Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A Alemanha acrescenta Aulas de Islã em suas escolas de ensino fundamental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



FRANKFURT - Pela primeira vez, as escolas públicas alemãs estão oferecendo aulas de islamismo para alunos do ensino fundamental com professores treinados pelo Estado e livros especialmente escritos, para que as autoridades tentem integrar melhor a grande minoria muçulmana do país e combater a crescente influência do pensamento religioso radical.

As aulas oferecidas no Estado de Hesse são parte de um consenso crescente de que a Alemanha, depois de décadas de negligência, deve fazer mais para reconhecer e servir a sua população muçulmana, e para promover a harmonia social, superar os seus dados demográficos do envelhecimento e evitar uma potencial ameaça à segurança nacional.

A necessidade, muitos aqui dizem, é cada vez mais urgente. De acordo com as autoridades de segurança alemãs e relatos generalizados na imprensa alemã, no semestre passado, pelo menos dois jovens alemães em Hesse - supostos terem aproximadamente 16 anos de idade - foram mortos na Síria após atenderem ao chamado da jihad e, aparentemente, sendo recrutados por linha-dura de pregadores salafistas em Frankfurt.

Tais casos suscitaram alarme não só para alguns jovens alemães que estão sentindo cada vez alienados e vulneráveis ​​ao recrutamento, mas também que eles acabarão por trazer à sua casa a luta, juntamente com novas habilidades no uso de armas e explosivos ganhos em campos de batalha distantes. Outras partes da Europa, com expansão de minorias muçulmanas - incluindo França, Grã-Bretanha, Espanha e países escandinavos - estão enfrentando desafios semelhantes de integração e de radicalização.

O currículo Hesse efetivamente coloca instrução islâmica em pé de igualdade com a semelhante ética aprovada pelo estado de formação nas religiões protestantes e católicas. Ao oferecer os jovens muçulmanos uma introdução básica do Islã, já em primeiro grau, enfatizando seus ensinamentos sobre tolerância e aceitação, as autoridades esperam vacinar jovens contra a más visões religiosas extremas ao mesmo tempo, sinalizando a aceitação do estado de sua fé.

Os pais têm a opção de matricular seus filhos nas aulas de educação religiosa oferecidas no distrito. Nurguel Altuntas, que ajudou a desenvolver o programa de Hesse no Ministério da Educação do Estado, disse que a inscrição para 29 turmas em bairros de imigrantes - estava entusiasmando.

Para as autoridades alemãs, contrariando a expansão do pensamento religioso mais radical apresentou-se um sério problema. Por enquanto, o serviço de inteligência do país mantém estreita vigilância sobre um número cada vez maior, com 4.500 salafistas sob observação em 2011 e 5.500 em 2012, de acordo com um relatório anual do governo. Os números para 2013 ainda não estão disponíveis, mas "estamos calculando um outro aumento, seja aguda ou gradual eu não posso revelar ", disse um oficial de segurança, que falou sob a condição de anonimato.

Cada vez mais, a atenção está se voltando para a educação e como forma de alimentar uma maior inclusão de aproximadamente quatro milhões de muçulmanos da Alemanha, um número que tem vindo a aumentar desde que a indústria alemã recrutou os primeiros turcos como "trabalhadores convidados" na década de 1960. Como integrar essa minoria tem sido uma fonte de tensão em um país de mais de 80 milhões, que também tem lutado com - e até resistiu - absorvendo cristãos e de fora da Europa no tecido da vida alemã.

Uma resposta, que as autoridades em Hesse têm esperança, está a ser posta em vigor em aulas onde as crianças são orientadas por um professor treinado pelo estado para trabalhar a partir de um currículo aprovado pelo Estado.

Em uma das aulas, Timur Kumlu pediu recentemente em seus 96 anos de idade, para cada alunos tirar uma mecha de uma grande bola de lã. Ele, então, instruiu as crianças - cujos pais vieram de países muçulmanos tão variados como o Afeganistão, Albânia, Marrocos e Turquia - para examinar como, como os fios, eles, também, foram tecidos juntos.

Foi uma lição simples que contém uma mensagem suave e cheio de simbolismo - que estavam ligados por sua fé islâmica e práticas de oração.

"Estamos agora todos unidos - você vêm de diferentes países, e assim fizeram os seus pais ", disse Kumlu, que lembrou as crianças que, enquanto seus pais vieram do Afeganistão ou a Albânia, mas eles nasceram na Alemanha.

# nytimes.com


A desigualdade nos EUA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A desigualdade nos EUA. 19539.jpeg

Aumento da disparidade de renda fez mais que a recessão para deprimir os ganhos da classe média.
Por: Paul Krugman, de The New York Times 
Demorou um tempo incrivelmente longo, mas a desigualdade finalmente está surgindo como uma questão unificadora significativa para os progressistas nos Estados Unidos - incluindo o presidente. E também há, inevitavelmente, uma reação, ou na verdade algumas reações.
Uma delas vem de grupos como a organização Terceira Via. Josh Marshall, editor de Talking Points Memo, caracterizou essa posição em um artigo recente: "Ela capta muito do que se trata a 'Terceira Via': uma espécie de retrocesso fossilizado a um período do fim do século XX em que havia um mercado para grupos que tentavam puxar os democratas 'de volta para o centro e para longe do extremismo ideológico', em uma era em que os democratas são o partido, razoavelmente, não ideológico e têm um histórico bastante decente de ganhar eleições nas quais a maioria das pessoas vota".

Mas também há uma reação intelectual, com pessoas como o colunista Ezra Klein do Washington Post afirmando que a desigualdade, embora seja uma questão importante, não pode ser descrita como "o desafio definidor de nosso tempo". Isso, por sua vez, enfurece outros comentaristas.
Bem, eu não estou furioso, mas argumentaria que Klein entendeu errado.
A tese de que a desigualdade é um desafio importante e realmente definidor - e algo que deveria estar no centro das preo-cupações progressistas - repousa em diversos pilares. Vistas juntas, as razões para se concentrar na desigualdade são extremamente convincentes, mesmo que você seja cético sobre determinados argumentos.
Deixe-me defender quatro pontos.
Primeiro, em puros termos quantitativos, o aumento da desigualdade é o que o vice-presidente Joe Biden chamaria de Grande Alguma Coisa. Os dados referentes à distribuição de renda mostram que a parcela dos 90% na camada inferior de renda, excluindo ganhos de capital, caiu de 54,7%, em 2000, para 50,4%, em 2012. Isso significa que a renda dos 90% na camada inferior é cerca de 8% menor do que teria sido se a desigualdade tivesse se mantido estável. Enquanto isso, as estimativas da lacuna
de produção - à medida que nossa economia está operando abaixo da capacidade - geralmente são inferiores a 6%. Assim, em puros termos numéricos, o aumento da desigualdade fez mais que a recessão para deprimir as rendas da classe média.
Alguém poderia argumentar que os danos causados pelo desemprego são maiores que a simples perda de renda, e eu concordaria. Mas é difícil olhar para esse tipo de cálculo e relegar a desigualdade a uma questão secundária.
Em segundo lugar, existe uma tese razoável para se atribuir pelo menos parcialmente a culpa pela crise econômica ao aumento da desigualdade. A melhor história envolve algo como isso: havia uma poupança elevada do 1% da população, com a demanda sustentada apenas pelo rápido aumento da dívida mais abaixo na escala - e, como esse empréstimo era conduzido parcialmente pela desigualdade, levou a uma cascata de gastos e assim por diante. É um caso dramático? Não - mas é sério, e reforça o resto do argumento.
Em terceiro, existe o aspecto da economia política, em que se pode argumentar que os fracassos políticos, tanto antes como, talvez de modo ainda mais crucial, depois da crise, foram distorcidos pelo aumento da desigualdade e o correspondente aumento do poder político do 1%. Antes da crise, havia um consenso da elite a favor da desregulamentação e da financialização que nunca foi justificado por evidências, mas se alinhava estreitamente aos interesses de uma pequena e muito rica minoria. Depois da crise, houve o súbito afastamento da geração de empregos para a obsessão pelo déficit; pesquisas sugerem que isso não era absolutamente o que o eleitor médio queria, mas que refletia as prioridades dos ricos. E a insistência na importância de cortar benefícios é avassaladoramente uma coisa do 1%.
Finalmente, e muito ligada a isso, está a questão do que os grupos de pensadores progressistas deveriam pesquisar. Klein sugeriu recentemente que "como combater o desemprego" deveria ser um tópico mais central que "como reduzir a desigualdade". Mas há aquela coisa: sabemos como combater o desemprego - não perfeitamente, mas a boa e velha macroeconomia básica funcionou muito bem desde 2008. Não há mistério na economia de nossa lenta recuperação - é isso que o acontece quando endurecemos a política fiscal, apesar da desalavancagem privada, e a política monetária é restrita pelo limite inferior a zero. A questão é por que nosso sistema político ignorou tudo o que a macroeconomia aprendeu, e a resposta para essa pergunta, como já sugeri, tem muito a ver com a desigualdade.

# Carta Capital


Total de visualizações de página