Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 20 de março de 2015

A República Democrática do Congo (RDC) vai deportar os ativistas do Senegal e do Burkina Faso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O regime do Presidente Joseph Kabila foi abalada nas ruas com violentos protestos em janeiro. FOTO | BBC

A República Democrática do Congo diz que vai deportar quatro ativistas pró-democracia do Senegal e do Burkina Faso presos no domingo.

Cerca de 20 outros ativistas foram presos no mesmo dia e ainda estão detidos.

Aqueles que enfrentam expulsão são membros de conhecidos grupos da sociedade civil que participaram nas revoltas populares em seus países.

O governo congolês diz que eles eram suspeitos de representar uma ameaça para a segurança do Estado.

O governo da República Democrática do Congo acusou os ativistas detidos de tramar uma insurgência com o apoio dos EUA, uma alegação que Washington negou.

Ele disse que o evento pró-democracia, co-patrocinada na capital, Kinshasa, foi apartidária.

Os três ativistas senegaleses foram parte de um "Y'en marre" (Já tivemos o bastante), que organizaram protestos para parar o então presidente do Senegal, Abdoulaye Wade de estender seu mandato para 12 anos em 2012, em desrespeito à Constituição.

O Burkinabé faz parte de Cidadãos do balayé (Citizen Broom), que ajudou a mobilizar as pessoas que derrubaramo longo período do governante do Burkina Faso Blaise Compaoré no ano passado.

A preocupação com a estabilidade no rico em recursos RDC tem sido crescente antes das eleições presidenciais marcadas para o próximo ano.

Pelo menos 40 pessoas foram mortas durante protestos em janeiro, depois de a oposição aumentar a preocupação de que o presidente Joseph Kabila planeja para atrasar as eleições, a fim de se manter no poder - uma acusação que o governo negou.

#africareview.com

Total de visualizações de página