Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 8 de julho de 2017

Guiné Equatorial: El Presidente solicita a los militantes trabajar para el pueblo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

El discurso de Clausura del VI Congreso Nacional Ordinario del PDGE ha corrido a cargo del Presidente Fundador, que se ha mostrado muy crítico con los que sólo se mueven por el egoísmo y, en lugar de servir al pueblo, se sirven de él. Además, ha hecho un balance de lo que ha sido este importante evento para el futuro del partido.
07/07/2017
El Presidente Fundador ha sido claro a la hora de hablar de los militantes, que se mueven más por sus intereses personales que por ayudar al pueblo: “Hay muchos que quieren los cargos, que quieren los títulos únicamente para exhibirse ante el pueblo. Hemos escuchado los temarios, lo que más nos preocupa de nuestro país es la pobreza, la penuria, pero hay muchos hermanos militantes que son pudientes, y que podrían ayudar a sus hermanos y resulta que son unos egoístas. En estos momentos más que nunca, los buenos militantes, sobre todo los dirigentes, tienen que servir al pueblo y no el pueblo a ellos”.
También ha hablado de la política de adulación y de la hipocresía, ya que muchos militantes se dedican a adular y no dicen realmente lo que piensan. Además, son numerosos los que no responden a la confianza que se les ha dado y, a la hora de trabajar para el partido, lo hacen con desgana, sin interés: “Ahora es tiempo de elecciones y va a haber muchos que van a estar ahí, porque quieren los cargos. Pero ya hemos cambiado a muchos por esto, y lo vamos a seguir haciendo. Hay que dar paso a los jóvenes, porque hay muchos militantes que, cuando ocupan cargos importantes, lo que hacen es bloquear a la juventud”.
También se refirió a los miembros de la Junta Ejecutiva, afirmando que algunos de sus componentes ni siquiera opinan, y que están en el partido por las ventajas que aporta el PDGE, pero luego ellos son incapaces de dar una opinión. Si no ayudan en el partido, cómo lo van a hacer en sus localidades, se ha preguntado el Presidente.
En relación al análisis de este congreso, el objetivo inmediato es seguir con la formación ideológica de la militancia, para promover con acciones concretas la consolidación del desarrollo y el bienestar del pueblo de Guinea Ecuatorial.
-“El VI Congreso Nacional Ordinario del PDGE ha condenado y rechazado enérgicamente y sin reservas el proceso judicial ilegítimo y arbitrario, instrumentalizado por la justicia francesa contra el Vicepresidente de la República y del PDGE, Hermano Militante Teodoro Nguema Obiang Mangue, reafirmando el apoyo total a su persona como autoridad legítima del Estado ecuatoguineano”, ha asegurado también el Presidente, y ha indicado que el Gobierno se reserva el derecho de adoptar medidas que en justicia convengan al caso, para la defensa de sus derechos soberanos.
También se ha visto la necesidad de que el Gobierno tome iniciativas para impulsar la formación de gremios profesionales; se emprenda la lucha contra la delincuencia; la reprogramación del Plan Horizonte 2020; el control de la inmigración ilegal y un apoyo especial a la mujer para su empoderamiento e integración social.
En relación al diálogo político, el compromiso del PDGE con ese diálogo es el único instrumento para garantizar la paz y la estabilidad política de la sociedad.
Asimismo, Obiang Nguema Mbasogo ha mostrado su agradecimiento por la propuesta de que fuera Presidente del Partido por tiempo ilimitado, y se ha referido al compromiso político adquirido por la formación política ante el pueblo, para dar un nuevo impulso y dinamismo al desarrollo político, económico y socio-cultural del país.
Para finalizar, ha felicitado a la militancia; a todos los congresistas y a todos los que han participado en este evento y les ha deseado un feliz regreso, con la conciencia tranquila del deber cumplido.
Texto y fotos: Javier Hernández
Oficina de Información y Prensa de Guinea Ecuatorial

Aviso: La reproducción total o parcial de este artículo o de las imágenes que lo acompañen debe hacerse, siempre y en todo lugar, con la mención de la fuente de origen de la misma (Oficina de Información y Prensa de Guinea Ecuatorial).
fonte: guineaecuatorialpress.com

Seminario de formación de periodistas de países africanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Se ha iniciado en Beijing (República Popular China) el curso de formación y capacitación de periodistas de países africanos. El curso ha reunido a alrededor de 31 profesionales de Benín, Gabón, Guinea Ecuatorial, República Democrática de Congo, Mali, Costa de Marfil, Camerún, República Centroafricana, Burundi, Senegal, Túnez y Madagascar.
08/07/2017
El 7 de julio se ha aperturado el curso en un acto presidido por la Directora del Centro de Comunicación y Formación del Grupo Internacional de China (CIPG), Fang Fen, que en su intervención ha resaltado que el curso permitirá compartir experiencias en el sector de medios de comunicaciones entre las dos regiones.
También ha dicho que la presencia de los periodistas africanos en China es una oportunidad para presentar la nueva visión del sector del periodismo chino, y para evaluar el trabajo de la prensa y del grupo CIPG, con el propósito de reforzar la cooperación con la prensa africana.
Fang Fen también ha hablado sobre la responsabilidad del trabajo de la prensa, la influencia de la prensa occidental, y ha recordado que la prensa juega un papel importante para el desarrollo de los países y del mundo en general, por lo que el trabajo de los periodistas debe focalizarse siempre sobre la realidad.
La Directora de CIPG ha concluido recordando que “pese a la evolución de las buenas relaciones entre África y China, la prensa africana sique sin jugar el papel que debería desempeñar”.
Otro de los objetivos del curso es promover el plan de formación de recursos humanos, ya anunciado por el Presidente, S. E. Xi Jinping.
Texto y fotos: Clemente Ela Ondo Onguene (DGPWIGE)
Oficina de Información y Prensa de Guinea Ecuatorial  

Aviso: La reproducción total o parcial de este artículo o de las imágenes que lo acompañen debe hacerse, siempre y en todo lugar, con la mención de la fuente de origen de la misma (Oficina de Información y Prensa de Guinea Ecuatorial).

fonte: guineaecuatorialpress.com

5 de Julho: «Quando nos perguntam de de onde sois, de onde vens, a resposta é pronta e vaidosa: sou de Cabo Verde».

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

5 de Julho: «Quando nos perguntam de de onde sois, de onde vens, a resposta é pronta e vaidosa: sou de Cabo Verde»
Discursos de hoje, na sessão solene, não fugiram aos temas que tem marcado a actualidade: a manifestação em São Vicente e a necessidade de se alterarem as políticas seguidas pelos sucessivos governos. Tudo com o objectivo de diminuir assimetrias entre ilhas.

“Podemos ser de Cova Figueira, Achada Falcão, Chã de Alecrim, Furna, Figueiras, Cabeça Fundão ou Preguiça, Morrinho, Santa Bárbara ou Chã de Cemitério, Lagoa, Cobom, Cabeçalinho, Murdeira, Renque Purga.
Podemos ser  filho ou neto de cabo-verdiano nascido no Príncipe, Brockton ou Cova da Moura;
Quando nos perguntam de onde és, de onde sois, de onde vens, a resposta é invariável, pronta e vaidosa: sou de CABO VERDE” – Jorge Carlos Fonseca, Presidente da República.

No discurso que fez hoje, durante a sessão solene comemorativa dos 42 anos da independência nacional, o Presidente da República alertou para a necessidade de se adoptarem políticas de descentralização e lançou algumas perguntas aos presentes na sessão: "Qual o modelo de descentralização que nos garante isso? Um sistema simples já adoptado com sucesso em outras latitudes? Um modelo híbrido talhado para dar conta das nossas idiossincrasias? Importamos tout court um modelo ou vamos exercer, com Peter Drucker, uma cleptocracia inteligente, retendo dos outros o essencial daquilo que nos interessa e retrabalhando-o de modo a sintetizarmos a descentralização de que precisamos?"
E Jorge Carlos Fonseca arriscou mesmo uma resposta. “"É tempo de dar o salto? Tenho a certeza que sim”, acrescentando de seguida que passar “da visão estratégica - traçada para conduzir estas ilhas rumo ao desenvolvimento – à acção organizada – para a operacionalização da estratégia – implica em assumpção séria e responsável de um conjunto de acções voltadas para a consumação de uma reforma substancial, visível e sentida, do Estado, com implicações directas e imediatas na vida das comunidades. E esse envelope, ponderado, não deve perder de vista as características do nosso país – insular e sem recursos no subsolo - nem as aspirações das comunidades."
Mas não foi apenas na descentralização que se centrou o Presidente da República.
Também o crescimento da economia mereceu a atenção do Chefe do Estado: "As recentes previsões do Fundo Monetário Internacional que apontam para uma taxa de crescimento da economia em 2017, de cerca de 4%, são positivas. Esse crescimento, que foi de 1% em 2015 e de cerca de 4% em 2016, parece indiciar alguma retoma da economia." E enalteceu a procura de consensos: "Na linha da procura de consensos há que referir a decisão do Governo de envolver os parceiros sociais na discussão da elaboração do orçamento de Estado em sede de concertação social." Mas... "Não obstante o esforço referido, esse nível de crescimento é insuficiente", diz o PR.
Regionalização e manifestações
Para a representante da UCID, a deputada Dora Oriana, a data de hoje mostra que "ser independente é ser capaz de decidir sobre o regime político que lhe convém, sobre a maneira de organizar a administração, a economia e a política. É saber governar para o povo que o elegeu".
Mas o grande destaque do discurso que a UCID levou a esta sessão solene é a defesa da regionalização e o alerta para as manifestações que hoje se realizaram em Mindelo e Chã das Caldeiras.
"A regionalização do país é incontornável para o desenvolvimento do país". A frase mais forte, até agora, do discurso da deputada da UCID. "Discriminação positiva de cada ilha, eliminando as assimetrias", defende.
"Nesta data e por coincidência, talvez, o povo sairá à rua para fazer ouvir a sua voz", recorda Dora Oriana, numa referência às manifestações marcadas no país.
 Os alertas do PAICV
Diferente foi o tom e a tónica do discurso de Janira Hopffer Almada. A presidente do partido e líder do grupo parlamentar do PAICV mostrou-se preocupada com algumas "atitudes compulsivas", com "estranhos instintos", numa referência à actual governação. Porque, defendeu, a "democracia não é só a possibilidade de cada um exprimir o que de bom ou de mau tem para exprimir", recorda a deputada do PAICV.
Saber comemorar
Em jeito de resposta, tanto a Janira Hopffer Almada como a Dora Oriana, o presidente do grupo parlamentar do MpD refutou as críticas ouvidas antes, provenientes dos partidos da oposição: "Hoje é dia de celebração e não do debate sobre o Estado da Nação que democraticamente se fará no Parlamento, exercendo o contraditório. Contudo, não podemos deixar de dizer que a nação hoje, neste 5 de Julho de 2017, respira mais democracia e mais confiança no desenvolvimento deste país".
"Saibamos, pois, na comemoração desta data, saudar o sucesso do nosso Cabo Verde", prefere Rui Figueiredo Soares.

fonte: expressodasilhas.com

Cabo Verde: Banco Mundial reforça crédito pra reforma dos Transportes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Banco Mundial reforça crédito pra reforma dos Transportes

Governo anunciou ontem a aprovação pelo Conselho de Administração do Banco Mundial (BM) ao acordo de Crédito Adicional para o Projeto de Apoio à Reforma do Setor dos Transportes Cabo-verdiano em 27 milhões de Dólares americanos.
O Projecto tem como propósito alavancar as medidas do executivo cabo-verdiano no sentido de desenvolver o nivel da gestão do património rodoviário nacional e dar maior pujança e capacidade de obter resultados ás Empresas Públicas no sector dos transportes.
O montante disponibilizado será repartido para quatro frentes de actuação, nomeadamente a Preservação do Património Rodoviário (17 milhões de dólares), o Reforço Institucional e Gestão do Projeto (um milhão de dólares), Segurança Rodoviária (um milhão de dólares) e Estratégia de Transportes Inter-ilhas (três milhões de dólares).
Na primeira componente reservam-se três milhões para obras de urgência. Já no que se refere á estratégia de transportes Inter-ilhas, os três milhões investidos serão canalizados para estudos e assistência técnica.
Os restantes cinco milhões de dólares do investimento vão ser reservados às eventuais necessidades extras ao longo da execuçao do projecto de reforma.
Em Maio último o Governo de Cabo Verde reuniu-se, na Cidade da Praia, com  representantes do Banco Mundial para negociar os termos de financiamento e as condiçoes do desembolso deste reforço ao financiamento já existente.
Na altura previa-se que parte do montante do financiamento seria canalizado para o processo de restruturaçao da TACV.
O acordo será formalizado com a assinatura bilateral adicional que deverá acontecer tão logo a documentação relativa ao mesmo, a ser ultimada pelo BM, esteja pronta.
Este projeto, assinado em 2013, previa inicialmente o montante de 19 milhões de dólares com previsão de estar concluído em 2019. Atendendo ao bom nível de cumprimento do plano de execução será concluído dois anos antes do previsto.
fonte: expressodasilhas.com

Trump e Putin debatem o futuro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vladimir Putin e Donald Trump em Hamburgo

Vladimir Putin e Donald Trump em Hamburgo

Democratas criticam posição do Presidente sobre espionagem
Num encontro que durou mais do que ambos lados planeavam, pouco mais de duas horas, os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, discutiram nesta sexta-feira,7, o suposto envolvimento russo na eleição norte-americana, mas concordaram em focar no futuro do que abordar o passado.
Trump ouviu críticas de democratas em casa, que lhe acusam de rejeitar as informações das agências de inteligência dos Estados Unidos e dar muito peso à negativa de Putin sobre a interferência russa, reiterada hoje.
O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, disse a repórteres na cimeira de Hamburgo de líderes do Grupo das 20 maiores economias que Trump teve “química positiva” com Putin durante o encontro, que durou cerca de duas horas e 15 minutos.
Futuro
Trump abriu a discussão ao pressionar Putin sobre “as preocupações do povo americano em relação à interferência russa na eleição de 2016”.
O Presidente russo tem negado qualquer envolvimento no processo democrático americano no ano passado e Moscovo pediu provas.
O ministro russo da Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse que Trump aceitou as afirmações de Putin de que as acusações, apoiadas por agências da inteligência americanas eram falsas.
Tillerson disse que ambos procuraram olhar para o futuro.
Síria
“Os presidentes acertadamente focaram em como podemos seguir em frente do que pode ser simplesmente uma discordância intratável neste momento”, disse Tillerson, adiantando que que eles concordaram em trabalhar em compromissos de “não interferência em questões dos Estados Unidos e nosso processo democrático, assim como em outros países”.
Os dois líderes passaram bastante tempo discutindo sobre a Síria, e, após o encontro, um acordo entre os Estados Unidos, Rússia e Jordânia sobre um cessar-fogo no sudoeste da Síria foi anunciado.

fonte: VOA

ANGOLA: “QUEM MANDA NÃO É KOPELIPA”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

kangamba-mpla-angola

O dirigente do MPLA Bento dos Santos “Kangamba”, general cujo prestígio militar o leva a já não ter ombros suficientes para tantas estrelas, negou hoje que a Presidência do seu tio, José Eduardo dos Santos, esteja a cargo do general “Kopelipa”, ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, garantindo que a Constituição está a ser cumprida. E se ele garante…

Com tradução para português, “Kangamba” disse que, “entre nós, os políticos e generais, ninguém substitui o Presidente, e se há alguém a dizer que o general Kopelipa está a substituir o Presidente da República é mentira. É tudo falso, estamos a cumprir estritamente aquilo que diz a Constituição. O resto são ideias falaciosas da liderança da UNITA”.
Por não ser possível garantir o rigor da tradução para português, admite-se que o general “Kangamba”, tenha treinado as suas afirmações de modo a ser, tanto quanto ele consegue, fiel às ordens superiores, não se sabendo se elas foram legitimadas por despacho presidencial ou apenas por mukanda do general “Kopelipa”.
O general “Kangamba”, membro do Comité Central do MPLA, partido no poder em Angola desde 1975, falava aos jornalistas à margem de uma inauguração oficial em Luanda, numa altura em que o chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, está ausente em Barcelona, Espanha, em visita dita de privada, desde 3 de Julho.
Antes, em Maio, José Eduardo dos Santos esteve outros 28 dias em Barcelona – igualmente em visita privada – ausência que suscitou, na altura, vários rumores sobre o seu estado de saúde.
Recorde-se que a 30 de Junho o general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” foi designado pelo chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, para “responder pelo gabinete” do vice-Presidente da República, Manuel Vicente, que se vai “ausentar temporariamente” de Angola.
A indicação consta de um despacho presidencial de 26 de Junho, em que o Presidente da República (igualmente Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo) designa aquele general, “para responder pelos assuntos do gabinete” de Manuel Vicente, “enquanto durar a ausência daquela entidade”.
O despacho 147/17 não refere motivos para esta decisão, apenas indica que o vice-Presidente se “vai ausentar do país em visita privada temporariamente”.
“Acho mesmo que o presidente da UNITA está um pouco desnorteado, porque sempre que o Presidente da República se ausenta do país quem o substitui é o vice-Presidente da república e na ausência do vice-Presidente, está o presidente da Assembleia Nacional”, referiu “Kangamba”, questionado pelos jornalistas.
Angola realiza eleições gerais a 23 de Agosto, vivendo já um período de pré-campanha eleitoral, nomeadamente com troca de acusações entre o MPLA e a UNITA, os dois principais partidos angolanos.
“O país está falido. Não há dinheiro, não há medicamentos, não há água, não há luz, não há moral. Há roubos organizados praticados por titulares de cargos públicos. Há crime organizado protagonizado por titulares de cargos públicos, há fraudes financeiras”, criticou, na quinta-feira, o líder e cabeça-de-lista da UNITA.
Com as eleições em pano de fundo, Isaías Samakuva apresentou os restantes candidatos às eleições gerais e avisou: “Faltam apenas 49 dias para o povo operar esta mudança que Angola precisa (…) para decretar o fim da era do partido-Estado e dos sucessivos golpes de Estado orquestrados por aqueles que assaltaram os cofres do Estado e empobreceram mais de 20 milhões de angolanos, sem nunca terem sido responsabilizados”.
A UNITA tem vindo a acusar o MPLA de usar meios do Estado durante a pré-campanha de João Lourenço, vice-presidente do partido e cabeça-de-lista pelo círculo nacional, concorrendo assim à eleição, por via indirecta, para o cargo de Presidente da República.
“Quando dizem que o MPLA está a usar meios do governo na sua campanha política eu não sei que meios são esses. A oposição tem que saber que no MPLA tem empresários, eu sou empresário, apoio o meu partido e outros empresários também apoiam, o resto é mentira”, afirmou Bento “Kangamba”.
O polémico general angolano, secretário itinerante do comité provincial de Luanda do MPLA, acusa a liderança da UNITA de estar na origem dessas informações que considerou de “falaciosas”.
Recorde-se que o general Bento dos Santos “Kangamba”, um dos mais heróicos soldados das FAPLA e depois das Forças Armadas de Angola (por parte de Eduardo dos Santos) há muito que diz que a oposição deve respeitar o Presidente da Republica e acusa-a de não participar na vida pública do país.
“Kangamba”, um dos mais impolutos e lendários oficiais das FAA, afirma também que José Eduardo dos Santos não é culpado por estar no poder desde 1979. E se ele o diz, aos súbditos do rei só resta comer (quando há) e calar.
O general “Kangamba” continua a afirmar que nada tem a ver com as acusações sobre a exploração de mulheres e posse de dinheiro para pagar favores de políticos. E todo o cuidado é pouco. O general começa a ficar chateado e um dias destes, se lhe der na real gana, pega no seu exército e zarpa para pôr Portugal e Brasil na ordem.
“A oposição não participa, a oposição tem que participar na vida pública do país” disse “Kangamba” à Voz da América, acrescentando que a única coisa que a oposição sabe fazer é criticar os anos no poder do Presidente José Eduardo dos Santos.
Para ele que também é uma coisa parecida com secretário para a Organização Periférica e Rural de Luanda do MPLA, para além de ser um oficial dos mais prestigiados no mundo castrense, nacional e internacional, a longevidade de Eduardo dos Santos no poder não é culpa dele. “Não se lembram de quem é a culpa do tempo no poder do presidente? Ele não é o culpado, o culpado é a guerra”, frisou com toda a originalidade e clarividência de quem bebe inspiração no divino reino do “querido líder”.
O general também acusa Portugal de ingerência nos assuntos angolanos, avisando que Lisboa não tem “consciência jurídica e política” e acrescentando que Angola já não é “escravo” de Portugal.
Tido como o homem forte da mobilização das estruturas acéfalas do partido no poder desde 1975, Bento dos Santos “Kangamba” referia-se ao caso dos activistas que estiveram detidos e ao apoio público e à mobilização portuguesa em sua defesa.
“Se eu fosse português pensava 20 ou 30 vezes antes de falar sobre um estrangeiro. Primeiro tenho que arrumar a minha casa e depois falar sobre os outros. Portugal é um grande país, tem grandes políticos, mas neste momento está em debandada, não tem consciência jurídica e política para se defender nem defender os angolanos. Há necessidade de haver calma que a Justiça será feita”, apontou o dirigente do MPLA, general, empresário e figura de topo no que (não) tange a honorabilidade cívica, política, social e militar.
Isso mesmo foi, aliás, reconhecido pela própria Interpol que o incluiu no “quadro de honra” dos procurados por tráfico de mulheres e prostituição.
Também a Polícia francesa atesta que o general Kangamba é um impoluto cidadão. Segundo a Polícia, em 14 de Junho de 2013, dois carros foram apreendidos, com poucas horas de diferença, em portagens no sul de França. Num deles, foram encontrados dois milhões de euros, em quarenta sacos de cinquenta mil cada. No outro, foram encontrados mais 910 mil euros. Oito homens foram detidos. Pelo menos cinco deles, angolanos, cabo-verdianos e portugueses, estariam relacionados com o general “Kangamba”.
“Presos políticos não há, nunca existiram. Não vejo a UNITA, a CASA-CE, a FNLA, o PRS, a reclamarem os seus militantes presos. Os que estão presos são jovens que algumas pessoas estão a incentivar para fazerem arruaça que não está prevista na nossa Constituição”, afirmou “Kangamba” em Julho de 2015, acrescentando – certamente à procura da 13ª estrela de general – que na base da agitação “com cinco ou seis miúdos” estão “outros partidos que querem subir no poder a todo o custo”.
O general acusa Portugal de continuar a ingerir-se nos assuntos angolanos, 42 anos depois da independência: “As pessoas são as mesmas, tirando duas figurinhas bonitinhas que estão a aparecer aí no Bloco de Esquerda. Mas as pessoas que foram contra Angola são as mesmas [agora]. Eles acham que Angola até hoje é escravo, que nós somos escravos de Portugal (…) não podemos ser ouvidos e que Portugal é que manda, que Portugal é que diz e que Portugal é que faz. Os portugueses têm que saber que Angola é um Estado soberano”.


“As estruturas da Justiça [angolana] funcionam. Deixem que a Justiça faça o seu julgamento e o resto vamos ver. O que não se admite é o que os portugueses estão a fazer. Estão a acudir a um que tem a mesma cor e os outros que têm cor de carvão ninguém está-lhes a acudir. Isso é feio e é uma coisa que aqui em Angola já não se vive”, disse ainda o general sobrinho do “querido líder”.
fonte: http://jornalf8.net

Total de visualizações de página