Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 2 de setembro de 2012

Artigo de Opinião - África:É incontestável que a educação é a chave para o desenvolvimento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Crianças de Laerskool Voorspoed em Galeshewe na África do Sul.

A educação deve ser incluído como parte de cada resposta humanitária, diz diretor do INEE Lori Heninger

Em 2000, a comunidade internacional se reuniu para criar a Educação para Todos e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio; 2015 é o ponto final para muitos dos objetivos. A questão que se coloca na comunidade internacional é, "O que acontece depois de 2015?" Será que a comunidade internacional se reunirá novamente para avaliar o progresso em objetivos traçados e determinar formas para seguir em frente?

O mundo fez progressos em direção ao ODM de alcançar a educação primária universal. A ONU estima que existam atualmente 61 milhões de crianças  em idade escolar fora da escola, o que representa uma diminuição de uma estimativa da UNESCO de 115 milhões em 2001. Na África sub-saariana, as taxas de matrícula aumentaram significativamente, passando de 58 por cento para 76 por cento entre 1999 e 2010. Em todo o mundo, as meninas estão freqüentando a escola em maior número do que no passado. Equidade de gênero tem sido menos bem sucedida na Ásia Ocidental e África sub-saariana, no entanto, oito países da África Subsaariana têm um maior número de meninas do que meninos na escola primária.


Metade dos 61 milhões fora da escola primária em idade de crianças vivem em zonas de conflito ou o resultado de um desastre natural. Este não é um problema limitado aos países em desenvolvimento; furacão Katrina, em os EUA e o tsunami que devastou o Japão 2011, são exemplos das maneiras em que os países e as pessoas  vivem o impacto de desastres em todo o mundo.

A duração média de deslocamento de refugiados devido a conflitos ou crises é de 17 anos. A duração média de conflitos nos países de renda mais baixa é de 12 anos. Educação, muitas vezes pára durante essas situações, deixando crianças e jovens sem literacia e numeracia e mal preparados para participar de aspectos da vida econômica, política e social de um país ou região. A educação é um direito humano, o direito não deve ser suspensa durante o conflito ou crise, e é fundamental proteção para uma criança, seu crescimento e desenvolvimento. A educação é um direito que nos é permitido, é a base para outros direitos humanos.

Quando ocorre uma emergência, como resultado de conflito ou catástrofe natural, a educação de crianças em uma "escola" - se em uma tenda, debaixo de uma árvore ou em uma sala de aula - fornece um sentido de continuidade, normalidade e segurança. Ele permite que os pais organize o tempo e espaço para reconstruir, para procurar familiares desaparecidos, para coletar água ou comida. A educação deve ser incluído como parte de cada resposta humanitária.

Como crítico, pois é para garantir que todas as crianças tenham acesso eqüitativo à educação primária, é igualmente importante para garantir que o ensino é relevante, de uma qualidade que irá preparar as crianças para pós-primária de aprendizagem, e que as oportunidades pós-primárias de aprendizagem devem existir. Estes requisitos são tão pertinentes na situações de emergência como eles são para situações de normalidade, porque a educação desempenha um papel vital na vida das pessoas.

A Declaração Mundial de Jomtien sobre Educação para Todos os estados:

O papel da educação é de permitir que as pessoas sejam capazes de sobreviver, desenvolver as suas capacidades plenas, viver e trabalhar com dignidade, participar plenamente do desenvolvimento, melhorar a qualidade de suas vidas, para tomar decisões informadas, e continuar a aprender . O escopo das necessidades básicas de aprendizagem e como eles devem ser enfrentados varia de acordo com cada país e de culturas, e, inevitavelmente, mudam com o passar do tempo.

A capacidade de fornecer uma educação relevante e de qualidade abrange muitas considerações. Qualidade na educação significa garantir que os professores são treinados e remunerados adequadamente, e que as turmas são gerenciáveis. Desenvolvimento de um currículo que não discrimina ou omiti grupos (pessoas com deficiência, meninas, grupos étnicos), os livros didáticos que fornecem imagens inclusivas e escolas construídas em áreas acessíveis a todos pode ajudar a mitigar o impacto da educação sobre o conflito. Prevenção de conflitos e preparação para desastres naturais é fundamental para a política de educação e prática. Planejamento Ministerial para redução desastres  e de risco em certos locais podem salvar vidas e limitar o impacto de um desastre natural na aprendizagem.

Educação, seja formal, informal ou não-formal, é a chave para o desenvolvimento incontestável. A todas as crianças e jovens é garantido o direito à educação, não importa as circunstâncias, é o papel das nações e da comunidade internacional como um todo, para garantir que este direito seja respeitado. Levantando o direito à educação de qualidade para todos, e obrigando a educação em todas as respostas humanitárias, devem ser objetivos principais na próxima iteração da agenda internacional de definição de metas.

Lori Heninger é o diretor do INEE

fonte: AllAfrica

Top 10 videos mais vistos no Youtube Brasil – Videos Nacionais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Divirta-se vendo esses vídeos - o fim de se
mana é para se relaxar.

fonte: top10mais.com

Oposição angolana rejeita resultados parciais das eleições.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Eleições angolanas


A oposição angolana, leia-se os partidos que, de acordo com os resultados parciais divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral, ficaram em segundo e terceiro lugar, avisam que não aceitam a vitória do MPLA.
Se a contagem dos votos das eleições gerais angolanas continuar ao ritmo atual o presidente angolano, José Eduardo dos Santos, deverá ser reconduzido no cargo que ocupa há 33 anos.
Com 72,56 por cento dos votos contados até às 14 horas de domingo (02.09), o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) tem a vitória assegurada com 74,14 por cento.
Ainda de acordo com os resultados provisórios anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição, segue em segundo lugar, com 17,8 por cento.
Em terceira posição está a Convergência Ampla de Salvação de Angola, a coligação eleitoral mais conhecida como CASA-CE, com 4,67 por cento dos votos. Porém, a nova coligação de Abel Chivukuvuku, que se separou da UNITA, já anunciou que se reserva o direito de não reconhecer os resultados das eleições gerais em Angola.
Falta de credibilidade
O líder da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, garantiu que não foi permitido à coligação ter delegados de lista em todas as assembleias eleitorais do país; e que, ao longo do dia das eleições, na sexta feira (31.08), a sua coligação só recebeu algumas credenciais para que pudessem ter fiscais e delegados em mesas de voto.
A mesma queixa apresentou o líder da UNITA, Isaías Samakuva, à imprensa internacional: "A Comissão Nacional Eleitoral não nos permitiu ter delegados em todas as assembleias de voto. Por isso eu não sei que resultados vêm dessas assembleias onde não tivemos delegados. A Comissão Nacional Eleitoral fez eleições sem cadernos eleitorais em várias assembleias de voto."
Samakuva não confia nos resultados oficiais: "Muitas coisas aconteceram, há muitas irregularidades, muitas violações da lei eleitoral. Por isso não confio na Comissão Nacional Eleitoral."
Oposição angolana enfatiza desorganização durante o escrutínio
Oposição angolana enfatiza desorganização durante o escrutínio
CNE admite alguns erros
A UNITA mantém a anunciada intenção de impugnar os resultados. E a CASA-CE criou uma equipe para fazer o processamento, "município por município", de todas as atas de comissões eleitorais e "conferir, confirmar ou contestar, se houver discrepâncias" entre os valores anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral e o que consta nos documentos.
Entretanto, a Comissão Nacional Eleitoral já admitiu ter havido alguns constrangimentos, mas sem interferência nos resultados. Opinião idêntica tem o deputado sul-africano Patekile Holomisa, observador nestas eleições.
"Todos aqueles que quiseram participar, participaram. Em todas as assembleias de voto que visitei, os delegados eleitorais estavam lá, o que é crucial", defendeu Holomisa.
O governo corrobora os observadores internacionais, como afirmou à comunicação social o ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa: "De uma maneira geral, penso que as eleições foram bem organizadas. Há algumas queixas da oposição, mas a maior parte delas foram resolvidas."
Os resultados nacionais definitivos serão divulgados, no máximo, 15 dias depois das eleições, ou seja, no limite, a 15 de Setembro.
Autora: Glória Sousa
Edição: Bettina Riffel/Cristina Krippahl
fonte: DW

Total de visualizações de página