da outra face do teatro radiofónico no país. Infelizmente, nesses momentos áureos desta arte em que nomes nacionais brilhavam, anunciou-se a interrupção da ‘Cena Aberta’ naquela estação de rádio nacional”, conta este rádio-actor com alguma tristeza lida no seu semblante, para depois acrescentar que “é nessa altura que o teatro radiofónico ganha uma outra frente que, anteriormente, vinha sendo desenvolvida mas com pouca força: o teatro radiofónico nas rádios comunitárias. Nas comunidades, onde o teatro radiofónico tem mais espaço actualmente, as cenas continuam e as peças são mais enquadradas em campanhas de educação cívica, onde se aborda a questão de violência doméstica, HIV/Sida, boa governação, entre outros aspectos com os quais as comunidades se identificam”.
Quando a RM interrompe a transmissão do programa “Cena Aberta”, Abdil Juma diz que assumiu um compromisso consigo mesmo: “o teatro radiofónico não pode morrer” e, dito e feito, encetou contactos com várias rádios no sentido de convencê-los a acolher o projecto. mas como as rádios que iam surgindo um pouco por todo o país na altura não tinham condições desejadas para aquele género de teatro, foi ficando cada vez mais difícil. Juma não desistiu até que foi acolhido pela Rádio Viva, onde durante um ano e seis meses produziu peças transmitidas no programa “Teatro Viva”.
Por outro lado, Abdil Juma contou ao nosso jornal que até 2004 gravou cerca de uma centena e meia de peças de teatro radiofónico, onde fez várias adaptações de textos de autores nacionais e estrangeiros. Explicou ainda que a maior parte das peças escritas por ele foram de intervenção social, pois, o quotidiano lhe inspira, sem, portanto, deixar de lado a viajem que faz pelo imaginário, ficticismo, o melo-drama, lirismo e por aí em diante.
“Comprei-te ao Mar” é a peça que o marcou bastante, uma vez que, para além de ter sido uma das raras oportunidades de contra-cenar com a categorizada actriz Maria Pinto de Sá, teve o privilégio de emprestar a sua voz a um personagem que representava a aristocracia (um doutor), numa altura em que estava habituado a interpretar personagens que retratavam os “dumba-nengues”, o polícia corrupto, o camarário oportunista e por aí em diante.
Há espaço nas cidades
Aos olhos de Juma, ainda há espaço para o teatro radiofónico nas cidades, sobretudo na capital Maputo, daí que acredita que a avaliar pelos amantes do teatro radiofónico, existe um auditório que se vai interessar por ele. “Somos abordados na rua por muita gente sobre o teatro radiofónico. penso que se há gente a perguntar pormz esta arte, auditório para tal não deve faltar, porque a rádio tem esse poder de dividir audiência: há quem liga a rádio só para ouvir música, outros para noticiário, programas educativos, daí que mesmo para o teatro radiofónico existe um público. Mas é preciso que as rádios que operam nas capitais províncias, não apenas a RM, abram espaço para tal, porque existem pessoas para fazer e para ouvir”, apontou.
Formação de actores
Um dos aspectos que nunca falhou na carreira artística de Abdil Juma é a formação de novos rádio-actores, fazendo jus ao seu juramento de não deixar que esta arte morra. Nesta ordem de ideias, é preciso, na concepção de Juma, que haja constante formação de actores de diferentes cantos do país, não só de palco como os de rádio. “É uma forma de deixar o legado como deixaram para mim e para outros ”, explica. É assim que em 1997 formou actores de teatro radiofónico em Xai-Xai, como primeira experiência fora de Maputo. Viajou ainda para Tete, onde ministrou cursos para actores. Por lá, Juma diz que se sentiu como se fosse o alastramento do programa “Cena Aberta”, porque os actores que estiveram no curso abriram uma frente para a produção de uma rádio-novela naquela parcela do país”.

Fonte: opais.co.mz

África - Michelle Obama vai visitar a África do Sul e Botswana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Washington, - A Primeira dama dos Estados Unidos Michelle Obama vai deslocar-se à África do Sul e ao Botswana no corrente mês (Junho), no quadro de uma visita oficial e será acompanhada das suas duas filhas Malia e Sasha, anunciou hoje (sexta-feira) a Casa Branca.
  
Michelle Obama nasceu a 17 de Janeiro de 1964, em Chicago, nos Estados Unidos. Após o ensino médio, foi para a Universidade de Princeton, onde, em 1985, formou-se em Sociologia. Depois da faculdade, ela continuou os seus estudos na Escola de Direito da Universidade de Harvard, onde ficou até 1988. 
Formada em Direito, Michelle começou a trabalhar na área de marketing e propriedade intelectual de um escritório de advocacia de Chicago, onde conheceu Barack Obama.
Em 1991, ela deixou a empresa para iniciar uma carreira no serviço público como assessora do prefeito da sua cidade natal.
 Em 1996, ela começou seu envolvimento com a Universidade de Chicago, onde desenvolveu o primeiro programa de serviço voltado à comunidade da instituição e também administrou um programa de diversidade empresarial.

Fonte: AngolaPress

Total de visualizações de página