Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 29 de junho de 2013

Mapa do investimento chinês na África revela destino de US$ 75 bilhões.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Xi Jinping no Congo (Foto AFP)
Líder chinês Xi Jinping em visita ao Congo: ajuda em gama variada de setores

Pesquisadores nos Estados Unidos mapearam os investimentos da China em projetos de ajuda na África no maior levantamento do tipo já feito sobre o tema.
Na tentativa de ampliar sua influência política e econômica no continente, os chineses têm financiado obras de infraestrutura e se tornado responsáveis por serviços básicos em países que, em troca, contratam empresas chinesas ou tornam-se importantes fornecedores de recursos naturais para o país asiático.
Mas quanto exatamente os chineses estão investindo, onde e em que condições sempre foram segredos guardados a sete chaves por autoridades de Pequim.
Agora, pesquisadores da organização AidData e do Center for Global Development (CGD), com sede em Washington, prometem expor esses dados no maior levantamento público sobre o que eles classificam de "ajuda" chinesa para a África - e que, na realidade, se refere ao "financiamento oficial" pelo Estado chinês de diversos projetos e iniciativas, desde obras de infraestrutura (com o envolvimento de empresas chinesas) até fluxos de comércio, investimentos em petróleo ou telecomunicações, joint ventures de empresas africanas com estatais chinesas, bolsas de estudo e programas de cooperação militar.
Seus números mostram que em dez anos a China investiu um total de US$ 75 bilhões (R$ 150,6 bilhões) em projetos de "ajuda" e "desenvolvimento" na tentativa de assegurar seu poder de influência na África.
E uma das novidades para a qual a pesquisa parece chamar a atenção é que, além da extração de recursos naturais e grandes obras de infraestrutura, os chineses estão financiando projetos em uma gama bastante variada de setores - que inclui, por exemplo, saúde, educação e até cultura.
"É impressionante a diversidade de projetos que eles têm tocado na área de desenvolvimento", opinou, em entrevista à agência de notícias Reuters, Brad Parks, diretor executivo da AidData.
As informações foram coletadas em veículos da imprensa e documentos oficiais públicos. Como resultado, uma ampla base de dados já está disponível na internet no endereço aiddatachina.org com o objetivo de "ajudar pesquisadores, formuladores de políticas públicas, jornalistas e organizações da sociedade civil a entenderem o papel da China na África".
A catalogação foi feita com a ajuda de estudantes e os coordenadores do levantamento admitem que pode haver erros. Por isso, a própria base de dados oferece àqueles que fazem consultas a opção de sugerir ajustes.

Destino dos aportes

No total, foram reunidos dados sobre 1.673 projetos em 51 países entre 2000 e 2011. Eles mostram que os países que reúnem o maior número de iniciativas financiadas pelos chineses são Zimbábue (295), Gana (195) Zâmbia (167) Sudão (164), Etiópia (159) e Quênia (151).
Angola e Moçambique, países que concentram presença e interesses brasileiros, receberam financiamento chinês para 91 e 130 projetos respectivamente.
No que diz respeito a setores, o que concentra o maior número de iniciativas financiadas pela China é o de "Governos e Sociedade Civil", com um total de 191 projetos.
Mas um estudo do Center for Global Development feito a partir da nova base de dados ressalta que enquanto a "ajuda externa" de países do Ocidente nessas áreas hoje é direcionada a projetos de "melhorias na gestão de finanças públicas, instituições anticorrupção e iniciativas de boa governança", a "ajuda" Chinesa inclui, "entre outras coisas, a construção de edifícios presidenciais e escritórios executivos".
Na área de "Saúde", os chineses financiaram 174 projetos, na de "Educação", 136, e na de "Transportes e Armazenagem", 103.
Em termos de volumes de investimentos, porém, o setor de "Transporte e Armazenagem" assume a liderança na lista dos aportes chineses, seguido de "Geração e Suprimento de Energia". No total, foram investidos pela China, US$ 16,6 milhões (R$33,2 milhões) e US$ 14,7 milhões (R$29,4) nessas áreas, respectivamente.
fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias 
Clique

Costa do Marfim: O Chefe de Estado fez o lançamento da primeira pedra do Hospital Materno-Infantil de Bingerville.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Le
© Presidência por DR
O Presidente Alassane Ouattara fez o lançamento da primeira pedra do Hospital Materno-Infantil de Bingerville. Sábado 29 junho de 2013, Bingerville. Presidente Alassane Ouattara fez o lançamento da primeira pedra do Hospital Materno-Infantil Bingerville. Abre a Fundação "As Crianças da África'', 'Children of Africa' da Primeira Dama Dominique Ouattara.

O Presidente da República, Sr. Alassane Ouattara, realizou este sábado, 29 junho de 2013, o lançamento fundamental da primeira pedra do hospital Materno-Infantil de Bingerville. Esta unidade de saúde que oferece 110 leitos, a Copa Mãe da Criança e uma plataforma tecnológica de última geração com todas as opções e especialidades médicas, é um empreendimento da Fundação dos "Filhos de Africa'' da Primeira Dama Dominique Ouattara.
Em seu discurso durante a cerimônia, o Chefe de Estado congratulou-se com este ato de grande significado social que, em sua opinião, demonstra mais uma vez, o "compromisso" e " generosidade "da Primeira Dama para os mais vulneráveis. Por isso, o presidente Alassane Ouattara disse que é um orgulho seu no lugar de sua esposa, mas também para a realização deste projeto, o primeiro do gênero na Costa do Marfim e na África Ocidental.
O Chefe de Estado não se esqueceu de agradecer igualmente os Chefes Tradicionais de Bingerville por seu ato de "generosidade", que eles concordaram em disponibilizar para as crianças da Fundação "Crianças da África" no terreno de 3 ha no qual o edifício vai ser construído. Um agradecimento, também envolvendo todas as partes interessadas e parceiros, em particular, o Gabinete de Arquitetura "Cauris" do Sr. Roger MBENGUE e os médicos coletivos que trabalharam no projeto para torná-lo realidade .
O Presidente da República afirmou que este projeto faz parte do programa de saúde para o ano de 2013, um ano dedicado à saúde pelo governo e, em última análise, irá disponibilizar a todos os marfinenses instalações de saúde equipados e perto da população. Isso, de acordo com o Chefe de Estado, isso tem como fim melhorar a vida dos nossos cidadãos.
No que diz respeito mais especificamente a Bingerville, o Presidente Alassane Ouattara disse que em seu vasto programa de desenvolvimento da Costa do Marfim, o povo desta cidade vai ser "levado em conta". Além disso, já iniciou a criação de uma série de obras em Bingerville, ou seja, a reabilitação do eixo central e asfaltamento de mais artérias, no valor de dois mil milhões de francos CFA. Na mesma linha, ele anunciará nos próximos meses os investimentos no reforço da capacidade de água potável para 1,5 bilhão de francos CFA e um extenso programa de renovação e reabilitação de várias unidades de saúde e escolas da antiga capital da Costa do Marfim. Tudo isso, na opinião do presidente da República, é para criar postos de trabalho, especialmente para os jovens.
Antes de o Presidente da República, a Primeira Dama, Sra. Dominique Ouattara interveio para dizer que a cerimônia do Dia consagra o sonho " de ver nossas mulheres e nossas crianças receberem os melhores cuidados nas melhores condições". Além disso, ela dirigiu seus
agradecemos a todos os colaboradores e todos os parceiros que trabalharam tão "ferozmente" e mostraram "solidariedade activa".
Dominique Ouattara também fez uma homenagem à presença de vários convidados VIPs em particular Sua Majestade, a princesa Ira DE Furstenberg e o ex-ministro da Saúde francês, Philippe Douste-Blazy, Conselheiro Especial do atual secretário-geral das Nações Unidas.
Note-se que de acordo com a decisão do Ministro da Saúde e da Luta contra a AIDS, Raymonde GOUDOU-COFFIE, o Hospital Materno-Infantil de Bingerville se chamará de ''Hospital Materno-Infantil Dominique Ouattara.'' O fim da obra está programado para dezembro de 2014.

fonte: abidjan.net

sexta-feira, 28 de junho de 2013

África do Sul: visita de Obama ofuscada pela doença de Mandela.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Mur couvert de messages de soutien à Mandela, Pretoria, 28 juin 2013 / REUTERS
O Presidente dos EUA chega a África do Sul depois que todo o mundo tem os olhos voltados para Madiba.

turnê Africana de Barack Obama passa pela África do Sul, sexta-feira 28 junho de 2013. No entanto, a chegada do presidente dos EUA suscita muito menos atenção que a saúde do ex-chefe do Estado sul-Africano.

Para o Sowetano, as mentes da África do Sul estão focadas no estado de saúde de Nelson Mandela. Em escritórios, nas casas ou administrações, cabanas de Khayelitsha, as villas luxuosas de Constantia, as rádios e televisões são ligadas continuamente para monitorar hora a hora as notícias do herói da luta contra o apartheid, diz o artigo.

Em frente da clínica de Pretoria onde Madiba é assistido, os visitantes se sucedem permanentemente, descreve o jornal, " le quotidien". Todo mundo coloca coroa de flores ou velas, as mulheres cantam "Viva Mandela" As crianças exibem os desenhos ... de acordo com o site, em vez de hospital tornou-se um lugar de peregrinação, onde todos se reúnem para orar.

A última luta de Mandela está na boca de toda a gente e o luto parece já ter começado, diz o Sowetano ao vivo. Seu impacto sobre a vida pública e política na África do Sul está aumentando: o Presidente Jacob Zuma cancelou uma viagem a Moçambique, para ficar ao lado do leito de seu ilustre predecessor, apesar de uma ligeira melhoria em sua condição de saúde.

A visita de Barack Obama pode também sofrer algumas mudanças, afirma o relatório. Ele queria reencontrar Mandela, mas o reencontro não parece ser possível ao fim do dia, uma vez que o paciente está sob assistência respiratória. Recebido esta Sexta, 28 de Junho, em Joanesburgo, o presidente dos EUA, então, viajará para Soweto e para Cidade do Cabo, onde vai fazer um grande discurso sobre o futuro da África, disse o jornal. Se a morte do herói nacional ocorrer durante a visita de Obama à África do Sul, o programa oficial provavelmente será cancelado.


Por: Leia Sowetan

fonte: slateafrique.com


Benefícios da visita do presidente Obama: Os Estados Unidos vão financiar a agricultura e as infra-estruturas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



"Disso", "(concertations)"(diálogo), « gno far !», "gno longe", "(on est ensemble)" (estamos juntos), "Dieuredieuf", "(merci)",(obrigado), um aceno para o esporte nacional Senegalês, a luta. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama citou alguns aspectos da cultura e expressões senegalês. Uma maneira de expressar a sua satisfação de ser o anfitrião do país de Téranga por 48 horas. Ele disse que os EUA continuarão a construir estradas e apoiarão agricultura no Senegal. Sr. Obama agradeceu aos Senegaleses pelo acolhimento que lhe foi reservado. Ele prometeu estudar as modalidades de recondução de AGOA que permite que os comerciantes senegaleses exportem seus produtos para os EUA sem pagar impostos.
"Eu vou pesquisar os termos de renovação e melhoramento de AGOA. A lei sobre  o desenvolvimento das oportunidades em África para apoiar o aumento do comércio e do emprego entre os dois países", disse ontem o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Foi durante a conferência de imprensa que ele co-animado com o presidente Macky Sall, no Palácio da República. O Presidente Obama, aparentemente satisfeito com o acolhimento dos senegaleses reservado a ele às portas da recepção do Palacio, Catedral Dakar, no Teatro Daniel Sorano, ele sublinhou que o seu país pretende reforçar as suas relações com o país de Téranga. "Queremos ser o seu parceiro para os próximos anos mostrando que a democracia conduz ao progresso", disse ele a mais de uma centena de jornalistas africanos e ocidentais.

Estudos para a recondução de AGOA

O Presidente Barack Obama revelou ter falado com o presidente Sall da necessidade para Dakar e Washington aumentar o seu volume de negócios, a fim de facilitar o investimento mútuo. Ele disse que pediu a seu conselheiro de comércio para finalizar um novo acordo de investimento com a CEDEAO. "O crescimento deve finalmente chegar a mais pessoas. Achamos que será um grande desenvolvimento para o mundo inteiro ", apressou-se a dizer. O Presidente dos Estados Unidos expressou seu orgulho em estar no Senegal como parte do 50 º aniversário de  Corpos de Paz. "Os Estados Unidos continuarão a ser um dos dos parceiros mais fortes do Senegal nesta área. Nós vamos construir novas estradas, pontes para que os comerciantes possam vender seus bens, para que haja mais livros, conexão à Internet, para que as crianças possam aprender ", disse ele. Obama também disse que os EUA vão apoiar o sector agrícola no Senegal. "Dado que a maioria das pessoas trabalham no Senegal e na África em agricultura, vamos ajudar os agricultores a desenvolver novas sementes para aumentar a produção", disse ele. Obama continuou, "como Presidente Sall iniciou uma reforma agrária, vamos aumentar o atendimento para a segurança alimentar".

Por: Babacar Dione

fonte: lesoleil

Cabo Verde: Lancha Voadora Desfecho conhecido esta sexta-feira.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lancha Voadora Desfecho conhecido esta sexta-feira
A leitura do acórdão do mega processo Lancha Voadora, que estava prevista para o dia 21, vai acontecer esta sexta-feira, 28.


O julgamento deste caso arrancou a 18 de Março, com 20 arguidos, mais de 60 testemunhas e um colectivo de três juízes, terminou em finais de Abril e tinha a leitura do acórdão inicialmente prevista para o dia 3 de Junho. Contudo, esta foi adiada para o dia 21, supostamente devido à complexidade do processo e agora passou para dia 28, porque Sebastião de Pina, presidente do colectivo de três juízes, sentiu-se mal minutos depois ter declarada aberta a sessão.
Recorde-se que nas alegações finais, sem hesitar, o Ministério Público (MP) pediu prisão efectiva para todos os arguidos em prisão preventiva, Veríssimo Pinto, António "Totony" Semedo, Ernestina "Nichinha" Pereira, Ivone de Pina Semedo, Paulo Pereira, Quirino “Naiss” dos Santos, Carlos “Gil” Gomes Silva, Luís Ortet, incluindo Djoy Gonçalves, José Teixeira e Jacinto Mariano, três arguidos que se encontram sob Termo de Identidade e Residência.
O MP pediu ainda a dissolução das empresas Editur, ImoPraia, AutoCenter, Aurora Internacional e TecnoLage, todas com sede na Praia e envolvidas no processo.
Na altura, as defesas dos 20 arguidos neste processo, 15 indivíduos e cinco empresas, consideram que o MP não conseguiu arranjar provas suficientes para comprovar as acusações imputadas aos arguidos, daí terem pedido a absolvição dos seus constituintes.
No entanto, a decisão do juiz será conhecida esta sexta-feira, por volta das 9h00. Caso os réus forem considerados inocentes, o Ministério Público terá dez dias para recorrer ao STJ, o mesmo acontecendo com a defesa dos arguidos que se encontram sob TIR, caso forem condenados. Uma via que certamente será utilizada neste tão complexo processo.
Lembra-se que no dia 21, pelas sete horas de manhã, à porta do Tribunal da Comarca da Praia, encontravam-se centenas de pessoas, entre familiares, amigos, conhecidos dos arguidos e curiosos para assistir in loco à conclusão do processo, mas que não chegou a acontecer, por causa da indisposição manifestada pelo Sebastião de Pina.
 Ao contrário do cenário verificado nas audiências do julgamento, em que havia apenas três acentos para 42 pessoas, a sala foi organizada e recebeu mais de uma centena de indivíduos. Entre os curiosos havia muito “burburinho” e todos aguardavam ansiosos pelo desfecho deste caso mediático. Já em relação aos arguidos, alguns mostravam alguma calma e naturalidade, mas houve quem não se contivesse com a presença dos familiares nos bancos e deixasse a emoção falar mais alto.
Na sala de audiência estava presente o médico clínico geral, Júlio Martins, para prestar assistência aos arguidos, caso houvesse alguma situação de emergência. O que não se esperava, era que o próprio juiz Sebastião de Pina, que se manteve tranquilo durante todo o julgamento, viesse a ter um aumento de pressão naquele momento – fala-se em princípio de um AVC, embora não tenha sido confirmada esta versão no Hospital Agostinho Neto (HAN).
Sebastião de Pina começou a sangrar pelo nariz, minutos após ter dado por iniciado os trabalhos, derramou algumas lágrimas e declarou que estava a sentir uma indisposição pelo que tinha de abandonar a sala. O juiz foi assistido pelo médico assistente dos presidiários e encaminhado para o HAN. A indisposição do juiz levou ao adiamento, mais uma vez, da conclusão deste processo, e causou rumores no público na bancada e desagrado a muitos familiares que aguardavam, com muita expectativa, o desfecho deste processo. Diante desta situação, os advogados consideraram normal a suspensão por mais uma semana. ”É perfeitamente normal e justificável, por mais ansiosos [que estejamos] ou constrangimentos que isso possa trazer principalmente para os réus presos, todos temos de aceitar e é uma questão que nos ultrapassa”, disse a advogada Maria João Novais.
Quem poderá ter ficado satisfeito com esta suspensão da leitura do acórdão são os procuradores que inicialmente solicitaram o adiamento, já que iriam estar ausentes do país no dia 21 de Junho, mas que agora vão assistir in loco a decisão do juiz.
A operação “Lancha Voadora” veio a público a 08 de Outubro de 2011, quando a Polícia Judiciária (PJ) fez a maior apreensão de sempre de drogas no país: uma tonelada e meia de cocaína em estado de elevada pureza, entretanto incinerada, para além de milhares de euros e outras moedas, milhões de escudos cabo-verdianos, cinco viaturas topo de gama, uma “moto-quatro” e várias armas e munições.



Obama promove direitos dos gays em visita à África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Barack Obama e a primeira-dama, Michelle, na Casa dos Escravos, forte na ilha de Gorée.

Presidente dos EUA afirmou que o reconhecimento da união homossexual deveria cruzar fronteiras.


DACAR, SENEGAL - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou nesta quinta-feira, 27, uma visita de uma semana a África, começando pelo Senegal. Ele elogiou a decisão da Suprema Corte de seu país, tomada no dia anterior, a respeito do casamento gay como "uma vitória para a democracia americana", mas entrou em confronto com seu anfitrião senegalês a respeito dos direitos dos homossexuais.
Obama disse que o reconhecimento das uniões entre pessoas do mesmo sexto nos EUA deveria cruzar fronteiras e que os direitos igualitários deveriam ser reconhecidos universalmente. Foi a primeira chance do presidente americano de falar sobre a decisão, que foi divulgada quando ele viajava para o Senegal, um dos vários países africanos onde a homossexualidade é considerada crime.
O presidente senegalês, Macky Sall, rejeitou o pedido de Obama para que os africanos concedam direitos iguais aos gays perante a lei. "Ainda não estamos prontos para descriminalizar a homossexualidade", disse Sall, ao mesmo tempo em que afirmava que o país é "muito tolerante" e precisa de mais tempo para digerir a questão, sem pressão. "Isso não significa que somos homofóbicos."
Relatório divulgado na segunda-feira pela Anistia Internacional diz que 38 países africanos criminalizam a homossexualidade. Em quatro deles - Mauritânia, norte da Nigéria, sul da Somália e Sudão - a punição é a morte e aparentemente a medida conta com amplo apoio popular.
Levantamento divulgado pelo Centro de Pesquisas Pew em junho mostrou que pelo menos 9 a cada 10 pesquisados no Senegal, Quênia, Gana, Uganda e Nigéria acreditam que a homossexualidade não deve ser aceita pela sociedade.
Sall procurou tranquilizar Obama e disse que os gays não são perseguidos no Senegal. Pela lei senegalesa, "um ato indevido ou não natural com uma pessoa do mesmo sexo" é passível de punição com até cinco anos de prisão.
O foco de Obama no Senegal está nas conquistas do dia a dia da ex-colônia francesa, após meio século de independência. Sall derrubou o antigo presidente, que tentou mudar a constituição para facilitar sua reeleição e abrir caminho para que seu filho o sucedesse. A medida resultou em protestos que levaram à eleição de Sall.
"O Senegal é uma das democracias mais estáveis da África e um dos mais fortes parceiros que temos na região", disse Obama. "O país se move na direção certa, com reformas para aprofundar as instituições democráticas."
Escravidão. No primeiro compromisso dos seus oito dias de viagem, Obama levou a família à Casa dos Escravos, um forte construído no final do século 18 na ilha de Gorée, na costa senegalesa. Aquele era um local de trânsito por onde passaram milhões de africanos a caminho da escravidão nas Américas e hoje funciona como museu.
Muitos africanos sentem um vínculo com Obama, que é filho de um queniano já falecido, mas manifestam frustração com o fato de ele não ter mantido com o continente o mesmo envolvimento que seus antecessores, George W. Bush e Bill Clinton.
Durante seu primeiro mandato, a única visita de Obama à África foi uma parada de um dia em Gana, e muitos africanos estavam impacientes para que ele fizesse uma viagem mais prolongada.
"É um verdadeiro prazer para nós que o mundo tenha avançado a ponto de que um homem negro possa ser presidente dos Estados Unidos", disse o alfaiate Abdoul Azi Signane, que comprava uma camiseta com a imagem de Obama numa loja de Dacar, a capital do Senegal. "Isso nos deixa muito orgulhosos. Por isso vim comprar a camiseta, para poder recepcioná-lo e dizer: ‘Amamos você, Obama, muito'." / AP e REUTERS
fonte: ESTADÃO

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Receio de convulsões sociais na África do Sul.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Bildnummer: 58977677 Datum: 26.12.2012 Copyright: imago/CHROMORANGE
Africa, South Africa, Durban city Aerial view Africa, South Africa, Durban city Aerial view PUBLICATIONxINxGERxSUIxONLY kbdig 2012 quer Afrika afrikanisch afrikanischer afrikanisches architektur architektonisch Durban KwaZulu-Natal zululand KwaZuluNatal kueste küsten kuesten küstenlinie kuestenlinie wassernah wassernähe wassernaehe luftbild reisen erhoben erhöht erhoeht luftbilder luftbildaufnahme draussen ausserhalb außen außerhalb pool schwimmbecken pools Stadtansicht städtisch Stadtansichten staedte stadt städte strand straende ufer Südafrika Suedafrika 
58977677 Date 26 12 2012 Copyright Imago Africa South Africa Durban City Aerial View Africa South Africa Durban City Aerial View Kbdig 2012 horizontal Africa African African African Architecture architecturally Durban KwaZulu Natal KwaZuluNatal Coast Coasts Coasts Coastline Kuestenlinie Water nearby Wassernaehe Luftbild Travel collected increased raised Aerial photos Aerial photograph outside Outside exterior Outside Pool Pool Pools City view urban City views Cities City Cities Beach Beaches Shore South Africa South Africa 
imago stock&people

A saúde de Nelson Mandela, melhorou um pouco esta quinta feira (27.06), porém o ex-presidente da África do Sul, permanece num estado crítico no vigésimo dia da sua hospitalização.
Apesar desta evolução, a família evocou publicamente, pela primeira vez, a perspectiva do falecimento de Madiba a qualquer momento. Na quarta feira à noite, o presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciou a anulação da sua viagem a Moçambique, para a cimeira da SADC, Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, devido à deterioração do estado de saúde de Mandela.
Entretanto, analistas começam a alertar para o risco de violência e um aumento da visibilidade de tensões sociais na África do Sul após a morte do líder histório do ANC, Congresso Nacional Africano. A DW África, entrevistou André Thomashausen, analista político e Professor de Direito Internacional na UNISA-Universidade da África do Sul, em Joanesburgo.
DW África - Existe uma possibilidade real de se verificarem erupções de violência popular após a morte de Nelson Mandela?
André Thomashausen (AT) – Sempre quando acontece na história de um país uma ruptura, algo com um significado e de dimensão psicológica fundamental, existe essa possibilidade de que grupos minoritários ou grupos extremistas possam tentar aproveitar esse momento, em que talvez a história do povo parece estar parada, para provocar perturbações. No caso concreto da África do Sul, existe um certaoalerta, nomeadamente foram mobilizadas forças na reserva para qualquer eventualidade e é possível, como existe uma vaga global de contestações populares, na Turquia, no Egito, no Brasil, é possível que também aqui este possa ser o momento em que descontentamentos populares venham a se fazer sentir.
DW África - Isso quer dizer que as tensões sociais e políticas na África do Sul serão mais visíveis após a morte de Mandela?
AT - De certeza, porque Mandela é o símbolo da unidade nacional, ele é o símbolo da identidade moderna e nova deste país no sentido inteiramente positivo, ou seja, um país não violento, virado para a justiça social e para o progresso. E é por isso que o mundo tem visto sempre a África do Sul com um certo carinho e tem a acolhido muito bem. Só que nos últimos dez anos, essa visão está cada vez mais difícil de se atingir. As diferenças sociais são enormes, o fosso entre os mais pobres e os mais ricos é grande e portanto essa clivagem muita aguda nesta sociedade terá que ser remediada.
DW África - Mas isso não significa que a herança de Mandela será posta em causa?
AT- Mandela vai deixar este país já numa fase de crise, embora não seja uma crise pela qual possa ser responsabilizado. A África do Sul, tal como muitos outros países semi-industrializados e os industrializados que estão em crise atualmente, não foge à essa regra, só que a África do Sul é mais vulnerável porque não se integra por exemplo numa união forte como a União Europeia, que pode sempre aguentar, assistir e equilibrar as situações. A África do Sul encontra-se só e muito vulnerável.
DW África - Será que as comunidades de estrangeiros residentes na África do Sul correm algum perigo no que concerne ao futuro ?
AT- Neste momento, as emoções e críticas são dirigidas contra os imigrantes ou os refugiados económicos dos países vizinhos. A África do Sul acolhe atualmente cerca de três milhões de cidadãos do Zimbabwe devido à crise já quase permanente naquele país, mas também temos números muito expressivos de outras partes de África em crise, inclusive de países já muito afastados como a Somália. Esses refugiados têm sentido na pele actos de xenofobia, com ataques e espancamentos, lojas queimadas, etc. O sentimento popular é de responsabilizar os refugiados, os estrangeiros africanos pelas carências e dificuldades que uma grande parte da população está a enfrentar.
DW África - Mas os sul-africanos brancos devem temer o futuro com a morte de Nelson Mandela?
AT- Por enquanto não há nenhuma indicação que isso venha a acontecer. A percepção popular é de que a situação se mantem pacífica com a economia a funcionar, os postos de trabalho ainda existem e a funcionar precisamente por causa dos brancos. Não existe animosidade contra os brancos, nem mesmo contra os antigos opressores, os brancos de origem holandesa os “boers”, mas sim existem ressentimentos e agressividade contra os emigrantes de outros países africanos. Isto porque a população aqui acha que essas pessoas estão a tirar-lhe a possibilidade de trabalhar, a oferecer a sua mão de obra ao desbarato, e principalmente a afetar as condições dos serviços sociais, as disponibilidades nos hospitais nas escolas e nos serviços de transportes, para além de contribuírem para aumentar a criminalidade no país. Neste ponto sim, haverá um perigo, contudo não penso que as várias comunidades de origem europeia que vivem neste país sejam atingidas.
fonte: DW

Presidente Obama: Bem vindo ao Senegal!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou ontem à noite a 20 h 30mn a Dakar. Ele foi recebido ao descer do avião pelo Chefe de Estado, Macky Sall, acompanhado de sua esposa, o primeiro-ministro e de diferentes corpos do governo constituídos.
No Aeroporto Leopold Sedar Senghor , são 20h e 20mn. Air Force One, o avião que transporta o presidente dos Estados Unidos pousou na pista do aeroporto. Um veículo se desloca em direção ao avião. As Bandeiras nacionais do Senegal e dos Estados Unidos flutuam nas asas do veículo do Presidente, que é seguido por outros carros de cor preta. Um grupo de pessoas estendeu um tapete vermelho sob o olhar atento dos agentes da equipe de segurança. Vestido com um terno azul, o Presidente Macky Sall aproximou-se da aeronave. Os membros do Governo estão a seu lado. Primeiro-Ministro, o Presidente da Assembleia Nacional também estão presentes no local. Presidente Sall juntou-se alguns minutos depois com sua esposa, Faye marieme Sall que está usando um vestido branco.
20:29h p.m., chegou o tempo que todos os senegaleses esperavam por meses, ponta. Barack Obama já fora do avião com suas duas filhas e sua esposa, Michelle. Sorrindo, a família Obama estende a mão à copula de Sall. A atmosfera está impregnada de alegria e satisfação. Os dois chefes de Estado apertam as mãos antes de Barack Obama se deslocar para outras personalidades da casa que vieram recepcioná-lo. Ele estendeu a mão ao embaixador dos Estados Unidos no Senegal, Lewis Lukens. O presidente Obama fez o mesmo gesto com as outras pessoas presentes na pista do aeroporto. Ele pára por um minuto para o Ministro do Turismo, Youssou Ndour. Presidente Obama até mesmo pediu aos fotógrafos para capturarem o longo aperto de mão com o cantor que se tornou ministro. 20:39h, Barack Obama entra em seu veículo. Que retardou antes de correr para a saída do aeroporto. Ele é seguido por uma dezena de veículos. Poucos minutos depois, o presidente Sall e sua delegação deixam o aeroporto. Obama segue os passos de seus antecessores, Bill Clinton e George W. Bush que tiveram a mesma atmosfera de recepção com o povo do Senegal.

fonte: lesoleil.sn

Senegal: Se faz bem compreender por que a escolha de Obama - visitar o Senegal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Barack Obama à son arrivée à Dakar, 26 juin 2013 / Reuters
Barack Obama à sua chegada a Dakar, 26 junho de 2013 / Reuters

Este país tem demonstrado que não é o lugar para preservação da pessoa (" em outras palavras não compactua com a preservação da ditadura").

Depois de 26 de junho, os senegaleses e o presidente Macky Sall, "brindam" com o presidente da primeira potência do mundo: Barack Obama.

Uma visita que, sem sombra de dúvida, ficará gravado nos anais deste país, mas também na história. E por uma boa razão. Senegal é um país da África Ocidental, mas também um país de língua francófona. 

Esforços exemplares
Na verdade, é dentro desta parte que há o mais longo reinado (20 a 30 anos, em média), a governança aproximativa,- os regimes presidenciais, com todo o poder concentrado nas mãos do Chefe do Executivo. É, sem dúvida, uma vítima da herança colonial francesa.

Este também é o lugar por excelência onde nós encontramos "homens fortes" os quais os cantores louvam até que a morte os leve "detentores".

Para eles, Obama não vai visitar. Ele também não vai visitar dois Napoleões dos Grandes Lagos (Museveni e Kagame) e ao grande mediador diante do Eterno (Blaise Compaoré) cujo trabalho tem sido ainda poupar a sub-região.

E isso é uma vergonha, porque devido ao egoísmo de alguns líderes, muitas pessoas nunca vão "provar" os benefícios de tal visita.

Em nosso continente, interessam apenas ao Obama, virtudes democráticas que são pedras angulares de uma mudança democrática.

África em geral e da parte de língua francesa em particular, precisa acordar, trabalhar para ter instituições fortes e regimes finalmente presidenciais, este legado envenenado que ainda perdura no século XXI. Por que não se inspiram também no modelo anglo-saxónico?

Mantemos em memória
Finalmente, Obama será recebido na Ilha de Gore. A visita não é apenas um dever de lembrar os negros norte-americanos, mas também um regresso à casa.

Ele viverá em seu alto lugar da história, uma emoção pessoal. Este passeio Africano é também uma oportunidade para os Estados Unidos mostrar todo o seu interesse sustentado em África.

Uma maneira como a outra de chamar atenção dos chineses e europeus que a África, é de mais a mais atraente em termos de negócios, e não pode ser um lugar de preservação de pessoas.

Veja o vídeo de nytimes.com: Visita de Barack Obama ao Senegal.

fonte: slateafrique.com

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Nô Djunta Mon parou pelo meio do caminho. Não vamos perguntar por quê. Vamos trabalhar como diz Didinho, e trabalhar significa mudança de atitude.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Quando propomos fazer algo para a nossa sociedade, algo que ajude a mudar o pensamento das pessoas pela positiva, nosso trabalho não deve parar pelo meio do caminho. O Contributo colaborou imensamente para unir os guineenses espalhados pelos 4 cantos  mundo, e esse trabalho dignificou e muito a nossa forma de pensar, de repensar, de fazer uma análise mais profunda sobre a nossa forma de agir baseado na interpretação de alguns artigos de colaboradores, com  pensamentos positivos em relação ao país e ao nosso povo, críticas as nossas falhas, mas também elogios ao nosso sucesso, enfim, vamos trabalhar como diz Didinho. Não deixem nunca de revelar o vosso pensamento, pois é através dele que os outros se fortalecem. Conclamo a todos que continuem escrevendo os vossos artigos e com pensamentos maravilhosos que ajudem a encontrar caminhos para superar o entrave do nosso desenvolvimento. Aquele abraço! Samuel Vieira.

Colaboradores do site didinho.org - vossa colaboração não pode parar! Vossos artigos de reflexão estão deixando saudades! Vocês podem escrever escolhendo contexto até diferente, mas escrevam. O que vale é que pertencemos o universo de conhecimentos diferentes e, portanto, há sempre algo a revelar.  Quer científico, social, patriótico, continental, internacional, das ONGs, etc, etc. Mas há sempre algo que nos move a escrever. Nossos neurônios precisam se exercitar, e isso só acontece se os estimulamos para que se mantenham ativos. E escrever é uma das formas que podemos adoptar. Samuel




Música de Justino para estimular mais uma vez a saudade da terra:



Vídeo: 

Aquele abraço, compatriotas!

Samuel Vieira



terça-feira, 25 de junho de 2013

Golfo da Guiné: a criação de um imposto para financiar a segurança marítima está no menu de uma cimeira em Yaounde.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cameroun
© Presidência por DR
Camarões: abertura da cimeira sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné.
Segunda-feira, 24 de junho de 2013. Yaounde (Camarões). Vários chefes de Estado da África do Oeste e Central participaram da cúpula sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné.

Yaoundé - Os países do Golfo da Guiné estão reunidos nesta cimeira para instituir um imposto nacional, comunitário e multinacional para financiar a luta contra a pirataria marítima, objecto de um seminário de cúpula de dois dias, que teve início nesta segunda-feira em Yaoundé, Camarões, com a participação de Doze chefes de Estado da África Central e Ocidental dos 25 países da região.

O projeto deste imposto está entre uma lista de dez recomendações do relatório geral de processos de um simpósio internacional realizado sexta-feira nas instalações do Ministério das Relações Exteriores de Camarões, em Yaoundé, a capital, antes da reunião dos Chefes de Estado sob o tema "os desafios de segurança no Golfo da Guiné."

Esta reunião de peritos já localizaram as principais questões relativas à segurança marítima e à segurança no Golfo da Guiné, ou seja, "estabelecer o estado da insegurança marítima na área de alta importância estratégica e propor formas de lidar com esta ameaça de pirataria marítima, assalto à mão armada e outras atividades ilegais cometidos no oceano. "

A criação de "uma taxa nacional, comunitária e multinacional para apoiar operações de segurança marítima no Golfo da Guiné", foi discutido como parte de uma estratégia regional para aumentar a capacidade operacional dos países da região, através da partilha de suas ações e meios de intervenção para combater de forma mais eficaz os fenômenos a explorar.

A recomendação será considerado pela cimeira da cúpula que abriu nesta segunda-feira na presença dos Presidentes Thomas Boni Yayi do Benin, Blaise Compaoré do Burkina Faso, Denis Sassou Nguesso de Congo Brazaville, Ali Bongo Ondimba do Gabão, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo da Guiné Equatorial, Alassane Ouattara da Costa do Marfim, Mamahadou Issoufou do Níger, Goodluck Ebele Jonathan da Nigéria, Manuel Pinto da Costa de Sao-Tomé, Idriss Deby do Chad, Faure Gnassingbe do Togo e Paul Biya dos Camarões, o anfitrião da cimeira.

Esta recepção, da qual faz parte o vice-presidente gambiano Isatou Njie Saidou e outras delegações, vai dedicar a adoção de um Memorando de Entendimento entre a Comunidade Económica dos Estados África Central (CEEAC) Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (UEMOA) e da Comissão do Golfo da Guiné, as três organizações regionais estão presentes na cimeira, disse Alassane Ouattara, Presidente da CEDEAO.


Além de uma declaração política dos Chefes de Estado e de Governo, a agenda desta reunião, sob os auspícios das Nações Unidas prevê a assinatura de um código de conduta sobre a Prevenção e Punição contra a pirataria, o roubo aos navios e das actividades marítimas ilegais na África Ocidental e África Central, a par disso disseram também os líderes de países Oeste Africano.

Estes documentos foram validados em uma reunião ministerial realizada em 19 de março, em Cotonou, Benin, o país originário dessa cimeira aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU, depois de uma missão de avaliação determinada pelo Secretário Geral Ban Ki-moon em quatro países da região, incluindo o próprio Benin, Nigéria, Gabão e Angola, em Novembro de 2011.

Para Alassane Ouattara, "a assinatura destes documentos, marca o compromisso permanente em favor de documentos legais vinculativas" para lutar contra a pirataria e assalto à mão armada no mar e outras actividades marítimas ilegais.

Esquematicamente, o Golfo da Guiné é designado como um espaço geopolítico que se estende desde a Costa do Marfim até Angola. O geoestratégico Camarões Joseph Vincent Ntuda Ebode define como "um vasto território onde 7 capitais políticos sobre 12 (58,3%) tem uma fachada marítima com vista para a baía. Estes são: Accra, Lome, Porto Novo, Libreville, Malabo, Luanda e São Tomé ".

"Além disso, prossegue a universidade, que inclui oito capitais econômicos (Abidjan, Acra, Lomé, Cotonou, Lagos, Douala, Bata Preto Pt) e 12 grandes portos (Abidjan, Acra, Lomé, Cotonou, Lagos, Warri, Port Harcourt, Douala, Port Gentil, Pointe Noire, Matadi, Luanda). Embora apenas os portos de Lagos e Port Harcourt (Nigéria) têm uma capacidade de mais de 15 milhões de toneladas por ano cada um, suas margens são partilhados com muitas pequenos portos (San Pedro, Sekondi-Tokoradi, Tema, Calabar Kribi, Limbe, Bata, Libreville, Lobito ..). "

Rica em pesca e de recursos naturais, esta área é famosa por esconder grandes depósitos de petróleo e ela é pontilhada com os campos de petróleo onshore e offshore acompanhados por uma abundância de gás natural ao largo de quase todos os territórios dos Estados em causa.

Segundo a análise, o potencial de crescimento do petróleo parece maior do que o da Rússia, no Mar Cáspio e na América do Sul. Ouattara disse que cerca de 70% da produção do continente está concentrada nessa área e projeções indicam que está área vai superar a de todos os países do Golfo Pérsico, em 2020.

Segundo estimativas, ela fornece cerca de 40% do petróleo consumido na Europa e 29% do que é consumido nos Estados Unidos.

Mas a área interesses geoestratégicos abala a inveja das potências mundiais, no Golfo da Guiné fica o déficit anual de 2000 milhões dólares devido à pirataria, em parte impulsionada pela pobreza da população local e do desemprego de jovens, disse o delegado do governo para o Conselho Municipal de Yaounde, Gilbert Tsimi Evouna.

É por esta razão que o Presidente Paul Biya chamou isso de "uma resposta centrada tanto em segurança, governança e desenvolvimento."

Depois de ter recebido o apoio dos Estados Unidos, da China, da França, da União Europeia (UE) e da Interpol, o líder político saudou a criação de um centro regional de segurança Marítima da África Central e um mecanismo de financiamento em matéria de segurança marítima e de segurança na região.

A estratégia dos 15 países membros da CEDEAO ainda está sendo desenvolvido.

Presidente da CEEAC, composto por 10 estados, o Chadiano Idriss Deby foi chamado para pôr em prática efetiva a implementação ", com os países que estão disponíveis", a força de intervenção rápida Africana terá a capacidade de responder rapidamente a situações Emergência (CARIC), criado na recente cimeira da União Africana (UA) no final de maio, em Addis Abeba, Etiópia.

Segundo ele, tal força deve ter em seu meio um componente relacionado à segurança marítima.

A primeira cimeira sobre a segurança marítima no Golfo da Guiné continua na segunda-feira à tarde por discussões a portas fechadas de chefes de Estado. A cerimônia de encerramento agendada para terça-feira ao meio-dia vai encarnar uma estratégia regional contra a pirataria marítima na África Ocidental e África Central, em cooperação com a União Africana e as Nações Unidas.

fonte: abidjan.net

Nigéria: Em lagos os populares se instalaram sobre as águas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Que caos!: Na Nigéria, as casas flutuantes estão surgindo, por falta de espaço na terra.
© NLÉ, 2013

Com mais de 10 milhões de habitantes, Lagos é a maior metrópole da África. Previsões dos analistas ainda consideram que a população da capital Africana vai ultrapassar 40 milhões de habitantes daqui a 20 anos.

Esse rápido crescimento populacional tem, naturalmente, consequências, diz o site Business Insider. Os arquitetos devem ser capazes de pensar o futuro da cidade para fornecer planos de desenvolvimento adequados, tendo em conta os riscos de catástrofes naturais, de acordo com o artigo.

Na verdade, as novas casas devem ser sustentáveis ​​e adaptadas aos condicionalismos ambientais. Lagos, que significa "lago" em Português, apropriadamente chamado: a capital é cercada por canais fluviais e sua economia está historicamente enraizada na pesca e comércio marítimo, refere o artigo.

A água está presente em todos os momentos da vida diária. Nas favelas de Lagos, os moradores de Makoko nomeados devem colher água acumulada diariamente durante a monção em abril. De acordo com o relatório, o governo tem pouco envolvimento nesta área privada e o Distrito de Makoko dificilmente depende de atividades econômicas territoriais.

Apesar dessa independência, as áreas de risco vão provavelmente desaparecer, diz Business Insider. O aumento do nível da água, bem como o desejo das autoridades de erradicar as favelas no país ameaçando a sua existência. Portanto, o artigo explica que o arquiteto nigeriano Kunle Adeyemi, com a sua empresa Urban Design NLE, propõe um plano para realocar os moradores.

Seu projecto? Transformar as casas decrépitas em Makoko em uma "comunidade flutuante". Estas novas casas vão receber um sistema à prova de terremotos, inventado pela empresa japonesa "Air Danshin Système", diz Business Insider. Em caso de alterações ambientais importantes, os colchões de ar se inflam protegendo as fundações do edifício, que podem absorver os choques causados ​​pelas inundações e a elevação do nível do mar

Tecnologia durável e acessível, observou o artigo: Em março de 2013, uma escola "flutuante" foi inaugurado em Makoko. O planeamento de construção de outros alojamentos ainda não é conhecido, diz o site.

fonte: slateafrique.com



Senegal: Melinda GATES - «Nós vamos apoiar os projectos da Fundação Servir o Senegal»

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Sra. Melinda Gates, patrono da fundação de mesmo nome, ontem, recebeu a primeira-dama, Sra. Faye Marieme Sall, Presidente da Fundação "Sirva o Senegal" . Estiveram presentes a Ministra da Saúde e de Bem-Estar Social, Sra. Awa Marie Coll Seck, Ministro Conselheiro, Sra. Penda Mbow, e a diretora-executivo da fundação, Alioune Fall.

Melinda Gates e sua comitiva foram brindados com uma apresentação em forma de documentário, das missões e realizações da "Fundação Servir o Senegal" desde a sua criação. No final da sua visita, a Sra. Gates, disse aos jornalistas que as duas fundações compartilham muitas semelhanças em sua estratégia de resposta. Ela lembrou das áreas visadas pela organização de caridade que giram em torno da luta contra a transmissão da Aids de mãe para filho, o planeamento familiar e a luta contra a malária e apoio para atividades geradoras de renda.
Como, principalmente, o planejamento familiar. Melinda Gates saudou o compromisso do Ministério da Saúde para ampliar a taxa de cobertura de 12% para 27%. A visita, segundo ela, foi um destaque para a troca de experiências, antes de prometer que a estrutura terá que apoiar alguns projectos da Fundação "Sirva o Senegal".

Por: Babacar DRAMA

Fonte: lesoleil.sn

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Brasil: Vetado, atacante Balotelli é cortado da seleção e volta para a Itália.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Atacante sentiu uma contusão na coxa esquerda e não joga mais a Copa das Confederações.

Nando Chiappetta/DP/D.A Press
Antes de se machucar, atacante Balotelli marcou dois gols e ainda deu uma assistência na Copa das Confederações.

FORTALEZA(CEARÁ/BRASIL) - Balotelli não está somente fora das semifinais contra a Espanha. O atacante italiano está também fora da Copa das Confederações. Sem tempo hábil de recuperação, o craque da Azzurra voltará a seu país na noite desta segunda-feira. A informação foi confirmada pelo médico Enrico Castellacci, em entrevista coletiva dada nesta tarde, no estádio Presidente Vargas, em Fortaleza. Em contrapartida, o médico deu boas notícias em relação a recuperação do volante Pirlo, que deverá jogar na quinta-feira.

“O Balotelli não conseguirá se recuperar a tempo nem que a gente vá à final, por isso decidimos que ele vai voltar para Milão e fará o tratamento com os médicos do Milan”, afirmou Castellacci, antes de falar sobre a evolução de Pirlo. Segundo o médico, o volante (que desfalcou a Itália contra o Brasil) está bem melhor da lesão na panturrilha direita.

“Estamos avaliando ele dia após dia e a melhora é notória. Estamos confiantes que ele enfrentará a Espanha, apesar de isso ainda não ser uma certeza”, afirmou o médico. Pirlo treinou em separado nesta tarde para não forçar muito a musculatura. Outra boa notícia para o técnico Cesare Prandelli é o retorno do volante De Rossi, que cumpriu suspensão no último jogo.
Balotelli era um dos destaques da Itália na Copa das Confederações. Foi autor de dois gols contra Japão e México e ainda deu assistência para o tento de Giaccherini no duelo contra a Seleção Brasileira no último sábado. Fora de campo, a namorada do atleta Fanny Neguesha também chamava a atenção pelas cidades em que passou no país pela beleza e simpatia. 

FONTE: df.superesportes.com.br 

O racismo contra os negros: "uma desgraça" para a Tunísia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Migrant erythréen, Tel Aviv, 20 avril 2012.  REUTERS/Nir Elias
Imigrante da Eritreia, Tel Aviv, 20 abril de 2012. REUTERS/Nir Elias

O perigo de ser negro não é um mito na Tunísia. Os negros e os estrangeiros são vítimas de racismo.

A constante ameaça por tunisianos contra negros e estrangeiros é  alarmante: o racismo não recua na Tunísia. Há muitos exemplos que demonstram essa atmosfera venenosa.

Um artigo de site de informação Presse.tn revela o caso do racismo cotidiano mais emblemático na Tunísia:

"A Sidi Makhlouf, por exemplo, os alunos brancos e negros têm diferentes ônibus."

Estudantes da África Subsaariana, que são estimados em número 8000, são vítimas de injustiça, mesmo por parte do governo da Tunísia.

"Entre 19 e 20 de Junho, 700 estudantes subsaarianos teviram que pagar uma multa de 300 dinares no aeroporto de Tunis, antes de voltar para casa. Motivo da multa: eles passaram alguns meses na Tunísia sem documentos. Só que a culpa recai sobre o governo da Tunísia, que levou 6-7 meses de atraso para entregar-lhes a sua autorização de residência final ", diz o Presse.tn

Desde a queda do regime de Ben Ali, a expressão do racismo e da xenofobia explodiu, observaram várias associações. Os alunos revelam o que suportam. Eles são insultados e burlados regularmente. Em algumas escolas, as propinas são duas vezes mais elevadas para estudantes subsaarianos em relação aos tunisianos, diz o site da Tunísia.

As associações têm interpelado os deputados da assembléia constituinte para que um artigo condene explicitamente o racismo e a xenofobia.

fonte: presse.tn


domingo, 23 de junho de 2013

Angola: Era do Diálogo - "esse já é um bom pontapé de saída rumo as grandes mudanças que o povo angolano espera com paciência", parabéns Presidente JES.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fotografia: Rogério Tuti



O Presidente da República considerou o encontro com os líderes de várias organizações o abrir de “uma nova página no diálogo com a juventude”. O encontro, que decorreu no Salão Nobre do Palácio Presidencial da Cidade Alta, foi também elogiado pelos próprios líderes juvenis, que fizeram críticas, mas também sugestões para fazer de Angola um país melhor.
Eduardo dos Santos ouviu, tomou notas e respondeu a cada uma das preocupações colocadas pelos representantes do Conselho Nacional da Juventude, e das organizações juvenis do MPLA (JMPLA), da UNITA (Juventude Unida e Revolucionária de Angola), do PRS (JPRS), da CASA-CE (Juventude Patriótica Angolana) e FNLA, a JFNLA.
Também intervieram os representantes da União Nacional dos Estudantes Angolanos, da Associação dos Desportistas com Deficiência, da Juventude Ecológica de Angola e da Associação de Escuteiros e da Igreja Católica. As preocupações giraram em torno de questões como a falta de uma política para a juventude, de empregos, de ensino de qualidade, acesso a habitação condigna, mecanismos para contratar créditos e de meios de acesso aos programas de fomento ao empreendedorismo.
Os líderes juvenis também mostraram preocupação em relação a criminalidade e ao consumo excessivo de bebidas e drogas proibidas pelos jovens, comportamentos que, segundo disseram, estão associados a falta de emprego e de uma política virada para o emponderamento dos jovens angolanos.
O Chefe de Estado começou por considerar o encontro “útil e bastante proveitoso”, e regozijou-se com as “mensagens calorosas, com conteúdos bastante construtivos”. O Presidente garantiu, no entanto, que as preocupações, ideias e sugestões vão ser encaminhadas e tratadas por organismos competentes do Executivo, e também fez questão de assinalar que o “mais importante é que nos guiamos todos por um mesmo sentimento, de paz, unidade nacional e conjugação de esforços na realização das aspirações dos angolanos”.

Conhecer a História

Só é possível compreender a sociedade actual e o rumo que seguimos se conhecermos o nosso passado. Foi com essa intenção que, ao responder às preocupações dos jovens, em relação a qualidade dos quadros, o Presidente referiu-se ao “país jovem” que Angola é. “Atingimos a independência em 1975, portanto, somos um país jovem, que faz um determinado percurso com enormes dificuldades”, declarou.O Chefe de Estado sublinhou que “sempre que alguém se propõe fazer uma caminhada, deve avaliar o percurso”, as condições e a capacidade para empreender mais ou menos velocidade a fim de atingir o objectivo. “É mais ou menos o que se passa também com o país”, lembrou o Presidente José Eduardo dos Santos, que voltou a falar da situação dos quadros e das condições em que Angola iniciou o seu percurso como país. “Em 1975 não havia sequer 40 angolanos licenciados. Hoje temos milhares, senão dezenas de milhares. Havia mais de 95 por cento de analfabetos, ou seja, em 100 angolanos mais de 95 não sabiam ler e escrever. Foi assim que o país foi lançando as primeiras pedras sob a direcção do Presidente Dr. Agostinho Neto, para a construção da sociedade angolana. Foi difícil começar a construir o Estado, as instituições, etc.”, assinalou.
Sem condições para formar a nível interno, referiu, apostamos numa formação em massa, no exterior do país. “Na altura a preocupação era ter quantidade para atacarmos os problemas mais prementes. Agora já podemos pensar em ter mais qualidade”, realçou.
Segundo o Presidente da República, nem sempre é bem interpretado quando fala da necessidade de se apostar na qualificação dos quadros. “Às vezes quando falamos na necessidade de qualificação somos mal interpretados por algumas pessoas. Nós formamos, tudo bem, mas agora precisamos de ter quadros qualificados e quadros altamente qualificados, que são estágios totalmente diferentes”.

Quadros qualificados

O Presidente disse concordar quanto a necessidade de melhorar a qualidade do ensino, e lembrou que o que temos hoje é uma herança do passado. “Nós herdamos um sistema de ensino que foi reformado em 77/78, e foi feita uma segunda reforma nos anos 90, sempre em busca de qualidade”.
O Chefe de Estado referiu-se a ideia colocada por um dos jovens de se acabar com a monodocência, que é uma das notas caracterizadoras da reforma no sector da educação. Segundo o Presidente, essa sugestão choca com a concepção do Ministério da Educação.
“Se calhar é preciso melhorar o nível de formação dos professores para melhorar a qualidade do ensino fundamental, ensino de base, ensino primário. Esta é a base para depois adquirirem formações a nível médio ou superior”, defendeu.

Os jovens devem ajudar


Para a melhoria da qualidade do ensino, não basta o trabalho do Executivo, assinalou o Presidente da República. “Este é um trabalho de todos. A juventude também tem que participar”, rematou. O Chefe de Estado lançou um repto aos jovens que já estão formados e “com cursos qualificados nas diferentes áreas”, a envolverem-se, ensinando, propondo ou sugerindo coisas, para “ajudar a realizar estes objectivos”.
O quadro actual em termos de qualidade e quantidade de quadros nada tem a ver com o do período imediatamente a seguir à independência, muito menos com a altura em que o país alcançou a paz.

Direito à manifestação


Para o Presidente José Eduardo dos Santos, a Constituição angolana consagra o direito à manifestação como em todas as sociedades democráticas. “É um direito consagrado em todas as leis magnas, em todas as constituições dos Estados democráticos de direito. Nós não poderíamos ser uma excepção a essa regra”, frisou.
Mas, às manifestações e actos de violência, o Presidente defende a busca de consensos e o aprimoramento dos mecanismos de diálogo são a melhor alternativa a actos de violência. “Normalmente sai-se para a rua ou para acções violentas quando não há diálogo, ou quando as pessoas não se entendem. Vamos fazer manifestações para quê se nós estamos abertos para o diálogo? Precisamos é de encontrar formas mais rápidas de levar a cabo esse diálogo entre a juventude e o Executivo, a todos os níveis. Eu prefiro o diálogo. A concertação”, defendeu.
Estamos aqui, sublinhou o Chefe de Estado, a abrir uma nova página no diálogo entre o Executivo e a Juventude. “Tinha sido proposto, salvo erro pela JMPLA, a realização de encontros para discutir problemas do interesse da juventude a nível provincial e mesmo um grande encontro a nível nacional. Até podemos institucionalizar este mecanismo de diálogo”, sugeriu.

Pessoas desaparecidas


O Presidente referiu-se às acusações contra a Polícia Nacional sobre o desaparecimento de dois cidadãos. Recordou que foi feito um esclarecimento pelo ministro do Interior também pela própria Polícia Nacional sobre o que sucedeu. “Há investigações em curso para a procura das causas destes desaparecimentos e, se essas pessoas que desapareceram foram vítimas de algum acto de violência, estão a procura dos actores desse crime”.
O Presidente disse ainda que tem havido um diálogo permanente entre o Ministério do Interior e Polícia Nacional, e as famílias e pessoas interessadas. “Vamos continuar nessa senda. Procurar consensos, procurar entendimentos porque, afinal, os problemas são nossos. Não são só do Executivo, mas da sociedade. São problemas de todos os angolanos. Vamos buscar as soluções e depois conjugar esforços para pôr em prática essas soluções”, defendeu.

Direito a Habitação


O Chefe de Estado afastou a ideia de exclusão no acesso a habitação condigna. Aliás, sublinhou, “nós somos contra a exclusão social”. O Presidente chamou a atenção para o facto de não ser por acaso que os programas do Executivo apelam sempre ao desenvolvimento inclusivo.
“Um desenvolvimento em que todos participam e beneficia a todos. E quando se trata de acesso à habitação e sobretudo acesso às casas que estão à venda, não podemos falar em exclusão porque afinal as casas foram vendidas publicamente, através de inscrição dos cidadãos livremente, nos postos que foram indicados para inscrição”, referiu.
José Eduardo dos Santos referiu-se às “filas enormes” que se verificaram, por a procura ser ainda, de longe, maior que a oferta. “O país esteve em guerra durante muito tempo e não houve construção de casas. Não havia capacidade financeira, nem empresas organizadas para tal. A procura é muito maior que a oferta, daí as enchentes”, assinalou.

Não à exclusão

Quanto às alegações de exclusão por motivações partidárias, o Presidente foi peremptório: “As pessoas que estavam ali não tinham distintivos partidários. Estavam vestidas normalmente. Ninguém levou ali as cores do seu partido. Como é que alguém podia distinguir, na inscrição, se este ou aquele era da FNLA, do MPLA ou da UNITA? Inscreveram-se cidadãos angolanos que precisam de casa. Não se pode dizer que tenha havido exclusão, porque não é essa a política do Governo”.  O Chefe de Estado também afastou a ideia de que as agremiações de jovens empresários existentes estejam fechadas a partidários que não sejam do MPLA.
“Não sei como é que o fórum de jovens empresários está constituído, mas não acredito que nos seus estatutos tenham cláusulas discriminatórias. É uma questão de saber se alguém da UNITA ou da FNLA pediu a adesão, sendo empresário, e foi recusado. Mas tomamos boa nota e vamos verificar junto dos líderes destes fóruns”, prometeu.

14 de Abril


O Presidente José Eduardo dos Santos considerou a questão levantada sobre a institucionalização do 14 de Abril, como dia da juventude angolana, como uma “questão que deve ser tratada primeiro a nível das organizações juvenis”.
“Segundo informação que eu tenho é uma data que foi obtida numa discussão de várias organizações juvenis. Bom! Está a ser posta em causa esta data outra vez? Mas não é o Executivo que vai tratar deste assunto. Se calhar o Conselho Nacional da Juventude podia promover este debate”, sugeriu.
Para o Presidente o debate sobre a instituição do Dia da Juventude Angolana deve ser o mais abrangente possível, porque a juventude não se vai resumir nos líderes que estão no CNJ, uma vez que algumas organizações serão sempre mais representativas que outras.
“O que interessa aqui é a vontade da juventude angolana. Em democracia conta a vontade da maioria. Respeita-se as minorias, mas o que comanda é a vontade da maioria. É preciso que esse debate se faça. Ninguém tem que impor a sua vontade a outrem. Vamos discutir isso democraticamente”, defendeu. 

Problemas são de todos


O Presidente lembrou, no final, que é necessário apostar na procura de consenso, porque, afinal, os problemas levantados não são do Executivo, mas de todos os angolanos. “Vamos procurar consensos, procurar entendimentos porque afinal os problemas são nossos. Vamos buscar as soluções e depois vamos conjugar esforços para pôr em prática essas soluções”, declarou.
O Chefe de Estado referiu-se ainda às políticas viradas para a juventude. Assinalou que “quando se criou a área da juventude no Ministério dos Desportos, o objectivo foi o de instituir um gabinete ministerial que compilasse todos os aspectos e programas sectoriais referentes à juventude, fizesse o acompanhamento da sua implementação.
A intenção, frisou o Presidente, é fazer a avaliação periódica das políticas públicas e da forma como essas políticas estão a ser executadas pelos diferentes departamentos governamentais.
“Falou-se da falta de uma política juvenil, mas estava assim definido esta política num programa executivo do governo. E a elaboração deste instrumento pode ser promovida pelo Ministério da Juventude e Desportos, com apoio do CNJ, onde afinal estão todos representados”, afirmou.
 fonte: jornaldeangola

África do Sul: Uma figura anti-apartheid lança um novo partido.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Uma celebridade  e militante anti-apartheid, Mamphela Ramphele, lançou sábado um novo partido da oposição na África do Sul para desafiar o ANC no poder há 19 anos, com o apoio do arcebispo anglicano Desmond Tutu.

Para o lançamento formal do partido Agang África do Sul, "construir África do Sul", centenas de simpatizantes participaram de uma cerimônia colorida, em Pretória.

"Há uma necessidade urgente de mudança" no país, disse Ramphele, em um discurso em forma de acusação contra o presidente Jacob Zuma.

65 intelectuais respeitados que lutaram contra a dominação da minoria branca sob o apartheid, a Sra. Ramphele pediu aos sul-africanos para apoiarem o seu partido contra o ANC (Congresso Nacional Africano) nas próximas eleições de 2014.

"Este governo está destruindo nossa economia e a nossa sociedade", disse ela. "A cultura da corrupção e da impunidade que se espalharam por todo o governo e sociedade: a violação de manuais destinados às escolas, desvio de medicamentos destinados a àqueles que vivem com o vírus da AIDS, roubo de milhares de empregos e bilhões de rands (moeda Sul-Africana) " para investimentos.

"Este não é o país sonhado por nosso amado Madiba (apelido carinhosamente dado ao ex-presidente Nelson Mandela, completando 95 anos, e está hospitalizado) e Steve Biko", insistiu a Sra. Ramphele, citando os heróis do anti-apartheid.

Sra. Ramphele, ex-diretor executivo do Banco Mundial (BM), é uma médica de profissão. Ela pertencia o Movimento de Consciência Negra fundado pelo ativista Steve Biko, que era muito seu companheiro antes de ser morto, em 1977, durante a detenção. Ela mesma passou anos em uma pequena cidade na África do Sul, onde ela foi banida pelo regime de discriminação racial.

Desmond Tutu elogiou suas habilidades

Seu novo partido deve, porém, deparar dificuldades em encontrar um lugar entre ultra-dominante ANC - que detém quase dois terços dos assentos parlamentares, e o principal partido da oposição, a Aliança Democrática (DA).

Em 2009, o ANC ganhou com 65,9% dos votos, enquanto DA reuniu 16,7% dos votos.

O ANC permanece firmemente no poder desde 1994, quando o sistema de discriminação racial terminou com a eleição do primeiro presidente negro do país, Nelson Mandela. Mas o partido está agora sob o fogo dos críticos por causa de sua incapacidade de cumprir os seus compromissos.

Sra. Ramphele também recebeu apoio de peso nesta Sexta-feira: o arcebispo Desmond Tutu, um monge de 81 anos, o Nobel da Paz em 1984, e da consciência moral do país.

"Poucos sul-africanos não saudariam a entrada da personalidade da vida política Sul-Africano de uma personalidade de calibre, de experiência, de capacidades e de recursos intelectuais" como a Sra. Ramphele, disse Tutu.

"Se o Dra. Ramphele embarca na competição eleitoral no próximo ano, e juntou votos suficientes para se tornar um membro, é claro que os sul-africanos vão beneficiar de sua experiência", disse Tutu.

O próprio Desmond Tutu havia anunciado em maio que não iria votar "mais para o ANC", acusando-o de ter, especialmente nos últimos anos, incentivado a corrupção e não conseguiu reduzir a pobreza e a desigualdade.

fonte: AFP

sábado, 22 de junho de 2013

Senegal: Segurança Famíliar - As primeiras bolsas serão pagas às famílias em Setembro

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Entre os dias 15 e 30 de setembro, as famílias do Programa Bolsa Nacional beneficiarão de seus primeiros valores da segurança da família. Este anúncio foi feito ontem pelo Delegado-Geral de Protecção Social e Solidariedade, Faye Mansour, após um conselho inter-ministerial presidido pelo primeiro-ministro Abdoul Mbaye.
Se tudo correr bem, os beneficiários do Programa de Bolsas de Proteção Nacional a Família começarão a ver a primeira prestação da sua atribuição a partir da segunda quinzena de setembro. Isto foi indicado pelo Delegado Geral de Previdência Nacional e Solidariedade ontem na saída do terceiro conselho inter-ministerial para este programa e presidido pelo primeiro-ministro Abdoul Mbaye. Participaram da reunião, os parceiros técnicos e financeiros, como o Banco Mundial e o PNUD concordaram em apoiar o Governo neste programa social ambicioso. <<Temos o prazer de anunciar que as famílias vulneráveis ​​receberão seus primeiros pagamentos entre 15 e 30 de Setembro próximo. E nesse sentido, a participação dos parceiros técnicos e financeiros neste programa é mais reconfortante que deram um grande contributo técnico. Eles prometeram nos ajudar, fornecendo ao estado os recursos suficientes para nos ajudar especialmente na segmentação >> são as boas-vindas de Faye Mansour.
Para se beneficiar desse programa, ele lembrou que a família deve atender a dois critérios básicos: em situação de pobreza extrema e ter filhos com idade suficiente para ir à escola, ou seja, de 6 a 12 anos. E uma vez aceito pelo programa, a família deve atender a três condições, ou seja, manter e monitorar a frequência na escola do aluno, realizar regularmente atualização do cartão de saúde para crianças de 0-5 anos e inscrever o filho no estado civil. "O programa tem duração de três anos, durante os quais a família recebe uma quantia de 25.000 francos CFA por trimestre, ou 100 mil francos CFA por ano. Ela pode ser excluída do programa, se uma das condições não for atendida, incluindo os critérios para a manutenção e acompanhamento do aluno. Para o não cumprimento dos outros dois critérios, a família recebe avisos antes de qualquer exclusão ", disse Mansour Faye.

A seleção cuidadosa das famílias
50.000 famílias beneficiárias serão repartidas por quota seguidos de comunidades rurais e as comunidades da redondeza, referenciou o delegado geral salientando que os cartões de identificação já foram elaborados e serão brevemente enviados pelas autoridades locais. "Nós vamos responsabilizar as autoridades territoriais  de descentralização de como a identificação se fará em diferentes níveis. Há o comitê local chefiado pelo vice-prefeito e integra organizações comunitárias, associações desportivas, prefeitos, vereadores locais. É lá que ocorre a primeira etapa. Em seguida nós vamos ter uma outra seleção na comissão departamental sob a supervisão do prefeito perante a comissão regional, presidido pelo governador, não vai tomar o bastão ", aconselhou. E é somente após esse processo que a comissão de apoio técnico elaborará a lista final de beneficiários.

Uma maneira de lutar contra a exclusão social
Anunciado pelo Chefe de Estado Macky Sall, em seu discurso de Ano Novo para a nação, a abordagem do Programa Nacional de Bolsas de segurança da família é baseada na reconstrução da solidariedade e da redistribuição dos recursos com base na equidade e justiça social correspondente a formas de assistência social e útil para mitigar os riscos e os impactos da pobreza nos grupos sociais mais vulneráveis.
Seu objetivo é contribuir para a luta contra a vulnerabilidade e exclusão social das famílias através de uma proteção social integrada a fim de favorecer seus acessos a transferência e reforçar, entre outros, as suas capacidades educativas, produtivas e tecnológicas. Para fazer isso, ele tem de fornecer a 250 mil famílias vulneráveis ​​subsídios de 100.000 francos CFA por ano para fortalecer a sua subsistência e da sua capacidade educativa e produtiva. Este programa tem duas fases: uma fase piloto em 2013, com 50.000 famílias orientadas e fase de generalização a partir de 2014 para a meta de 250 mil famílias.

Por: Elhadji Ibrahima Thiam

fonte: lesoleil.sn

Total de visualizações de página