Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 18 de julho de 2015

Gambia: Presidente Yahya Jammeh quer reviver a pena capital após 3 anos de trégua.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

O Presidente gambiano, Yahya Jammeh avisou que os prisioneiros condenados à morte seriam executados em breve, podendo acontecer depois do fim de uma trégua de três anos durante o qual nenhuma execução foi anunciada no país.

Em um encontro com líderes religiosos emitidos sexta-feira à noite pela televisão gambiana, Jammeh justificou esta decisão pelo aumento no número de homicídios neste pequeno país na África Ocidental.

"Durante o Ramadã se indignou o chefe de Estado, alguém enterrou sua criança viva. Três dias antes do início do Ramadã, na região do Alto Rio, também alguém ameaçou de matar um outro e ele finalmente acabou de o matar ", acrescentou.

"Se eu conduzir um veículo na estrada e você decide atravessar por debaixo do nariz do veículo e que o veículo em questão bate em você e você morre, eu sou o único que matou. Ou não é você que matou a si mesmo? " ele ainda foi questionado, sem fornecer mais detalhes sobre os termos das próximas execuções.

Não existem estatísticas oficiais sobre a criminalidade do menor país no continente Africano, cercado por Senegal, exceto por uma estreita faixa de terra na costa do Atlântico, que tem uma população de apenas 1,7 milhões.

Em agosto de 2012, o presidente Jammeh anunciou que todos os prisioneiros condenados à morte seriam executados até meados de setembro e uma semana depois, um primeiro grupo de nove detidos haviam sido baleados por um pelotão de fuzilamento.

Execuções causaram indignação internacional, especialmente ao Senegal, dois cidadãos deste país estavam entre os mortos. Grupos de direitos humanos, por sua vez, presentiram que trinta outros detentos corriam risco de ser fuzilados, mas nenhuma execução foi relatado desde então.

Na Gâmbia actualmente se aplica a pena de morte apenas para os condenados por causar a morte de forma violenta ou pelo uso de substâncias tóxicas.

Mas em junho, o governo anunciou que iria realizar um referendo sobre uma reforma constitucional para expandir a lista de crimes puníveis com a pena de morte para incluir qualquer crime considerado grave o suficiente pelo Parlamento.

Yahya Jammeh, oficial e ex-lutador, lidera a Gâmbia com mão de ferro desde que ele tomou o poder em um golpe sem derramamento de sangue em 1994.

#seneweb.com

Guiné Bissau: País deveria preocupar-se mais com o futuro – PM de Cabo Verde.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Bissau – O primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, exortou hoje os guineenses a construírem o futuro das suas gentes em vez de se centrarem na reconciliação com o passado.

Primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves (D.R)
Primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves (D.R)

O dirigente cabo-verdiano foi orador numa palestra em que apresentou aos guineenses a agenda de transformação de Cabo Verde.
Na ocasião, José Maria Neves afirmou que o passado serviu apenas para estabelecer as bases, mas que, para os cabo-verdianos, o mais importante sempre foi a construção do futuro.
“A Guiné-Bissau devia preocupar-se mais em construir o futuro do que reconciliar-se com o seu passado”, observou José Maria Neves.
Segundo referiu, a Guiné-Bissau, “nos dias que correm”, podia valer-se do “seu passado glorioso, forjado na luta pela independência”, e ainda “no prestígio da sua actual liderança”,para promover a transformação.
José Maria Neves destacou a “experiência e o prestígio internacional” do primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, acumulados enquanto secretário executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).
“Quando eu cheguei ao cargo de primeiro-ministro em 2001 não tinha a experiência de governação que o meu amigo Domingos Simões Pereira hoje tem”, concluiu José Maria Neves, apelando aos guineenses para confiarem no seu país e nos seus dirigentes.

#portaldeangola.com

Total de visualizações de página