Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Senegal: Samuel Sarr convocado pela polícia por "insultar o chefe de Estado".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Samuel Sarr era solicitado toda hora à seção da Polícia Judiciária senegalesa de Colobane. Alguns avançam comentários abusivos sobre o Presidente da República, Macky Sall, que o ex-ministro da Energia supostamente fez em sua última contribuição publicada na imprensa. 

Aqui a contribuição. 

Reconhecemos e desafiamos o Sr. William Bourdon. "Contador de histórias extraordinárias" 

Reconhecemos tudo que este advogado bem pago pessoalmente por Macky Sall com o DINHEIRO público, no momento que os estudantes manifestam para serem pagas as suas magras bolsas. A negação e a procrastinação do Estado resultaram em perda de vidas (três mortes, de acordo com algumas fontes) e dezenas de feridos. 

Macky Sall zomba ainda mais uma vez dos senegales e dos chefes de Estado africanos? 

Como podemos construir, em nome da República do Senegal, um William Bourdon, que seria culpado de lavagem de DINHEIRO e fraude fiscal de acordo com fontes bem informadas do Gabão e do Congo. 

Como podemos nós construir em nome da República do Senegal, um contador de histórias da classe excepcional que se atreve a abrir um processo para chefes de Estado africanos no cargo e se recusa a fazer o mesmo quando se trata de "príncipes " de alguns países fortes, financiadores e salvadores das economias ocidentais ou, no caso das oligarcas e chefes de alguns países da Europa de Leste, como se um Africano é necessariamente suspeito e deve pedir sua comida. 

Por que William Bourdon não informa e não cessa os bilhões de Macky Sall depositados em bancos norte-americanos? 

William Bourdon está em silêncio quando é bem pago pelas mesmas pessoas como Macky Sall, que choram o roubo quando suas contas bancárias estão cheios de DINHEIRO ilícitos. 

Sr. Bourdon parece não ver contradição por razões puramente financeiras para defender o filho do coronel Gaddafi, o líder da inteligência externa da Líbia, Loïk Le Floch-Prigent, símbolo de uma Françafrique que ele condena, ou William Lee, que passou a ser para agente da CIA, aquele que manteve um alto cargo da Federação Internacional dos Direitos Humanos (FIDH) de 1994-2000. 

Foi nomeado perito judicial sobre os mecanismos de como a "sociedade civil", notadamente sua possível instrumentalização através da manipulação de ONGs, decidiu, em 2002, estabelecer a sua própria SHERPA PARA GANHAR DINHEIRO. 

Para concluir vou extrair a definição que caracteriza William Bourdon e Macky Sall 

Formar sua equipe, é fazer-se de importante, faz-se entender, eu creio que é mais inteligente, usufruir de grandes ares, andar no meio da música e do louvor que damos a nós mesmos. Em suma, é ... como por exemplo: fazer um fanfarrão ". 

Samuel A. Sarr
Wadiste Éternel 
Membre du Comité directeur du PDS
Membre de la Convergence des Libéraux radicaux
Membre de IDEM (Iniative pour le Départ de Macky)

# seneweb.com



Questões raciais nos EUA deixam presidente Obama em 'saia justa'.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente também advertiu que a luta contra a discriminação racial é um projeto de longo prazo com o qual os Estados Unidos se comprometeram há 200 anos.


Washington - Na enorme foto de Barack Obama exibida pelos manifestantes na pequena cidade de Ferguson, uma mensagem escrita ao primeiro presidente negro dos Estados Unidos pede: "Por favor, venha logo!"

O cartaz é um dos muitos que os manifestantes exibem nesta cidade do Missouri (centro), onde um adolescente negro desarmado foi baleado e morto por um policial branco há dez dias, provocando protestos cada vez mais violentos.

O fato resume em parte as elevadas expectativas da comunidade negra americana com a administração Obama, mas também diz respeito a uma questão que preocupa o presidente desde que assumiu o poder em 2009: Ele deve se envolver pessoalmente em episódios locais que tenham componentes raciais evidentes?


Em alguns estados do sul dos Estados Unidos, a segregação racial foi abolida há apenas meio século, mas o país tem agora um presidente está em uma situação delicada e altamente controversa.

Obama se manifestou na segunda-feira após os distúrbios. Em um discurso muito cauteloso, exigiu moderação às forças de segurança e aos manifestantes, pedindo que evitassem a violência porque ela apenas enfraquecem a busca pela justiça.

Um abismo de desconfiança


Mas quando perguntado se pretendia intervir pessoalmente em um drama que abala todo o país há mais de uma semana, Obama pareceu afastar essa possibilidade, da mesma forma que uma visita simbólica a Ferguson.

No entanto, e claramente desconfortável, ele abordou a questão a partir de uma perspectiva mais ampla: como os americanos devem aproveitar este momento para redescobrir a nossa humanidade comum", afirmou.

"Eu já disse isso antes, em muitas comunidades há um abismo de desconfiança entre os moradores locais e as forças de segurança", admitiu.

correiobraziliense.com.br





Cabo Verde: Ébola - Governo anuncia interdição de entrada a cidadãos dos países afectados pelo surto.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ébola: Governo anuncia interdição de entrada a cidadãos dos países afectados pelo surto
José Maria Neves anunciou hoje que o governo decidiu interditar a entrada de todos os cidadãos provenientes dos países afectados pelo surto de ébola.
O Primeiro-ministro que se reuniu durante a tarde de hoje com os ministros da Saúde, da Presidência do Conselho de Ministros, das Relações Exteriores, da Justiça, e das Infraestruturas e Economia Marítima anunciou que, durante os próximos três meses, as entradas em Cabo Verde de cidadãos provenientes da Guiné Conakry, Serra Leoa, Nigéria e Libéria estão interditadas.
Esta é segundo José Maria Neves uma medida preventiva que no final dos três meses será novamente avaliada e que, conforme evolua a situação naqueles países, poderá ser levantada ou não afirmando de seguida que "todos os navios e todos os aviões" provenientes desses países estão a ser "monitorizados e controlados" pelas autoridades nacionais.
Segundo aninciou o primeiro-ministro, as entradas dos cidadãos de qualquer destes países estão interditadas "independentemente do percursos que estas pessoas façam", garantiu José Maria Neves. Outra medida anunciada pelo Governo é a "interdição de saída de comitivas nacionais para se deslocarem" aos países afectados pelo surto de ébola.
"Esta medida não é um encerramento de fronteiras, é apenas uma interdição de entrada", esclareceu o primeiro-ministro que garantiu igualmente que Cabo Verde está preparado para enfrentar o surto de ébola e que "não há razões para pânico".
Segundo os últimos dados da OMS já morreram 1229 pessoas devido ao surto de ébola na África Ocidental, e o número de pessoas infectadas conhecidas é de 2240, o que confirma a mortalidade de cerca de 50%, segundo o mais recente balanço feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
Mas, conforme a mesma organização, há cerca de um milhão de pessoas de quarentena na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa que é preciso alimentar. A OMS diz estar a trabalhar com o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas para canalizar alimentos para todas estas pessoas, que vivem em aldeias que foram fechadas para tentar conter o vírus – um método que poderá parecer primitivo mas é o mais eficaz para conter uma infecção para a qual não existe outro tratamento disponível.
“Garantir o fornecimento regular de alimentos é um argumento poderoso para limitar os movimentos da população”, explica a OMS em comunicado. As áreas de quarentena incluem cidades seriamente afectadas como Gueckedou na Guiné-Conacri, Kenema e Kailahun na Serra Leoa e Foya na Libéria.
A Nigéria, o país mais populoso de África, parece estar a conseguir conter o surto, mas a Serra Leoa e a Libéria estão a ter grandes dificuldades. Foi na Libéria, aliás, que houve mais mortes entre 14 e 16 de Agosto – 53 mortos e 48 novos casos (num total de 834 casos e 466 mortos).

# www.expressodasilhas.sapo.cv


Total de visualizações de página