Postagem em destaque

"A França é inimiga da Rússia", diz o vice-presidente do parlamento russo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Em alguns dias, fará um ano desde o início do conflito russo-ucrania...

sábado, 27 de junho de 2015

A senegalesa Aminata Sow Fall premiada pela Academia Francesa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

Vencedora do Grande Prêmio da Francofonia da Academia Francesa em 2015, a senegalesa Aminata Sow Fall é a grande dama da literatura Africana. Ela é a autora de uma dúzia de romances e coleções de novelas. Seu romance mais conhecido, " La grève des bàttu ", foi indicado para o Goncourt de 1979.

É a senegalesa Aminata Sow Fall que Academia Francesa concedeu este ano o seu Grande Prêmio da Francofonia.
Este prêmio distingue todos os anos o trabalho de um autor da francofonia que tem "um excelente contributo para a manutenção e a ilustração da língua francesa." Entre os vencedores dos últimos anos situam-se não em ordem alfabética: o haitiano Jean Métellus, o argelino Boualem Sansal, o marroquino Fouad Laroui ou o malgaxe Michèle Rakotoson.

Como todos os seus predecessores, Aminata Sow Fall é uma escritora cujo trabalho confirmado, essencialmente de não-ficção, que é regularmente premiado com prestigiosos prémios. Considerada uma das pioneiras de letras africanas, a romancista senegalesa tem a seu crédito uma dúzia de romances, mas também coleções de histórias curtas.

Maturidade na Análise Social e na narração

Nascida em Saint-Louis (Senegal) em 1941, a senegalesa chegou atrasada para a literatura, em seu retorno à sua terra natal depois de um longo período de estudos na França. Ao perseguir uma carreira exigente no serviço público, ela publicou seu primeiro romance em 1976, O Fantasma. Uma novela didática em que a autora denuncia o amor de torpe de seus compatriotas, a corrupção generalizada, e traição dos valores familiares de solidariedade e compreensão.


No entanto, foi o seu segundo título, a greve dos batidos, publicado três anos depois, que fez Sow Fall ser conhecida pelo grande público. Este romance, o que demonstra uma grande maturidade de análise  e de narração, reconta, a partir de fatos reais, a revolta dos mendigos em Dakar. Eles entraram em greve, paralisando a vida e, ao mesmo tempo demonstrando sua utilidade social às autoridades, que a eles tratavam como párias.

Ao publicar este livro no Senegal, a recusa desses mendigos fictícios para terem suas vidas reduzidas a "lixo humano" tinha ressonado fortemente neste país tradicional, onde o papel dos homens está relacionado com o seu lugar na hierarquia social. O romance também foi muito bem sucedido no exterior, especialmente na França, onde tinha sido escolhido para o Prix Goncourt 1979. Ela não ganhou prêmio, mas desde então se estabeleceu como um clássico da literatura francesa. Traduzido em uma dúzia de idiomas, ele mesmo foi adaptado em filme pelo maliano Cheikh Omar Sissoko battu sob o título "Bàttu", que designa em Wolof a pequena tigela que usam os mendigos para recolher as oferendas.

A Escritora comprometida,  Aminata Sow Fall também foi tratada na sua ficção de alienação social, ditadura, a miscigenação, angústia econômica e imigração. Temas que se encaixam na obra desta escritora notável na veia realista. Ou o realismo não significa 'copiar a realidade. "
 "O escritor deve reconstruir, recriar, reinventar a realidade", ela disse aos jornalistas que questionaram muitas vezes a prática de sua arte.

Nem a escuridão nem o feminismo

Em suas profissões de fé, Aminata Sow Fall  também sinalizou à atenção em levar em conta essas distâncias ao reportar a negritude, que influenciou fortemente a literatura senegalesa em sua infância. Na década de 1970, depois do sol do Senghor, o grande poeta da negritude, brilhou com todo o seu ardor no céu do Senegal, que ainda era um escritor de sucção, mas ficou notável por dizer que a literatura Africana deve evoluir e superar a fase da reabilitação do homem negro. "Eu pensei, lembrou ela, que se deve ser capaz de criar uma literatura que simplesmente reflete a nossa maneira de ser, que é um espelho da nossa alma e da nossa cultura. "

A autora da Greve dos battu "La Grève des bàttu" é também uma das primeiras escritoras mulheres da África francófona. Com Mariama Ba, também senegalesa e também autora da célebre, uma mas longa letra, que encerrou o longo silêncio das mulheres no campo literário Africano francófono. No entanto, Aminata Aminata Sow Fal nunca foi apresentada como uma romancista feminista obcecada com questões de poligamia ou de patriarcado.
A problemática das condição feminina alimenta sua ficção, mas a romancista também fala de homens, dos poderosos e dos pobres, os derivados sociais e religiosos. E para além da força das temáticas, convém ser sensível aos livros de Aminata Sow Fal à modernidade da escrita, o que às vezes se inspira nas formas tradicionais de escrita, como no romance a jujuba do patriarca "Le Jujubier du patriarche", onde por trás das realidades da sociedade moderna ressoa a canção épica de antigos heróis.

Aos 74 anos de idade, Aminata Sow Fal é uma das mais antigas escritoras senegaleses, sem dúvida, uma das literaturas mais dinâmicas e mais inventivas do continente negro. Suas publicações mais emblemáticas são: Ken Bugul, Sylvie Kande, Boubacar Boris Diop, Fatou Diome, Cheikh Hamidou Kane Hamidou Dia, só para citar alguns. Através da pessoa e obra de Aminata Sow Fall, o Grande Prêmio da Francofonia distingue e ilumina hoje, todo o a literatura Pan senegalês da literatura africana.:

* Leia os romances e as novelas de Aminata Sow Fall:

Lire les romans et les nouvelles d'Aminata Sow Fall : Le Revenant (NEA, 1976), La Grève des bàttu (NEA, 1979), L'Appel des arènes (NEA, 1982), L'Ex-Père de la nation (L'Harmattan, 1987), Le Jujubier du Patriarche (Khoudia, 1993), Douceurs du bercail (Khoudia, 1998), Sur le flanc gauche du Belem (Actes Sud, 2002), Festin de la détresse (Editions d'en bas, 2005)

#rfi

Burundi: Material da eleição incendiado com o Burundi se preparando para as eleições.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Pierre Nkurunziza. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

Atacantes no Burundi incendiaram material eleitoral e arremessaram granadas, informaram os funcionários neste sábado, o que aumenta ainda mais a tensão, isso a dois dias antes de votações-livres, e em meio a essa turbulência a ONU pede adiamento. 

A oposição disse na sexta-feira que estava boicotando votações alegando que não é possível realizar uma eleição justa depois de semanas de violência sobre a candidatura do Presidente Pierre Nkurunziza para permanecer no poder.

As eleições parlamentares e locais foram definidas para serem realizadas na segunda-feira, e a eleição presidencial em 15 de julho. 

Funcionários nacionais da comissão eleitoral confirmaram o ataque no Distrito Ntega no nordeste, a alguns 200 quilômetros da capital Bujumbura, mas não há nenhuma indicação de quem é o responsável. 

"Um grupo de jovens não identificados aproveitou a polícia que estava dormindo em serviço e incendiou o material eleitoral num edifício de habitação," o governador local Reverien Nzigamasabo disse à AFP neste Sábado.  

"Parte das urnas e cabines de voto foram queimados, mas algumas pessoas conseguiram salvar o resto."Soldados dispararam tiros contra a quadrilha para afastá-la,, disse a polícia. 

Permanecer refém 

Duas granadas também foram lançadas durante a noite desta sexta-feira em Bujumbura, disseram testemunhas, mas ao contrário de uma série de ataques semelhantes, ninguém ficou ferido. 

Tiroteios também foram ouvidos na capital durante a noite, como tem sido nos últimos dias. 

Cerca de 70 pessoas foram mortas nas semanas de manifestações do golpe fracassado que foi brutalmente reprimido, provocando um êxodo de mais de 127.000 pessoas para países vizinhos. 

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon,  pediu na sexta-feira o adiamento das eleições depois que a oposição disse que não iria participar nas eleições que vê o Burundi enfrentar sua pior crise desde a guerra civil que terminou há nove anos. 

Do Burundi o Embaixador Albert Shingiro da ONU, no entanto, disse aos membros do Conselho de Segurança de que 15  das urnas iriam adiante como planejado. 

"O governo simplesmente não pode aceitar que a cabeça caia em um vazio institucional, em um abismo", disse ele na sexta-feira. 

"Noventa e cinco por cento da população quer avançar para que a eleição não fique refém desta minoria radical", disse ele, acusando a oposição de agir "como crianças mimadas" que nunca estão satisfeitas. 

O Burundi ficou mergulhado em crise no final de abril, quando o Nkurunziza lançou sua candidatura para um terceiro mandato consecutivo de cinco anos, provocando protestos generalizados.

#africareview.com

Total de visualizações de página