Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 18 de março de 2015

O Presidente Senegalês Macky Sall se oferece para reduzir o termo que pode servir como 'exemplo para África "

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O presidente senegalês, Macky Sall dá uma conferência de imprensa em 17 de março de 2015 no palácio presidencial em Dakar. FOTO | AFP

O Presidente Macky Sall do Senegal falou nesta terça-feira sobre a proposta de um referendo sobre a redução do seu mandato para dois anos, uma posição que contrasta com a visão de vários líderes africanos, companheiros criticados por se apegarem ao poder.

A promessa vem de presidente de países como Benin, Ruanda, Burundi e Congo-Brazzaville, todos eles disseram estar considerando uma mudança constitucional para permitir-lhes como presidentes concorrer a um terceiro mandato.

"Eu fui eleito por sete anos (mas) no ano que vem, vou propor a organização de um referendo para a redução do meu mandato", disse ele em uma entrevista coletiva com a imprensa estrangeira em Dakar.

A medida permitiria "uma revisão da Constituição em primeiro lugar, sobre o mandato e, em seguida, em alguns outros aspectos para fortalecer a nossa democracia", disse ele, acrescentando que ele queria que a votação tivesse lugar em Maio do próximo ano.

"Presidente, você prevê reduzir o seu mandato? Bem, eu estou caminhando para fazer isso", disse Sall na reunião na presidência, isso corresponde bem a uma promessa que fiz como parte de minha campanha eleitoral em 2012.

"Temos que compreender, que na África também, somos capazes de oferecer um exemplo, e que o poder não é um fim em torno de si mesmo", acrescentou.

O Presidente Sall disse que queria eleições presidenciais para 2017, em vez de dois anos mais tarde, como previsto sob o regime constitucional vigente, mas não  comentou sobre se tem a intenção de ficar para um segundo mandato.

Caos

Seu anúncio seguiu-se a um apelo pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon aos líderes africanos que se reuniram na cimeira anual realizada no mês de janeiro, pediu para não se agarram ao poder e respeitar os desejos de seus povos.

Caos eclodiu em Burkina Faso, em Outubro do ano passado quando os legisladores preparavam para votar para permitir a candidatura do presidente de 63 anos, Blaise Compaoré - que tomou o poder em um golpe em 1987 - para disputar as eleições em novembro de 2015. Ele foi forçado a sair do poder.

As Nações africanas onde as leis foram alteradas para o benefício de seus líderes históricos incluem Argélia, Angola, Chade, Djibuti e Uganda.

Com os  muitos protestos como o que aconteceu na RDC (República Democrática do Congo), onde 42 pessoas morreram em protestos que eclodiram em janeiro contra um projeto visto como uma tentativa de estender esperança do Presidente Joseph Kabila no poder no país que lidera por 14 anos.

O Presidente Macky Sall disse aos correspondentes estrangeiros na entrevista coletiva em Dakar que tinha a intenção de apelar pessoalmente para Kabila para a libertação de ativistas senegaleses presos no domingo.

Três membros senegaleses na campanha do grupo pró-democracia Y'en a marre ("Fed Up") foram detidos em Kinshasa com os ativistas da República Democrática do Congo e do Burkina Faso.

Um diplomata americano e jornalistas que foram detidos juntamente com os ativistas, foram libertados, mas os ativistas africanos permanecem sob custódia por suspeita de planejar para desestabilizar o país.

Ativistas presos

O Presidente Sall disse que havia instruído o chanceler Ndiaye Mankeur para fazer contato com as autoridades congolesas, acrescentando: "Nós fizemos o que tinha que fazer como um Estado, para defender os nossos cidadãos."

"Eu mesmo, portanto, eu pretendo falar esta manhã, se a ligação for estabelecida, com o presidente Kabila", disse ele na entrevista coletiva.

"Não cabe a mim julgar se isso deve estar em cima da mesa ou não. A minha posição como presidente da República do Senegal não é para chegar a esta situação", acrescentou.

"Minha posição é garantir em primeiro lugar, que os membros senegaleses de 'Yen a marre' sejam liberados e voltem para casa."

Os Ativistas dos três países se reuniram-se em Kinshasa no sábado para uma reunião que eles disseram que tem como destino conscientizar e mobilizar os jovens sobre o bom governo e sobre a democracia.

Forças de segurança prenderam cerca de 30 pessoas no domingo em entrevista coletiva dos ativistas, incluindo três jornalistas franceses que trabalhavam, respectivamente, para a AFP, BBC e emissora belga RTBF.

Os ativistas que ainda se encontram detidos incluem Fadel Barro, o chefe carismático de "Yen a marre", bem como o colega ativista Aliou Sane e o rapper senegalês Fou Malade.

O grupo lutou contra o ex-presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, cuja proposta para um terceiro mandato foi controversa e desencadeou a violência mortal em Dakar em 2012.

#africareview.com

Total de visualizações de página