Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 18 de maio de 2021

SENEGAL: Pausa musical de Youssou Ndour: - Halima Gadji homenageia o artista.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A pausa musical de Youssou Ndour trouxe a Halima Gadji suas mais belas frases em homenagem a ele. No Instagram, a atriz elogiou a artista.

Palavra de Fana

“Hoje quero prestar homenagem a um artista cuja carreira e longevidade admiro: Youssou Ndour. Cantor com fama internacional, pai de família, o “rei do mbalax”; que usou sua notoriedade em benefício de causas humanitárias.

Jornada inspiradora

Seu início me inspira porque é graças à sua perseverança que ele é o artista que conhecemos hoje. Vindo de uma família pobre, seu pai não queria que ele fosse um artista. Apesar desse obstáculo, sua paixão pela música o levou a fazer seu primeiro violão com arame, pois não tinha como comprar.

Artista planetário

Durante seus primeiros sucessos, ele nem percebeu o impacto que sua música teve no público. Foi através dos olhos de seus fãs e colaboradores que percebeu a importância de sua arte. Apesar de suas colaborações com Paul Simon, Manu Dibango e Jean-Jacques Goldman, apesar dos shows e discos de ouro, ele também tem sua cota de detratores.

Palavras do pai

Quando nos conhecemos, disse a ela o quão preocupada eu estava, como mulher, neste setor. Ele me fez entender que eu tinha que ser forte, mesmo quando a estrada estava cheia de armadilhas, porque inevitavelmente será. Ele me aconselhou a nunca esquecer meus valores. Ele é um homem de família e falou comigo como se eu fosse sua filha. Com ternura, respeito e consideração. Esta conversa deixou uma impressão em mim e ainda sigo seu conselho ao pé da letra. "

fonte: seneweb.com

Biden exibe sua diferença de Trump, libera declaração de imposto.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O presidente democrata está renovando uma tradição interrompida por seu antecessor, que se recusou a cumprir esse exercício de transparência.
 
Joe e Jill Biden ganharam pouco mais de US $ 600.000 em 2020, de acordo com a declaração de impostos que eles divulgaram na segunda-feira, 17 de maio, continuando uma tradição interrompida por Donald Trump. Desde Richard Nixon, meio século atrás, os presidentes americanos publicaram esses documentos fiscais detalhando as fontes de renda e os impostos pagos, mas Donald Trump se recusou a cumprir esse exercício de transparência durante seu mandato. Em 2020, Joe Biden e sua esposa Jill, professora da universidade pública, relataram uma renda bruta de $ 607.336. Eles pagaram $ 157.414 em impostos federais, uma alíquota de 25,9%. Eles também pagaram $ 28.794 em impostos ao estado de Delaware, onde estão domiciliados.
 
A vice-presidente Kamala Harris e seu cônjuge Doug Emhoff, advogado, relataram uma renda mais substancial: $ 1.695.225 brutos, sobre os quais pagaram $ 621.893 em impostos federais, ou 36,7%. Eles também pagaram US $ 125.004 em impostos para o estado da Califórnia e Doug Emhoff, sozinho, pagou 56.997 em impostos para a capital federal Washington. Doug Emhoff, um proeminente advogado do entretenimento, tirou licença sem vencimento de seu gabinete quando Kamala Harris foi escolhida por Joe Biden como sua companheira de chapa.

As duas famílias no executivo americano veriam seus impostos aumentarem se Joe Biden conseguir levar adiante seu enorme plano de ajuda à família e de gastos com educação, que será financiado por um aumento de impostos para a maioria dos americanos.

 
De acordo com investigação do New York Times, que conseguiu obter documentos fiscais de Donald Trump, o ex-presidente republicano havia conseguido reduzir sua cobrança de impostos a zero em 11 dos 18 anos de registros obtidos pelo diário, e não 'pagos apenas $ 750 em 2016 e 2017.

fonte: seneweb.com

Líderes africanos procuram soluções para a dívida em Paris.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Presidente da França reúne-se hoje em Paris com líderes africanos para debater o relançamento do crescimento. A aposta é no envolvimento dos parceiros e na criação de um pacote de "apoio massivo" às economias.

De acordo com a Presidência francesa, "a cimeira pretende aprofundar duas linhas de ajuda: a criação de um pacote massivo de apoio para o continente africano, para superar o choque da pandemia e, por outro lado, lançar as base para um novo ciclo de crescimento que beneficiará os povos africanos, mas que pode ser também um motor de crescimento para toda a economia mundial".

A Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas, promovida por Emmanuel Macron, acontece um dia depois de a França ter anunciado o perdão da dívida de mais de 4 mil milhões de euros ao Sudão.

E também surge na sequência da divulgação de um pedido de apoio dos líderes africanos, em 15 de abril de 2020, no Financial Times e no Jeune Afrique, afetados não só pelo impacto da pandemia na saúde, mas também na economia, que viu as debilidades já existentes agravadas pelas medidas de restrição necessárias para impedir a propagação do vírus.

Receio do risco de divergência entre ricos e pobres

Na iniciativa participam dezenas de presidentes de nações africanas, como os de Angola e Moçambique, líderes do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Africano de Desenvolvimento, Organização Mundial do Comércio, Banco Mundial, Organização das Nações Unidas, União Europeia e União Africana.

Apesar de o continente ter registado um número relativamente baixo de óbitos, cerca de 130 mil, o equivalente às mortes no Reino Unido, por exemplo, os responsáveis do Eliseu, salientam principalmente o efeito na economia e, consequentemente, na vida das pessoas, cujo rendimento 'per capita' só deverá voltar aos níveis anteriores à pandemia em 2023 ou 2024.

Frankreich Emmanuel Macron und Abdalla Hamdok

Emmanuel Macron, Presidente da França, e Abdalla Hamdok, primeiro ministro do Sudão

"Temos muito receio do risco de divergência entre as economias africanas, e entre estas e as economias desenvolvidas", afirmou um dos responsáveis, na linha da diretora executiva do FMI, quando disse recear que uma das consequências da pandemia, além do "grande confinamento", fosse "uma grande divergência" entre África e o resto do mundo em termos de relançamento do crescimento económico.

 Necessidades maiores que as ajudas

O continente já recebeu avultadas verbas para combater a pandemia e relançar o crescimento, mas as necessidades de financiamento são significativamente maiores do que as ajudas recebidas.

"O FMI estima que os países africanos tenham necessidades de financiamento equivalentes a 370 mil milhões de euros até 2025, daí a ideia de aumentar de forma massiva a ajuda de emergência a África", que sofreu o mesmo que os outros países, mas não tem os instrumentos financeiros que os países mais desenvolvidos colocaram à disposição das suas economias.

O Banco Central Europeu, por exemplo, disponibilizou 750 mil milhões de euros em estímulos à economia da região, enquanto os Estados Unidos da América aprovaram um pacote de ajuda no valor de 1,65 biliões de euros, o maior de sempre, o que contrasta com a fraca capacidade financeira dos países africanos.

O FMI vai emitir 550 mil milhões de euros em Direitos Especiais de Saque (DES), que serão depois distribuídos pelos membros em função das quotas, o que dará 28 mil milhões de euros para África, dos quais 19 mil milhões de euros estão reservados para a África subsaariana.

fonte: DW África

Total de visualizações de página