Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 1 de setembro de 2012

Fonte: Slateafrique - José Eduardo dos Santos, o Maquiavélico da África

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

José Eduardo dos Santos, 70 anos no poder em Angola desde 1979, é um dos melhores chefes de estado agarrado aos seus lugares. Ele submete no dia 31 de agosto a uma eleição pela segunda vez em sua vida, mas é a certeza de que ele vai ganhar.


Presidente Eduardo Dos Santos 28 ago 2012. REUTERS / Siphiwe Sibeko


Atualizado em 01 de setembro de 2012: O partido do Presidente José Eduardo dos Santos conquistou 74,46% dos votos nas eleições, de acordo com resultados parciais em mais de 58% dos votos, anunciou Julia Ferreira, porta-voz da Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

***



José Eduardo dos Santos segue ele a trajetória de Robert Mugabe, presidente do Zimbábue para a vida, ou melhor, de Hosni Mubarak, perseguido por jovens com raiva, e uma população exasperada?

A primeira opção ainda parece ser o mais provável ... Apelidado de "Maquiavel da África" ​​pela sua arte de intriga política, o presidente angolano pretende preparar a sua sucessão.

Manuel Vicente, ex-chefe da companhia nacional de petróleo, a Sonangal apresentado como um possível sucessor, foi impulsionada, em fevereiro, ao ministro de Estado para a Coordenação Económica. Dos Santos, ainda permanece firmemente ligado ao poder.

A Constituição, na redacção dada por ele em 2010, reserva-se o direito de re-alistar novamente para um mandato de cinco anos em 2017, após a eleição de 31 de agosto.

A oposição tem bela coleção de milhares de manifestantes nas ruas de Luanda, a capital, para exigir eleições transparentes realmente ...

Angola, um país de 19 milhões de pessoas, rolou a mais longa guerra civil, já conhecido na África (1975-2002, 1,5 milhão de mortes), permanece sob o controle do Movimento de Libertação do Povo de Angola (MPLA), partido-Estado, de José Eduardo dos Santos.

Democracia Sham

Saiu vitorioso da guerra, depois da morte, em fevereiro de 2002, de seu rival, Jonas Savimbi, líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), reina dos Santos. Ele tomou seu tempo para dar o seu regime uma fachada democrática.

As segundas eleições democráticas na história do país, anunciadas como "iminente", após os acordos de paz de 4 de abril de 2002, foram finalmente decididas que em seis anos depois, em 5 de setembro de 2008. O MPLA teria  então obtido uma vitória esmagadora, com 80% dos votos.

A Unita, privado de seu diamante inesperado e atormentado por disputas internas, teria recolhido apenas 10% dos votos.

Os ex-rebeldes não tinha os meios para competir com o MPLA, que fez campanha em construção de escolas e clínicas, nas planícies costeiras, onde reside o banco de dados de "assimilados" do eleitorado.

Os "assimilados" em Angola incluem negros e mestiços educados, ao contrário de "civilizados» Português e "indigenas" Africanos. Muitas categorias estabelecidas antes da independência, no momento da "exterior província" Portuguesa. O interior do país, durante a guerra controlada pela UNITA, continua a ser muito menos desenvolvido.

Em seguida, a eleição presidencial, prevista para 2009, foi adiada por três anos. Enquanto isso, em 2010, dos Santos fez a revisão da Constituição para remover o estatuto direto e presidencial e legislativa depois que o líder do maior partido deveria ganhar a presidência sem a necessidade de uma maioria absoluta.

Ele reserva a possibilidade de fazer dois mandatos de cinco anos, mesmo que seja o chefe de Estado mais odiados na África, com 78% de opiniões negativas de acordo com uma pesquisa do instituto Gallup lançado em abril.

Dos Santos conseguiu a proeza política para apresentar, pela segunda vez em sua vida a uma eleição em 33 anos no poder. Ele enfrentou as urnas apenas uma vez, em setembro de 1992, três anos após a queda do Muro de Berlim e sob pressão dos Estados Unidos.

Ele venceu o primeiro turno de uma eleição presidencial supervisionado pela ONU, com 49,3% dos votos. Mas, se a eleição foi contestada duramente pela UNITA (40,1% dos votos) que o país estava mergulhado em uma guerra mesmo antes do segundo turno foi organizado.

Laboratório de "China-África"

Angola, que navega por dez anos sobre o boom de sua própria reconstrução, é um país da África fora da categoria. Sua capital, Luanda, é uma das cidades mais caras do mundo, superando até Tóquio. Seu modelo de desenvolvimento independente, na verdade, um laboratório de "China-África".

Seu exército é considerado um dos mais profissionais do continente, e seu presidente em arrastos de energia sem os investidores onde os poderes ocidentais fazem encontrar falha.

Afinal de contas, o homem forte de Luanda é uma garantia de estabilidade em um país considerado estratégico porque é o segundo maior produtor de petróleo na África, depois da Nigéria.

Dos Santos, um mudo que faz pequenos presentes, navegando entre o palácio presidencial e a residência, parece determinado a aproveitar sua vitória até o final. Filho Mason, engenheiro formado na União Soviética, ele tinha conseguido de Agostinho Neto, o pai da independência, que morreu em 1979.

Os burocratas Quadra que pensaram que poderiam controlar

Então Ministro da personalidade dos Negócios Estrangeiros em vez apagado, Santos foi impulsionada chefe de Estado com 37 anos, principalmente por causa de sua cor de pele preta, como a de seu antecessor.

Os barões do MPLA, no momento em sua maioria brancos e mestiços, pensaram que o país não estava preparado para um presidente de "assimilados".

A quadra, os aparatos do pensamento do MPLA para controlar, o então provado na arte da política de despejo. É aplicado para erradicar a ala radical do movimento na época marxista-leninista e apoiado pela URSS.

Em 2002, dizendo não querer apresentar na próxima eleição, ele deixou sua propriedade para os candidatos na aplicação do MPLA para agir ... para melhor excluí-los depois.

Em janeiro de 2006, um general muito popular Fernando Garcia Miala, chefe do serviço de inteligência estrangeira, foi demitido, rebaixado e se aposentou. Seu erro: ser muito popular, tendo lançado uma fundação para ajudar os órfãos.

Dos Santos ainda se concentra nos poderes, às vezes cercado por ministros generais mais influentes. Ele é o chefe do exército, polícia e juiz ainda é chamado. Se ele deixa seus colaboradores rico, ele nunca deu visivelmente a atração de luxo.

Não está claro quais são os seus ativos no exterior. Quanto à sua filha mais velha, Isabel Dos Santos mestiço, 39 anos, nascido de um primeiro casamento com uma russa, ela foi identificada em 2011 pela revista Forbes como a mulher mais rica e mais poderosa na África.

À frente de um império de negócios que está se tornando estabelecido com Portugal, a antiga potência colonial, que deposita no banco, mídia, cimento, energia, varejo e diamantes. Sem identificar a burguesia que gira em torno do poder.

O mais discreto e influente como seu pai, Isabel dos Santos não hesita em denunciar através de "oligarcas", incluindo ainda outros, ela tem um número de parceiros. Ela está presente no congresso do MPLA, um partido onde ela não tem função. Seria um candidato para a sucessão, como Karim Wade poderia estar no Senegal? A questão permanece um tabu ...

"Zedu" (contração dos dois nomes do presidente) não tolera críticas. Os poucos jornalistas receiam desafiar o tribunal ou prisão. Em 2005, o FMI publicou em seu site um artigo escrito por um estudioso americano intitulado "A corrupção é a principal instituição no país."

Excepcionalmente, o então presidente do FMI, Rodrigo de Rato, teve que pedir desculpas ...

"A arrogância de olho grande"

Apenas o papa, visitou Angola em Março de 2009, serviu para lembrar aos líderes para ordenar os registros da pobreza e da corrupção.

No entanto, as autoridades angolanas estão ainda menos prontos para receber lições de boa governação porque crescem "a arrogância de olho grande", como observou o historiador angolano Carlos Pacheco.

Ouro negro, 56% do PIB e 90% das receitas do Estado é extraído de campos offshore controlados 41% pela Sonangol nacional. As receitas do petróleo evaporam em grande escala. De acordo com a Human Rights Watch (HRW), o FMI identificou um gigantesco buraco 32.000 milhões entre 2007 e 2010, o que corresponde 25% do PIB.

Por enquanto, o novo partido de oposição CASA foi fundada em abril por Abel Chivukuvuku, um ex-barão da Unita, porém não muda a situação.

Esta formação, que inclui os dissidentes de todos os tipos, espera 30% dos votos, mas deve, no máximo,  colher apenas 20%, por falta de uma base política suficiente em todo o país.

Por: Sabine Cessou

fonte: slateafrique


José Eduardo dos Santos aplaudiu as eleições e lembrou que democracia é o poder do povo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Presidente da República presta declarações aos jornalistas depois de votar na assembleia de voto instalada no Colégio Yara Jandira

Fotografia: Francisco Bernardo


O cabeça de lista do MPLA, José Eduardo dos Santos, votou ontem às 10H20, na Assembleia de Voto número 14, instalada no Colégio Yara Jandira, nas imediações da Cidade Alta. Acompanhado pela mulher, Ana Paula dos Santos, e pelos filhos, José Eduardo dos Santos saudou as pessoas que se encontravam dentro e no exterior da assembleia de voto e foi directo à mesa sete, onde confirmou os dados no caderno eleitoral, antes de depositar o voto na urna.
O momento foi testemunhado por jornalistas nacionais e estrangeiros que abordaram o candidato à saída. José Eduardo dos Santos mostrou-se satisfeito por saber que o processo de votação estava a decorrer dentro da normalidade em todas as províncias.
“Estou satisfeito porque o processo está a decorrer normalmente em todo o território nacional. Os angolanos estão a exercer o seu direito de voto em consciência, com tranquilidade e serenidade”, disse José Eduardo dos Santos. Depois mostrou o indicador direito pintado, para mostrar que cumpriu com o seu dever de cidadão.
O Presidente José Eduardo dos Santos referiu-se ao dia do voto como um momento “de grande responsabilidade” para a consolidação da democracia e afirmação do Estado de Direito: “a democracia é o poder do povo e hoje o povo tem o poder nas suas mãos para escolher os dirigentes que vão governar Angola nos próximos cinco anos”, afirmou.
O Presidente José Eduardo dos Santos disputou eleições presidenciais em 1992, tendo sido o candidato mais votado, com mais de 49 por cento dos votos. O segundo candidato mais votado foi Jonas Savimbi, da Unita, com 40 por cento. Estes resultados obrigavam à realização de uma segunda volta. Mas Savimbi decidiu tomar o poder pela força das armas, mergulhando o país numa guerra fratricida que só terminou em 2002. 
O número dois da lista do MPLA, e candidato a Vice-Presidente, Manuel Domingos Vicente, disse que “votei pelo progresso de Angola, pela estabilidade e paz, para que tenhamos uma Angola melhor, com mais democracia, mais educação e mais saúde para o bem de todos os angolanos”.
O governador de Luanda, Bento Bento, realçou a lição de civismo e de democracia dada pelos eleitores: “os angolanos estão a transformar as eleições numa festa da democracia. Há uma grande afluência às urnas e as pessoas votam de forma ordeira e organizada. Estamos todos de parabéns”, disse. Bento Bento disse à imprensa que os eleitores de Luanda deram uma lição de democracia, de civismo e de aprofundamento da democracia.  Afirmou ainda estar satisfeito pela forma como decorreu o processo de votação. “Os angolanos estão a dar uma lição de civismo”, disse. “O MPLA preparou-se bem para essa batalha eleitoral, mobilizando os seus militantes, simpatizantes e amigos para o registo eleitoral e, na fase pré eleitoral, organizou-se e mobilizou-se para o voto”, disse.

D. Anastácio Kahango, bispo auxiliar de Luanda, disse que ficou emocionado no momento em que exercia o direito de voto: “é um momento em que o cidadão exerce de facto um poder”, disse.

Arcebispo de Luanda


Também com o indicador pintado, na Assembleia de Voto nº 14, esteve o arcebispo de Luanda. D. Damião Franklin. Defendeu que “religioso ou não religioso, todo o cidadão tem que trabalhar para o bem comum”. 
O presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) revelou que os primeiros resultados provisórios começam a ser divulgados hoje à tarde: “a máquina está afinada e pronta para entrar em funcionamento logo que começarem a surgir os primeiros resultados”, disse André da Silva Neto.
 “Estão previstos nove milhões de votos. É em função desse número que podemos estipular o prazo para a realização do escrutínio. A lei determina um prazo global de 15 dias e eu estou convencido que temos os resultados antes desses 15 dias”, declarou.
O Vice-Presidente da República, Fernando da Piedade Dias dos Santos, votou na Assembleia nº 077, instalada na escola primária José Martins. Fernando da Piedade Dias dos Santos exerceu o seu direito de voto por volta das 10h45, num ambiente calmo e de paz. As filas eram pequenas e ordeiras, fruto da organização. O Vice-Presidente da República, depois de votar, disse acreditar que o país está cada vez melhor.  Urbanidade, respeito, serenidade e tranquilidade foram as características com que se apresentaram as assembleias de votos por onde a reportagem do Jornal de Angola passou.

fonte: jornaldeangola

Angola à espera do resultado das Eleições.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Veja o vídeo:


Eleições em Angola.


fonte: euronews

Costa do Marfim: Reforçada segurança em Abidjan após ataques contra militares.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Tensão aumenta enquanto a oposição acusa o governo de utilizar os ataques como pretexto para desencadear uma caça à bruxas.


Na Costa do Marfim, o governo reforçou a segurança em Abidjan após uma série de ataques contra as forças de segurança, que as autoridades atribuem a elementos leais ao antigo presidente Laurent Gbagbo.


Pelo menos 11 pessoas já mortas, e tensão continua a aumentar enquanto a oposição acusa o governo de utilizar os ataques como pretexto para desencadear uma caça à bruxas contra os opositores.

A tensão política que levou a Costa do Marfim a uma guerra civil em 2011 continua a fermentar.

As autoridades acusaram 73 pessoas – doze das quais soldados – de estarem relacionadas com as incursões violentas, do mês passado, contra sete instalações militares e da policia.

Os ataques levados a cabo por homens armados não identificados, ocorreram ao redor da capital comercial, Abijan, e em áreas voláteis do ocidente do país.

O governo responsabiliza a violência a elementos leais ao antigo presidente Laurent Gbagbo que perdeu em Novembro de 2010 o sufrágio presidencial mas que se recusou a abandonar o cargo, desencadeando um conflito de nível nacional que custou a vida a três mil pessoas.

O partido político de Gbagbo, presentemente na oposição, a Frente Popular Marfinense desmente o envolvimento nos actos de violência do mês passado.

O partido emitiu um comunicado acusando o governo de abusos dos direitos humanos, incluindo provocação e extorsão, no que classificou de tentativa do governo de responsabilizar a teoria de um golpe da oposição.

O presidente da Frente Popular Marfinense Miaka Ouretto refere que não vão aceitar servir de bode expiatório numa luta pelo poder.

O comunicado constitui uma resposta às recentes detenções de dirigentes daquele partido em relação com as recentes ameaças de segurança.

Gbagbo aguarda julgamento no Tribunal Penal Internacional acusado de crimes contra a humanidade. O governo tem responsabilizado os seus aliados políticos e militares – muitos dos quais fugiram para países vizinhos – de conspirarem para desestabilizar o actual governo de Alassane Ouattara.

O ministro da defesa Paul Koffi afirmou esta semana que o governo não vai tolerar a subversão continua que impede a reconciliação.

Refere não desejar mais conflito e o continuar da violência, o que será considerado acto de terrorismo e a que o governo dará resposta.

O resultado foi o aumento da segurança ao redor de Abijan, e regresso aos postos de controlo nas ruas.

Os residentes de Abijan indicaram que o crime e a intimidação por parte das forças de segurança constitui um problema.

Este estudante universitário e residente numa área pro-Gbagbo afirma que a televisão indica que as coisas vão bem, mas nas ruas não existe reconciliação.

Os residentes indicam que aumentou a tensão entre a elite política, mas que apenas desejam calma e reconstrução económica.

fonte: VOA em Poruguês

Total de visualizações de página