Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 25 de junho de 2013

Golfo da Guiné: a criação de um imposto para financiar a segurança marítima está no menu de uma cimeira em Yaounde.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cameroun
© Presidência por DR
Camarões: abertura da cimeira sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné.
Segunda-feira, 24 de junho de 2013. Yaounde (Camarões). Vários chefes de Estado da África do Oeste e Central participaram da cúpula sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné.

Yaoundé - Os países do Golfo da Guiné estão reunidos nesta cimeira para instituir um imposto nacional, comunitário e multinacional para financiar a luta contra a pirataria marítima, objecto de um seminário de cúpula de dois dias, que teve início nesta segunda-feira em Yaoundé, Camarões, com a participação de Doze chefes de Estado da África Central e Ocidental dos 25 países da região.

O projeto deste imposto está entre uma lista de dez recomendações do relatório geral de processos de um simpósio internacional realizado sexta-feira nas instalações do Ministério das Relações Exteriores de Camarões, em Yaoundé, a capital, antes da reunião dos Chefes de Estado sob o tema "os desafios de segurança no Golfo da Guiné."

Esta reunião de peritos já localizaram as principais questões relativas à segurança marítima e à segurança no Golfo da Guiné, ou seja, "estabelecer o estado da insegurança marítima na área de alta importância estratégica e propor formas de lidar com esta ameaça de pirataria marítima, assalto à mão armada e outras atividades ilegais cometidos no oceano. "

A criação de "uma taxa nacional, comunitária e multinacional para apoiar operações de segurança marítima no Golfo da Guiné", foi discutido como parte de uma estratégia regional para aumentar a capacidade operacional dos países da região, através da partilha de suas ações e meios de intervenção para combater de forma mais eficaz os fenômenos a explorar.

A recomendação será considerado pela cimeira da cúpula que abriu nesta segunda-feira na presença dos Presidentes Thomas Boni Yayi do Benin, Blaise Compaoré do Burkina Faso, Denis Sassou Nguesso de Congo Brazaville, Ali Bongo Ondimba do Gabão, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo da Guiné Equatorial, Alassane Ouattara da Costa do Marfim, Mamahadou Issoufou do Níger, Goodluck Ebele Jonathan da Nigéria, Manuel Pinto da Costa de Sao-Tomé, Idriss Deby do Chad, Faure Gnassingbe do Togo e Paul Biya dos Camarões, o anfitrião da cimeira.

Esta recepção, da qual faz parte o vice-presidente gambiano Isatou Njie Saidou e outras delegações, vai dedicar a adoção de um Memorando de Entendimento entre a Comunidade Económica dos Estados África Central (CEEAC) Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (UEMOA) e da Comissão do Golfo da Guiné, as três organizações regionais estão presentes na cimeira, disse Alassane Ouattara, Presidente da CEDEAO.


Além de uma declaração política dos Chefes de Estado e de Governo, a agenda desta reunião, sob os auspícios das Nações Unidas prevê a assinatura de um código de conduta sobre a Prevenção e Punição contra a pirataria, o roubo aos navios e das actividades marítimas ilegais na África Ocidental e África Central, a par disso disseram também os líderes de países Oeste Africano.

Estes documentos foram validados em uma reunião ministerial realizada em 19 de março, em Cotonou, Benin, o país originário dessa cimeira aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU, depois de uma missão de avaliação determinada pelo Secretário Geral Ban Ki-moon em quatro países da região, incluindo o próprio Benin, Nigéria, Gabão e Angola, em Novembro de 2011.

Para Alassane Ouattara, "a assinatura destes documentos, marca o compromisso permanente em favor de documentos legais vinculativas" para lutar contra a pirataria e assalto à mão armada no mar e outras actividades marítimas ilegais.

Esquematicamente, o Golfo da Guiné é designado como um espaço geopolítico que se estende desde a Costa do Marfim até Angola. O geoestratégico Camarões Joseph Vincent Ntuda Ebode define como "um vasto território onde 7 capitais políticos sobre 12 (58,3%) tem uma fachada marítima com vista para a baía. Estes são: Accra, Lome, Porto Novo, Libreville, Malabo, Luanda e São Tomé ".

"Além disso, prossegue a universidade, que inclui oito capitais econômicos (Abidjan, Acra, Lomé, Cotonou, Lagos, Douala, Bata Preto Pt) e 12 grandes portos (Abidjan, Acra, Lomé, Cotonou, Lagos, Warri, Port Harcourt, Douala, Port Gentil, Pointe Noire, Matadi, Luanda). Embora apenas os portos de Lagos e Port Harcourt (Nigéria) têm uma capacidade de mais de 15 milhões de toneladas por ano cada um, suas margens são partilhados com muitas pequenos portos (San Pedro, Sekondi-Tokoradi, Tema, Calabar Kribi, Limbe, Bata, Libreville, Lobito ..). "

Rica em pesca e de recursos naturais, esta área é famosa por esconder grandes depósitos de petróleo e ela é pontilhada com os campos de petróleo onshore e offshore acompanhados por uma abundância de gás natural ao largo de quase todos os territórios dos Estados em causa.

Segundo a análise, o potencial de crescimento do petróleo parece maior do que o da Rússia, no Mar Cáspio e na América do Sul. Ouattara disse que cerca de 70% da produção do continente está concentrada nessa área e projeções indicam que está área vai superar a de todos os países do Golfo Pérsico, em 2020.

Segundo estimativas, ela fornece cerca de 40% do petróleo consumido na Europa e 29% do que é consumido nos Estados Unidos.

Mas a área interesses geoestratégicos abala a inveja das potências mundiais, no Golfo da Guiné fica o déficit anual de 2000 milhões dólares devido à pirataria, em parte impulsionada pela pobreza da população local e do desemprego de jovens, disse o delegado do governo para o Conselho Municipal de Yaounde, Gilbert Tsimi Evouna.

É por esta razão que o Presidente Paul Biya chamou isso de "uma resposta centrada tanto em segurança, governança e desenvolvimento."

Depois de ter recebido o apoio dos Estados Unidos, da China, da França, da União Europeia (UE) e da Interpol, o líder político saudou a criação de um centro regional de segurança Marítima da África Central e um mecanismo de financiamento em matéria de segurança marítima e de segurança na região.

A estratégia dos 15 países membros da CEDEAO ainda está sendo desenvolvido.

Presidente da CEEAC, composto por 10 estados, o Chadiano Idriss Deby foi chamado para pôr em prática efetiva a implementação ", com os países que estão disponíveis", a força de intervenção rápida Africana terá a capacidade de responder rapidamente a situações Emergência (CARIC), criado na recente cimeira da União Africana (UA) no final de maio, em Addis Abeba, Etiópia.

Segundo ele, tal força deve ter em seu meio um componente relacionado à segurança marítima.

A primeira cimeira sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné continua na segunda-feira à tarde por discussões a portas fechadas de chefes de Estado. A cerimônia de encerramento agendada para terça-feira ao meio-dia vai encarnar uma estratégia regional contra a pirataria marítima na África Ocidental e África Central, em cooperação com a União Africana e as Nações Unidas.

fonte: abidjan.net

Nigéria: Em lagos os populares se instalaram sobre as águas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Que caos!: Na Nigéria, as casas flutuantes estão surgindo, por falta de espaço na terra.
© NLÉ, 2013

Com mais de 10 milhões de habitantes, Lagos é a maior metrópole da África. Previsões dos analistas ainda consideram que a população da capital Africana vai ultrapassar 40 milhões de habitantes daqui a 20 anos.

Esse rápido crescimento populacional tem, naturalmente, consequências, diz o site Business Insider. Os arquitetos devem ser capazes de pensar o futuro da cidade para fornecer planos de desenvolvimento adequados, tendo em conta os riscos de catástrofes naturais, de acordo com o artigo.

Na verdade, as novas casas devem ser sustentáveis ​​e adaptadas aos condicionalismos ambientais. Lagos, que significa "lago" em Português, apropriadamente chamado: a capital é cercada por canais fluviais e sua economia está historicamente enraizada na pesca e comércio marítimo, refere o artigo.

A água está presente em todos os momentos da vida diária. Nas favelas de Lagos, os moradores de Makoko nomeados devem colher água acumulada diariamente durante a monção em abril. De acordo com o relatório, o governo tem pouco envolvimento nesta área privada e o Distrito de Makoko dificilmente depende de atividades econômicas territoriais.

Apesar dessa independência, as áreas de risco vão provavelmente desaparecer, diz Business Insider. O aumento do nível da água, bem como o desejo das autoridades de erradicar as favelas no país ameaçando a sua existência. Portanto, o artigo explica que o arquiteto nigeriano Kunle Adeyemi, com a sua empresa Urban Design NLE, propõe um plano para realocar os moradores.

Seu projecto? Transformar as casas decrépitas em Makoko em uma "comunidade flutuante". Estas novas casas vão receber um sistema à prova de terremotos, inventado pela empresa japonesa "Air Danshin Système", diz Business Insider. Em caso de alterações ambientais importantes, os colchões de ar se inflam protegendo as fundações do edifício, que podem absorver os choques causados ​​pelas inundações e a elevação do nível do mar

Tecnologia durável e acessível, observou o artigo: Em março de 2013, uma escola "flutuante" foi inaugurado em Makoko. O planeamento de construção de outros alojamentos ainda não é conhecido, diz o site.

fonte: slateafrique.com



Senegal: Melinda GATES - «Nós vamos apoiar os projectos da Fundação Servir o Senegal»

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Sra. Melinda Gates, patrono da fundação de mesmo nome, ontem, recebeu a primeira-dama, Sra. Faye Marieme Sall, Presidente da Fundação "Sirva o Senegal" . Estiveram presentes a Ministra da Saúde e de Bem-Estar Social, Sra. Awa Marie Coll Seck, Ministro Conselheiro, Sra. Penda Mbow, e a diretora-executivo da fundação, Alioune Fall.

Melinda Gates e sua comitiva foram brindados com uma apresentação em forma de documentário, das missões e realizações da "Fundação Servir o Senegal" desde a sua criação. No final da sua visita, a Sra. Gates, disse aos jornalistas que as duas fundações compartilham muitas semelhanças em sua estratégia de resposta. Ela lembrou das áreas visadas pela organização de caridade que giram em torno da luta contra a transmissão da Aids de mãe para filho, o planeamento familiar e a luta contra a malária e apoio para atividades geradoras de renda.
Como, principalmente, o planejamento familiar. Melinda Gates saudou o compromisso do Ministério da Saúde para ampliar a taxa de cobertura de 12% para 27%. A visita, segundo ela, foi um destaque para a troca de experiências, antes de prometer que a estrutura terá que apoiar alguns projectos da Fundação "Sirva o Senegal".

Por: Babacar DRAMA

Fonte: lesoleil.sn

Total de visualizações de página