Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Ramos-Horta pede resolução que apoie os guineenses.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Symbolbild Vereinte Nationen
***
http://de.wikipedia.org/wiki/Vereinte_Nationen
Die Vereinten Nationen (VN), englisch United Nations (UN), häufig auch UNO für United Nations Organization (deutsch Organisation der Vereinten Nationen), sind ein zwischenstaatlicher Zusammenschluss von 193 Staaten und als globale Internationale Organisation uneingeschränkt anerkanntes Völkerrechtssubjekt.
***
aufgenommen in Bonn, März 2013


O representante especial do secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau quer que os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas "falem a uma só voz" no que concerne a um apoio aos guineenses.
O Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu-se esta quinta-feira (09.05), em Nova Iorque, para discutir a proposta de Ban Ki-Moon, de extensão de mais um ano de missão da ONU na Guiné-Bissau, até a pacificação nacional ser alcançada. José Ramos-Horta, representante especial de Ban Ki-Moon, sublinhou neste debate a necessidade do Conselho de Segurança apoiar o povo guineense, tendo sublinhado que "se um apoio adequado for dado aos programas pró-ativos da diplomacia preventiva, a Guiné-Bissau poderá tornar-se um exemplo brilhante de uma história de sucesso."
Foram estas as palavras de incentivo que o timorense José Ramos-Horta usou na reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Após a proposta do secretário-geral da organização, Ban Ki-Moon, de estender por mais um ano a missão da ONU na Guiné-Bissau, o Conselho de Segurança reunido em Nova Iorque discutiu a relevância da continuação do processo de pacificação no país, encabeçado pelas Nações Unidas.
Os membros estão agora a preparar uma resolução que será votada no próximo dia 23 de maio, para a reformulação da proposta feita por Ban Ki-Moon que contempla a abertura de delegações regionais e um segundo representante especial.
José Ramos-Horta , representante especial do secretário-geral da ONU na Guiné-BissauJosé Ramos-Horta , representante especial do secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau
ONU deve dar sinal claro de apoio aos guineenses
O actual representante do secretário-geral na Guiné-Bissau apelou aos representantes que participaram no debate para "que falem a uma só voz", adoptando, no próximo dia 23 "uma resolução que dê um sinal claro de apoio" aos guineenses. Para Ramos-Horta, é essencial que o processo de pacificação se mantenha, pois após estar integrado na realidade nacional, acredita que o caminho que o país tem a percorrer ainda é longo.
"Desde o primeiro momento da minha chegada à Guiné-Bissau tenho tido reuniões regulares com a Assembleia Nacional, Corpo de Militares, Líderes Políticos, membros da sociedade civil. Depois deste tempo, na minha humilde opinião é que o problema da Guiné-Bissau deve ser colocado claramente nas mãos da elite política, que falhou durante décadas para o povo", disse. José Ramos-Horta acrescentou ainda que "as consequências do falhanço destas elites inclui violações de direitos humanos, impunidade, crime organizado e tráfico de droga".
No Conselho de Segurança, todos os representantes destacaram a urgência de realizar eleições na Guiné-Bissau até ao final do ano, mas em declarações à agência de notícias Lusa, o embaixador da Guiné-Bissau na ONU, João Soares da Gama, afirmou que o país "não tem condições financeiras para realizar eleições sem o apoio da ONU", tendo Ramos-Horta sublinhado o pedido. "O apoio do Conselho de Segurança e dos membros das Nações Unidas para um novo processo eleitoral no país é imperativo. Na fase pós-eleitoral, será promovida a partilha do poder governamental para reconstruir o país, que agora existe apenas em nome", sublinhou.
Tráfico de droga continua por resolver
Joseph Mutaboba, ex-representante especial da ONU na Guiné-BissauJoseph Mutaboba, ex-representante especial da ONU na Guiné-Bissau
Apesar da detenção do ex-chefe da Armada Bubo Na Tchuto, o tráfico de droga continua a ser um problema por resolver no país. Jospeh Mutaboba, ex- representante especial do secretário-geral da ONU, sublinha a urgência do combate ao tráfico de droga. "As autoridades reportaram as actividades criminais em Bissau e acreditam que o que falha são os recursos políciais. Reportaram também que desde 12 de Abril as actividades de tráfico de droga aumentaram no país. O secretário-geral continua a querer alcançar, ativamente com a cooperação da comunidade internacional, a restauração da ordem constitucional na Guiné-Bissau", salientou Mutaboba.
 
No final do encontro, os participantes na reunião realçaram a tendência positiva e consensual entre os atores nacionais e internacionais. Porém, António Gumende, representante da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) relembrou que "todo o otimismo em relação à Guiné-Bissau deve ser moderado, devido à complexidade da situação, bipolarização política e à deteriorada situação económica e humanitária".
fonte: DW

Estados Unidos; 'Ele morreu pra mim', diz filha de acusado de sequestro nos EUA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Em uma entrevista à rede americana CNN divulgada nesta quinta-feira (9), Angie Gregg, filha do homem acusado de sequestrar e estuprar três mulheres por dez anos, disse que o pai está 'morto' pra ela e que após a revelação do fato, várias "peças se encaixaram". Segundo ela, o pai sempre mantinha portas fortemente trancadas dentro de sua casa e às vezes deixava a mesa do almoço em família por uma hora ou mais sem nenhuma explicação.
Ariel Castro apareceu nesta quinta pela primeira vez no tribunal e recebeu acusações de sequestro e abuso sexual. Sua fiança foi estipulada em US$ 8 milhões. Duas das mulheres sequestradas já voltaram para a casa das famílias.
Na entrevista, Angie Gregg disse que o Ariel era um pai "amigável e carinhoso". Chocada com a descoberta, ela disse que nunca quer vê-lo novamente. "Eu fico imaginando, nesse tempo todo, como ele pôde ser tão bom conosco, mas (supostamente) ter levado aquelas jovens mulheres, pequenas garotas, o bebê de alguém, para longe de suas famílias e por tantos anos nunca se sentiu culpado o suficiente para deixá-las ir."
'Ele morreu pra mim', disse Angie Gregg, filha de acusado de sequestro nos EUA (Foto: CNN)'Ele morreu pra mim', disse Angie Gregg, filha de acusado de sequestro nos EUA (Foto: CNN)
Um promotor do estado norte-americano de Ohio disse que buscará acusações de homicídio agravado, o que pode levar à pena de morte, contra o pai de Angie Gregg, um ex-motorista de ônibus escolar de Cleveland, acusado de sequestrar e estuprar três mulheres durante uma década de cativeiro em sua casa.

As acusações seriam motivadas pelos abortos forçados sofridos, segundo a polícia, por uma das mulheres capturadas por Ariel Castro.

O promotor do Condado Cuyahoga, Timothy McGinty, disse em entrevista coletiva que seu gabinete tem a intenção de apresentar acusações de sequestro e agressão sexual, bem como de homicídio agravado.
Os promotores também planejam apresentar acusações relacionadas aos muitos abusos sofridos por Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight, assim como pela filha de Amanda, de 6 anos, que nasceu no cativeiro, afirmou McGinty.
"Tenho a intenção de buscar acusações para cada ato de violência sexual, estupro, cada dia de sequestro, cada ataque criminoso e cada ato de homicídio agravado por impedir várias gestações que o infrator cometeu", afirmou.
fonte: g1.globo.com

Total de visualizações de página