Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Entrevista / Aicha Koné, diva da música da Costa do Marfim: "Estas são as condições de meu retorno''.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Musique

© Abidjan.net por Prisca
Música - A terceira edição do Festival de música urbana Anoumabo (Femua) fechou suas portas em
Abidjan, Marcory. De 4 a 6 junho de 2010, milhares de amantes de música vibraram ao som de melodias a favor de FEMUA, organizado pelo grupo "Magic System". Foto: Aicha Koné.


Exilada de parte do seu próprio país? Aicha Kone, da Costa do Marfim, da música Diva, responde a perguntas de Claudy Siar da RFI, sem rodeios. Condições de seu retorno a Abidjan e sua nova vida na Guiné Conakry.
Guiné, porque se tornou a sua terra. Podemos falar de exílio? Miriam Makeba é uma do século 21?
Alguns tendem a pensar. Miriam Makeba há muito tempo permaneceu na Guiné Conakry, por causa do apartheid em seu país. Eu sou parte do relatório, do que aconteceu comigo, a guerra. Ela não poderia caber na minha filosofia, o ambiente não combinava comigo mais. Eu também acho que eu não teria tido a oportunidade de fazer este álbum. Acabei de fazer um álbum chamado'' Kaira" a felicidade.
Deixando seu país natal o que é caro para você, mesmo que você se apresenta como um Africano ... é a volta? E como dizem é dar um passo atrás para ganhar impulso para retornar evidentemente ao seu país natal?
Meu desejo é de voltar, mas não para agora. Eu ainda sou guineense de qualquer maneira (risos).

E sobre o apaziguamento do país?

Para o artista que eu sou, é a estabilidade necessária para que um artista possa crescer.
Quando falamos, alguns só querem a cura através das mulheres e homens de cultura, qualquer que seja o seu campo?
Isso é verdade, mas não é tão fácil, porque as feridas ainda estão frescas. Nós, como artistas, nós começamos. Há uma faixa do álbum "Kaira", cujo título é ''Widemin Senufo", minha língua paterna, o que significa'' nos ajudar.''
Quando eu olho para Aicha Koné que está na minha frente, eu sinto que tenho tanto uma mulher, uma irmã que conta para a África, que é tanto machucada por tudo o que é aconteceu. Que ao mesmo tempo parece ser sobre os ombros o peso de tudo isso. Mas eu ainda sinto o otimismo de que em toda a sua carreira, você sempre permitiu atravessar a época e as dificuldades.
Exatamente! Essa é também a vida, ou seja, enfrentar as provações com grande esforço. De onde eu venho, não tem sido fácil, e viu que as coisas aconteceram na minha presença, que é difícil de suportar. Isto é verdade, mas manter a esperança e que há sempre um sol no horizonte.
Coisas nem sempre foram fáceis para você que pertence à nobreza, e que acabou quebrando as regras para finalmente satisfazer a sua paixão pela música, canção, o pan-africanismo.
Sim, e eu digo que não é só porque você tirou a cabeça para fora da água.
Assim, a música Aisha, você tem que acreditar?
Você tem que acreditar e perseverar, é uma arma neste negócio, que lhe permite ouvir os dois lados do mundo.

Você fará 35 anos de carreira na Costa do Marfim, mas não é possível, conte-nos um pouco ...
É claro que eu queria comemorar meus 35 anos em meu país, mas a guerra impediu-me. Por isso, comemorei na Guiné. E, devo admitir que foi uma grande festa. Tive a sorte de ter convidado a filha de Miriam Makeba, e devo admitir que foi uma honra. Então, fui recebido pelo Presidente da Guiné.
Hoje, eu ouço você dizer os nomes de grandes figuras de músicas africanas, e eu tenho um sentimento que você esqueceu. Você se tornou um ícone, porta-bandeira, e eu sei que não é fácil. Você vai voltar para a Costa do Marfim?
Inshallah ... Chamam-me muito para eu voltar para casa. Atualmente, eu espero que as coisas vão se normalizar. Agradeço os esforços das autoridades para que eu retorne.
Diga-nos, como foi este novo álbum longe do seu país?
Devo admitir que é sempre difícil estar longe de casa. A gravação deste álbum foi benéfico para mim. Para este álbum, eu fui para o Brasil. E eu tive uma experiência muito boa. Ao fazê-lo, não há ritmo brasileiro no meu álbum.

fonte: abidjan.net


Total de visualizações de página