Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 24 de março de 2015

Senegal: Veredicto do caso Karim Wade - 6 anos atrás das grades, 138 bilhões de Franco CFA em multa, a crônica de uma sentença anunciada.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Idy42012

Dois anos após a eclosão do processo contra Karim Wade e Companhia, o Tribunal de repressão de enriquecimento ilícito (CREI) emitiu o seu veredicto nesta segunda-feira, 23 de Março de 2015. A sentença não foi surpreendente. Karim Wade foi condenado e sentenciado a 6 anos atrás das grades, além de uma multa de 130 mil milhões de FCFA. O procurador, Antoine Diome também havia anunciado a cor: "Não há nenhuma possibilidade de que Karim escapa a uma condenação." Crônica de uma condenação anunciada.

 O caso começou a 02 de agosto de 2012, quando o procurador especial Alioune Ndao proibiu-o de sair do país e mais 25 pessoas apontadas por enriquecimento ilícito. Os conselheiros de Karim Wade depuseram recursos junto ao Tribunal de Justiça da CEDEAO, em uma sentença proferida em 22 de fevereiro de 2013, e constataram que a proibição de saída do território nacional "não tinha base legal" e que o promotor especial viola a presunção de inocência.

08 de novembro de 2012, numa conferência de imprensa, o procurador especial Alioune Ndao, cita os dignitários liberais como Karim Wade, Oumar Sarr, Abdoulaye Balde, Samuel Sarr Niang e Ousmane Ngom Madické, abrangidos pela...

Em 14 de novembro de 2012, o rali Karim Wade para Dakar a bordo de um Air France. Convocado pelos investigadores, ele se apresenta pela no dia seguinte para a Secção de Investigação da Gendarmerie Colobane.

Esta quinta-feira, 15 de novembro de 2012 é então o ponto de partida de um dos processos judiciais mais mediáticos da história do Senegal. Esta fase, que ele é chamado para audiências, ela não se concentra apenas no filho de Wade, uma vez que Bibo Bourgi, Pape Mamadou Pouye, Mbaye Ndiaye ..., desfilarão perante os investigadores durante vários meses.


Karim: "Eu sei que vou seguir para a cadeia"

Durante estas longas audiências, o caso do jato particular de Karim Wade, empresas de fachada que ele abrira, e que ele teria contas offshore nas Ilhas Cayman, as Ilhas virgens de Canárias e Monaco, estiveram no centro do debate. O governo do Senegal prestaria a mesma queixa em Paris contra Karim Wade em novembro de 2012.
Em dezembro de 2012, depois de várias audiências e confrontos, a investigação preliminar ficou completa. Karim sabe que seu destino está selado e claramente disse o Procurador Especial a seu tempo, Alioune Ndao: "De qualquer forma eu preparei minhas malas, porque eu sei que eu vou para a prisão."


O ex-ministro chamado para justificar a origem lícita de 693.000.000.000 FCFA

Em 15 de março de 2013, Karim Wade foi desafiado para justificar a origem lícita dos seus bens estimados em 693.000 milhões de francos CFA no prazo de 30 dias, de acordo com a Lei no Crei. Ele trabalha em suas respostas com seus advogados e, eventualmente, apresentará suas respostas no final do período.
Segunda - feira, 15 de abril, 2013, poucas horas após a apresentação de sua resposta à notificação de que foi encaminhado para ele, Karim foi detido e mantido sob custódia para Secção de Investigação da Gendarmerie Colobane. No dia seguinte, o promotor especial Alioune Ndao, ladeado por seu vice, Antoine Diome, enfrentou a imprensa, e revelou ter descoberto "uma verdadeira engenharia financeira fraudulenta", o que levou à prisão de Karim Wade e alguns de seus supostos cúmplices. Ele revela que tudo dependia "sobre um sistema com duas versões de nomeações."


O filho do ex-presidente e seus supostos cúmplices colocados sob custódia

Na quarta-feira, 17 de abril de 2013, Karim Wade e seus colegas réus são acusados ​​de enriquecimento ilícito e de cumplicidade no enriquecimento ilícito antes de serem colocados sob custódia na Casa de detenção Remand Rebeuss (Beira-Mar). Seis meses depois, Karim seria novamente convocado para Crei e recebe um segundo aviso em 17 de outubro de 2013.
18 abril de 2014, os ativos de Karim Wade foram drasticamente reduzidos pela instrução da Comissão ao Tribunal de supressão de enriquecimento ilícito. O que não deixa de suscitar surpresa. Quase 700 bilhões, que acabou por ser reduzida para 117 bilhões de FCFA.

O julgamento

Quinta-feira, 31 de julho de 2014, o julgamento de Karim Wade e Companhia começou. O primeiro dia foi marcado por adiamentos como no incidente criado por Moisés Rampino. O Ativista na causa de Karim Wade, que tinha proferido, na platéia, tratando os juízes de corruptos. Para esta "presunção", ele foi condenado a dois anos de prisão. Os dias que se seguiram foram essas da Batalha de procedimentos. Mas em 04 de agosto, o tribunal rejeitou a invalidade de exceções levantadas por advogados de Karim.

Karim: "Disseram-me que vocês me condenarão a 5 anos de prisão"

Em 1 de setembro de 2014, Karim Wade comemorava 46 anos na prisão de Rebeuss. Dois dias depois, ele declarou ao ao juiz em plena audiência pública: "Foi-me dito que vocês vão dar o veredicto em 15 de setembro e vocês me condenarão a cinco anos de prisão." Os juízes não retornaram.

Quarta-feira 12 novembro de 2014, golpe de teatro. Alioune Ndao, o procurador especial do Crei, foi demitido em audiência pública. A União dos Magistrados, muito chateada, encontrou "o processo muito sério e deselegante". Quinta-feira 22 de janeiro de 2015, o assessor Abu Yaya Dia, renuncia após uma briga com o presidente do Crei, Henry Gregory Diop.

Os advogados de Karim abandonam a audiência

Terça-feira 20 de janeiro de 2015, Karim adota nova estratégia: o silêncio. Seus advogados, em um comunicado, informaram a opinião de que "na sequência da brutalidade que sofreu, e dada a contínua violação dos seus direitos, o Sr. Karim Wade decidiu não comparecer perante o que ele considera um Crei de jurisdição política. Ele se recusa a participar de uma paródia de justiça e uma conspiração criminosa política ". Karim foi espancado por um guarda de prisão, enquanto seu advogado foi expulso da sala de audiências. Seu conselho então decidiu boicotar permanentemente o julgamento.

Me El Hadj Diouf, um dos advogados do Estado, em seguida, declarou que "Karim Wade criou as condições de sua sentença."

7 anos de prisão e 250 bilhões necessários de multa


11 de fevereiro de 2015, deposição dos argumentos. Sr. Moussa Sow Felix, um dos advogados do Estado, pediu no final do julgamento, em nome do Estado do Senegal 200 bilhões de FCFA em danos. Argumentos no final do qual, Me Clédor Ciré Ly, o advogado de Karim, disse: ". Eu ouvi os ataques, injúrias"

O Procurador Especial, Cheikh Tidiane Mara, que substituiu Alioune Ndao o procurador-geral do Tribunal de supressão de enriquecimento ilícito, por sua vez, requer sete anos de prisão, uma multa de 250 mil milhões contra Karim Wade, a perda de direitos cívicos a Karim, entre outros.


O Procurador Diom "Não há possibilidade de Karim escapar a prisão"
17 de Fevereiro de 2015, o promotor Antoine Diome, disse: "Só as propriedades declaradas em nome de Karim Wade são amplamente suficientes para condená-lo do crime de enriquecimento ilícito. Não há absolutamente nenhuma possibilidade de que Karim Wade escape a prisão "fatia Diome, o promotor. "Em termos de provas, nós ainda vamos muito por onde escolher", acrescenta ele.


Wade: "Eu não vou aceitar que condenem Karim"
No entanto, Abdoulaye Wade, ex-presidente e pai de Karim Wade argumenta que, não há dúvida de que seu filho foi condenado. "Eles fazem o que eles querem fazer, mas eu não aceito que condenem Karim", diz ele. Não parando na pista, ele ativa o seu partido, finalmente, a escolher Karim Wade como o candidato para as próximas presidenciais do PDS.

Não é ao acaso. Esta segunda-feira, 23 de março de 2015, Karim Wade acabou por ser condenado por enriquecimento ilícito e condenado a 6 (seis) anos de prisão, e multa de 130 bilhões de FCFA.

#seneweb.com

Tribunal de Luanda suspende julgamento do ativista Rafael Marques até 23 de abril.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Julgamento do ativista Rafael Marques vai prosseguir a 23 de abril, decidiu o juíz do Tribunal de Luanda, para permitir uma melhor consulta do processo face aos argumentos apresentados pela defesa.

Rafael Marques no Tribunal Provincial de Luanda no início do julgamento

Começou esta terça-feira (24.03), em Luanda, o julgamento do jornalista e ativista dos Direitos Humanos, Rafael Marques, num processso em que é acusado de denúncia caluniosa por sete generais do regime angolano.

Além dessa acusação feita pelo Ministério Público, foi também conhecida uma outra, desta vez relacionada com crime de difamação apresentada por uma empresa de exploração diamantifera e que vem mencionada no livro “Diamantes de Sangue”.

Parte do julgamento foi à porta fechada

Na sessão do julgamento, cujo início ocorreu por volta das 10 horas da manhã desta terça-feira (24.03), após as partes em litígio terem apresentado os seus argumentos de defesa, o juíz do processo Adriano Cerveira Baptista, determinou que o julgamento decorresse à porta fechada, uma medida que não foi contestada pelos advogados de ambas as partes, apesar de terem apelado para que o julgamento não fosse secreto.
"Estou calmo e preparado para o julgamento", disse em entrevista à DW África Rafael Marques na véspera do início do processo (23.03)
Ao fazer a leitura da acusação, o magistrado do Ministério Publico, Lucas Miguel Janota, disse que os relatos descritos no livro ''Diamantes de Sangue: Tortura e corrupção em Angola'', da autoria de Rafael Marques estão revestidas de falsidade.

"O arguido, sabia e sabe da falsidade das suas implicações quanto à autoria ou comparticipação da participante e ofendida nos alegados crimes descritos na sua queixa apresentada à Procuradoria Geral da República de Angola. Com o seu comportamento, o arguido Rafael Marques de Morais, cometeu um crime de denúncia caluniosa".

Em resposta, a defesa de Rafael Marques, na voz do advogado Luís do Nacimento, alegou que a acusação do Ministério Público não tem qualquer base de sustentação.
"Esta acusação não consegue preencher o elemento objetivo nem o elemento subjetivo do tipo criminal de denúncia caluniosa. A acusação atropela várias garantias e normas fundamentais da Constituição da República de Angola. Não apresenta factos que a sustentem, antes, ficando por afirmações inconclusivas sem fundamento".

Ministério Público a favor dos generais?
Além disso, o advogado de Rafael Marques acusou ainda o Ministério Público de se ter colocado a favor dos generais queixosos desde o inicio desse processo. Luís do Nacimento, deu como exemplo, o facto das contas bancárias do jornalista e defensor dos Direitos Humanos terem sido grampeadas, o que por si só, fundamenta o advogado de Marques, constitui uma clara perseguição ao seu constituinte.
Luís do Nascimento, Advogado de Rafael Marques
"Este Ministério se afastou dos princípios de objetividade e legalidade de forma constante neste processo. São exemplos disso a realização de levantamento de sigilo bancário e análise dos motivos migratórios do arguido.
Na verdade, numa investigação por denúncia caluniosa não se vislumbra qualquer necessidade nem fundamento de investigar contas bancárias ou viagens. Resulta pois que a execução dessas diligências se está perante uma eventual perseguição do homem (ad hominem)".

Vários ativistas cívicos de organizações dos direitos humanos nacionais e internacionais estiveram presentes na abertura do julgamento, onde foi notória a ausência dos líderes dos partidos políticos da oposição.

Entretanto, nesse primeiro dia do julgamento de Rafael Marques registou-se nos arredores do Tribunal Provincial de Luanda um enorme aparato da Policial Nacional, coadjuvada pelos serviços secretos e a Policia Militar.

Polícia detém jovens em frente a tribunal onde decorria julgamento de ativista
Livro "Diamantes de Sangue: Tortura e corrupção em Angola" da autoria de Rafael Marques
A Polícia Nacional de Angola deteve pelo menos cinco jovens, por tentativa de manifestação junto ao tribunal onde decorria o julgamento do ativista angolano Rafael Marques. O incidente teve lugar com um grupo de jovens que compareceu no local para assistir ao julgamento.

Os jovens exibiam no exterior do tribunal exemplares do livro "Diamantes de Sangue: Tortura e Corrupção em Angola", de Rafael Marques, que deu origem ao julgamento.

Na sua ação, o grupo pedia a libertação de Marques e a detenção de um dos queixosos, o ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior, conhecido como "Kopelipa".
#dw.de

Guiné-Bissau cita representatividade nacional na Mesa Redonda de Bruxelas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Acesse o Link abaixo e leia a notícia:

AQUI.

# RÁDIO ONU.

Total de visualizações de página